CRÔNICAS

Um dentista entre os índios de Roraima

Em: 02 de Dezembro de 2018 Visualizações: 1287
Um dentista entre os índios de Roraima

Cirurgião dentista: Bruno Miranda da Rocha. Esta placa deveria estar na porta do consultório, em Aracaju, de um jovem nascido em Natal (RN) e diplomado pela Universidade Federal de Sergipe, em 2003. Mas eis que, de repente, ele é convidado por um amigo para trabalhar no Distrito Sanitário Indígena de Roraima, com prazo de 15 dias para se apresentar nas aldeias. Não hesita um minuto. Vende tudo o que acabara de comprar: cadeira odontológica e equipamentos ainda sem uso. E se pirulita. Desembarca no aeroporto de Boa Vista na madrugada de 28 de abril de 2004. Começa uma nova vida.  

- Quem convive com os índios nunca mais será o mesmo, a gente se deslumbra quando descobre que outras formas de vida são possíveis – afirmou Darcy Ribeiro baseado em experiência própria.

O dentista potiguar, já no dia seguinte à chegada, se deslocou em um teco-teco à comunidade Cumanã I na região Surumu, ao encontro dos Makuxi, com quem aprendeu outros modos de cuidar dos dentes. Ali verificou que sua capacitação profissional, adequada para o meio urbano, não lhe servia para avaliar o kurawá (sisal), planta que cresce às margens dos igarapés e de onde é retirado um fio fino e resistente usado para a higiene dentária, nem o arbusto com nome metido à besta – byrsonima crassi-folia – o popular mirixi ou murici, de cuja casca os índios extraem o carvão para limpeza dentária.

- “No tempo de murici, cada qual cuida de si” – ensina a sabedoria popular. O provérbio, neste caso, não faz apologia ao egoísmo, mas aos cuidados de higiene bucal. O dentista observou que os índios tratam os dentes muito bem com carvão de cascas de várias outras espécies vegetais: darora (leptolobium nitens), angico (anadenanthera peregrina) e pau-rainha – uma leguminosa, de cor laranja, que só existe na savana roraimense. Para evitar cárie, fazem bochecho com chá de dente da capivara ou do porco e de mangarataia (gengibre). Mastigam raiz de timbó, usam talo da folha de buriti e do coco.

Saúde bucal

Com curiosidade etnográfica, o dentista potiguar se dedica a observações etnobotânicas e etnofarmacológicas no campo da medicina tradicional, vivenciando tudo o que pode. Só não esfregou lesma no dente para endurecê-lo e nem lavou a boca com fel de boi e pimenta malagueta - como fazem alguns índios, mas o resto, fez de tudo. Experimentou pessoalmente o fio do kurawá e ficou satisfeito com os resultados. Sua maneira de trabalhar e de viver foi mudando desde o primeiro caso que tratou:

-  Num exame clínico em um menino de três anos, me assustei com a situação dos dentes anterossuperiores. Os quatro incisivos estavam cariados e só restava a raiz. Precisava extraí-los. Chamei a mãe e dei um sermão nela, que culpou o pai da criança, por haver ele trabalhado com uma lima. Na cultura Makuxi, quando nasce uma criança o pai precisa fazer o resguardo, não pode trabalhar com essa ferramenta para evitar que os dentes da cria apodreçam. Diante disso, vi que meus conhecimentos sobre etiologia de doenças bucais já não eram suficientes para tratar os índios.

Foi aí que Bruno decidiu estudar a cosmologia Makuxi para saber como é que eles viam o processo saúde-doença-cuidado. Buscou apoio num curso de especialização em saúde pública para sistematizar suas experiências com os índios de Roraima, depois fez mestrado e doutorado:

- Na minha posição de aprendiz, foi uma descoberta atrás da outra. Deparei-me com uma cosmovisão encantadora e, ao mesmo tempo, assustadora para a perspectiva do modelo biomédico dominante. A cárie não tinha mais relação com a bactéria. A escova, a pasta e o fio dental não eram mais imprescindíveis para a higiene bucal. O conhecimento tradicional explicava um novo modo de entender, que passou a fazer parte das minhas palestras de educação em saúde e despertou atenção de outros profissionais.

As orações

Foi o caso de um colega europeu que ao visitar as aldeias de Roraima pensou em realizar um projeto para incluir nas sociedades urbanas os saberes, as técnicas e os recursos usados pelos índios. No entanto, o preconceito determina que a via da interculturalidade só tenha uma direção: daqui pra lá. As práticas tradicionais de higiene em muitas comunidades vêm sendo substituídas pela escova e creme dental, nem sempre com igual eficácia, porque tais produtos industrializados não crescem em árvores, não sendo portanto de fácil acesso.

Durante quinze anos, Bruno trabalhou com saúde bucal no Conselho Indígena de Roraima no convênio com a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), na Gerência de Saúde Indígena e na Coordenação Geral da Atenção Básica na Secretaria de Estado de Saúde de Roraima. Aprovado em 2011 no concurso para professor da Universidade Estadual (UERR), assumiu as disciplinas Saúde Indígena e Saúde Coletiva. Depois, cursou o mestrado em Ciências da Saúde. Agora, nesta terça (27/11) obteve o título de doutor.

Sua tese de caráter transdisciplinar atravessa os campos das biociências, da antropologia, da pedagogia e da história, particularmente da nova história cultural, para dar conta do cuidado em saúde representado nos folhetos da etnia Makuxi do Centro de Documentação Indígena (CDI) e do Arquivo Indigenista da Diocese de Roraima. Centrou a pesquisa nos dois volumes do Makuxi Tarumu (1987), que contém orações em língua Makuxi para prevenir e curar doenças e no Makuxi Panton (1988) com narrativas míticas que ensinam sobre as doenças e as formas de cura.

Mais médicos

O autor usa como referência teórica os estudos sobre a história do livro e da leitura de Roger Chartier, professor na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, que discute as transferências entre a cultura oral e a cultura escrita, mostrando as diversas práticas de participação de indivíduos não-letrados na cultura letrada e focando o livro como um objeto de poder, tanto quanto certos objetos rituais dos pajés.

A tese trabalha ainda outros livros: “Registrando os conhecimentos tradicionais sobre plantas medicinais na comunidade do Ticoça” (2014), de autoria da indígena Jocivânia da Silva Oliveira; “Filhos de Makunaimi” (2004) e “Onças, Antas e Raposas: Mitos do povo Makuxi registrados pelo monge beneditino Dom Alcuíno Meyer entre 1926 e 1948”, sempre na perspectiva de Chartier que analisa a materialidade e estética dos folhetos.

Um dos seus capítulos mais interessantes é justamente o intitulado “Medicina Indígena e Biomedicina: concorrentes ou parceiras?” no qual o autor esclarece que as categorias de doenças não são universais, mas social e etnicamente classificadas e que a etnomedicina pode ajudar o cientista a compreender as doenças, seus sintomas e o valor de tratamentos diferenciais em áreas específicas.

O doutoramento de Bruno Miranda da Rocha se dá no momento em que um terço das vagas abertas no Amazonas, no edital emergencial do Mais Médicos, continua sem candidatos. São 112 postos de trabalhos, dos quais 68 em distritos de saúde indígena. Não é qualquer um que deixa de abrir um consultório na cidade para se dedicar à população carente. Só mesmo um médico cubano ou um dentista nordestino cabra-da-peste.

P.S. 1 – Bruno Miranda da Rocha: Makuxi Tarumu: o cuidado em saúde representado nos folhetos da etnia Makuxi em Roraima na década de 1980. Tese apresentada no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Biociências da UNIRIO. Banca: Wellington Amorim (orientador), Ananda Machado (UFRR), Fernanda Nascimento (UFRJ), Luiz Henrique Pellon (Unirio), José R. Bessa Freire (Uerj-Unirio).   

P.S. Não desisto. Um dia ainda levo para visitar a área indígena dois profissionais competentes: Roberto Erthal, mestre em cirurgia e traumatologia buco maxilo facial e seu filho André Erthal, ambos responsáveis por esse sorriso aqui que encanta as meninas de 70 anos do condomínio onde moro.  

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

17 Comentário(s)

Avatar
Kercia Figueiredo comentou:
06/12/2018
Demais ! Obrigada por compartilhar as descobertas de Bruno... Esse dentista, nordestino cabra da peste, que ousou se aventurar, crescer e aprender com os povos indígenas...
Comentar em resposta a Kercia Figueiredo
Avatar
Anne Marie comentou:
05/12/2018
Muita emoção. Uma história de vida que começa com muito saber e bravura deste filho de Sergipe, meu querido Sergipe que me ensinou a ser brasileira. Uma história de vida que injeta esperança neste momento tenebroso do nosso país.
Comentar em resposta a Anne Marie
Avatar
Rodrigo Martins Chagas comentou:
03/12/2018
Que crônica inspiradora professor, parabéns! Fiquei com vontade de experimentar o fio de Kurawa e também o carvão de cascas darora, pau-rainha ou angico, E que linda trajetória do Bruno que pôde adquirir uma rica experiência com Makuxi e ter aprendido com eles técnicas muito interessantes que a biomedicina convencional simplesmente não conhece. Parabéns Bruno! Um abraço querido professor!
Comentar em resposta a Rodrigo Martins Chagas
Avatar
Lis Cohen comentou:
02/12/2018
Eu fiz a mesma coisa, larguei tudo e estou aqui na Amazônia tentando evitar o genocídio e a extinção do povo cinta larga. Fui também convidada por um índio. Estou passando por grandes dificuldades e privações ( por vários motivos), mas resistindo. Buscando alternativas pra conseguir me manter. Não está sendo fácil...
Comentar em resposta a Lis Cohen
Avatar
Neide Martins Siqueira comentou:
02/12/2018
Que trajetória bonita para inspirar, Nesse tempo em que vivemos sem esperança.
Comentar em resposta a Neide Martins Siqueira
Avatar
Gleice Antonia comentou:
02/12/2018
Querido José Bessa. Ainda bem que os próprios indígenas estão buscando solucionar seus problemas estruturais porque os governos seguem sua política de ignorar, desrespeitar esses povos.
Comentar em resposta a Gleice Antonia
Avatar
Lidia Ângela Dí Fabrízio comentou:
02/12/2018
Q texto gosotso de ler! Eu fico pensando no q eu seria capaz de fazer pra poder conhecer esse povo maravilhoso q tem muito pra nos ensinar. Maravilhoso o projeto desse dentista. Humildade em reconhecer q ainda precisava aprender com os nativos pra q pudesse doar o q aprendeu na cidade. Humildade essa q o faz grande e q só os nobres possuem.
Comentar em resposta a Lidia Ângela Dí Fabrízio
Avatar
Ana Silva comentou:
02/12/2018
Excelente texto. Maravilha saber que temos profissionais com a mente e coração abertos para outras culturas seus diferentes regimes de conhecimentos.
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Sirlene Bendazzoli comentou:
02/12/2018
Conheci um dentista que atuava entre os indígenas Awa Guajá no Maranhão que, para fazer seu trabalho, contratava com seu dinheiro um ajudante que com ele atravessava o rio Pindaré. Carregavam da margem ate a aldeia, uns 2 km, cadeira odontológica, gerador elétrico, equipamentos e mantimentos. Ele poderia não levar tanto peso de aldeia a aldeia mas o fazia para poder tratar cáries. Sem esses equipamentos só poderia fazer extrações, comprometendo a saúde bucal dos indígenas. Adultos e crianças deixavam-se tratar sem nenhuma reclamação. Essa era a maior recompensa do dedicado dentista. Quem quer???
Comentar em resposta a Sirlene Bendazzoli
Avatar
Catarina Medeiros comentou:
01/12/2018
Esse é um belo exemplo que devia ser seguido. Não é possivel que a classe médica no Brasil seja incapaz de gestos de solidariedade. O doente é uma mercadoria.
Comentar em resposta a Catarina Medeiros
Avatar
roberto zwetsch comentou:
01/12/2018
Bessa ,amigo, Excelente crônica sobre etno-odontologia, cuidado bucal com plantas como conhecemos entre os Kulina no Acre, e um final bem ao seu estilo: nada como um médico cubano ou um dentista cabra da peste para ir aos lugares mais perdidos na Amazônia. Agradecido. PS.Lori me assoprou o nome da planta que deixa os dentes dos Kulina limpos, mas pretos por alguns dias: SSIPI, na língua, vamos descobrir o nome regional e te informamos. RZ.
Comentar em resposta a roberto zwetsch
Avatar
Clarice Novaes Da Mota comentou:
01/12/2018
Em nome de todos os brasileiros necessitados e atencao medica, obrigada Bruno Miranda da Rocha!
Comentar em resposta a Clarice Novaes Da Mota
Avatar
Gerusa Pontes de Moura comentou:
01/12/2018
Estou inebriada com a história do dentista Bruno Miranda.. É de tirar o chapéu.
Comentar em resposta a Gerusa Pontes de Moura
Avatar
Elena Guimarães comentou:
01/12/2018
Avatar
Ana Paula Freire Artaxo comentou:
01/12/2018
Que história! “Só mesmo um cubano ou cabra-da-peste”...
Comentar em resposta a Ana Paula Freire Artaxo
Avatar
Liege Albuquerque comentou:
01/12/2018
isso é q é dentista e antropólogo, q vida rica tem um médico ou um dentista disposto a essas experiências humanizadoras.
Comentar em resposta a Liege Albuquerque
Avatar
Ivanir lima comentou:
30/11/2018
De fato, conviver com os povos indígenas nos faz ter uma outra visão da vida e nos transforma. Como discordar de Darcir Ribeiro. Sua crítica a baixa inscrição e médicos para ocupar as vagas no amazonas e especialmente na area da saude indigena é perfeita e me fez ate pensar que houve alguma mudanca no nome do programa. Sera que agora se chama: Mais médicos "menos no amazonas"? Obrigada estimado amigo por nos brindar mais uma vez com suas palavras. Os amigos do Jauari mandan a ti abraços.
Comentar em resposta a Ivanir lima