CRÔNICAS

Caminhos da memória: Zé Buchinho e a amnésia infantil

Em: 21 de Agosto de 2021 Visualizações: 1564
Caminhos da memória: Zé Buchinho e a amnésia infantil

" A vida não é aquela que uma pessoa viveu, mas a que ela recorda e como recorda para contá-la"

(Gabriel Garcia Márquez. 1996)

Como é que o Zé Buchinho, que está morto, foi aparecer logo agora na minha residência em Niterói, tal como eu o vi, em 1954, repimpado na banca de tacacá da dona Alvina no bairro de Aparecida? Quase setenta anos depois, ele dá o ar de sua graça com sua imagem ao início nebulosa e fantasmagórica, mas que aos poucos vai ganhando nitidez através de vários canais: um filme, um programa de TV, um artigo científico e duas conversas.  

O filme Reminiscence  (EUA 2021), que ainda não vi, está em cartaz nas capitais brasileiras com o título Caminhos da memória. Li a sinopse. O cenário é Miami arrasada: inundações, ruas alagadas, um calor de 50 graus que lembra Manaus na enchente do rio Negro. A ação ocorre num futuro próximo. Um cientista inventa a máquina da memória capaz de levar pessoas para um passado sem aquecimento global, mas usada também em investigação policial para quebrar o sigilo da memória da bandidagem. Ah, uma máquina dessa na CPI do Senado era para “não ficar um do centrão”. Heleno dixit.

Os caminhos da memória me levam a ver na TV “Que história é essa, Porchat?”. Diante da pergunta “qual a primeira lembrança que você tem da vida”, um entrevistado responde: o cheiro do mingau na creche. Outro retrocede ao útero materno. Será? Fiquei encucado. Ainda não existe o personal google com um botão que, ao ser acionado, faz aflorar a “memória mais antiga”. Por enquanto, máquina de memória só em ficção. Na realidade, a gente escolhe uma ou outra lembrança, que muda dependendo do contexto. Construímos, então, uma versão, sempre alterada cada vez que é narrada.

Memória e fala

Até aqui o Zé Buchinho ainda não mostrou a sua cara, mas vem caminhando a passos largos sem que eu perceba que ele se aproxima. Intrigado com os mecanismos que acionam as memórias de nossa infância, me pergunto porque esquecemos umas e lembramos outras? Aí leio um artigo que não procurei, mas que chegou às minhas mãos. Sua autora, Jeanne Shinskey, é pesquisadora do Departamento de Psicologia da Universidade de Londres e dirige o Baby Lab – um laboratório focado sobre as memórias da infância. Ouso fazer aqui um resumo com o risco de sacrificar o rigor científico, já que sou leigo no assunto.

- “A maioria de nós não tem nenhuma memória dos primeiros três ou quatro anos de nossas vidas – ela escreve, afirmando que quase nada lembramos do que ocorre antes dos sete anos. Portanto, quando alguém responde à pergunta do Fábio Porchat provavelmente apresenta “apenas lembranças baseadas em fotos ou histórias contadas a nós por outras pessoas”. Ou então está fantasiando. Afinal, como quer Nabokov, a memória é “um músculo da imaginação”.

Esta “amnésia infantil” sempre atraiu a atenção dos psicólogos, preocupados em entender porque bebês e criancinhas não têm a capacidade de armazenar lembranças como os adultos. Jeanne estudou crianças a partir dos seis meses, nas creches e acompanhou-as no pré-escolar.  O problema – ela diz – não é tanto formar memórias, mas mantê-las e recuperá-las em processos que envolvem várias regiões do cérebro. O hipocampo, lugar da memória, ainda está se desenvolvendo até os sete anos, da mesma forma que o processo de aquisição da linguagem:

- “A capacidade da criança de verbalizar sobre um evento no momento em que aconteceu determina se ela lembrará dele meses ou anos depoisIsso sugere que as memórias pré-verbais são perdidas se não forem traduzidas para a linguagem”.  

Little Tripe

Dessa forma, as narrativas compartilhadas em família, que relembram eventos passados na infância, contribuem para manter o acesso à memória ao longo do tempo, “incluindo a cronologia dos acontecimentos, seu tema e seu grau de emoção”, segundo pesquisas sobre o papel da linguagem neste processo. É isso aí. Durante a pandemia, em reuniões diárias via whatsApp com minhas oito irmãs, a nossa infância é sempre o tema principal. Uma delas mencionou um lance com a cantora de fados, Fátima Buchinho, filha de portugueses que moravam na nossa rua.

Epa! Aqui a imagem do Zé Buchinho, irmão da Fátima, começa a se insinuar em minha memória de criança, mas permaneceu adormecida até o dia seguinte, quando outra história me foi narrada por um puta contador, que cuida do meu computador (ah, infame trocadilho!). Alex, meu sobrinho, depois de colocar meus arquivos na nuvem, relembrou Ernani Pires, locutor de turfe, que narrou mais de 71 mil páreos e usou a imaginação para inventar uma corrida de cavalos como se estivesse no Jockey. Essa foi a porta aberta para o Zé Buchinho invadir o meu hipocampo, trazendo com ele a banca de tacacá.

Quer dizer, não foi bem o Zé Buchinho, mas o locutor esportivo Joe Little Tripe, apelido que lhe foi pespegado pelo teacher Antônio Carauassu, professor de inglês do Colégio de Aparecida. Se alguém lhe pagasse três ou quatro cuias de tacacá, o Little Tripe irradiava todo o jogo do Nacional x Rio Negro com uma cuia vazia servindo de microfone. Inventava lances geniais com tanto realismo, que ninguém duvidava de que estava numa cabine da Rádio Baré.

Um dia, já energizado com vários tacacás, Zé Buchinho encaçapou um bolo de macaxeira, várias tapiocas, banana frita no palitinho, além de dez “espera-me no céu” – os famosos croquetes de pirarucu, tudo financiado pelo Pedro Marceneiro, um vascaíno doente. Assim remunerado em espécie, Joe Little Tripe irradiou a vitória de 1 x 0 do Nacional de Manaus contra o Flamengo do Rio, gol de Pepeta, numa locução interrompida por comerciais: “Casa Tem-Tem, a casa do pobre e do rico também” ou “Sapataria Onça, os melhores calçados do Brasil-sil-sil” ou ainda como permuta publicitária: “Banca da Alvina, onde só tem gente fina”.

Brasil x Hungria

Mas a narração do Zé Buchinho que mais me marcou ocorreu em 18 de julho de 1954 - um domingo, eu acho - lembro bem porque foi o dia em que completei sete anos, portanto com o hipocampo já formado na avaliação da psicóloga Jeanne. O presente de aniversário do meu padrinho Dantas foi pagar cuias de tacacá e croquetes para o Little Trip irradiar o último jogo do Brasil na Copa do Mundo de 1954 na Suiça.

Juntou gente para ouvir a narração de um jogo ocorrido duas ou três semanas antes. Durante 90 minutos, numa locução sublime e inesquecível, reprisada e enriquecida pela voz de Zé Buchinho, desfilavam os jogadores húngaros de nomes, alguns impronunciáveis, que ele havia decorado: o craque Puskás, Grosics, Czibor, Bozsik enfrentando a seleção brasileira com Castilho, Djalma e Nilton Santos, Didi, Julinho e outros.

A locução foi tão real que, no final, moradores do bairro como Roberto Galinha, Jaburu e Haroldo Bem-te-vi choravam rios de lágrimas por causa a eliminação da seleção canarinho: Hungria 4 x 2 Brasil.

Meninos, eu vi ou acredito que vi. É assim que eu recordo e narro a saga do Zé Buchinho, o Galvão Bueno de igarapé, com uma vantagem: Buchinho narrava um jogo que não via e Galvão Bueno não vê o jogo que narra. 

P.S. – Jeanne Shinskey: “This is why we can’t remember our early childhood memories”  Royal Holloway University of London. August 13, 2021. CNN Health. https://edition.cnn.com/2021/08/13/health/childhood-memories-partner-wellness/index.html

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

12 Comentário(s)

Avatar
Leticia de Luna Freire comentou:
26/08/2021
Que delícia de texto, Bessa! Fiquei imaginando um diálogo dessa psicóloga com Halbwachs rs
Comentar em resposta a Leticia de Luna Freire
Avatar
Márcia Elisa Rendeiro (via FB) comentou:
24/08/2021
Que alegria ler suas histórias. Uma iguaria fina.
Comentar em resposta a Márcia Elisa Rendeiro (via FB)
Avatar
Pedro Libânio comentou:
23/08/2021
O Zé Buchinho melembrou do finado Beto Cachaça, ícone de Santa Teresa que morreu disso mesmo... cachaça... Foi o melhor contador de histórias que já vi... Uma vez ele contou um causo que eu e outro amigo presenciamos. O amigo disse que a história não era assim e tal.. eu só disse que a verdade não cabia ali, a versão do Beto era muito melhor que a realidade.
Comentar em resposta a Pedro Libânio
Avatar
Eneida Simões da Fonseca comentou:
23/08/2021
Bastante divertidas essas suas memórias. Tb m lembro de coisas qdo tinha 6 ou 7 anos. A pesquisadora Jeanne deve estar certa. grande e saudoso abraço!!!
Comentar em resposta a Eneida Simões da Fonseca
Avatar
Rodrigo Martins Chagas comentou:
22/08/2021
Zé Buchinho >>>>>> Galvão Bueno. Zé buchinho narra o jogo que não vê e Galvão não vê o que narra kkkkkkk ótima frase professor! É isso mesmo kkk Um abs querido professor
Comentar em resposta a Rodrigo Martins Chagas
Avatar
Nilda Alves comentou:
22/08/2021
Para quem trabalha com memória, como eu, um prato feito e material didático de encontros de pesquisa. Grande abraço Nilda
Comentar em resposta a Nilda Alves
Avatar
Combate - Racismo Ambiental comentou:
22/08/2021
Coluna do Diário do Amazonas publicado no blog COMBATE - RECISMOA AMBIENTAL https://racismoambiental.net.br/2021/08/22/caminhos-da-memoria-ze-buchinho-e-a-amnesia-infantil-por-jose-ribamar-bessa-freire/
Comentar em resposta a Combate - Racismo Ambiental
Avatar
Mauro Souza comentou:
22/08/2021
Paizinho, muitas narrativas das minhas memórias de criança passam por pular o muro pra fugir da sopa, gritando: Tio Babaaaaa, socorro. É sopa. Ou ainda, sendo acalentado na rede, ouvindo “Saudade palavra triste quando se perde um grande amor…” obrigado por me ajudar a construir memórias tão especiais! Beijos
Comentar em resposta a Mauro Souza
Avatar
Bolivar Carvalho (via FB) comentou:
22/08/2021
Por favor, não compare o Zé Buchinho com o Galvão Bueno. Respeite o Zé Buchinho. As vezes, eu escutando um jogo pelo Rádio, minha "conje" pergunta: vc. consegue saber o que está acontecendo? Eu digo: claro que sei. Mas eu vendo pela TV um jogo narrado pelo Galvão , tenho de tirar o som , pq. eu não vou cobseguir saber o que está acontecendo.
Comentar em resposta a Bolivar Carvalho (via FB)
Avatar
Alexandre Borges de Farias comentou:
22/08/2021
Ao mestre e tio com carinho, segue essa memória deliciosa para o tal hipocampo ficar feliz nesse domingo na voz de Lulu. https://youtu.be/wWuiAPkKq8g
Comentar em resposta a Alexandre Borges de Farias
Avatar
Valter Xeu comentou:
22/08/2021
Essa crônica publicada no Diário do Amazonas foi reproduzida no blog Patria Latina: https://patrialatina.com.br/caminhos-da-memoria-ze-buchinho-e-a-amnesia-infantil/
Comentar em resposta a Valter Xeu
Avatar
Helena Souza comentou:
22/08/2021
Tem uma correção a ser feita. O pai português é que era conhecido por Zé Buxinho. O filho era o Antônio Buchinho. Os dois eram Buchinho, um apelido que passou a ser sobrenome.. A confusão pode ter se originado, talvez, no fato de que o nome do locutor na banca de tacacá era José Antônio Buchinho. Só para esclarecer.
Comentar em resposta a Helena Souza