arqueologia

.« Eu quero ser enterrado, como meus antepassados, No ventre escuro e fresco, de uma vasilha de barro». (Gonzalo Benitez, poeta equatoriano) Durante mais de mil anos, os moradores da margem esquerda do rio Negro, próximo a sua foz, reverenciaram como sagrado aquele ped...

Detalhes

“Eu quero ser enterrado, como meus antepassados, /no ventre escuro e fresco, de uma vasilha de barro». (Gonzalo Benitez, poeta equatoriano, 1942) Durante 1.200 anos, moradores da margem esquerda do rio Negro enterravam seus mortos dentro de igaçabas – um pote de barro c...

Detalhes