CRÔNICAS

D. PEDRO E SUA CORTE: UMA CRÔNICA NUA E CRUA

Em: 26 de Novembro de 2017 Visualizações: 1934
D. PEDRO E SUA CORTE: UMA CRÔNICA NUA E CRUA

Para Carmen e Betty, eternas gatinhas.

O ex-quase-futuro ministro Carlos Marun (PMDB-MS vixe vixe), puxa-saco rebolativo da tropa de choque do Temer-Cunha e o deputado presidiário Celso Jacob (PMDB/RJ vixe), contrabandista de queijo provolone na cueca, deviam ser tema desta coluna semanal. Felizmente nos livramos de figuras tão abjetas graças a dois livros. Um deles, da antropóloga Betty Mindlin, acaba de ser publicado – Crônicas Despidas e Vestidas. O outro, da escritora e jornalista Ana Helena Tavares, está quase no prelo e só sai em 2018. Quem faz a ponte entre eles é o nosso D. Pedro.

D. Pedro I ou II? Nenhum dos dois. O Pedro, que é “nobre”, não nos pertence. O nosso é o “pobre”: Pedro, o único. Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Felix do Araguaia, de 89 anos. Sua biografia – Um bispo contra todas as cercas – está sendo finalizada pela autora, que me procurou por causa da entrevista que fiz em julho de 1979 para o jornal Porantim. O título, em plena ditadura, berrava: “SÓ O SOCIALISMO PODE SALVAR OS POVOS INDÍGENAS”. Lá, D. Pedro propõe “destruir as estruturas do pecado e criar novas formas de fraternidade e igualdade”.

Compartilhei com Ana Helena o livro de Betty Mindlin, dividido em duas partes. As crônicas despidas “dedicadas a povos que não cobriam o corpo em tempos antigos”, contêm narrativas míticas, reflexões sobre formas de circulação da memória e de preservação do patrimônio, depoimentos sobre a luta indígena, umas travessuras cometidas em favor dos índios e textos sobre a música dos Wari – os Pakaa-Nova e sobre a melodia amorosa dos Ikolen de Rondônia, conhecidos como Gavião.

As travessuras

Entre as traquinagens, Betty conta a audiência que teve, em 1984, com o então presidente da Funai, Jurandyr Fonseca, para solicitar que examinassem juntos  o laudo antropológico elaborado por Ana Lange – um dossiê com farta documentação que justificava a demarcação da terra nambiquara e que lhe havia sido entregue no mês anterior.

- Ainda não recebi o laudo e nem sabia de sua existência. Teremos que esperar até que me seja enviado – mentiu o Jurandyr Fonseca, perna fina e boca seca.

Nisso, a secretária o chamou para que atendesse um telefonema na outra sala. Betty aproveitou para abrir a gaveta do "Boca Seca" e lá estava o volumoso dossiê. Ela não contou com conversa: retirou o catatau de papel e quando o mentiroso chegou lhe disse:

- Presidente, que pena não estar na Funai o documento. Mas eu trouxe uma cópia. Vamos examiná-la?

Outra crônica reproduz um depoimento desgarrador de Pedro Arara Karo, que faz parte do Arquivo Sonoro Aramirã, da autora, em parte digitalizado, com registro de vozes indígenas, cuja cópia merecia estar no Museu do Índio/RJ. O Arara narra como achou no meio da floresta o cadáver do jornalista e indigenista Possidônio Cavalcanti Bastos, de 22 anos, um menino alegre e sorridente com quem trabalhei, em 1968, no jornal O PAIZ, morto com três flechadas e dois tiros: “a cabeça dele, você pegava, parecia milho no papo da galinha. Ficou todo moído”. Detalhes podem ser encontrados também no livro Os fuzis e as flechas de Rubens Valente. Possidônio, hoje nome de avenida em Recife, deixou o jornalismo para trabalhar com os índios, na FUNAI.  

O que aqui interessa, porém, à biógrafa de D. Pedro está nas crônicas vestidas, que falam de personagens marcantes na vida de Betty, especialmente aquela em que relata como conheceu D. Pedro e D. Tomás Balduíno, pilares do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e da Comissão Pastoral da Terra (CPT). Foi num curso de indigenismo ministrado, em 1976, em Goiás Velho, pela antropóloga Carmen Junqueira, que então era sua orientadora de doutorado na PUC/SP e que a convidou para acompanhá-la.

Crônicas vestidas

Com invejável experiência de trabalho de campo, Carmen havia defendido, em 1967, sua tese de doutorado sobre Os Kamaiurá e o Parque Nacional do Xingu e estava comprometida incondicionalmente com a luta em defesa dos direitos indígenas. Presa em 1969 pela Operação Bandeirantes (OBAN), de nome sugestivo, ela foi trabalhar depois com os Cinta Larga, no Parque Indígena do Aripuanã, onde viviam também os Suruí e os Zoró.  Agora, sua missão, no curso do CIMI, era contribuir para a construção de uma pastoral indígena antropologicamente responsável.

Do curso faziam parte índios, indigenistas, agentes de pastoral, padres e freiras:

 - O dia começava cedíssimo, com sinos e horários para o café da manhã. As reuniões eram subdivididas em grupos. As pessoas, sentadas em círculo, em bancos de madeira, à sombra de árvores generosas, expunham sua situação, as ameaças e violência sofridas, a luta pela terra, as tradições e os rituais.  Foi um impacto ouvir a miríade de nomes dos povos, em línguas tão estranhas, que a maioria dos brasileiros não sabia serem nossas. – escreve Betty. 

Ela conta que na sessão da noite, ao entrar na sala, faltou energia na região e as luzes se apagaram. Quando as lâmpadas se acenderam, quase desmaia de emoção. Seu vizinho de carteira “era nada mais nada menos que D. Pedro Casaldáliga, magro, nariz aquilino, cabelos lisos e esbranquiçados, os “olhos sacis” e um sorriso de simpatia”.

O trio elétrico

Betty descreve como os bispos libertários D. Pedro e D. Tomás “se agasalharam de imediato no manto sedutor de alegria de Carmen, em sua sede de justiça, em seu fascínio feminino. Formaram um trio divertido: os dois bispos e a batalhadora passional, a libertária destemida, a grande amiga e conhecedora dos Kamaiurá. Passaram a sentar juntos às refeições, a conversar nos intervalos”. Num dos almoços, Betty ouviu os dois bispos brincarem com Carmen, afirmando que ambos gostariam, não fossem os graves impedimentos, de se casar com ela, cada um disputando a primazia. Risadas deliciosas enfeitaram a brincadeira.

O que os bispos não sabiam, mas podiam imaginar, era que os candidatos proliferavam. Carmen chegou até a ganhar de um grande pajé do Xingu um colar de garras de onça, colar de noivado. Entrariam na disputa, não fossem os impedimentos, certo chefe da Aldeia Kamaiurá, toda a torcida do Rio Negro, além de professores e alunos da Universidade do Amazonas que, em 1978, participaram do Curso de Antropologia Amazônica ministrado em Manaus por ela, que passou por lá como um furacão. Os participantes anotavam até seus suspiros. Se fosse possível, teríamos feito com ela o que fizemos com seu texto: uma xerox de sua pessoa para cada um ficar com uma cópia.

Um aluno de letras e ator do Teatro Experimental do Sesc/Amazonas, Herbert Braga, hoje professor da UFAM, no último dia de aula, com voz trêmula que não escondia seu fascínio, perguntou:

- Mestra, a senhora falou em Boas, Malinowski, Pritchard, Mauss, Lévi-Strauss... se tivesse que indicar um único livro para a formação de um bom antropólogo, qual obra recomendaria?

Carmen olhou para um lado, para o outro, como querendo se certificar que não havia nenhum policial na escuta. Com gestos de Giulietta Masina, que tanto encantaram Federico Fellini, foi conclusiva:

- Vá ler O Capital, de Marx. Lá está o essencial.

Não sei se o Herbert leu. Mas essa era a Carmen, que encantou D. Pedro e D. Tomás. Betty, que lhe faz homenagens no livro, pede desculpas à sua ex-orientadora “pelas inconfidências e imprecisões dessas notas”. Mas foi precisa na descrição:

- “Sua figura era um mimo: mocinha de olhos azuis, com um movimento corporal que nunca vi em ninguém, feminino e firme como os dançarinos da Ópera de Pequim, mestra, modelo, companheira, guerreira engajada nas causas sociais, conferencista ímpar, sedutora e magnética”.

Pedro e Tomás tinham razão em se render a esses encantos...

P.S. - A montagem da foto acima foi feita por José amaro Jr. das Ugagogo. As demais fotos foram pirateadas da internet, uma delas de autoria da Ana Helena Tavares. 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

16 Comentário(s)

Avatar
Suzana Escobar comentou:
28/11/2017
Adorável, José Bessa! Como faço para adquirir o livro?
Comentar em resposta a Suzana Escobar
Avatar
Susana Grillo comentou:
28/11/2017
Bessa, prodigiosa memória cheia de potência, gente bonita e querida! Abraços
Comentar em resposta a Susana Grillo
Avatar
Cordelia Fourneau de Mello Mourão comentou:
27/11/2017
Obrigada, caro Professor Bessa, por mais uma crônica tão interessante como deliciosa de se ler ! Não posso me conter de observar que deu para ver que o socialismo não era a solução (ainda menos o "liberalismo" e o capitalismo, claro !) Tería que se rever o modelo de suposto desenvolvimento e progresso, redefinir o ideal de bem estar e felicidade para o ser humano, considerar que o ser humano é diverso quando saudável (e não clonado pela TV) e que o ideal não é necessariamente o MESMO para todos, seja, hà caminhos para a felicidade que não passam pela posse de carro, geladeira, TV, computador e celular, e são estes OUTROS caminhos que a humanidade deve explorar, sob pena de o mundo se desagregar (os índios são a prova viva disso, que após ter dado uma olhada sobre nossa "civilização", so querem que deixamo-los em paz na sua floresta, e não a destruíssemos e poluíssemos) , e consequentemente, varrer a maioria dos políticos e votar para pessoas que não somente sejam honestas, mas que tivessem passado por uma forma de iluminação, necessária hoje para salvar o mundo.
Comentar em resposta a Cordelia Fourneau de Mello Mourão
Avatar
Lisbela Cohen (via FB) comentou:
27/11/2017
maravilhoso. Adoro seus artigos.
Comentar em resposta a Lisbela Cohen (via FB)
Avatar
Graça Helena Souza comentou:
27/11/2017
O Reino que D.Pedro e D.Tomáz encarnam, ergue-se em luta além da coragem contra o anti-reino do qual nasce toda expoliação.
Comentar em resposta a Graça Helena Souza
Avatar
Guida Pimenta (via FB) comentou:
27/11/2017
Quero o livro de Betty Mindlin!!!!
Comentar em resposta a Guida Pimenta (via FB)
Avatar
Loretta Emiri (via FB) comentou:
27/11/2017
Deliciosas suas crônicas, professor! Me fazem rir e chorar ao mesmo tempo!
Comentar em resposta a Loretta Emiri (via FB)
Avatar
Fernando Soares Campos (via FB)_ comentou:
26/11/2017
D. Pedro e sua corte: Uma crônica nua e crua por José Ribamar Bessa Freire Portal do jornal russo Pravda, versão em português, CPLP » Brasil, 26.11.201 - https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10210657927709026&set=a.4902337480940.1073741826.1373042949&type=3&theater
Comentar em resposta a Fernando Soares Campos (via FB)_
Avatar
A. Melo comentou:
26/11/2017
Mais uma crônica maravilhosa! Falando sério, fazendo pensar com muito humor! O livro indicado nela será importante na minhas pesquisa sobre o cimi
Comentar em resposta a A. Melo
Avatar
Carmen comentou:
26/11/2017
Querido Bessa:, explode coração!
Comentar em resposta a Carmen
Avatar
Roberto E. Zwetsch comentou:
25/11/2017
Bessa, Lori, Betty, Carmen, gente amiga, que bela companhia estar ao lado de dom Pedro, nosso bispo inspirador, que soube caminhar de chinelos de dedo e chapéu de palha e como bispo usar como anel o "anel de tucum" que nós compartilhamos com ele como aliança de causa, de vida e de amor aos indígenas de todo este pobre país! Um dia a gente se encontro no grande banquete e vamos rir muito das travessuras, dos sonhos, das lutas, junto com nossos amigos e amigas dos povos indígenas, de RO, do MT, do Acre, onde dedicamos boa parte de nossa vida aos "madihá" (Kulina, em linguagem regional). Viva a vida e as lutas que valem a pena. Abraço. Roberto Zwetsch.
Comentar em resposta a Roberto E. Zwetsch
Avatar
Lori Altmann comentou:
25/11/2017
Bessa! que coisa boa lembrar o curso de indigenismo organizado pelo CIMI em 1976, em Goiás Velho, que contou com a assessoria da antropóloga Carmen Junqueira. Não lembrava de que Betty tinha estado também neste curso. O magnetismo de Carmem e o curso como um todo nos deu impulso para a nossa opção pelos povos indígenas. Ali foi articulado meu estágio com as Irmãzinhas de Jesus, entre os Tapirapé, o que me propiciou um rico contato com D. Pedro Casaldáliga, o então denominado bispo vermelho, e várias pessoas da Prelazia de São Félix. Voltei a encontrar com Carmem Junqueira e com Betty em Rondônia, quanto estivemos com os Paíter. Recentemente tive o prazer de encontrar com Carmem na PUC em SP, durante a RBA. Criei muitos laços significativos durante aquele curso. Obrigado por acionar esta memória!
Comentar em resposta a Lori Altmann
Avatar
Ana Silva comentou:
25/11/2017
Que delícia!!! Maravilha de texto. Vale a pena editar mais um livro com essas jóias.
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Betty Mindlin comentou:
25/11/2017
Querido Bessa, que surpresa deliciosa! Ser sua personagem, em tão grandiosa companhia, faz esse sábado e a vida toda saltarem de felicidade! Suas crônicas são todas tão incríveis, únicas, que fico antevendo os livros que delas nascerão. Muito muito obrigada, só para ver esse seu escrito vale a pena ter publicado o livro. Um beijo da
Comentar em resposta a Betty Mindlin
Avatar
Francisca Jane Vieira Jatobá comentou:
25/11/2017
Interessante, continuam interessantes tuas Crônicas Ribamar Bessa. Ainda entôo a Missa da Terra sem Males, até hoje. O Dr. Herbert Braga, citado no texto, acaba de retirar 11 meses do meu salário na UFAM durante e após a Defesa da Tese A Epistemologia Unitária da Linguagem nas Sociedades Matrízticas da Amazônia: Tastevin e os Katukina Kanamari. Isto foi significante... nada vale assinar petições via internet contra os massacres aos indígenas e seguir degolando, decapitando os companheiros no local de trabalho. Que pourra é esta? Então, sigamos misturando os alhos e os bugalhos... Viva o trio das tuas narrativasa, Fora Herbert!!! Amém, Amin!!!!
Comentar em resposta a Francisca Jane Vieira Jatobá
Avatar
Ana Helena Tavares (via FB) comentou:
25/11/2017
O amigo José Bessa me presenteou com essa deliciosa montagem com a qual ilustrou sua crônica dessa semana no Diário do Amazonas: "Dom Pedro e sua corte" … Na imagem, Pedro Casaldáliga em cadeira típica de sua região, ao lado das antropólogas Carmem Junqueira e Betty Mindlin, e do próprio Bessa. E lá estou eu com uma camisa com pinturas indígenas. A crônica mostra um pouco a importância das mulheres na vida de Dom Pedro. Isso porque Bessa não sabe que na biografia que lançarei ano que vem haverá um capítulo falando sobre o lado feminista do bispo do Araguaia.
Comentar em resposta a Ana Helena Tavares (via FB)