CRÔNICAS

Tenório: o Memorial Indígena e o Pirarucu-de-Casaca

Em: 28 de Fevereiro de 2021 Visualizações: 2331
Tenório: o Memorial Indígena e o Pirarucu-de-Casaca

“Eu quero ser enterrado, como meus antepassados, no ventre escuro e fresco, de uma vasilha de barro».

(Gonzalo Benitez, poeta equatoriano, 1942)

Durante 1.200 anos, moradores da margem esquerda do rio Negro enterravam seus mortos dentro de igaçabas – um pote de barro cheiroso, boca larga e bojo grande. O cemitério era um templo a céu aberto, onde os índios realizavam cerimônias religiosas, ritos e pajelanças, tocando flautas, dançando, cantando e rezando. Ficava no local da atual praça D. Pedro II, em frente ao Paço da Liberdade, sede do Museu da Cidade, onde agora será criado o Memorial Necrópole de Manaus, segundo anunciou o presidente do Conselho Municipal de Política Cultural (Concultura), Tenório Telles, apoiado pela Fundação Municipal de Cultura (Manauscult) presidida por Alonso Oliveira, que atenderam reivindicação das organizações indígenas e de pesquisadores de universidades.

Naquele chão que começava no terreno alto à beira do rio e se prolongava até o igarapé de São Vicente, os portugueses construíram, em 1669, o Forte de São José do Rio Negro. O barro por eles usado foi retirado, ironicamente, dos potes destruídos e das sepulturas violadas. Profanaram assim a morada dos mortos, perturbando seu descanso eterno e tripudiando sobre os restos mortais. Camadas de entulho soterraram outras igaçabas nas profundezas do subsolo, numa tentativa de apagar definitivamente da memória dos índios, dos mestiços e de seus descendentes qualquer lembrança da existência daquele lugar reverenciado como sagrado.

As urnas funerárias, porém, sempre reaparecem. Uma das vezes foi em 1848, quando Manaus deixou de ser uma vila para se tornar Cidade da Barra do Rio Negro. O viajante italiano Gaetano Osculati procurou então o Forte, mas só encontrou ruínas e destroços em um terreno abandonado denominado de Largo do Quartel, onde urnas afloravam teimosamente por buracos abertos pelas chuvas, em um testemunho silencioso de que aquele espaço, outrora dedicado aos mortos, continuava ainda vivo. Lá, ele viu um pelotão de soldados em treinamento, que marchavam, só de calção, e quebravam com os pés descalços as bordas de igaçabas vermelhas e alaranjadas que assomavam na superfície do solo.

Palimpsesto: os mortos falam

Nas várias reformas feitas na praça, a cada escavação, urnas funerárias brotam do chão como cogumelos. Durante a última remodelação, em maio de 2003, o material encontrado foi levado para o laboratório do Museu Amazônico, da UFAM, para passar por um processo de conservação e restauro. O arqueólogo Eduardo Neves, da USP, elaborou então um projeto de intervenção arqueológica, com o objetivo de musealização da praça, que revela mais de um milênio de história. Sua proposta inclui a incorporação de réplicas das urnas funerárias na paisagem humana, “aumentando em muitos séculos sua profundidade histórica”.

Naquela ocasião, no dia 29 de março, convidado pelo procurador da República, Eduardo Barragan, realizei visita técnica ao local em companhia do historiador Luiz Balkar, então diretor do Museu Amazônico e da Superintendente Regional do IPHAN, a saudosa Bernadete Andrade. Elaborei relatório técnico sobre a área denominada de “entorno da Prefeitura”, com uma contextualização histórica da praça D. Pedro II, que equiparei a um palimpsesto - aquele manuscrito antigo apagado artificialmente para ser reutilizado, mas que conserva marcas ou vestígios da escrita anterior e armazena numa única base física vários documentos.

O relatório chama a atenção para três tipos de escrita da praça reconhecida pelo IPHAN como sítio arqueológico, integrante do Patrimônio Cultural: 1) O registro do espaço sagrado e cerimonial dos índios; 2) as marcas do poder militar colonial português e 3) o testemunho do poder político republicano. A reivindicação da memória do espaço sagrado foi feita esta semana em reunião com Tenório Telles por dois representantes dos Tukano: João Paulo Barreto, doutor em antropologia e Ivan Tukano, da Associação Indígena Yepemahafa dos Povos Indígenas do Alto Rio Negro.

“Uma sociedade que não valoriza sua memória cai no esquecimento e na ignorância” – declarou ao repórter Gabriel Abreu da Revista Cenarium, o presidente da Concultura, que pretende inaugurar uma semente do Memorial já no próximo 16 de abril, colocando no local placa em três línguas: nheengatu, português e inglês.  

Pirarucus encasacados

Uma cidade, cujo responsável pela política cultural é um intelectual respeitado do porte de Tenório Telles ou do seu antecessor Márcio de Souza, demonstra que ainda está viva. Mas é aqui que entram os pirarucus-de-casaca numa polêmica que ganhou espaço na mídia e nas redes sociais sobre a aplicação em Manaus da Lei Aldir Blanc, criada com objetivo de amparar artistas em situação vulnerável, devido ao estado de calamidade pública provocado pela pandemia do coronavirus. 

A jornalista Paula Litaiff da Revista Cenarium questionou os critérios de seleção e cobrou transparência no uso das verbas no valor de R$ 20 milhões, sendo R$ 15 mi de origem federal e R$ e 6 mi do munícipio, concedidas em novembro do ano passado. O atual presidente do Concultura, sem querer “causar quaisquer constrangimentos aos profissionais da cultura que, na sua maioria cumpriram suas obrigações”, notificou os agentes culturais” e exigiu a prestação de contas de todos os projetos contemplados, para verificar “a execução, o plano de gastos, os devidos comprovantes de despesa, recibos, notas e outros documentos”.  

A maioria, que nada tinha a esconder, concordou. Afinal, a Lei Aldir Blanc é clara quanto à natureza emergencial e a quem faz jus aos seus benefícios. Mas alguns pirarucus-de-casaca protestaram, alegando que não precisam prestar contas de seus projetos financiados por verba pública, porque a atividade artística não deve ser submetida à burocracia. Levantaram suspeitas como os furadores da fila da vacina ou as aplicadoras da vacina-de-vento. Não discutiram o mérito. Tal qual faz o capitão Jair com a mídia e com as "rachadinhas", atacaram com virulência a repórter Paula Litaiff e Tenório Telles, que parece ter sido até agora o único gol de placa do prefeito David Almeida. Debocharam. Um deles teve a audácia de postar nas redes sociais como se tratasse de recursos privados:

- “Prestar contas: eu hein, me poupe”.

Não, não devem ser poupados. A coluna vai acompanhar a cobrança e a transparência. Voltaremos a abordar o tema em defesa da arte, da cultura, do patrimônio coletivo e da Lei Aldir Blanc contra os quais conspiram esses pirarucus encasacados, que não devem ser confundidos com os artistas que contribuem, com seu trabalho, para a sociedade. Já dizia o velho Ulysses Guimaraes, mencionando provérbio sobre a mulher de César: “Não basta ser honesto, é preciso parecer”. Parecer não no sentido de fingir, mas de exibir os comprovantes do bom uso dos recursos públicos.

P.S. - Links para matérias da Revista Cenarium: 1) https://revistacenarium.com.br/carta-aos-artistas-caso-lei-aldir-blanc-o-jornalismo-no-combate-a-desigualdade/?       2) https://www.youtube.com/watch?v=5hl9C8gglOI         3) https://revistacenarium.com.br/lei-aldir-blanc-em-manaus-filha-de-amazonino-recebeu-r-60-mil-e-r-4-milhoes-a-30-artistas-nao-contemplados-precisam-de-ajuda/

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

23 Comentário(s)

Avatar
Rodrigo martins comentou:
09/03/2021
Excelente crônica professor, ficaremos atentos com os pirarucus-de-casaca que sempre tentam atrapalhar. Um abraço querido professor ????????
Comentar em resposta a Rodrigo martins
Avatar
Maristela Lima comentou:
02/03/2021
Sempre tem esses pirarucu de casacasa!! Pirarucus encasacados kk
Comentar em resposta a Maristela Lima
Avatar
Urda Alice Klueger comentou:
02/03/2021
Em momento como este, em que parece que todos ficaram doentes ao mesmo tempo, somente escrevendo e cobrando...
Comentar em resposta a Urda Alice Klueger
Avatar
José Marajó Varela comentou:
02/03/2021
grato mestre José Bessa... Bora continuar a limar a ignorância dos superdiplomados de casaca.
Comentar em resposta a José Marajó Varela
Avatar
Aldisio Filgueiras comentou:
02/03/2021
Seria importante abrir um edital de âmbito nacional/internacional para a criação desse memorial. Já imaginou a figura do índio, como é representada pelos bumbás de Parintins e pelas escolas de samba de Manaus? Parece a imagem que os bolsonaristas têm do povo brasileiro: um lixo da história (se eles sabem o que é história). Alguém teve tempo de observar as "homenagens" que existem à entrada das sedes municipais. Parecem um convite a não entrar na cidade. Um pouco mais de respeito pelos que já foram e ainda estão sendo mortos.
Comentar em resposta a Aldisio Filgueiras
Respostas:
Avatar
Taquiprati. comentou:
02/03/2021
Oi Aldisio, É isso aí, poeta. . A participação do João Paulo Barreto, doutor em antropologia, do Ivan Tukano, da Associação Indígena Yepemahafa dos Povos Indígenas do Alto Rio Negro e do movimento indígena, além da sensibilidade e dos conhecimentos do Tenório constituem uma garantia de que agora vai. Existe um trabalho de curadoria compartilhada no Museu do Índio durante a gestão de José Carlos Levinho e do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP que apontam para uma prática museal e um pensamento museológico na ótica compartilhada (acordada e negociada) e descolonial (autorepresentação). Vale a pena ler o artigo da Marilia Xavier Cury recém lançado nos Anais do Museu Paulista. https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/172430/169362?fbclid=IwAR3CTia5yBDeDIRPi3KPuBvPw1_8ieZzIQalF793uVkfVBFQq2RPWRHi0LE
Comentar em resposta a Taquiprati.
Avatar
Andreas Valentin comentou:
01/03/2021
Muito bacana! Viva Tenório!
Comentar em resposta a Andreas Valentin
Avatar
Neidinha Maciel comentou:
01/03/2021
Publicado no Blog de Neidinha Maciel https://www.blogneidinhamaciel.com.br/2021/02/professor-jose-ribamar-freire-deu-sua.html?fbclid=IwAR3yc4ptgPt-gN2TzQ2MOqDtszWUqDTcQ8veHULNF149cahkTk2Gi8yddLA
Comentar em resposta a Neidinha Maciel
Avatar
Cristóvão Nonato comentou:
28/02/2021
Parabéns, sua crônica-artigo-coluna foi mais uma vez genial; uma verdadeira aula de história e jornalismo crítico e relevante. Esse é um momento histórico de resgate dos protagonistas tão vilipendiados na nossa história quanto os indígenas. E o feito foi reivindicado por um indígena doutor, João Paulo Barreto Tukano, um legítimo membro da etnia que compõe a cabeça da cobra na mitologia amazônica.
Comentar em resposta a Cristóvão Nonato
Avatar
Gloria comentou:
28/02/2021
Competência que não se dobra ao oportunismo . Ética de quem sabe e acredita no melhor a fazer .
Comentar em resposta a Gloria
Avatar
Lilian Ribeiro Dantas Calvão comentou:
28/02/2021
Gostei da matéria. Bem interessante a ideia de uma praça museu.
Comentar em resposta a Lilian Ribeiro Dantas Calvão
Avatar
Astrid Lima comentou:
28/02/2021
Maria Alice, minha mãe, que nunca foi responsável por verbas públicas, sendo ela uma humilde auxiliar de serviços gerais da Seduc (uma qualificação politicamente correta da função de faxineira) ensinou-me o respeito (e a sacralidade) pelo dinheiro público. Prestações de conta são necessárias sim, até para tutelar os artistas e evitar que sejam alvos de linchamento retórico, como o de mamadores das tetas do Estado. Tenório: resista e insista.
Comentar em resposta a Astrid Lima
Avatar
Gleice Oliveira comentou:
28/02/2021
Bessa, quando da “restauração” do Largo iniciou, funcionários da empresa localizaram as 2 ou 3 primeiras urnas (eu recém havia retornado a Manaus e estive trabalhando com a Berna no IPHAN) querendo dar um tratamento respeitoso ao caso, tivemos a iniciativa de convidar vários pajés e caciques de várias etnias, por calha de rio do AM, a vir a Manaus para uma consulta sobre o que fazer no local. Eles indicaram fazer uma pajelança para consultar e pedir autorização aos espíritos dos que estavam enterrados naquele local para se fazer um levantamento inicial quantificando e tipificando as urnas ali existentes. Na sequência ocorreu a reunião onde eles propuseram que naquele local fosse construído um Centro de Cerimônias, mas o projeto não foi adiante pelos velhos e conhecidos motivos: falta de recursos, falta de uma política sistemática de resgare e preservação da memória dos povos indígenas e também por falta de interesse do poder público. Posteriormente as primeiras urnas encontradas foram colocadas sob a guarda do Museu da UFAM e as outras foram mantidas no local, pois nem chegou a ser iniciado o processo de escavação. Fico contente que Tenório retome essa idéia.
Comentar em resposta a Gleice Oliveira
Avatar
Ana Silva comentou:
28/02/2021
Sempre afiado e preciso. ADOREI,
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Serafim Correa comentou:
28/02/2021
Publicado no BLOG DO SARAFA - https://www.blogdosarafa.com.br/category/taquiprati/
Comentar em resposta a Serafim Correa
Avatar
Combate - Racismo Ambiental comentou:
28/02/2021
Publicado no blog COMBATE RACISMO AMBIENTAL- https://racismoambiental.net.br/2021/02/28/tenorio-o-memorial-indigena-e-o-pirarucu-de-casaca-por-jose-ribamar-bessa-freire/
Comentar em resposta a Combate - Racismo Ambiental
Avatar
Valter Xeu comentou:
28/02/2021
Publicado no Blog Pátria Latina - https://patrialatina.com.br/tenorio-o-memorial-indigena-e-o-pirarucu-de-casaca/
Comentar em resposta a Valter Xeu
Avatar
Nilda Alves comentou:
28/02/2021
Linda notícia, querido Bessa. E estamos juntos, quanto à questão de prestação de contas. É preciso fazê-las sim e claramente. Grande abraço
Comentar em resposta a Nilda Alves
Avatar
Ana Paula Freire Artaxo comentou:
28/02/2021
Tenório tem a minha admiração ever!
Comentar em resposta a Ana Paula Freire Artaxo
Avatar
Jorge Klein comentou:
28/02/2021
No geral, muito bom. Necrópole Manaus é sem dúvida um grande passo a se desculpar por erros do passado. A prestação de contas dos beneficiados pela Lei Aldir Blanc e também dos servidores, não deveria causar polêmica, pois é um trato primário no que se refere ao dinheiro público e aplaudo a nova diretoria da CONCULTURA pela iniciativa de contabilizar os gastos aos detalhes. Estranhei que próprio edital de 2020 da CONCULTURA dispensava prestação de contas.
Comentar em resposta a Jorge Klein
Avatar
Celeste Correa comentou:
27/02/2021
A ignorância em relação a própria história e a falta de noção de pertencimento faz com que a preservação da memória sofra ataques constantes de grupos que se dizem filhos da terra. Mas há quem resista. Parabéns ao presidente do Conselho Municipal de Política Cultural (Concultura), Tenório Telles pela iniciativa da criação do Memorial Necrópole de Manaus.
Comentar em resposta a Celeste Correa
Avatar
Harald Pinheiro comentou:
27/02/2021
Que absurdo! Força ao companheiro Tenório Teles e Paula Litaiff. Prestação de contas já!!!
Comentar em resposta a Harald Pinheiro
Avatar
Joaquim Barbosa comentou:
27/02/2021