CRÔNICAS

O DICIONÁRIO DE TURISMO DO BERINHO

Em: 14 de Março de 2010 Visualizações: 11445

O escritor irlandês Oscar Wilde escreveu e publicou uma crítica literária impiedosa de um livro que, como depois confessou, ele não leu  Questionado sobre a legitimidade de tal julgamento, ironizou:

- Nunca leio os livros que critico, para não me deixar influenciar pelo seu autor.

Não segui o seu conselho. Li de cabo a rabo o “Dicionário de Turismo”, de Robério Braga, sempiterno Secretário de Estado da Cultura, Turismo e Desporto do Amazonas. Dessa forma, peço desculpas ao leitor se perdi a objetividade e me deixei fascinar pelas pérolas que lá encontrei.

Os comentários que vou fazer aqui estão, portanto, contaminados por esse fascínio. Quem me vendeu o peixe foi Elson Farias, um poeta dos bons, que escreveu a orelha do dicionário e nos garante que ele pode ser útil aos turistas, agências de viagem e profissionais do setor: “Tenho certeza de que este é um livro escrito para servir” concluiu o poeta.  Acreditei. Comprei um exemplar.

O livro editado em São Paulo foi impresso em Erechim (RS), financiado pela Fundação Lourenço Braga, de Manaus que, por acaso, pertence à família do autor. Para testá-lo, imaginei como poderia ser usado por um turista gaúcho que quer conhecer a Amazônia e que pegou lá na gráfica de sua cidade um exemplar dessa obra-prima de Robério Braga – o Berinho.

A primeira indecisão do Gauchão é na compra das passagens. Consulta, então, o dicionário do Berinho e lá, na letra “B” (pg. 46) encontra duas definições geniais, que vou colocar entre aspas para não pensarem que estou plagiando criação alheia. 

 “Bilhete de Ida – Aquele que cobre apenas uma direção”.

Bilhete de ida-e-volta – aquele que cobre a viagem de ida-e-volta”.

O Gauchão vacila, não crê no que seus olhos leem: “Será que entendi bem?”. Tira a dúvida com outro verbete na letra “I”, onde Berinho insiste:

Ida-e-volta – viagem em que o passageiro retorna, pelo mesmo itinerário, ao ponto de partida” (p.144).

O Gauchão fica confuso, porque deseja voltar de Manaus a Porto Alegre por outra rota, via Alto Solimões, onde pretende ver as obras fantasmas do governador Dudu Braga. Mas, nesse caso, a viagem é de ida-e-volta ou só de ida? Na letra “V”, Berinho, que está obcecado com idas e voltas, liquida de vez o assunto:

Viagem – Deslocamento de uma pessoa para localidade diversa de sua residência. Viagem de ida-e-volta, que pode ser realizada: a) de um ponto a outro com a volta pela mesma rota; b) com a volta por uma rota diferente” (p.235).

Barbaridade, tchê! O Gauchão, que podia muito bem se confundir, achando que o bilhete de ida-e-volta podia ser só de ida, fica devidamente esclarecido com a sacação do Berinho. Suspira aliviado, mas logo enfrenta outro problema: “como é que transporto minhas roupas?” – ele se pergunta, angustiado. Corre ao dicionário e lá encontra a resposta:

Mala – Do francês Malle. Caixa de madeira, lona, plástico ou fibra, usada para transporte de roupa e utensílios de viagem” (p.186). (Nada é dito sobre “mala sem alça”, talvez porque o autor não gosta de aparecer e evita personalizar com dados autobiográficos).

Com as malas arrumadas, Gauchão quer saber para onde deve ir com sua bagagem. Graças a Deus, Berinho, com aquela lucidez que lhe é peculiar, previu tudo e dá a dica:

Aeroporto – Local ou aeródromo que possui instalações e serviços públicos permanentes para o funcionamento regular do tráfego aéreo, com embarque e desembarque de passageiros e de carga. Local constituído de uma ou mais pistas de aterragem” (p.14).

Consciente de seu destino, louco para “aterrar” logo em Manaus, Gauchão ruma ao aeroporto, onde enfrenta novo dilema: “Como carrego minha mala?”. Ah, seus problemas acabaram! Berinho é gerente das Organizações Tabajara. O gaúcho conferiu na letra “C”:

Carrinho de bagagem – Pequeno carro, de arame de aço inoxidável, destinado ao transporte, pelo passageiro, de bagagem pessoal nos aeroportos e estações ferroviárias” (pg.62).

Quem diria, hein? A genialidade dessa obra-prima da lexicografia amazonense está no detalhe: não é qualquer arame, é de aço, não é qualquer aço, é inoxidável. Graças às dicas do Berinho, Gauchão, empurrando seu carrinho, se pergunta o que vai fazer no fim de semana. Busca ajuda e encontra a seguinte joia na letra “F”:

Fim de semana – período semanal que abrange normalmente o sábado e o domingo, e que possui, em turismo, expressão especial pela possibilidade que oferece para viagens de curta duração a tarifas reduzidas” (pg.118).

Gauchão capta a profundidade da coisa. O fim de semana do Berinho é, normalmente, sábado e domingo. NORMALMENTE! Quem acha a definição esdrúxula é porque desconhece que o fim de semana no Congresso Nacional abrange também segunda e terça-feira e, na Bahia, todos os dias da semana.

Gauchão decide, então, passar um fim de semana normal em Itacoatiara. Aluga um carro. Quer encher o tanque. Abre o “Berinho”, buscando a solução. Encontra:

Bomba de gasolina – metonímia usada para denominar um conjunto de instalações destinadas a prover veículos motorizados de combustível, lubrificantes e afins (ing) – Gas station”.(pg. 48).

O turista gaúcho pergunta a um taxista amazonense se tem alguma metonímia por perto. O cara respondeu: - “Fudereteu! Eu pensava que sabia o que era uma bomba de gasolina, mas agora deixei de saber”. Aqui faço uma crítica construtiva, é claro: se a próxima edição for ilustrada, com foto de um posto, o dicionário será mais útil ainda.

Finalmente, nosso Gauchão, que está com uma caganeira de um tacacá mal digerido, encontra um posto. Procura desesperadamente o verbete WC ou banheiro, mas o dicionário não registra nenhum dos dois. Coitado, para se aliviar, ele corre pra trás de uma moita num terreno baldio e obra. Depois, no sufoco, usa as páginas arrancadas da obra do Berinho, comprovando uma vez mais sua utilidade.
 
As más línguas dizem que o conteúdo do livro é “para encher linguiça”. Berinho abre, por exemplo, na letra V o verbete “Vozes de Animais”, nos ensinando que “a abelha zumbra, a andorinha gazea, o camelo blatera, a onça esturra, o peru gruguleja e o burro azurra”, etc.etc (pg. 246). Em que isso pode servir ao turista? Confesso minha ignorância. Talvez o poeta Elson Farias, que avalizou a obra, possa nos dizer numa próxima edição, aumentando a orelha do livro, como uma homenagem ao azurrante autor.

Diante desse monumento lexicográfico, não faltarão invejosos para dizer que o dicionário do Berinho, com suas ululantes obviedades, representa a derrota do pensamento no Amazonas. Ledo engano! O autor da obra é membro da Academia Amazonense de Letras e tem o aval absolutamente desinteressado de um poeta de renome. Além disso, é coerente na sua adesão ao poder, adotando a máxima: “Hay gobierno? Soy a favor”.

Com fidelidade canina, Berinho serviu a todos os governos na ditadura militar. Foi filiado à Arena, ao PFL, ao DEM, ao PTB, pertence agora à base aliada, e se o PSOL tomar o poder, ele pedirá sua carteirinha do partido. Com esse livro, a Secretaria de Cultura (Berinho) fez um baita investimento cultural, repassando recursos para a Fundação Lourenço Braga (Berinho). Mas valeu a pena. O turista tem, assim, uma tomografia da intelligentzia local oficial. Afinal, seu autor foi presidente da Academia Amazonense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do Amazonas.

O que seria do turista sem esse dicionário? Não saberia sequer distinguir um bilhete de ida de outro de ida-e-volta. O preço do livro é salgado - 42 reais – mas compensa. É verdade que sua compra causou um rombo nas minhas combalidas finanças. Já que o adquiri não para usufruto pessoal, mas por razões profissionais, estou pedindo ressarcimento ao Cirilo e ao Batará, donos do Diário do Amazonas. É possível que alguns leitores dessa desinteressada resenha queiram comprar o dicionário, assim solicito ao Berinho uma comissão de dez por cento  pela propaganda desinteressada. É razoável.

P.S. - O Dicionário omite na letra Z o verbete "ZECA, de Zeca Nascimento, que nesse sábado completou 55 anos de idade, abençoado por todos os orixás, por Santa Edwiges – virgem e mártir - e por Santa Chachá, nem uma coisa, nem outra, padroeira dos glutões, dos amantes da vida e dos que cultivam a amizade". Os parabéns da coluna a ele que doou 15 mil metros quadrados a dezenas de família da Comunidade Santa Edwiges em Manaus.

Robério Braga. Dicionário de Turismo. Fundação Lourenço Braga. Uniletras Editora. São Paulo. 2003. 255 pgs.


 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

29 Comentário(s)

Avatar
Luciano Santos comentou:
28/03/2010
Caro Professor Bessa. Ainda não estou acreditando no que descreveste acerca desse dicionário. Trabalhei na Biblioteca Pública Estadual como estagiário e sei muito bem como essas grandes obras da literatura do Berinho são produzidas...Como pesquisador da área de Antropologia e Turismo fica em dúvida: comprar ou não comprar? Ter um exemplar pode servir até para fazer piadinhas nos círculos de amigos...e se o que o senhor escreveu nãop for verdade, certamente a obra me ajudará a sair de lugar n
Comentar em resposta a Luciano Santos
Avatar
Augusto comentou:
24/03/2010
Gostaria de recomendar a leitura do livro e postar o link pra download em meu blog, para isso preciso da autorização do autor. Atenciosamente, Augusto Silva
Comentar em resposta a Augusto
Avatar
Pedro Afonso comentou:
18/03/2010
Pedro Afonso, no blog do Sarafa 15.03.2010 . 5:34 pm Prof. Bessa simplismente 10 seu comentario. Gostei do “eterno” secretario de cultura. Como dizem nossos jovens: ele se acha!!!
Comentar em resposta a Pedro Afonso
Avatar
José Prazertes comentou:
18/03/2010
José Prazeres no Blog do Sarafa 15.03.2010 . 5:28 pm Sarafa, O que seria de nós se não tivessemos as informações do José Ribamar Bessa Freire
Comentar em resposta a José Prazertes
Avatar
Ana comentou:
18/03/2010
Bessa adoro todas as tuas crônicas e leio tudo, sempre. Mas essa.... quando lembro das pérolas do Berinho HAHAHAHA!!! Nem o Oscar Wilde seria capaz de nos fazer sorrir por tanto tempo. Concordo que o "dicionário" - se é que podemos chamá-lo assim, -será mais útil em momentos de sufoco, atrás de qualquer moita de mato. Adorei Bessa!!!!
Comentar em resposta a Ana
Avatar
Marcelo Costa comentou:
17/03/2010
Meu Deus! Ri às pampas! Vou recomendar. Seu texto, não o livro. Comentário por Marcelo Costa, publicado no Blog da AmazôniA (Terra)
Comentar em resposta a Marcelo Costa
Avatar
Psicologo comentou:
17/03/2010
PSICÓLOGO escreveu em 13/3/2010, às 14:41: Parabens Bessa, primeiro pra vc, que externou o verdadeiro responsável por uma solução que seria obrigação do estado aliás que estado (Amazonas, parece mais um estrado, aquele que fica em cima é o que detém o poder e unicamente o poder, ai o poder, mas deixa pra lá, e segundo ao aniversariante do dia que pouco conheço porém não me surpreendeu a atitute nobre, mais uma vez parabens pelo aniversário e pela atitude. Agora bessa, aqui vai uma sugestão, c
Comentar em resposta a Psicologo
Avatar
manauara comentou:
17/03/2010
No blog do holanda, MANAUARA FOKER escreveu em 13/3/2010, às 16:00: ADMITO QUE NUNCA LEIO O BESSA POR QUERER ME POUPAR DE SUA ANTIPÁTICA NOÇÃO DE TUDO E DE TODOS. MAS RETRATO-ME DESDE JÁ E ELOGIO ESSA MATÉRIA. CÔMICA E INCLEMENTE ! SÓ MESMO O ROBÉRIO BRAGA SERIA CAPAZ DE ME FAZER APRECIAR TANTO UMA CRÔNICA DEBOCHADA E DESCREDENCIADORA COMO ESTA. PERGUNTA AO BESSA : CONSTA, NESSA IMPERDÍVEL OBRA-PRIMA, O VERBETE "LEZO" ? OU O AUTOR TAMBÉM O OMITIU PARA EVITAR AS, JÁ MENCIONADAS, C
Comentar em resposta a manauara
Avatar
Clarividente comentou:
17/03/2010
No blog do Holanda, CLARIVIDENTE escreveu em 13/3/2010, às 16:35: Bessa, realmente é uma radiografia do que é o Estado do Amazonas. Esse rapaz hoje manda em todos os prédios públicos tombados ou não, na maioria das pessoas que estão dentro dos prédios e até na Academia Amazonense de Letras, cujas vagas são destinadas aos amigos do rei. É esse escritor ilustre que "doou" o Sambodrómo para uma empresa privada, que permite uma festa do Banco do Brasil ou o aniversário da Rádio Difusora no Tea
Comentar em resposta a Clarividente
Avatar
comentou:
17/03/2010
No blog do holanda, CHICO escreveu em 13/3/2010, às 18:21: Obviamente que depois de ler este brilhante prefácio, não cometerei o mesmo erro do nobre colunista que investiu seu parco dinheiro em uma obra que, no auge do desespero, revelou sua real utilidade "atrás de uma moita num terreno baldio".
Comentar em resposta a
Avatar
Ajuricaba comentou:
17/03/2010
No blog do holanda, AJURICABA escreveu em 14/3/2010, às 06:11: Posso não concordar com tudo que o bessa escreve, principalmente quando se trata de indígenas, mas é uma pessoa de rara inteligência que sabe escrever como poucos. O Robério é um excelente advogado eleitoral, talvez o melhor da região, mas quando se trata de cultura parece estabelecer a ditadura mais prolongada da história do Brasil.
Comentar em resposta a Ajuricaba
Avatar
Israel comentou:
17/03/2010
No blog do holanda, ISRAEL LEIBNITZ escreveu em 14/3/2010, às 06:14: Ele me deu forças para escrever o "Manual da leizeira baré", mas acho que tem gente a frente!
Comentar em resposta a Israel
Avatar
Marcelo comentou:
17/03/2010
No blog do Holanda, MARCELO escreveu em 15/3/2010, às 07:43: Dizer que o bebe é ótimo secretário só pode ser brincadeira. Tire pelo número de bibliotecas na cidade e pelo acervo...o festival de ópera é pra inglês ver mesmo, assim como o festival de cinema. O que fica para nós?! NADA. Simplesmente nada é revertido em prol da comunidade, as pessoas vem do quinto dos infernos pra comer e beber às nossas custas e não deixam nada.Ou alguém tem conhecimento de alguma, mesmo que incipiente, indústri
Comentar em resposta a Marcelo
Avatar
comentou:
17/03/2010
MARCELO escreveu em 15/3/2010, às 07:43: Dizer que o bebe é ótimo secretário só pode ser brincadeira. Tire pelo número de bibliotecas na cidade e pelo acervo...o festival de ópera é pra inglês ver mesmo, assim como o festival de cinema. O que fica para nós?! NADA. Simplesmente nada é revertido em prol da comunidade, as pessoas vem do quinto dos infernos pra comer e beber às nossas custas e não deixam nada. Ou alguém tem conhecimento de alguma, mesmo que incipiente, indústria cinematográfica
Comentar em resposta a
Avatar
comentou:
17/03/2010
No blog do Holanda, JOSÉ PRAZERES escreveu em 15/3/2010, às 13:13: Holanda, O que seria de nós se não existisse o José Ribamar Bessa Freire!
Comentar em resposta a
Avatar
Valéria Costa comentou:
17/03/2010
No blog do Holanda, VALÉRIA COSTA escreveu em 16/3/2010, às 08:31: Ribamar Bessa. Esse é o artigo mais hilário que já li. E mais lúcido. Tô rindo até agora. Parabéns!!
Comentar em resposta a Valéria Costa
Avatar
Dionisio Paixão comentou:
17/03/2010
No Blog do Holanda, DIONYSIO PAIXÃO - ADVOGADO escreveu em 16/3/2010, às 13:35: PREZADO HOLANDA - VAI SER A MENSAGEM MAIS CURTA QUE JÁ ENVIEI AO BLOG: - BESSA PARA GOVERNADOR DO AMAZONAS! E TAQUI PRA OCÊS!
Comentar em resposta a Dionisio Paixão
Avatar
Geraldo Souza comentou:
17/03/2010
Bessa, Desculpe a insistência: você acessou o blog do holanda? Ele tem um reloginho com o número de visitas a cada notícia que publica. No dia 17/03, quarta-feira, às 12:00 horas, seu artigo o Dicionário do Berinho já havia sido lido 1423 vezes. Tinha 21 comentários. Se você quiser, posso copiar e te enviar alguns. abs. Geraldo
Comentar em resposta a Geraldo Souza
Avatar
Eduardo comentou:
17/03/2010
Parabéns, inteligência e humor. Mas é uma vergonha tal dicionário.
Comentar em resposta a Eduardo
Avatar
Rose comentou:
16/03/2010
Babá, realmente é a cara do Heyrton, eele iiria rolar de rir. bjs
Comentar em resposta a Rose
Avatar
Célia comentou:
16/03/2010
Genial! Fazia tempo que não ria tanto. Fico feliz por você fazer o que faz. É sinal que ainda há vida amazonense inteligente. Que bom! Abraços Célia
Comentar em resposta a Célia
Avatar
Fernando comentou:
16/03/2010
Caro professor Bessa, essa charge é uma daquelas que, quando a gente termina de fazer, diz que valeu a pena. Textos como o seu parece que já vem com mil opções de ilustração.Estou terminando uma para o texto do meu amigo palestino Kais Ismail. Trata-se de uma das mais objetivas denúncias de racismo que já li.Vou lhe enviar tudo quando estiver pronto. Abraços Fernando
Comentar em resposta a Fernando
Avatar
Claudinha comentou:
16/03/2010
Caro Beça.. Me pergunto como consegui viajar por quase 20 anos sem esse guia... O risco que corri nesses anos todos, sem o apoio dessa obra prima dos mochileiros,maleiros e todos que curtem viajar... É de lascar! Como é pávulo esse Berinho.... Eu hein....
Comentar em resposta a Claudinha
Avatar
André Ricardo Costa comentou:
15/03/2010
sei não... a parada vai ser mais dificil esse ano... a mamata pode acabar...
Comentar em resposta a André Ricardo Costa
Avatar
Urda comentou:
15/03/2010
Por favor, nunca siga Oscar Wilde e leia todos os livros que criticar. Impagável! Como conheço diversas antas equiparadas, sei bem do que você fala! Como é que alguém neste mundo consegue sobreviver sem um livro destes? Você é o máximo! Abraço, Urda.
Comentar em resposta a Urda
Avatar
João Barros Carlos comentou:
14/03/2010
Babá, quer dizer que além do "Aurélio", agora temos o "Burrélio" ( pai dos burros dos turistas )? Psssiiiiuuu, fala baixo, porque com a propaganda pode virar "best-seller". Ah, sim, desculpe, lembrei da tua possível comissão! Manda ver.
Comentar em resposta a João Barros Carlos
Avatar
Fábio Machado comentou:
14/03/2010
De fato, um crônica muito bem feita e engraçada! Parabéns e obrigado por nos alertar do PE-RI-GO, que esta obra litarária amazonense, cujo o autor foi membro da ilumidada e distinta casa( A academia Amazonesnse de Letras ), pode cusar a nossa massa cinzenta, acho que ainda continuo confuso com tanta "ida e volta", vou alí rapidinho no "metonímia" encher meu tanque e já volto...
Comentar em resposta a Fábio Machado
Avatar
Esteban Celedón comentou:
14/03/2010
Caro Bessa, sugiro que escreva o “Guia para entender o dicionário do berinho”, desta forma, nos ajuda a compreender essa enigmática obrar sem a necessidade de lê-la, e, “a la Oscar Wilde”, poderíamos fazer “uma crítica literária impiedosa” ao, nada esclarecedor, dicionário. Creio que o escritor irlandês iria morrer de ciúmes da sua crítica inteligente e bem humorada. Obrigado. Esteban.
Comentar em resposta a Esteban Celedón
Avatar
Professor comentou:
13/03/2010
Sempre leio seus textos. Espanta-me essa escrita ácida e bem direcionada aos "brilhantes políticos" desse Estado, onde a maioria prefere fingir-se de cega. Parabéns.
Comentar em resposta a Professor