CRÔNICAS

Duas vacinas da vida: recém-nascidos e poesia

Duas vacinas da vida: recém-nascidos e poesia

“De sua formosura deixai-me que diga: é tão belo como um sim numa sala negativa”.

(João Cabral. Morte e Vida Severina. 1955)  

Quase 300 mil mortes por covid no país desgovernado. Diz aí, Felipe Neto, como nominar o capitão que compra armas e não vacinas? Estamos sufocando e o exterminador do presente ainda debocha da nossa agonia. O noticiário amargura o nosso cotidiano. É um martírio assistir a contagem diária dos brasileiros mortos por asfixia em filas de hospitais lotados, sem medicamentos para intubá-los, enquanto o gado obtuso muge, desmascarado e cloroquinado. Milhares de famílias mergulhadas na dor. Impotentes e deprimidos, pranteamos os severinos do asfalto, os entes queridos que “vêm seguindo seu próprio enterro”.

Como resistir? Busco angustiado um fiapo de esperança, um fiozinho de alegria para enfrentar o desânimo e lutar contra a besta-fera. Eis que duas notícias surgem como “uma porta abrindo-se em mais saídas”. Uma é o nascimento de uma criança, a outra a edição de um livro, sinais de que a vida está pulsando. Quando ambos se juntam, nos dão munição para combater o desalento e a melancolia provocadas pela barbárie. O berço ocupado por um bebê e a poesia cantada constituem sempre lugares de refúgio. E de resistência.

O berço é o do Yupanki Bepkaety nascido nesta quarta (17) na Santa Casa de Belém do Pará, filho de Aline Ngrenhtabare Kayapó, no exato momento em que o pai, Edson Kayapó, paria mais um livro de literatura indígena. São dois belos motivos para lutar por um Brasil sem milicianos, igualmente de todos e não acima de tudo e nem abaixo de ninguém.

Presepadas do curumim

O primeiro nome do recém-nascido emana da família da avó materna proveniente do mundo andino peruano, de origem aimará e quéchua: Yupanki como Tupac, o décimo Inca. O segundo foi dado pelo avô, que é cacique Kayapó.

O ninho no qual dorme placidamente nos mostra Yupanki “belo como a coisa nova na prateleira até então vazia ou como o caderno novo, quando a gente principia”, replicando aqui imagens poéticas de Morte e Vida Severina, quando os vizinhos, no meio da miséria, celebram o nascimento do menino, que é “belo porque tem do novo o frescor e a alegria”.

Embora nem desconfie, Yupanki Bepkaety “corrompe com sangue novo a anemia” e “infecciona a miséria com vida nova e sadia”. O livro de seu pai, que está saindo do forno, também representa o novo contagiando o velho. Duas vacinas de vida. Essas, nenhum genocida nos impede de tomar.

 “Um estranho Espadarte na aldeia” da Editora Primata, com 72 páginas, foi ilustrado por Maurício Negro e prefaciado por este locutor que vos fala.  Seu autor, Edson Kayapó, 49 anos, filho da floresta e dos rios, nasceu no Amapá, na margem esquerda do rio Amazonas. Retirado da aldeia por missionários para viver num internato em Altamira, de lá saiu para cursar História na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especializou-se em Historiografia da Amazônia na Universidade Federal do Amapá, fez o mestrado em História Social e o doutorado em Educação na PUC/SP. Ele tem tutano.

Coordenador por seis anos da Licenciatura Intercultura Indígena no Instituto Federal da Bahia, onde exerce a docência, Edson Kayapó é também professor credenciado e orientador de pesquisas de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Escritor premiado pela UNESCO e pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), escreveu outros livros, entre os quais o autobiográfico “Projetos e presepadas de um curumim na Amazônia”. É coautor, junto com Aline, de “Nós – Uma antologia de literatura indígena”.  

Entre a aldeia e a academia 

Conhecido pela defesa dos povos originários, Edson Kayapó nos surpreende, quando faz incursões pela literatura a partir do seu trabalho acadêmico. Na dissertação de mestrado defendida em 2008, ele mergulhou na documentação sobre o presídio de Clevelândia do Norte (1924-1926), localizado na cidade de Oiapoque, fronteira com a Guiana Francesa, para onde o presidente Arthur Bernardes deportou centenas de sindicalistas, anarquistas, militares rebelados de baixa patente do movimento tenentista, menores abandonados, assassinos e suspeitos de “conspiração”. A área atualmente é uma base militar da 1ª Companhia de Fuzileiros de Selva do Exército brasileiro.

Um dos deportados é o personagem central de sua narrativa no terreno ficcional.  Trata-se do operário de uma fábrica de tecidos do Rio de Janeiro - um anarquista italiano, que liderou greves reivindicando a jornada de 8 horas de trabalho. Por isso, foi preso e deportado para o presídio de Clevelândia, de onde consegue fugir pela floresta até chegar na aldeia Karipuna às margens do rio Curipi. Lá recebe o apelido de Espadarte, por ser parecido com o peixe do mesmo nome.

A trama recria a história de contato dos indígenas dessa região com outros povos, suas relações de conflitos, formas de solidariedade e afetividades. Os acontecimentos históricos são articulados com as tradições orais dos povos do Oiapoque, em especial dos Karipuna e aborda questões de migrações, diferenças socioculturais e linguísticas, abertura para a alteridade e construção das redes de sociabilidade dos Karipuna, Palikur, Galibi Marworno e Galibi Kali’na.

Durante a permanência de Espadarte, a aldeia recebe visita dos índios do Acre, com suas roupas coloridas de algodão. O italiano prova a ayahuasca, que faz a floresta balançar como a folha do açaizeiro, complementado pelo rapé, que equilibra o balanço das mirações.

Cantos de cura

Deliciado com a culinária indígena, que inicialmente lhe pareceu estranha, o operário italiano saboreia a perema cozida no tucupi, a gurijuba assada na brasa, o açai com farinha d’água, o pirão escaldado da dona Loloca cozinhado em panela de barro, o café com beiju de tapioca, variadas frutas amazônicas e os sucos de taperebá e bacuri.

Dessa forma, o autor aproxima os leitores do universo cultural-cosmológico indígena e sua marcante geografia fluvial. Ali, somos levados à vida cotidiana e ritual da comunidade, sempre permeadas pelo invisível. Delicadamente, ouvimos os cantos de cura do pajé, acompanhados ao som de clarinetes e maracás, sentimos a presença dos karuanãs, imaginamos o sabor do caxixi. Sob a névoa de fumaça, naquele espaço sagrado do turé, somos plateia atenta, sentada nos bancos zoomorfos, dançamos, cantamos, vemos o céu iluminado por pequeninas estrelas. Algo inimaginável para quem vive nas paisagens cinzentas das cidades.

Entre cenas do cotidiano no vai e vem da aldeia, são reveladas memórias íntimas de Espadarte, algumas dolorosas, outras esperançosas. Curado pela medicina indígena, o contato com os índios contribui para desfazer os seus preconceitos e, eventualmente, os do próprio leitor.  

Os Karipuna, por sua vez, sabem que os conhecimentos não indígenas lhes servem para reforçar suas estratégias de luta, particularmente na defesa da floresta e de seus territórios. A narrativa do livro se desenvolve sem alternância de tempo, contudo o discurso ali presente encontra ressonância nas diversas vozes dos atuais movimentos indígenas e suas reivindicações por terra, cultura, saúde, educação.

Troca de olhares

Um estranho Espadarte na aldeia” nos permite olhar o mundo Karipuna ora com o olhar do estrangeiro, ora com a perspectiva das crianças, que se divertem com a gatinha Kuxika e o cachorro Tucupi, grande caçador de paca, tatu, cotia também. Em última análise, é uma história de intercâmbios culturais entre indígenas e não indígenas. Esse diálogo nos conduz a reflexões sobre a multiplicidade de culturas, línguas, modos de sentir e pensar, de se relacionar com aquilo que chamamos de natureza.

Desse modo, o livro permite uma troca de olhares, que pode ser de grande valia aos professores na implementação da Lei 11.645 de março de 2008, um espaço para introduzir a temática indígena em sala de aula.  Edson Kayapó, que já plantou muitas árvores e escreveu vários livros, renova nossas esperanças com o Espadarte, mas também com o nascimento de Yupanki.  

A raiz Yupay do nome escolhido tem o sentido de contar, narrar, segundo o Diccionario Quechua Cuzco-Collao, de Antonio Cusihuamán G. (pg. 163).  O nome Yupanki seria algo assim como ‘aquele que narra’.  Este narrador é um antídoto a tantas fakes news que atentam contra a humanidade. Que a nova leva de netaranas que está chegando nos redima de tantos demônios: Rita Charrua concebida em território Yanomami, Nathalia Potiguara, 7 meses, neta da escritora Eliane Potiguara e do cantor Taiguara e Júlia, a Bolachinha Molhada, que nesse momento está nascendo em Manaus, filha da Giza e do Pão Molhado.

Será sempre um eterno começo. Continuons le combat, ce n'est qu'un début.

P.S. - Sobre o atentado contra Edson Kayapó em 2013 ver: http://taquiprati.com.br/cronica/1051-os-tupinamba-os-jaguncos-e-os-amarildos-da-bahia

 

 

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

31 Comentário(s)

Avatar
Urda Alice Klueger comentou:
22/03/2021
Emocionei-me até às lágrimas, com esse hausto de esperança. Não está fácil viver. Tenho compartilhado seus textos no meu facebook – perfil e página – e lá eles tem diversos seguidores fiéis. Urda.
Comentar em resposta a Urda Alice Klueger
Avatar
Romulo Andrade - Nação Cerratense (via FB) comentou:
22/03/2021
Uma história de vida e tanto... acabo de assistir o depoimento do Edson Kayapó no grupo do Insta : pensador admirável ! Onde encomendar os livros dele ? Na estante virtual não encontrei.
Comentar em resposta a Romulo Andrade - Nação Cerratense (via FB)
Respostas:
Avatar
Edson Kayapó comentou:
22/03/2021
Amigos, vocês podem encontra os livros "Projetos e Presepadas de um Curumim na Amazônia" e o "Nós: uma antologia de literatura indígena" no site da livraria Maracá: https://www.livrariamaraca.com.br/ Forte abraços!
Comentar em resposta a Edson Kayapó
Avatar
Tadeu Veiga (via FB) comentou:
22/03/2021
José Bessa, sabe onde comprar os livros?
Comentar em resposta a Tadeu Veiga (via FB)
Avatar
Iñaki Gómez Corte comentou:
22/03/2021
Parabéns Edson Kayapo! Aí o mundo possível que se abre, muita alegria e coragem para esse guerreiro. Salu!
Comentar em resposta a Iñaki Gómez Corte
Avatar
Nilda Alves comentou:
21/03/2021
Querido José Bessa, OBRIGADA, por existir. Estes seus escritos, me deram uma força hoje. Grande abraço Nilda Alves PS Claro passei para a família, para as amigas/amigos e para o grupo de pesquisa/ensino/extensão que coordeno
Comentar em resposta a Nilda Alves
Avatar
Valter Xeu comentou:
21/03/2021
Publicamos no Blog Patria Latina: https://patrialatina.com.br/duas-vacinas-da-vida-recem-nascidos-e-poesia/
Comentar em resposta a Valter Xeu
Avatar
Mauricio Negro (via FB) comentou:
21/03/2021
Bem-vindo, Yupanki! Sua narrativa começa prodigiosa. E como é bom dela participar! Celebremos à vida, Edson Kayapó, Aline Ngrenhtabare Lopes Kayapó e José Bessa! Meu coração está com vocês.
Comentar em resposta a Mauricio Negro (via FB)
Avatar
Serafim Correa comentou:
21/03/2021
Publicado no Blog do Sarafa. https://www.blogdosarafa.com.br/duas-vacinas-da-vida-recem-nascidos-e-poesia/
Comentar em resposta a Serafim Correa
Avatar
COMBATE RACISMO AMBIENTAL comentou:
21/03/2021
Publicado no Blog Combate - Racismo Ambiental https://racismoambiental.net.br/2021/03/21/duas-vacinas-da-vida-recem-nascidos-e-poesia-por-jose-ribamar-bessa-freire/
Comentar em resposta a COMBATE RACISMO AMBIENTAL
Avatar
Maria Lorena Fonseca comentou:
21/03/2021
Me emocionou o texto ao mesmo tempo que fiquei curiosa para ler o livro
Comentar em resposta a Maria Lorena Fonseca
Avatar
Roberto Zwetsch comentou:
21/03/2021
Bessa, sua homenagem é memorável. Grato e Felicidades ao menino Yupanki, à mamãe e ao papai Edson. Merecem. RZ
Comentar em resposta a Roberto Zwetsch
Avatar
Norielem Martins comentou:
21/03/2021
Que maravilha de narrativa! "infecciona a miséria com vida nova e sadia”. É isso, Yupanki.
Comentar em resposta a Norielem Martins
Avatar
Décio Adams comentou:
21/03/2021
A cada domingo recebo uma crônica da lavra de José Ribamar Bessa Freire. Em cada uma me vem um fragmento da cultura, ou melhor das variadas culturas dos povos indígenas que povoaram e ainda povoam, embora cada vez em menor número, as florestas amazônicas. É tanta riqueza que está cada dia mais ameaçada de desaparecer ou ser pisoteada pelos invasores, pelos grileiros, garimpeiros e os grandes proprietários de terras. A estes interessa somente explorar as riquezas naturais e encher os cofres de seus bancos, rechear suas polpudas contas bancárias, mesmo que para isso tenham que exterminar os povos nativos, devastar as florestas e sua imensa biodiversidade. Mesmo compartilhando as crônicas vejo pouquíssima repercussão, pois parece que nosso povo, especialmente a imensa maioria aqui do sul, é insensível a todos esses verdadeiros desastres sócio/econômico/culturais, perpetrados a cada dia, sob o beneplácito das autoridades que deveriam estar empenhadas em combater os desmandos. Mas eles fazem vista grossa ou mesmo aliviam as regras para facilitar a vida dos defraudadores de nossos bens mais preciosos.
Comentar em resposta a Décio Adams
Avatar
Clelia Bessa comentou:
21/03/2021
Fiquei louca com o livro do Édson Kayapo, onde compro? Mandei para o Marcos Palmeira a crônica.. Dá um roteiro pra cinema. A história de vida do Edson também é linda
Comentar em resposta a Clelia Bessa
Respostas:
Avatar
Edson Kayapó comentou:
22/03/2021
Querida Clelia Bessa e demais amigas/os, o novo livro "Um estranho espadarte na aldeia" ainda não está à disposição para venda, deve chegar nas livrarias e sites em breve. Assim que estiver disponibilizado, comunicarei amplamente. Sobre a proposta de um roteiro para cinema, a ideia é ótima e instigante. Eu topo, será uma aventura na densa floresta amazônica, com os seus encantos humanos e não humanos.
Comentar em resposta a Edson Kayapó
Avatar
Celeste Correa comentou:
21/03/2021
Há um ano que estamos convivendo com a morte de forma brutal. Morte de amigos queridos, de conhecidos, morte de gente famosa, morte de anônimos, asfixia da cultura, da liberdade e da democracia. Ler o Taquiprati falando nestas duas vacinas da vida me oxigena um pouco e ajuda a alimentar a raspinha de ar da esperança que tento reservar para seguir em frente. Não sei quando a vacina chegará pra mim, mas enquanto não chega é muito gratificante, no Dia mundial da Poesia, poder receber essas vacinas da vida, e super importante e de uma enorme simbologia as duas virem de um professor indígena. O país precisa resistir e o Edson kayapó, que conhece bem o que significa resistência, escancara, pra esse governo que nega a ciência e nega a sua história, que a poesia e o nascimento de uma criança são antídotos contra suas loucuras. Vacinemo-nos dessas lindezas e sigamos com coragem.
Comentar em resposta a Celeste Correa
Avatar
Homem Santo comentou:
21/03/2021
Respeito imenso pelo professor Edson, feliz por ele. Gratidão e respeito pelo senhor, professor Bessa, em cujas aulas, comparando contextos, vi confirmada a narrativa da minha bisa de que sua mãe (dela) era indígena (Goitacá).
Comentar em resposta a Homem Santo
Avatar
Llir de Llir comentou:
21/03/2021
Que o mundo se encha sempre de belas histórias, como a sua crônica, o filho de Aline e Edson e, das histórias que eles nos trazem. Já estou aqui querendo muito conhecer o livro e esse menino lindo, filho de Aline que a rede me apresentou (pois é pra ver que tudo tem seu lado muito bom) e que a cada dia fico mais encantada de conhecer. que o fluido universal abençoe tudo isso. Paz e poesia?
Comentar em resposta a Llir de Llir
Avatar
Katya Teixeira comentou:
20/03/2021
Pensando nisso fizemos o nosso Acalantos, pra tentar um fiapo de luz na noite escuta... https://youtu.be/zTuLkSOpaxQ
Comentar em resposta a Katya Teixeira
Avatar
José Bulcão comentou:
20/03/2021
Mais um artigo brilhante, professor. É isso aí. A vida que se renova, como a do pequeno Yupanki, e a poesia, que nos alimenta o espírito, são resistência contra os que querem nos impor seu culto à morte. Parabéns!
Comentar em resposta a José Bulcão
Avatar
Waldez Amorim comentou:
20/03/2021
Li o relato ou prefácio do livro q o TAQUIPRATI, escreveu. Muito bom! Perfeito parabéns a ele e a todos os envolvidos nesta obra
Comentar em resposta a Waldez Amorim
Avatar
Thereza Dantas comentou:
20/03/2021
Por trabalho e gosto estou lendo Garcia Lorca. E vendo as imagens dos filhos dos amigos. Tudo isso realmente acalma a nossa alma: beleza e futuro!
Comentar em resposta a Thereza Dantas
Avatar
Frida Martinha Guajajara comentou:
20/03/2021
Que maravilhosidade tripla, a narrativa do Professor José Bessa, Yupanki cria de Aline Ngrenhtabare Lopes Kayapó e tb o livro de Edson Kayapó . Bonitezas em meio ao caos
Comentar em resposta a Frida Martinha Guajajara
Avatar
Célia Maria Dias de Carvalho comentou:
20/03/2021
Lindíssimo texto. Salve a literatura indígena!! Salve a nova geração!! Que se narrem antigos e novos tempos.
Comentar em resposta a Célia Maria Dias de Carvalho
Avatar
Clarissa Quintanilha comentou:
20/03/2021
Avatar
Rita Pinheiro comentou:
20/03/2021
Que lindo! Linda homenagem ao menino de vocês. Bessa foi meu professor na faculdade. Grande profissional e pessoa!!
Comentar em resposta a Rita Pinheiro
Avatar
Ayalla Oliveira comentou:
20/03/2021
Suas crônicas são um alento à alma. Viva Yupanki! Parabéns aos pais, Aline e Edson! Já com vontade de ler o livro!
Comentar em resposta a Ayalla Oliveira
Avatar
Edson Kayapó comentou:
20/03/2021
Yupanki, o mais novo filho da floresta, ganha de presente um belíssimo texto escrito pelo mestre José Bessa. A mãe está toda feliz com a criança, e o pai feliz pelo conjunto de notícias. Ao mesmo tempo, nasce mais um filho editorial, prefaciado pelo pai de Taquiprati (o próprio Bessa), com capa produzida por Mauricio Negro. “Um estranho Espadarte na aldeia” (Editora Primata) é mais uma obra de minha autoria, em breve disponibilizada nas livrarias e sites.
Comentar em resposta a Edson Kayapó
Respostas:
Avatar
Betty Mindlin comentou:
21/03/2021
Edson, parabéns duplo, e vou ler tudo! Ainda falta o romance, não? Abraço grande da Betty
Comentar em resposta a Betty Mindlin
Avatar
Ana Silva comentou:
20/03/2021
Que crônica linda! Um sopro de vida. Parabéns, eu quero ler o livro. rsrs
Comentar em resposta a Ana Silva