CRÔNICAS

MANIFESTO DOS MORTOS EM DEFESA DA UERJ

Em: 25 de Junho de 2017 Visualizações: 5169
MANIFESTO DOS MORTOS EM DEFESA DA UERJ

“Se o mundo vier a desaparecer, mas uma só universidade for poupada, a partir

exclusivamente dela poderemos reconstruir uma grande parte do saber atual”.

(Theodor Berchem, 1990)

Aos 24 dias do mês de junho de 2017, às 7h00, foi aberta no Auditório das Almas Imortais, sob a presidência de Dirce Côrtes Riedel, professora de Literatura Brasileira, a assembleia geral dos docentes que, em vida, ajudaram a construir a Universidade do Estado do Rio de Janeiro e hoje habitam a Morada do Além. Da pauta constou um único ponto: a situação da UERJ, que atravessa a maior crise de sua história com salários e bolsas atrasados, bandejão fechado, laboratórios e equipamentos sucateados, condições de estudo deterioradas, verbas de projetos de pesquisa bloqueadas, serviços de limpeza, manutenção e segurança bastante precários. “A Uerj, definitivamente, não está normal” – declarou a presidente.

Anísio Teixeira, o primeiro orador inscrito, lembrou a aula inaugural ministrada em 1952 na então Universidade do Distrito Federal (UDF), transformada depois em Universidade do Estado da Guanabara (UEG) e finalmente na UERJ, que hoje conta com 42 mil alunos, 2.600 professores e 5.800 servidores técnico-administrativos, num total de mais de 50 mil pessoas, avaliada pelos órgãos credenciados como a 5ª melhor do país e a 11ª da América Latina.  

Num aparte, Tereza Barbieri chamou a atenção para o lugar da Uerj no ranking de universidades, que não é fake como o clima de Tubiacanga, mas resultado de aplicação de critérios objetivos e mensuráveis. Acrescentou que hoje a Uerj possui cursos qualificados de graduação e pós-graduação em todos os campos do saber e que a semente plantada na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Instituto La Fayette, em 1942, frutificou.

Em seguida, Wilson Choeri registrou a construção do campus universitário inaugurado em 1976, numa área de 150.000 m², no bairro do Maracanã, Zona Norte do Rio, no terreno ocupado pela “Favela do Esqueleto”. Trata-se de um conjunto de 12 andares e 5 edifícios de apoio, pavilhão de vários pavimentos, Concha Acústica, Auditório Central, Capela Ecumênica, e Restaurante Universitário. São 300 salas de aula, 12 bibliotecas, 24 auditórios e 111 laboratórios – disse.

A palavra foi concedida ao ex-diretor da Faculdade de Ciências Médicas, Américo Piquet Carneiro, que ressaltou o papel desempenhado pelo Hospital Universitário Pedro Ernesto na formação de profissionais da área de saúde e, especialmente, no atendimento à população carente. O hospital realiza cirurgias em mais de 60 especialidades, com procedimentos sofisticados: cirurgias cardíacas, transplantes de rim e de coração.

- A Policlínica que hoje leva meu nome – disse Piquet Carneiro – é o maior posto de assistência médica da América Latina, com suas 23 especialidades médicas, atendendo em média 30 mil pacientes por mês.

- Esse patrimônio histórico, cultural e educacional pertence ao povo do Rio de Janeiro e não pode ser jogado na lata do lixo – aparteou Alexandre Adler, que exibiu carta recebida do mundo dos vivos dando conta da existência do Centro Universitário do Controle do Câncer, inaugurado em 2002. Foi apoiado por Antônio Augusto Quadra, que na ocasião mencionou a existência de inúmeros cursos de pós-graduação na área e de 53 programas de Residência Médica. Informou ainda que a Faculdade de Odontologia realiza 3.000 atendimentos odontológicos por semana, com mais de 25.000 pacientes inscritos.

Outros professores, funcionários e alunos que deixaram o mundo dos vivos deram depoimentos, cada um avaliando a contribuição dada no seu campo de saber, na formação de milhares de profissionais que atuam no Brasil e no exterior, na criação de novos conhecimentos, no ensino ministrado em vários municípios onde a Uerj instalou campi: além do Rio, Duque de Caxias, São Gonçalo, Ilha Grande, Nova Friburgo, Petrópolis, Teresópolis e Resende.

- Hoje acordei pra luta – anunciou Hélio Barreto, que comunicou haver recebido de Ricardo Zentgraf, da Eduerj, através das nuvens, o livro eletrônico gratuito organizado por Phellipe Marcel, Iuri Pavan e Mauro Siqueira com depoimentos de acadêmicos e funcionários, inclusive de outras universidades, em defesa da Uerj. Barreto se definiu como politicamente conservador, mas ao concluir sua fala, deu um abraço no estudante de medicina Luiz Paulo Cruz Nunes, assassinado em 1968 pela polícia, que invadiu o Hospital Universitário para reprimir os estudantes. “Agora A UERJ NOS UNE” – declarou.

Na sequência, José Flávio Pessoa de Barros deu informe sobre correspondência enviada pelo médico Emílio Mira y Lopez, que coordenou recentemente um ato no hall dos elevadores organizado pelo Programa de Estudos e Pesquisas das Religiões (PROEPER), quando a Uerj foi abençoada e todas as energias para ela convergiram.  

Um burburinho percorreu o Auditório das Almas. A professora Teresinha Valladares, conhecida como “La Pasionária”, fez um discurso inflamado, defendeu uma “Uerj sem muros” e exigiu a presença na próxima assembleia, a ser realizada naquele auditório, dos responsáveis pelo sangramento da instituição, nominando Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, Luis F. Pezão, Jorge Picciani, Rodrigo Maia, Moreira Franco e Michel Temer.

- Nós exigimos a presença deles aqui, onde serão abrigados no Presídio do Além Bangu. Quanto mais rápido tomem o caminho do Além, sem passagem de volta, melhor. Que fiquem aqui e prestem contas de seus atos – discursou Valladares sobre aplausos gerais. A convocação dos citados foi aprovada por unanimidade para que sejam julgados como réus nos bancos do STJF – Supremo Tribunal do Juízo Final, onde o negócio é pra valer, sem o lero-lero de nenhum Gilmar Mendes.    

- Que os sangradores da Uerj venham para cá, mas que a universidade permaneça lá no mundo dos vivos – disse o ex-diretor da Faculdade de Direito, Isaac Benjó, que cobrou uma liminar cautelar para o pagamento do 13º. salário do ano passado, os salários atrasados e as bolsas dos alunos para evitar danos irreparáveis. – “Periculum in mora” -  declarou o jurista, o que foi traduzido como “É ai que mora o perigo”, pelo ex-professor de latim da Universidade do Amazonas, Agenor Ferreira Lima – o Agenorum.

A professora Creusa Capalbo, a última a chegar, lembrou que os signatários do manifesto, quando atuavam no plano da vida material, pertenciam a diferentes campos do saber, tinham interesses acadêmicos e políticos discrepantes e visões discordantes sobre o modelo de universidade a construir e sobre o que era melhor para o Brasil. “O conhecimento é filho do embate de ideias e não da simpatia” - disse. As divergências continuam no mundo fluídico, mas os participantes se uniram para declarar o apoio aos vivos, que lutam para impedir a morte e o sepultamento da Universidade.

O professor Jader Benuzzi Martins, físico e matemático de renome, recém chegado no último 3 de junho, fez questão de citar Theodor Berchem, ex-reitor da Universidade de Wurzburg, na Alemanha, na conferência de abertura do IX Congresso Geral da Associação Internacional de Universidades, realizada na Finlândia, em agosto de 1990, com a presença de centenas de reitores do mundo inteiro, entre os quais Ivo Barbieri.

- Se o Rio de Janeiro acabar, mas a UERJ se salvar – disse Jader - é possível reconstruir o Rio com os profissionais formados por nossa universidade, com o saber existente nos livros da Rede Sirius de bibliotecas e no cérebro de nossos pesquisadores e alunos.  

No final, foi aprovado um manifesto, convocando os presentes a apoiarem, do lugar onde estão, a greve geral do dia 30 de junho, sexta-feira, e marcha em defesa da UERJ que será realizada no dia 7 de julho, quarta-feira.  

A palavra foi franqueada aos patriarcas da educação presentes, entre os quais Maria Yedda Linhares e Tom Jobim agraciados em 1990 com Medalha da UERJ, Paulo Freire, Sobral Pinto, Sérgio Arouca, Betinho, Henfil, Paulo Autran, Mário Lago, Milton Santos, Hélio Pelegrino e gente do mundo das letras, das artes e da cultura popular, com destaque para os que vestiram a camisa da UERJ: Garrincha, Cartola, Nise da Silveira, Chiquinha Gonzaga, Noel Rosa, Zuzu Angel, Darcy Ribeiro, Leila Diniz, Clementina de Jesus, assim como Pixinguinha e outros integrantes da Estação Primeira de Mangueira, Nelson Cavaquinho e Carlos Cachaça. Assinaram o livro de presença Machado de Assis, Lima Barreto, Nelson Rodrigues e tantos outros.  

Não podia faltar, é claro, o cacique Verá Mirim, da aldeia Sapukai, de Angra dos Reis, que em vida participou de inúmeras atividades na UERJ. 

A assembleia foi encerrada ao meio-dia – hora do Além - e o Taquiprati, psicografou a presente ata, cuja versão impressa será publicada em Manaus, no Diário do Amazonas, domingo, 25 de junho de 2017 e vai por mim assinada e pelos participantes presentes.  

P.S. Assinaram o manifesto, entre outros: Anísio Teixeira, Dirce Cortes Riedel, Américo Piquet Carneiro, Jayme Landmann, Italo Suassuna, Alexandre Adler, Antônio Augusto Quadra, Thomaz da Rocha Lagoa, Rolando Monteiro, Fernando Bevilacqua Tereza Barbieri, Teresinha Valladares, Roberto Lyra, Simão Isaac Benjó, Edina Mambrini, Charley Fayal de Lyra, Jader Benuzzi, Rolando Monteiro, Wilson Choeri, Hélio Barreto, Roberto Alcântara, Humberto Peixoto, Creusa Capalbo, José Flávio Pessoa de Barros, Celso Sá. 

Fotografias pirateadas do livro citado: Andrei Holanda, Fernando Rey, Glauco Bressan, Izabelle Vieira, José Alexandre, Leila Gibin, Mídia Ninja, Núcleo de Memória, Informação e Documentação, Silvia Maria, Tatiana Castro.

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

29 Comentário(s)

Avatar
Carlinda Nuñez comentou:
28/06/2017
Que crônica! Inteligência, estilo e emoção - texto muito bem bolado, A memória viva dos grandes da UERJ (dentre outros não nomeados) fortalece os muitos de hoje, ignorados.. José Bessa, você foi brilhante.
Comentar em resposta a Carlinda Nuñez
Avatar
ademir pacelli ferreira comentou:
26/06/2017
Muito bem, ótimo de ler e de grande sensibilidade e humor, o que traz vida para a luta. Que nossos mortos continue dando luz para a retomada da uerj
Comentar em resposta a ademir pacelli ferreira
Avatar
Eneida comentou:
26/06/2017
Que dom psicográfico maravilhoso. Espero que o Prof. Jader não tenha partido triste em meio aos riscos à nossa UERJ. Parabéns querido Bessa por esta crônica fagueira. UERJ resiste! UERJ na luta! UERJ fica!
Comentar em resposta a Eneida
Avatar
Patricia Araujo comentou:
26/06/2017
Não sei o que dizer! Talvez indignação seja a palavra! Pra vcs colegas professores a minha solidariedade. Fé, Força e Luta!
Comentar em resposta a Patricia Araujo
Avatar
Susana Grillo comentou:
25/06/2017
Bessa, genial sua incursão em atividades psicográficas.... Viva a UERJ e todos que estão mobilizados na recuperação do reconhecimento do estado da relevância da construção do conhecimento para toda a sociedade
Comentar em resposta a Susana Grillo
Avatar
Débora Motta comentou:
25/06/2017
Muito boa a crônica! Que a Uerj seja iluminada por esses espíritos e se mantenha viva! #uerjresiste
Comentar em resposta a Débora Motta
Avatar
Adir Luz Almeida · (via FB) comentou:
25/06/2017
Bonito, contundente e a descrição mais real que já li nas diversas postagens . Dimensão correta da verdadeira situação vivida . É isso ! Parabéns
Comentar em resposta a Adir Luz Almeida · (via FB)
Avatar
Venize Ramos Rodrigues (via FB) comentou:
25/06/2017
Indignada daqui da UEPA. Você consegue dar a dimensão deste crime contra a UERJ , contra a academia e o conhecimento que alimenta e retorna para a sociedade.
Comentar em resposta a Venize Ramos Rodrigues (via FB)
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
25/06/2017
Adorei! Que lindo abraço na UERJ. Sensível, criativo, inteligente!! Viva a UERJ, viva o Bessa, aliás, sempre excelente à beça.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
Branca Vieira (via FB) comentou:
24/06/2017
Muito bom. Até no Além está havendo um rebuliço por conta da situação da Uerj !
Comentar em resposta a Branca Vieira (via FB)
Avatar
Eleonora de Paula (via FB) comentou:
24/06/2017
Excelente texto psicografado, certamente passado pela revisão de Chico Xavier que deve estar pedindo preces prá mandar toda essa cambada Golpista pro Umbral. Quem sabe consigam a regeneração!!!
Comentar em resposta a Eleonora de Paula (via FB)
Avatar
Luiz Antônio Souza Bibliotecario comentou:
24/06/2017
MANIFESTO DOS MORTOS EM DEFESA DA UERJ Aos 24 dias do mês de junho de 2017, às 7h00, no Auditório das Almas Imortais, sob a presidência de Dirce Côrtes Riedel, professora de Literatura Brasileira, foi realizada a assembleia geral dos docentes, COM A PARTICIPAÇÃO DE MILHARES DE SERVIDORES, NOS MAIS DIFERENTES NÍVEIS, DESDE O MAIS SIMPLES AO MAIS IMPORTANTE, QUE DERAM SEU SANGUE, SUOR E LÁGRIMAS, que, em vida, ajudaram a construir a Universidade do Estado do Rio de Janeiro e hoje habitam a Morada do Além. Da pauta constou um único ponto: a situação da UERJ, que atravessa a maior crise de sua história com salários e bolsas atrasados, bandejão fechado, laboratórios e equipamentos sucateados, condições de estudo deterioradas, verbas de projetos de pesquisa bloqueadas, serviços de limpeza, manutenção e segurança bastante precários. “A Uerj, definitivamente, não está normal” – declarou a presidente. E NÃO ESTÁ NORMAL PORQUE MAIS E MAIS SERVIDORES DA UERJ E DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MORRERÃO POR FALTA DE CONDIÇÕES DE SOBREVIER AO CRIME CONTRA A HUMANIDADE, COMETIDO PELO GOVERNADOR, COM A CUMPLICIDADE DOS DEMAIS ÓRGÃOS DO ESTADO, SENDO DENTRE ESSES DESTACADO, COM ESPECIAL PARTICIPAÇÃO O PODER JUDICIÁRIO, SEGUIDO DA PROCURADORIA DO ESTADO, DA DEFENSORIA E DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA. EM SUMA, O MANIFESTOS DOS MORTOS, QUANDO DA PRÓXIMA ASSEMBLEIA, TERÁ O NÚMERO DE PARTICIPANTES AUMENTADO E MUITO, O QUE OBRIGARÁ QUE A ASSEMBLEIA SEJA REALIZADA NO ESTÁDIO DO MARACANÃ, ISTO SE ELE ESTIVER DE PÉ ATÉ LÁ. COM A PALAVRA OS QUE MAIS DELA PRECISAM!!!
Comentar em resposta a Luiz Antônio Souza Bibliotecario
Avatar
Tatiane Alves (via FB) comentou:
24/06/2017
Leiam e divulguem, um manifesto que vem do além, para denunciar uma política educacional do aquém
Comentar em resposta a Tatiane Alves (via FB)
Avatar
Isa Abreu (via FB) comentou:
24/06/2017
UERJ é a voz da resistência, o público é a voz da resistência, em meio a essa violência simbólica que o governo nos ofertou, não aceitamos e resistimos todos os dias!
Comentar em resposta a Isa Abreu (via FB)
Avatar
Phellipe Marcel (via FB) comentou:
24/06/2017
Texto belo do grandioso José Bessa sobre a Uerj, sua resistência, seus fantasmas, suas fantasias, suas inspirações. Mencionando o Hoje acordei pra luta!
Comentar em resposta a Phellipe Marcel (via FB)
Avatar
Dani Menezes (via FB) comentou:
24/06/2017
Muito triste isso tudo! Mas acredito que vão deixar a UERJ ressurgir e tudo vai voltar a ser como era, como deve ser... Prefiro ver esse cenário como vemos uma reforma, onde o caos precede à renovação.
Comentar em resposta a Dani Menezes (via FB)
Avatar
Heloisa Reis (via FB) comentou:
24/06/2017
Tem tantas pessoas riquíssimas que se formaram nesta universidade, poderiam fazer igual aos bilionários de alguns países que patrocinam filantropias relevantes, como por exemplo as Universidades. Infelizmente, nossas elites têm muito pouco compromisso com o futuro do país.
Comentar em resposta a Heloisa Reis (via FB)
Avatar
Rosa Helena Mendonça (via FB) comentou:
24/06/2017
Muito inspirada essa crônica em forma de manifesto, querido Bessa! Bem humorada e emocionante!
Comentar em resposta a Rosa Helena Mendonça (via FB)
Avatar
Marcia Oliveira (via FB) comentou:
24/06/2017
Que texto perfeito! Parabéns José Bessa!!
Comentar em resposta a Marcia Oliveira (via FB)
Avatar
Ceane Simões (via FB) comentou:
24/06/2017
Hoje, com muito orgulho, faço parte do corpo discente desta instituição. É dorido testemunhar esse processo agudizado e agoniado de destruição da educação pública. Sim, pq não é só a Uerj que pretendem matar por asfixia. Mas a #UerjResiste e cria!
Comentar em resposta a Ceane Simões (via FB)
Avatar
Weber Figueiredo da Silva (via FB) comentou:
24/06/2017
Dirce Cortes Riedel! Pequenina grande Dirce.
Comentar em resposta a Weber Figueiredo da Silva (via FB)
Avatar
Deneval Azevedo Filho ·(via FB) comentou:
24/06/2017
Sinto muito, muitíssimo pelo que está acontecendo com a UERJ. É inaceitável, revoltante e cruel.
Comentar em resposta a Deneval Azevedo Filho ·(via FB)
Avatar
Olivia Schneider (via FB) comentou:
24/06/2017
Só essa narrativa já nos alegra. Nos une e nos referencia.
Comentar em resposta a Olivia Schneider (via FB)
Avatar
Ricardo Gomes Lima (via FB) comentou:
24/06/2017
Obrigado, Bessa. Com a voz embargada li sua crônica. Que ela seja um pedido de socorro que ressoe no Além. Dos poderes daqui estou desesperançado. Estou entregando os pontos, infelizmente. Não tenho mais força. Me venceram.
Comentar em resposta a Ricardo Gomes Lima (via FB)
Avatar
Maria Celeste Freire Corrêa comentou:
24/06/2017
José Bessa, linda homenagem póstuma aos imortais que construíram a história da UERJ. Infelizmente a instituição,imortalizada por essas grandes figuras, está à beira da morte física assassinada pelo governo do Rio de Janeiro. A resistência dos que amam e sabem a importância da UERJ é grande e eu ainda acredito muito na força da organização popular.Mas na convocação daqueles responsáveis pelo sangramento da instituição,por favor,não permitam que eles tragam ninguém a tiracolo,pois corre o risco do Gilmar Mendes aparecer e aí será um desastre total. Seria uma afronta para Rui Barbosa e Sobral Pinto..
Comentar em resposta a Maria Celeste Freire Corrêa
Avatar
Isabela Torres comentou:
24/06/2017
Esses espíritos tão queridos, admirados, que se fizeram presentes em nossa história de vida...seja em nossa formação, seja em nossa vida emocional, ética, e hoje lembrados pelo senhor, são mais do que suficientes para termos empatia pela Uerj, e por isso estarmos solidários à esta luta; \"UERJ resiste\".
Comentar em resposta a Isabela Torres
Avatar
Martha Ribeiro Machado (via FB) comentou:
24/06/2017
A UERJ está de parabéns pela resistência, dignidade força de luta de seus profissionais e alunos. Ideia brilhante convocar os imortais fundadores da UERJ.
Comentar em resposta a Martha Ribeiro Machado (via FB)
Avatar
Luciana Cerqueira Castro comentou:
24/06/2017
Lindo José Bessa uma aula tambem de historia
Comentar em resposta a Luciana Cerqueira Castro
Avatar
Marly Cuesta (VIA fb) comentou:
24/06/2017
Acho q o mundo é solidário com vocês,querido Prof.José Bessa!Muito triste e revoltada pela situação de penúria UERJ c seus quadros de profissionais brilhantes!bjs e luz,
Comentar em resposta a Marly Cuesta (VIA fb)