CRÔNICAS

PEDAÇOS DE OUTROS NATAIS

Em: 21 de Dezembro de 2014
Tags:
Visualizações: 3340

 Pensei em comentar aqui, hoje, a Proposta de Emenda Constitucional 215 que representa uma ameaça aos direitos indígenas, mas no período natalino as pessoas não estão interessadas em tais assuntos, melhor deixar para o pós-festa. Nos últimos trinta anos de presença constante na imprensa amazonense, o tema inevitável na última semana de dezembro foi sempre o mesmo, como se a chata da Simone não parasse de cantar "Então é natal".

Então, eu me rendo. Já fiz até, em algum momento, o balanço de uma dezena de crônicas que escrevi sobre o tema, de forma tão repetitiva quanto a voz da Simone. Decido agora selecionar trechos de algumas delas que digitalizei e postei no meu site.

Neve em natal, presépio em Belém (1985) discutiu o significado histórico da festa na Amazônia, onde Presépio foi o nome dado à fortaleza para escravizar índios - o Forte do Presépio, que deu origem à atual capital do Pará. Daí talvez a forma alienada de celebrar o natal na nossa região com pinheiros de plástico cobertos de algodão. Sugerimos que a Prefeitura colocasse uma gigantesca trituradora de isopor no centro espalhando "flocos de neve" pelos céus da cidade. A coluna distribuiu ainda presentes especiais a políticos em evidência.

Natal sem peru e pirão (1986) escrita num momento em que o país passava por uma crise econômica indaga sobre o que faria parte da ceia de natal do amazonense. Peru tender? Presunto desossado? Pernil? Bacalhau? Filé ao molho de champignon? Nozes? Passas e figos secos? Nenhum deles é produto regional. O boi foi trazido do Cabo Verde para o Marajó no séc. XVII, o pintinho foi introduzido no Alto Solimões na viagem de Orelana, em 1541, quando confundiram o mutum com o peru que aqui não existia.

A alternativa de valorizar a cozinha regional apresentava castanhas-do-Pará, jaraqui e baião-de-dois, além do pirarucu, com uma intervenção do chef Carlos Alberto Di Carli, que foi aqui lembrado por causa do roubo do século ocorrido em Portugal quando assaltaram um comboio de caminhões que carregava dez toneladas de bacalhau. O então delegado da SUNAB, Oyama Ituassu, confirmou que para substituir o bacalhau importaria pirarucu do Peru, cujo preço, porém, era demasiado salgado. Assim, não tem pirarucu de peruano que aguente.

Diário de tantos natais (1988) apresenta uma visão panorâmica da evolução da festa natalina em solo regional, com presentes dados às crianças amazonenses desde o natal de 1954, no Bairro de Aparecida, quando o Zé Bundórica encontrou um pequeno embrulho debaixo da rede, passando pelo natal de 1960 quando ganhou na festa dos funcionários do IAPC presente equivocado: uma boneca loura que abria e fechava os olhos. No natal de 1988, Zé Bundórica já casado e com filhos, presenteia Bundórica Junior com algo que marcou sua vida. 

O saco do Papai Noel baré (1993) comenta a chegada no aeroporto Eduardo Gomes do velhinho que veio da Finlândia, trazendo brindes para os políticos amazonenses em evidência: Amazonino Mendes, Ronaldo Lázaro Tiradentes, César Bonfim, Átila e Belarmino Lins, todos ganharam o que mereciam.  Já o povo amazonense foi agraciado com o cd "Porto de lenha" do Torrinho e com o "Reggae por nós" do Cileno, além de gravações do Pereira, Carlito Ferraz. Célio Cruz, Paulinho Kokay, Lucinha Cabral, Célio Cruz, Candinho & Inês, Betão Gomes.

- Esse povo triste e anêmico, embora não saiba, precisa de música. Só a música pode salvá-lo - filosofou o velho Noel.

A ceia de natal (1996) reuniu numa festa de confraternização as personalidades que frequentaram o espaço da coluna naquele ano, na base de "juntar as panelas". Um conhecido deputado federal, encarregado de trazer o pirarucu-de-casaca para a ceia natalina veio com 57 familiares, mas a contribuição que deram em comida foi pouca. A casaca até que era grande. Batata, batata, batata. Farinha, farinha, farinha. Repolho, repolho, repolho. Banana frita, banana frita, banana frita. Pirarucu, que é bom, necas de pitibiribas. Adivinhem quem trouxe o omelete? Ele, José Mello.

Tantos natais, tantas crônicas (2004) promove festinha de amigo oculto com os 12 personagens mais assíduos da coluna. Sem assunto, o colunista olha para um lado, para o outro e logo aparece saltitando a figura do eterno secretário estadual de Cultura, Robério Braga, o Berinho, que jogou fora  R$3.000.000,00 num festival pirotécnico de cinema, quando 62 municípios do interior do Amazonas não possuem sala de teatro ou de cinema e apenas três deles têm biblioteca pública. A crônica reproduz ainda carta de leitor que registra arbitrariedade do Judiciário local.

Um natal com bolo e bola (2010) registra episódio ocorrido em 1955 no natal dos pobres da Paróquia de Aparecida, na quadra do Colégio. O mestre de cerimônias foi o jovem Nilton Lins - o mesmo que tempos depois criaria uma Universidade com seu nome. Ele estava penteado com toneladas de gumex, um pozinho que se comprava nas farmácias e se misturava com água deixando o cabelo duro como plástico. No meio da festa, anunciou pelo microfone uma disputa, mas só podiam participar meninos que estivessem usando naquele momento uma meia furada.

A crônica de 2010 termina como essa de hoje: desejando um feliz aniversário para duas pessoas abençoadas: minha mana Regina Nakamura (20/12) e meu amigo Rubem Rola (18/12). 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

6 Comentário(s)

Avatar
Ana Stanislaw comentou:
21/12/2014
Adorei a seleção natalina! Obrigada, Bessa. Feliz Natal e excelente fim de ano.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
Marilza de Mello Foucher comentou:
21/12/2014
Meu mano cronista de primeira mão, para este natal, aqui em casa a ceia será com um bom veado “galheiro” bem marinado num bom vinho... Eu sei que os naturalistas que eram ecologistas não vão gostar, pois isto para eles representa a morte de um animal! Porém, aqui na França o período da caça é extremamente regulamentado. A população de veados franceses está em explosão, assim como o porco do mato e coelhos. O equilíbrio da natalidade passa ser necessário para o equilíbrio ecológico! Ai a caça é estimulada, e, em época de natal se come muito. Fora do ritual da boa mesa francesa que o Bessa conhece tão bem, vou aproveitar para saudar seus internautas que continuam fiéis às suas crônicas, alias é melhor ler Monsieur Bessa que ler a maioria dos assuntos repetidos, copiados e colados dos grandes jornais brasileiros. Quero dizer antes de tudo Boas Festas! E também lhes informar que os franceses, ao contrario dos amazonenses, defendem de corpo e alma a arte culinária francesa! Eles só consomem produtos locais. Eu vou abrir uma exceção nesta ceia de natal e vou preparar o meu veado com castanhas trazidas pelas amigas do Acre darei assim neste dia de Natal um sabor natalino franco-tropical. Mas não se esqueçam de pensar na garra desse grande revolucionário que foi Cristo um grande judeu que criou uma tendência política chamada cristianismo para defender com garra as injustiças sociais da época que eram feitas com o próprio povo judeu que era escravizado. A fundação da religião judeu-cristã tem valores que devemos pensar neste dia. Por que não somos mais solidários com os índios e negros que são pilares de nossa fundação? Por que aceitamos os grandes latifundiários que exploram milhões de trabalhadores rurais, além de impedir que eles também tenham acesso a terra? Por que a maioria do povo brasileiro, não aceita que os índios tenham seus territórios e culturas preservadas? Neste natal que é o momento de confraternização devemos rever e fortalecer os valores de solidariedade, de justiça social e fraternidade. Agora como Cristo devemos também nos revoltar e ter a capacidade de nos indignar contra todas as formas de injustiças e discriminação.
Comentar em resposta a Marilza de Mello Foucher
Avatar
Giane comentou:
20/12/2014
Flocos de isopor com o calor de Manaus.. aaaahhhhhhhhhhhhhhhhhh tudo perfeito srsrsrs
Comentar em resposta a Giane
Avatar
Giane comentou:
20/12/2014
E a Emenda Constitucional 215? Você costuma dar voltas e voltar ao tema inicial.. gostei da crônica, mas fiquei no ar..
Comentar em resposta a Giane
Avatar
Simara Ferreira (via FB) comentou:
20/12/2014
Avatar
VANIA TADROS comentou:
20/12/2014
SEO BABÁ QUE ENRROLAÇÃO ! PODIAS TER FEITO UMA LINDA CRONICA SOBRE O PRIMEIRO NATAL DE CUBA E OS YANKIES. O OBAMA ENTRAVA COM O PERÚ E O FIDEL COM UM COCHINILLO DE LEJÓN.
Comentar em resposta a VANIA TADROS