CRÔNICAS

Te recuerdo Víctor Jara: la vida es eterna

Em: 08 de Julho de 2018 Visualizações: 4305
Te recuerdo Víctor Jara: la vida es eterna

“Te recuerdo Amanda (…) la vida es eterna en cinco minutos, suena

la sirena y tu caminando lo iluminas todo”. (Música de Victor Jara)

Nesta Copa do Mundo, a mídia está focada nos estádios da Rússia. Mas longe dali, outro estádio emergiu no noticiário jornalístico como cenário da barbárie: o Estádio Chile. Na terça-feira (3), a Justiça chilena condenou, enfim, os nove militares que assassinaram, em 1973, o cantor Víctor Jara, preso, torturado e executado com 44 tiros naquela arena hoje rebatizada com seu nome: Estádio Víctor Jara. Uma homenagem a quem canta o amor, a luta, a liberdade, e nunca usou sequer um canivete como arma. Só o violão, a voz, as ideias, a melodia.  

Essa notícia me trouxe lembranças do encontro com o cantor chileno, em 1970. Foi assim. Ele havia participado de um evento internacional de teatro na Europa – Paris ou Berlim, não lembro bem – e voltava para o Chile, via Lima, onde passaria alguns dias. Lá, no bairro de Miraflores, eu e o casal Euclides e Adair - dois exilados brasileiros do Teatro de Bonecos Dadá - morávamos nos fundos de um casarão, sede do Instituto Cultural Peru-URSS, em cujo auditório ele se apresentaria.

Éramos uma espécie de “zeladores” do prédio, trocando pequenos serviços pela moradia solidária. Um desses serviços foi requerido pelo diretor do Instituto através de seu filho Germán Mendoza. O pai estava em Ica, sul de Lima, em afazeres numa fábrica artesanal de cachina - bebida feita de sumo de uva, e não podia receber Víctor Jara. Queria saber qual de nós dispunha de tempo para ciceronear o cantor pela cidade. Meus dois amigos trabalhavam na confecção de bonecos para a encenação de uma peça. O único “vagabundo” ali era eu. Bendita vagabundagem! Quanto privilégio!

Memória reformatada

Fiquei dois ou três dias zanzando com Víctor Jara pelas ruas de Lima, sempre em ônibus, mas as lembranças quase meio século depois permanecem embaçadas. A memória é o único lugar onde o passado existe e, ao evocar um fato, reformatamos essa lembrança – diz Bráulio Tavares em “Ilusões da Memória”. Por isso, faço um esforço, talvez ilusório, para não enfeitar as recordações, nem preencher eventuais lacunas. Seria arriscado reproduzir conversas. Vou me limitar a dois momentos. Um deles quando fui buscar Víctor Jara no bairro de Jesus Maria onde estava hospedado.

Ele me recebeu com “la sonrisa ancha”, um riso limpo e largo como a Amanda da canção - eu poderia escrever. No entanto, me pergunto se essa imagem não é uma recriação posterior a partir de suas fotos, quase sempre sorrindo, em algumas delas cantando para crianças da periferia. De qualquer forma, se o filho da dona Amanda, de origem mapuche da região de Biobio, tivesse me cumprimentado naquela hora na língua mapudungun - a “fala da terra” dos araucanos, eu não me surpreenderia. Será tal impressão a que tive em 1970 ou surge agora que escrevo? Sabe-se lá.

Uma coisa, porém, é certa. Ele queria visitar o Museu Nacional de Antropologia, Arqueologia e História do Peru, na praça Bolívar, em Pueblo Libre, com exposição da arte pré-hispânica em cerâmica, tecido e metais. Subimos no micro-ônibus xexelento, de cor verde, Comas - Pueblo Libre, cujo rádio, em alto volume, tocava cumbias, boleros e valsas interpretadas por Lucha Reyes, “la morena de oro del Perú”.

Logo no início da avenida Brasil, ao passar em frente à Basílica Maria Auxiliadora, o trocador se benzeu. Comentamos o fato e Víctor Jara me disse que havia sido seminarista, ia ser padre, mas desistiu.

– Que coincidência, eu também – falei.

A conversa tomou esse rumo e descobrimos que o seminário dele, lá no Chile, era da Congregação Redentorista, a mesma que me abrigou em Coari, Amazonas, o que criou certa cumplicidade. A diferença foi que ele entrou já adolescente e saiu de lá por livre e espontânea vontade, já eu entrei ainda de calça curta e fui expulso, por desobediente, mas suspeito que ocultei dele esse detalhe. A conversa prosseguiu em torno da ditadura no Brasil, do processo eleitoral da Unidade Popular no Chile e das reformas do governo Velasco no Peru.

Enfim, Justiça

Víctor Jara preferiu perambular pelos bairros populares. Não sei se no mesmo dia, mas em algum momento me convidou a comer cebiche, em pé, numa banca do mercado de Jesus Maria. Um senhor banquete, complementado com anticucho – coração de boi no espetinho e chinchulin - tripa de boi grelhada na brasa com molho de chimichurri, cujo aroma ainda me dá água na boca. Um esgalamido como eu jamais apaga sabores da sua memória.

Meu trabalho de cicerone foi fugaz, mas marcante, sua música me acompanhou durante esses anos. Por isso, a notícia da condenação dos seus assassinos me tocou intensamente. Em 1970, por pura timidez, nada perguntei sobre sua vida, mas esse encontro me permitiu conhecer alguém íntegro, generoso, sensível, alegre, marcado por uma infância pobre e comprometido com as lutas sociais.   

Seu pai Manuel, um camponês que não sabia ler, era alcoólatra e se pirulitou, abandonando a mulher Amanda e os cinco filhos. Ela era letrada, tocava violão e cantava músicas folclóricas, o que contribuiu para que Víctor participasse do Coral da Universidade de Chile, como solista na Peña de los Parra e como diretor artístico do reconhecido grupo Quilapayún.

A Comissão da Verdade reuniu provas do crime cometido em 14 de setembro, quando ele ia completar 41 anos. O corpo, atirado em um matagal, tinha 44 marcas de balas, ossos fraturados e mãos esmagadas por coronhadas, segundo a autópsia confirmada por duas testemunhas. Foi sepultado no Cemitério Geral de Santiago, em cuja lápide está escrito: “Hasta la victoria”. Os nove bandidos que o assassinaram covardemente – ele estava algemado e com os olhos vendados – foram condenados a 18 anos de cadeia. A Justiça chilena tardou 45 anos, mas não falhou. E a brasileira?

Víctor Jara, um dos 30 mil mortos e desaparecidos na ditadura Pinochet, eternizou em “Te recuerdo Amanda” o amor de um casal de operários, que se encontrava diariamente na porta da fábrica por cinco minutos, até que um dia toca a sirene e ele, destroçado e morto, já não retorna. Quem hoje está de volta é o trovador Victor Jara, cuja arte permanece “iluminando todo” com sua música, sua coragem, seu desprendimento. Já seus assassinos foram atirados na lata de lixo da História.

A viúva - a bailarina britânica Joan Turner Jara e as duas filhas -  Manuela e Amanda, receberam o reconhecimento do povo chileno, que ergueu um monumento ali onde seu corpo foi encontrado, mantendo o túmulo sempre com flores.

P.S. – A música “Te recuerdo Amanda” pode ser acessada em https://www.youtube.com/watch?v=GRmre8ggkcY

Ou com os Quilapayún - https://www.youtube.com/watch?v=ywilRl7z2hU

 

TE RECUERDO VÍCTOR JARA: LA VIDA ES ETERNA

José R. Bessa Freire - Diário do Amazonas - 08/7/2018

“Te recuerdo Amanda (…) la vida es eterna en cinco minutos, suena

la sirena y tu caminando lo iluminas todo”. (Música de Victor Jara)

Durante esta Copa del Mundo, los medios de comunicación dan destaque a los estadios de Rusia. Muy lejos, otro estadio apareció en los telediarios como escenario de la barbarie: el Estadio Chile. El martes (3), la Justicia chilena condenó, por fin, a los nueve militares que asesinaron en 1973, al cantor Víctor Jara, preso, torturado y ejecutado con 44 tiros en esa arena hoy rebautizada con su nombre: Estadio Víctor Jara. Un homenaje a quien canta el amor, la lucha, la libertad, y que nunca usó ni siquiera una navaja suiza como arma. Unicamente la guitarra, la voz, las ideas, los acordes melodiosos.  

Esa noticia me trajo recuerdos del encuentro con el cantor chileno que había participado en un evento internacional de teatro en Europa – Paris o Berlín, no me acuerdo – y volvía a Chile, pasando por Lima unos días en 1970. Allá, en el barrio de Miraflores con Euclides y Adair - los dos exilados brasileños del Teatro de Bonecos Dadá – vivíamos en un anexo de la casona, que era sede del Instituto Cultural Perú-URSS, donde Víctor Jara debía presentar un recital.

Éramos una especie de “conserjes”, hacíamos pequeños servicios a cambio de hospedaje solidario. Uno de ellos nos fue solicitado por el director del Instituto a través de su hijo Germán Mendoza. Su padre estaba en Ica, al sur de Lima, trabajando en su fábrica artesanal de cachina - bebida hecha del zumo de uva, por lo que no podía recibir a Víctor Jara. Nos consultó sobre la posibilidad de servir como guía al cantor. Mis dos amigos no podían porque estaban trabajando en el montaje de una pieza. El único “vagabundo” allí era yo. Bendita vagabundaje! Cuanto privilegio!

Memoria reformulada

Pasé dos o tres días paseando con Víctor Jara por las calles de Lima, siempre de ómnibus, pero los recuerdos casi medio siglo después permanecen nebulosos. La memoria es el único lugar donde el pasado existe y al evocar un hecho, reformulamos ese recuerdo – dice Bráulio Tavares en “Ilusões da Memória”. Por eso, hago un esfuerzo, tal vez ilusorio, para no adornar los recuerdos, ni llenar las eventuales lacunas. Sería arriesgado reproducir los diálogos. Voy a limitarme a dos momentos. Uno de ellos cuando fui a buscar a Víctor Jara en el barrio de Jesús María donde estaba hospedado.

El cantor me recibió con “la sonrisa ancha”, una sonrisa limpia y amplia, como Amanda de la canción - podría escribir ahora. Sin embargo, me pregunto si esa imagen no es una recreación posterior a partir de sus fotos, casi siempre sonriendo, en algunas de ellas cantando para niños de poblaciones desfavorecidas. De cualquier forma, si el hijo de doña Amanda, de origen mapuche de la región de Biobío, me hubiera saludado aquella hora en la lengua mapudungun - el “habla de la tierra” de los araucanos, yo no me sorprendería. ¿Será que es esa la impresión que tuve en 1970 o surge ahora que escribo? Sabe Dios.

Una cosa es verdad. Víctor Jara quería visitar el Museo Nacional de Antropología, Arqueología e Historia del Perú, en la plaza Bolívar, en Pueblo Libre, con exposición del arte pre-hispánico en cerámica, tejido y metales. Subimos al micro destartalado de color verde, Comas - Pueblo Libre, cuyo radio, tocaba a todo volumen cumbias, boleros y valses interpretados por Lucha Reyes, “la morena de oro del Perú”.

Al entrar en la avenida Brasil, frente a la Basílica María Auxiliadora, el chofer se persignó. Hicimos un comentario y Víctor Jara me contó que había sido seminarista, iba a ser padre, pero desistió.

– Que coincidencia, yo también – le dije.

La conversación versó sobre este tema y descubrimos que el seminario de Chile, era de la Congregación Redentorista, la misma que me abrigó en Coari, Amazonas, lo que creó una cierta complicidad. La diferencia fue que él entró ya adolescente y salió por libre y espontánea voluntad, ya yo entré cuando usaba pantalones cortos y fui expulso, por desobediente. Sospecho que le oculté ese detalle. La conversación prosiguió en torno de la dictadura en Brasil, del proceso electoral de la Unidad Popular en Chile y de las reformas del gobierno Velasco en el Perú.

En fin, Justicia

Víctor Jara prefirió deambular por los barrios populares de la ciudad. No sé si aquel mismo día, pero en algún momento me convidó a comer cebiche, de pie, en un puesto del mercado de Jesús María. Un señor banquete, complementado con anticucho – corazón de buey en pinchos y chinchulin - tripa de buey grillada en la brasa con salsa de chimichurri, cuyo aroma todavía me provoca agua en la boca. Un hambriento como yo jamás apaga sabores de la memoria.

Mi trabajo de cicerón fue fugaz pero dejó marcas, su música me acompañó todos estos años. Por eso, la noticia de la condenación de sus asesinos me tocó intensamente. En 1970, por pura timidez, nada le pregunté sobre su vida, pero ese encuentro me permitió conocer alguien íntegro, generoso, sensible, alegre, marcado por una infancia pobre y comprometido con las luchas sociales.   

Su padre Manuel, un campesino que no sabía leer, era alcohólico, acabó abandonando su mujer Amanda y los cinco hijos. A ella le gustaba leer, tocaba guitarra y cantaba música folclórica, lo que contribuyó para que Víctor participase del Coral de la Universidad de Chile, como solista en la Peña de los Parra y como director artístico del reconocido grupo Quilapayún.

La Comisión de la Verdad reunió pruebas del crimen cometido el 14 de setiembre, cuando iba a cumplir 41 años. El cuerpo, tirado en un matorral, tenía 44 marcas de balas, huesos fracturados y manos destrozadas a golpes según la autopsia, confirmada por dos testigos. Fue sepultado en el Cementerio General de Santiago, en cuya lápida se lee: “Hasta la victoria”. Los nueve bandidos que lo asesinaron cobardemente – estaba esposado y con los ojos vendados – fueron condenados a 18 años de prisión. La Justicia chilena tardó 45 años, pero no falló. Y la brasileña?

Víctor Jara, uno de los 30 mil muertos y desaparecidos en la dictadura Pinochet, eternizó en “Te recuerdo Amanda” el amor de una pareja de obreros, que se encontraba diariamente en la puerta de la fábrica durante cinco minutos, hasta que un día toca la sirena y él, muerto, y destrozado no retorna más. Quien hoy está de regreso es el trovador Víctor Jara, cuyo arte permanece “iluminando todo” con su música, su coraje, su desprendimiento. En cambio, sus asesinos fueron a dar a la lata de basura de la Historia.

La viuda - la bailarina británica Joan Turner Jara y sus dos hijas -  Manuela y Amanda, recibieron el reconocimiento del pueblo chileno, que erigió un monumento allí donde encontraron su cuerpo y mantiene el túmulo siempre con flores.

P.S. – La música “Te recuerdo Amanda” se puede accesar  en https://www.youtube.com/watch?v=GRmre8ggkcY

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

37 Comentário(s)

Avatar
Nelson Peixoto (via FB) comentou:
28/07/2018
Compartilho com algum atraso a crônica do José Bessa, que por minha ausência na celebração dos 75 anos dos Redentoristas no Amazonas, só agora deparei-me. Participei do Encontro Nacional da União dos Ex-Seminatistas Redentoristas do Brasil (UNESER) que se alia aos ex-seminaristas Redentorista do Chile. Aprendemos que o sentido que damos à vida é o sentido que damos a morte! Entregar-se às causas do Reino de Deus e sua JUSTIÇA. E resto vem por acréscimo!
Comentar em resposta a Nelson Peixoto (via FB)
Avatar
Ana Silva comentou:
14/07/2018
Sensível, poético, encantador. É uma belíssima homenagem ao Victor Jara, um dos mais espetaculares músicos do mundo. Viva a América do Sul, com seus músicos e escritores, Jara e Bessa rsrsrs, que nos encantam com suas canções, historias, memórias. Todas, aqui, alinhavadas com doces palavras. Extraordinário, Bessa, extraordinário!
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Neide Martins comentou:
13/07/2018
Muito lindo e delicado texto. Viva Victor jara.!
Comentar em resposta a Neide Martins
Avatar
Delphine Piffeteau comentou:
11/07/2018
Estimado José, Esta tarde Matiàs me ha comunicado la publicación de tu artículo sobre Víctor Jara. Ha sido una sorpresa y una emoción muy intensas, no me podía imaginar que habías sido su compañero de unas horas, deambulando por las calles de Lima. Tu voz es un magnífico homenaje a la suya. Ya ha pasado mucho tiempo desde nuestro encuentro en Montpellier cuando conocimos la história del Gato Bilingue. Envio el trabajo que realizaron los alumnos de Pierre. Ya verás con el “La Mirgueta e lo Gatás” que tus palabras fueron fuente de inspiración en Occitània. Te las agradecemos. Muchos recuerdos a toda la familia! Delphine
Comentar em resposta a Delphine Piffeteau
Avatar
Fernando Soares Campos (via FB) comentou:
11/07/2018
Publicado na versão em português do Pravda. http://port.pravda.ru/mundo/11-07-2018/45889-jara-0/
Comentar em resposta a Fernando Soares Campos (via FB)
Avatar
Magela Ranciaro (via FB) comentou:
11/07/2018
Magela Ranciaro Sim, Victor Jara sempre esteve entre as músicas que embalaram nossos sonhos, lá pelos idos de 70/80 José Bessa, nos transportou para esse tempo. Linda, linda a crônica!
Comentar em resposta a Magela Ranciaro (via FB)
Avatar
Inaki Gomez comentou:
10/07/2018
Que história massa Mestre e que privilégio. Que bom que foram julgados esses covardes e assassinos. Viva Victor Jara! Viva o povo latinoamericano!
Comentar em resposta a Inaki Gomez
Avatar
Nefer Hass (via FB) comentou:
09/07/2018
Avatar
susana grillo comentou:
09/07/2018
Bessa, que linda e oportuna crônica! Como a memória registrada é importante para a história social! Obrigada, Bessa, por mais essa... me fez bem ao coração nestes dias tão conturbados. Um grande abraço.
Comentar em resposta a susana grillo
Avatar
Diego Salgado (via FB) comentou:
09/07/2018
Adorei a crônica que escreveu sobre seu contato com Victor Jara As leituras que faço de seus textos são sempre muito tocantes. E fiquei muito reflexivo quanto a questão do tempo... das lacunas.
Comentar em resposta a Diego Salgado (via FB)
Avatar
Cecilia Coimbra (via FB) comentou:
09/07/2018
Salve Salve Salve Victor Jara!! PRESENTE HOJE E SEMPRE!!!
Comentar em resposta a Cecilia Coimbra (via FB)
Avatar
Zeca Ligièro comentou:
09/07/2018
Lindo texto, Bessa, Uma recordação tão importante.
Comentar em resposta a Zeca Ligièro
Avatar
Maria das Graças Cota comentou:
09/07/2018
Chorei de soluçar com o seu texto. Abraços.
Comentar em resposta a Maria das Graças Cota
Avatar
Marcos comentou:
09/07/2018
Profundo agradecimiento por las hermosísimas palabras de homenaje a Victor Jara. Él es hoy un símbolo de la lucha del pueblo chileno contra la dictadura fascista que ahogó nuestro país en un baño de sangre, terror, tortura y desaparición! Usted fue muy afortunado de haber podido conocerlo personalmente, al igual que al propio presidente Allende. Sus palabras nos emocionaron y sorprendieron agradablemente e hicieron un deber retribuírselo en estas líneas. Muchísimas gracias profesor Bessa, más allá de sus importantes títulos universitarios es usted una bella y sensible persona que se gana nuestra admiración y profundo respeto.
Comentar em resposta a Marcos
Avatar
Catalina Alarcon comentou:
09/07/2018
Hola Jose, que potente nota escribiste y que honor de conocer a Victor. Para mi siempre será un referente de lucha, pueblo y música. Es un grande que vive en nuestros corazones, en los que seguimos luchando por la memoria y también por hacer de la sociedad chilena algo mas justa.
Comentar em resposta a Catalina Alarcon
Avatar
Conceição Campos (via FB) comentou:
08/07/2018
Bonito, Bessa! "Te recuerdo Amanda" é uma das músicas que mais gosto. Então Amanda era mãe e Manoel pai dele?
Comentar em resposta a Conceição Campos (via FB)
Avatar
Alexandra Riquelme comentou:
08/07/2018
Lindo texto, linda homenagem. Ontem quando vi a notícia sobre as condenações lembrei do livro escrito pela esposa dele, da história do Chile e da minha família, e de você Professor. Tenho memórias saudosas da nossa conversa, do nosso encontro ao acaso alinhavado pelas histórias do e no Chile. Foi um privilégio ter lhe conhecido e receber seus textos. Abraço amigo.
Comentar em resposta a Alexandra Riquelme
Avatar
Ivania Neves comentou:
08/07/2018
Tu poderias encher de invenções estas memórias tão bonitas e tão tristes! Afinal, em meio a esta América Latina tão ambígua, a arte, de forma geral, não é um "descanso na loucura"!? Um dia queria andar pelas ruas de Lima contigo!
Comentar em resposta a Ivania Neves
Avatar
Maria Cristina Leandro Ferreira comentou:
08/07/2018
Me emocionei com teu relato e ao ouvir de novo Te recuerdo Amanda q marcou minha juventude no início dos anos 70. Fui até ver alguns vídeos sobre Victor Jara.????
Comentar em resposta a Maria Cristina Leandro Ferreira
Avatar
Vera Nilce Cordeiro Correa comentou:
07/07/2018
Puxa estsva lendo uma antiga reportagem com entrevista de um autor que escreveu sobre ele. Sou fascinada por sua história e me comovo sempre que leio ou escuto suas canções. Obgda
Comentar em resposta a Vera Nilce Cordeiro Correa
Avatar
Isabela Torres comentou:
07/07/2018
Como o ser humano é violento o tempo todo...
Comentar em resposta a Isabela Torres
Avatar
Maria Celina Muniz Barreto comentou:
07/07/2018
Uma das melhores coisas da vida é ter maravilhas para lembrar. E a satisfação de ver a justiça acontecer.
Comentar em resposta a Maria Celina Muniz Barreto
Avatar
Maria Do Carmo de Almeida Silva comentou:
07/07/2018
Belíssima crônica. A sensibilidade traz de volta o momento fugaz e define, em uma palavra, que só existe na língua portuguesa, o que a gente sente ao lembrar de um ser querido: saudade.
Comentar em resposta a Maria Do Carmo de Almeida Silva
Avatar
Claudinei Alves (via FB) comentou:
07/07/2018
Avatar
Eneida comentou:
07/07/2018
Antes tarde do que nunca ...
Comentar em resposta a Eneida
Avatar
Astrid Lima (via FB) comentou:
07/07/2018
I ricordi del caro amico José Bessa su Victor Jara, assassinato nel 1973 dalla dittatura militare cilena, tra le più violente dell'Amerca Latina. Dopo 45 anni finalmente i nove militari che lo hanno torturato e ucciso sono stati condannati.
Comentar em resposta a Astrid Lima (via FB)
Avatar
Dodora Bessa comentou:
07/07/2018
Ser;a que o crime cometido com o assassinato de Marielle levará todo esse tempo para que lhe seja feita Justiça? Se assim for, não será vc a evocar sua memoria em crônica, prosa ou verso com uma tristeza tão bela. Linda, linda, linda crônica!!!!
Comentar em resposta a Dodora Bessa
Avatar
Anete Rubim comentou:
07/07/2018
Meu filho chama-se Victor em homenagem a ele...obrigada pela crônica.
Comentar em resposta a Anete Rubim
Avatar
Marco comentou:
07/07/2018
Uma alegria saber deste encontro da dupla latino-americana ocorrido no Peru!! No mais, estas condenações dos militares chilenos que mataram covardemente Victor Jara reiteram a pusilanimidade da esquerda institucional brasileira que, assim, facilita o surgimento de novos monstros.
Comentar em resposta a Marco
Avatar
Joana D'Arc Fernandes Ferraz comentou:
07/07/2018
Que alegria ler as suas crônicas. Seu encontro com Victor Jara acende mil fagulhas de memórias que não vivi, mas que sinto intensamente. Parabéns!
Comentar em resposta a Joana D'Arc Fernandes Ferraz
Avatar
Alcemir Teixeira (via FB) comentou:
07/07/2018
O Assassinato do Herzog e de tantos outros ainda clama por justiça. Quando teremos ?
Comentar em resposta a Alcemir Teixeira (via FB)
Avatar
Diana Isis Penna da Costa (via FB) comentou:
07/07/2018
Canta lindamente Victor Jara, chegou o dia da justiça, ainda que tarde.
Comentar em resposta a Diana Isis Penna da Costa (via FB)
Avatar
Aurora Cano (via FB) comentou:
07/07/2018
Dizem que quando Victor Jara estava no Estádio, no meio de centenas de outros presos, um militar se aproximou e fazendo um gesto como quem dedilha um violão lhe perguntou se ele era o cantor., Ingenuamente e com aquele sorriso aberto confirmou.. Foi ai que teve as mãos fraturadas e os dedos quebrados com coronhadas..
Comentar em resposta a Aurora Cano (via FB)
Avatar
Ana Paula Freire Artaxo (via FB) comentou:
07/07/2018
Avatar
Clelia Bessa (via FB) comentou:
07/07/2018
Avatar
Marilza De Melo Foucher (via FB) comentou:
07/07/2018
Avatar
Márcio Maquiné (via FB) comentou:
07/07/2018
Poesia , canções e qualquer outra forma de manifestação artística ainda são fontes de inspiração e de resistência. Como diria Belchior : "Enquanto houver ,corpo e tempo e algum modo de dizer não .Eu canto". Professor Bessa gosto muito das suas histórias nesses tempos em que o saudosismo de tempos sombrios emerge como o ovo da serpente chocando novamente .Relatos como esse fazem com que aquele que tem um mínimo de bom senso e está sendo contaminado, pare e faça uma reflexão antes de repetir frases de efeito ocas e vazias que se perdem na sua incoerência.
Comentar em resposta a Márcio Maquiné (via FB)