CRÔNICAS

Cláudio Santoro: um século de silêncio no Amazonas

Em: 29 de Dezembro de 2019 Visualizações: 1647
Cláudio Santoro: um século de silêncio no Amazonas

“As estirpes condenadas a cem anos de solidão não tinham uma segunda oportunidade sobre a terra”. Gabriel Garcia Márquez: Cem anos de solidão. 1967

Há cem anos, nascia em Manaus, na rua Oriental, nº 16, Cláudio Franco de Sá Santoro, o primogênito dos 12 filhos de Cecília e Giotto Michelangelo, no momento em que a gripe espanhola, conhecida como “La dansarina”, devastava o planeta, deixando mais de 50 milhões de mortos, incluindo no Brasil o presidente da República, Rodrigues Alves. Na capital do Amazonas, a média diária pulou de 5 cadáveres para 80, segundo a estatística mortuária registrada no relatório do médico Alfredo da Matta. Os coveiros fizeram greve reclamando do excesso de trabalho e os cadáveres começaram a apodrecer nas casas, praças, ruas, hospitais, atraindo urubus.

O recém-nascido, porém, escapou da “Bailarina”, que foi a pandemia mais letal da história. Dizem que ao sair da igreja de São Sebastião, aonde foi batizado, o bebé contemplou o Teatro Amazonas e exibiu um sorriso ambíguo, não se sabe se de alegria ou de ironia. Ele só morreria aos 69 anos, deixando um legado de mais de 600 peças em quase 30 mil páginas de música escrita, entre elas a Sinfonia nº 10 intitulada "Amazonas”, que o Amazonas nunca ouviu enquanto seu autor era vivo. Dirigiu orquestras em 15 diferentes países, convidado por organizações internacionais que o reverenciavam como um dos maiores nomes da música brasileira. Mas em Manaus, sua cidade natal, não era assim que a banda tocava.

Saraus e recitais

Cláudio foi alfabetizado aos cinco anos no Colégio Salesiano. No aniversário de 10 anos, ganhou um violino do tio Atílio. Aprendeu música com tia Iracema e com o violinista chileno Avelino Telmo, residente em Manaus. Meses depois, o menino prodígio se apresentava em saraus na sua própria casa, tocando violino, acompanhado ao piano por sua mãe. Aos 11 anos, deu recitais públicos na Leitaria Amazonas, no Club Caixeiral, no Polytheama e no Guarany.

- “Ouçam bem essas palavras proféticas, ele será a glória mais fulgurante do Amazonas” - escreveu Adriano Jorge no jornal Commércio de Manaus.

Não deu outra. Mas até lá havia um longo caminho a percorrer. O então governador Nelson de Mello, depois de assistir concerto de Cláudio Santoro no Ideal Club, em 1934, concedeu-lhe uma bolsa para estudar no Conservatório de Música do Distrito Federal. A passagem de navio dele e do pai foi paga com o que arrecadou no caminho: uma apresentação no Teatro da Paz, em Belém, e outra no Teatro Santa Isabel, em Recife.  Já no Rio, deu seu primeiro recital acompanhado pelo pianista Arnaldo Estrella e logo passou a compor sonatas para violino e outras peças.

Aos 19 anos, Cláudio se tornou professor de violino no Conservatório de Música, onde completara seus estudos. Aos 22 anos, em plena Guerra Mundial, casa-se com a violinista Maria Carlota Horta Braga. Recebe prêmios e convites para vários países, incluindo uma bolsa de residência nos Estados Unidos da Fundação Guggenheim, mas não obteve o visto de entrada porque, indignado com a gritante desigualdade social, se aproximara do Partido Comunista Brasileiro.

Aqui pra nós, foi até melhor assim, porque no ano seguinte, em 1947, ganhou bolsa do governo francês para viver em Paris, onde estudou composição com Nadia Boulanger e cursou cinema na Sorbonne. De regresso ao Brasil assumiu, em 1950, o lugar de primeiro violino na Orquestra Sinfônica Brasileira. É quando compõe músicas para crianças e ganha medalhas de ouro e condecorações de melhor instrumentista e compositor.

Canto de paz

A partir daí, sua genialidade se espalha pelo mundo. Recebe em Viena, em 1952, o Prêmio Internacional pelo seu “Canto de Amor e Paz”. Dirige em Moscou a Orquestra Sinfônica, produz músicas para vários filmes, cria a Orquestra de Câmera da Rádio MEC considerada a melhor do Brasil, vai para Londres convidado pela rainha da Inglaterra, em seguida passa uma temporada em Berlim a convite do governo alemão. Em Paris, constroi uma ponte entre música erudita e popular, ao conhecer Vinicius de Moraes, de quem se torna parceiro em várias músicas, entre elas Cantiga do Ausente, Ouve o silêncio, Bem pior que a morte, Amor e lágrimas, gravada por Elizeth Cardoso.

Finalmente, em 1962, Darcy Ribeiro o chama para dirigir o Departamento de Música da UnB, quando organiza o I Simpósio de Educação Musical no Brasil. Casa, pela segunda vez, com a bailarina Gisele Loise Portinho, em 1963, e participa da Primeira Conferência Nacional de Educadores na Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Cria então a Orquestra da Universidade de Brasília com músicos nacionais e estrangeiros. Mas o golpe militar de 1964 desmantela a UnB demitindo 288 professores. Em solidariedade a eles, Cláudio Santoro pede exoneração e é imediatamente convidado para ser professor titular da Escola Superior de Música na Alemanha.

Retorna em 1978 à Universidade de Brasília, mas continua viajando para diferentes cidades europeias, especialmente alemãs, aonde é idolatrado. Comemora seus 65 anos em Berlim, lá termina sua 14ª Sinfonia. Morre em 1989, quando inúmeras comemorações estavam programadas para celebrar seus 70 anos na Europa.

Autor do hino oficial do Estado do Amazonas, composto em 1980, o maestro Santoro tentou várias vezes residir em Manaus, sem sucesso. Márcio Souza matou a charada em seu livro “A Expressão Amazonense” (1978):

“Há um secreto alívio quando morre um artista amazonense. Menos um para aporrinhar as antessalas do Governo. Sobretudo se o desaparecido tenha se recusado sempre a ser subserviente ou biscateiro (...) Ele deve passar em silêncio num túmulo qualquer. Bem faz Cláudio Santoro, enriquecendo o povo da Alemanha ...”.

Um cara conhecido

Cientista que não é subserviente sofre o mesmo que artista. Alberto Santoro, irmão caçula e quase filho de Cláudio, lidera um grupo de físicos no Grande Colisor de Hádrons (LHC), o maior laboratório do mundo na fronteira da Suíça com a França, publicou quase 400 artigos em revistas especializadas internacionais, dirigiu o Departamento de Física de Altas Energias, da UERJ, mas quando se colocou disponível para voltar a Manaus e contribuir com a ciência no Amazonas, recebeu das autoridades um “vamos ver e coisa e tal”.  

Na Europa, nos Estados Unidos, em Brasília e em várias outras cidades brasileiras, ao longo do ano, foram prestadas homenagens a Cláudio Santoro pelo seu centenário de nascimento. Em Manaus, algumas muito tímidas e isoladas: um concerto no Teatro Amazonas com a execução da Sinfonia nº 10, composta em 1982, mas só agora apresentada pela primeira vez na cidade natal do maestro e uma exposição de fotos no ICBEU, com obras inéditas de sua filha Sônia, artista plástica. Lá, o visitante não encontra sequer um livro para assinar sua presença.

Quantos pais, mães, avós, convidaram seus filhos e netos manauaras para se encantarem com a música de Santoro? O que as escolas no Amazonas ensinam sobre “a glória mais fulgurante” do nosso Estado? Qual o espaço da mídia local destinado ao grande maestro? Qual o monumento em sua memória? 

Uma escola e uma rua foram batizadas com seu nome: o Liceu de Artes e Ofícios no bairro D. Pedro e uma rua com 43 domicílios no bairro da Paz, na periferia de Manaus. The rest is silence.    

O poder político determina claramente o que as pessoas devem lembrar e o que devem esquecer, quando destina um palacete provincial para ser o Museu da Polícia Militar e não sabe sequer aonde ficava a casa na rua Oriental, berço do maestro. Qualquer família que aceita esse apagamento, contribui para formar brutamontes incapazes de fruir o belo, como aquele que, para nossa vergonha, disse quando morreu João Gilberto: “É, parece que era um cara conhecido”.

Será que as estirpes condenadas a cem anos de esquecimento terão uma segunda oportunidade sobre a terra?

Nota de pesar: Reitora Nilcéa Freire

É com profundo pesar e consternação que a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) comunica o falecimento da ex-reitora Nilcéa Freire, ocorrido na noite deste sábado (28/12), no Rio de Janeiro, após incansável luta contra um câncer cerebral.

Nilcéa nasceu na cidade do Rio de Janeiro, em setembro de 1952. Em 1972, ingressou no curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da (então) Universidade do Estado da Guanabara (UEG). Nesse mesmo ano, filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), permanecendo até 1979. Em virtude de sua atuação contra a ditadura militar, foi ameaçada pelos órgãos de repressão, exilando-se no México, onde viveu de 1975 a 1977. De volta ao Brasil, participou dos movimentos pela democratização do País e continuou os estudos na UERJ. Formou-se em 1978 e fez residência médica nos dois anos seguintes. Logo após, foi contratada como Professora Auxiliar de Parasitologia da UERJ, onde lecionou e coordenou pesquisas, uma delas sobre esquistossomose, no município de Sumidouro (RJ), em parceria com pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz. Em 1984, realizou estágio de pesquisa no Museu Nacional de História Natural de Paris. No ano seguinte, iniciou o mestrado em Zoologia no Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 1987, concluiu o mestrado, defendendo dissertação intitulada “Manutenção do Vínculo de Transmissão entre Roedores e Humanos do Parasito Schistosoma mansoni”, sendo promovida a Professora Assistente. 

Além das atividades de ensino e pesquisa, a partir de 1980, foi representante de docentes em vários conselhos da UERJ. Em 1988, realizou curso de Administração Universitária, com estágio prático no Canadá. A partir daí, foi assessora da Sub-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (SR-2), até 1991; diretora de Planejamento e Orçamento (Diplan), de 1992 a 1995; e Vice-reitora na gestão do reitor Antônio Celso Alves Pereira, de 1996 a 1999. 

Em 1999, candidatou-se à Reitoria da UERJ, formando chapa com o Professor Celso Sá (in memoriam). Venceu as eleições, tornando-se a primeira mulher a ocupar o cargo de Reitora de uma universidade pública no Estado do Rio de Janeiro. Durante sua gestão (2000 – 2003), presidiu o Conselho Estadual de Educação (2001) e, em 2003, implantou o projeto pioneiro de cotas para estudantes de escolas públicas e afrodescendentes, que acabou se estendendo para as demais instituições de ensino superior públicas no País.

Desde 1989, havia se filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Com a posse de Luiz Inácio Lula da Silva na Presidência da República (janeiro de 2003), foi criada a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), com status de ministério, incorporando o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), até então subordinado ao Ministério da Justiça. Em 2004, Nilcéa assumiu a chefia dessa pasta. Em sua gestão, procurou implementar uma linha de trabalho de transversalidade. Propôs ações no âmbito de programas e projetos de outros ministérios, como os da Justiça, do Trabalho, da Educação, da Cultura e das Secretarias Especiais. Ao mesmo tempo, iniciou um debate nacional, com o objetivo de formular um plano de ação. 

Contando com a participação de aproximadamente 1.700 delegadas de todo o país, a I Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, realizada em Brasília, em julho de 2004, produziu relatórios que fundamentaram a formulação de uma comissão interministerial do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (PNPM). O plano estabelecia 199 ações nos campos da autonomia, igualdade no mundo do trabalho e cidadania, educação inclusiva e não sexista, da saúde das mulheres, direitos sexuais e direitos reprodutivos, e contra a violência dirigida às mulheres. 

Em 2006, uma das metas do PNPM foi alcançada, com a aprovação, em 7 de agosto, da lei para coibir e prevenir a violência doméstica contra as mulheres, conhecida como Lei Maria da Penha. Em janeiro de 2007, início do segundo mandato do Presidente Lula, Nilcéa foi confirmada na Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e iniciou nova mobilização nacional para avaliação e aperfeiçoamento do PNPM, o que culminou na realização, em agosto, da II Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, novamente em Brasília, na qual estiveram presentes mais de 2.700 delegadas. O II PNPM estabeleceu metas para até o final de 2010, contemplando a ampliação das ações.

Na função de Secretária Nacional, tornou-se presidente do CNDM e representante do Brasil nos comitês da Organização das Nações Unidas (ONU) “Sobre a Situação da Mulher” (CSW) e “Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher” (CEDAW). Presidiu também a Comissão Interamericana de Mulheres, da Organização dos Estados Americanos (OEA), de outubro de 2004 a dezembro de 2006.

Após a saída da SPM, por muitos anos chefiou a representação da Fundação Ford no Brasil. 

Em 4 de dezembro de 2017, por ocasião da comemoração dos 67 anos de criação da UERJ, Nilcéa recebeu, das mãos do reitor Ruy Garcia Marques, a Comenda José Bonifácio a mais alta honraria da Universidade.

Nilcéa Freire deixa dois filhos e três netas. 

O velório da ex-reitora Nilcéa Freire ocorrerá a partir das 10h de segunda-feira, 30 de dezembro, na Capela Ecumênica, no campus Maracanã da UERJ.

 

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

18 Comentário(s)

Avatar
Victor Leonardi (via FB) comentou:
08/01/2020
Muito bem José Bessa. Foi bom você, como amazonense ter escrito isso. Um abraço e feliz 2020.
Comentar em resposta a Victor Leonardi (via FB)
Avatar
Iñaki Gómez Corte comentou:
03/01/2020
Valeu José Bessa por permitir conhecer conhecer estás histórias. Grande abraço
Comentar em resposta a Iñaki Gómez Corte
Avatar
Marcelo Timotheo comentou:
30/12/2019
Bessa, meu amigo, seus textos são sempre oportunos! Feliz Ano Novo pra você e os seus!
Comentar em resposta a Marcelo Timotheo
Avatar
Dodora comentou:
30/12/2019
Cláudio Santoro, um ilustre desconhecido para a maioria dos amazonenses. Inclusive para mim, apesar de conhecer alguns Santoro. Que bom que temos um escritor que sabe valorizar a "prata da casa" e resgatar essa bela história de conquistas de um amazonense da gema! Vejo, com satisfação, esse viés assumido pela coluna Taquiprati, independente de classe social, cor, sexo, etnia e outras classes discriminadas socialmente. Ex. Histórias do cotidiano de pessoas simples de Aparecida, de familiares e até de "doidinhos" que se incorporaram ao folclore de Manaus (Carmen Doida, Bombalá...) Adoro! Bombalá? Macaxeira? Lá de um bar da Epaminondas, lembras? Balalaica? Eita tô lembrando aos poucos... Ou confundindo tudo
Comentar em resposta a Dodora
Avatar
Susana Grillo comentou:
29/12/2019
[7:39 PM, 29/12/2019] Susana Grilo: Que triste, Bessa, esse esquecimento programado do grande artista Cláudio Santoro... As pessoas estão se brutalizando porque não fruem a arte em suas vidas, não compartilham o orgulho de serem compatriotas de um grande patrimônio cultural como esse artista e o educador Paulo Freire. Cláudio Santoro nas escolas já... [7:41 PM, 29/12/2019] Susana Grilo: Bessa, um grande abraço e um 2020 menos perturbador...
Comentar em resposta a Susana Grillo
Avatar
Venize Ramos Rodrigues comentou:
29/12/2019
Grande Bessa. Reconhecimento justo deste imortal neste tempo de trevas. Feliz Amo novo. Insisto.
Comentar em resposta a Venize Ramos Rodrigues
Avatar
Ruth Alencar Peixoto comentou:
28/12/2019
A EXPOSIÇÃO “PARTITURAS VISUAIS” da artista plástica SONIA SANTORO, filha do Maestro Cláudio Santoro e de Carlota Santoro, sua 1a. esposa, continua aguardando visitas na Galeria de Artes do ICBEU Manaus. De 14h as 18h, de segunda a sexta-feira. Mas se alguém tiver interesse em visitar em qualquer horário e dia, entre em contato com a Profa. Ruth Alencar 98423-1235 Terei o maior prazer em recebê-los!
Comentar em resposta a Ruth Alencar Peixoto
Avatar
Hetbert Luiz Braga Ferreira comentou:
28/12/2019
Justa homenagem e mais justa ainda a indignação
Comentar em resposta a Hetbert Luiz Braga Ferreira
Avatar
Felipe José Lindoso comentou:
28/12/2019
Babá. longe de cabotinismos, só para lembrar que o Hino do Amazonas, composto pelo Cláudio Santoro, se tornou oficial em 1980, com lei de iniciativa do José Lindoso, e a letra resultou de concurso público que premiou o poema do querido Jorge Tufic.
Comentar em resposta a Felipe José Lindoso
Respostas:
Avatar
Taquiprati comentou:
28/12/2019
Rapaz, eu vi. O Lindoso fez um discurso pai d'égua. Olha como termina o discurso dele: Não tínhamos um hino oficial e queremos participar da história, tecer a história como membros da comunidade brasileira, conscientes de que a nossa participação no futuro será crescentemente marcada. Somos detentores de um grande patrimônio que a natureza nos legou, de florestas e de rios, que deve ser mobilizado conscientemente a serviço da humanidade e a serviço do Brasil. O Hino traz, entranhado nas suas expressões, na sua sublimidade, esse sentido profundo da harmonia de civilização que vamos construir com a própria natureza. É a floresta que vai nos ensinar, também, ao sopro dos ventos e no vigor dos ramos, na beleza das flores e no canto das aves, que seremos grandes quando soubermos ser grandes pelo amor à natureza, pelas responsabilidades com a sociedade e pelo pensamento eterno de que o Amazonas é grande por que grande é o Brasil e o Brasil é grande por que nós, pela força de nossos músculos, pela capacidade de nossa inteligência e pela determinação da nossa história, vamos fazê-lo sempre eterno.
Comentar em resposta a Taquiprati
Avatar
Claudio Nogueira comentou:
28/12/2019
Muito bom. Eu conhecia o Cláudio Santoro, mas não sabia que tinha feito tudo isso.
Comentar em resposta a Claudio Nogueira
Avatar
Sebastião Mendonça comentou:
28/12/2019
Babá, o Cláudio Santoro foi há poucos meses homenageado pela orquestra sinfônica da UFF, no Teatro da Reitoria, junto com outro grande maestro, Edino Krieger que foram grandes amigos e quando jovens até moraram juntos no RJ,
Comentar em resposta a Sebastião Mendonça
Avatar
Welton Yudi comentou:
28/12/2019
Muito agradecido por essa sua ode à Santoro. Agradeço também à Ruth Alencar Peixoto por ter sido o ICBEU a instituição a lembrar deste gênio baré que merece todas as nossas homenagens. Escreveste quase um "concerto em prosa " velho José Bessa!
Comentar em resposta a Welton Yudi
Avatar
Ana Silva comentou:
28/12/2019
Bessa, linda maneira de dá adeus a 2019, celebrando um gênio que só agora o conheci. Obrigada! Feliz 2020, que o ano novo seja de paz, resistência e dias ensolarados.
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Celeste Correa comentou:
28/12/2019
Mano, mas como é que o Amazonas não tem orgulho desse filho ilustre? Um artista que foi reconhecido internacionalmente e nem no Brasil, nem no Amazonas ele é reconhecido..
Comentar em resposta a Celeste Correa
Avatar
Regina Nakamura comentou:
28/12/2019
Lindo e comovente, mano. Eu conheci toda a família Santoro
Comentar em resposta a Regina Nakamura
Avatar
Vera Nilce Cordeiro Correa (via FB) comentou:
28/12/2019
É impressionante o descaso com nomes importantes , reconhecidos no mundo e aqui desprezado, inclusive pelos conterrâneos. Boa lembrança esta
Comentar em resposta a Vera Nilce Cordeiro Correa (via FB)
Avatar
Elisa Souto comentou:
28/12/2019
O Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro formou (e ainda forma) muitos músicos bons que, inclusive integram a orquestra sinfônica, a Filarmónica... Acho que ainda é uma escola que dá oportunidade a pessoas de baixa renda estudarem música e outras artes...Até onde sei... Ele ficaria feliz de saber disso...pelo menos.
Comentar em resposta a Elisa Souto