CRÔNICAS

Oi Siricoté: os quilombolas de Barreirinha

Em: 06 de Maio de 2018 Visualizações: 4755
Oi Siricoté: os quilombolas de Barreirinha

Para Thiago e Aurélio, dois poetas do Andirá

Barreirinha era, então, um pequeno povoado molhado pelas águas verdes e ainda não poluídas do Andirá - o rio dos índios Mawé, onde dona Maria, a mãe de Thiago de Mello, muitos anos antes, lhe dera o primeiro banho. Tinha menos de mil moradores, uma igrejinha, o grupo escolar, a sede da prefeitura e duas únicas vias. A “Rua da Frente” contemplava o rio. A “Rua Detrás” olhava a floresta e a campina com suas palmeiras de tucumã-piranga e capins altos que dançavam um balé verde-amarelo farfalhando ao sabor do vento.

Foi esta “Princesinha do Andirá” que viveu dias de glória em agosto de 1961 na festa solene da padroeira Nossa Senhora do Bom Socorro, quando recebeu a visita pastoral de Dom Arcângelo Cerqua, um napolitano de 44 anos, guloso, com barba farta, recém-nomeado bispo prelado de Parintins, cuja fama de cantor, compositor e poeta se espalhara pelo baixo Amazonas. Esse Pavarotti de igarapé, enquanto se ensaboava no banheiro da Prelazia, costumava cantar “O Sole Mio”, com sua voz estrondosa que despertava a inveja dos puxadores de toada do Garantido e do Caprichoso.

- Temos que receber o bispo com dança memorável e comida opípara – decretou o prefeito de Barreirinha, Aurélio Andrade, em reunião da comissão organizadora para definir a programação oficial e o menú. Convinha paparicar o prelado, porque Barreirinha havia dado o seu grito do Ipiranga, digo, do Andirá, emancipando-se de Parintins politicamente, mas não eclesiasticamente.

- “Teatro” – sugeriu dona Alice, a primeira dama, propondo a encenação de uma peça contando a história da cidade, cuja origem é a Missão de Andirá, fundada em meados do séc. XIX pelo capuchinho Pedro de Ceriana, que tratava os índios com o despotismo de um régulo” e retornou podre de rico para a Itália, “carregado de avultado pecúlio”, segundo fofocou Frei Bernardino de Souza em suas “Lembranças e Curiosidades do Amazonas” (1873). Na peça haveria, padres, comerciantes, índios e negros.

As três pretinhas

Um dilema: quem interpretaria o índio Crispim de Leão, que se rebelou, incendiou a Missão e morreu assassinado? Em toda Barreirinha, apenas dois atores tinham o physique du rôle: um era Thiago de Mello, que já havia embarcado de mala e cuia para o Rio de Janeiro. Sobrava Cordeiro, irmão do prefeito, mas foi descartado por sua atuação desastrosa em peça sobre a guerra civil espanhola que quase acaba em tragédia. Ele representou Satanás na luta contra o Anjo e, ao soltar chamas pela boca cheia de querosene, tocou fogo na própria roupa e teve de sair correndo, iluminado, para se atirar no Andirá, cujas águas apagaram o incêndio do homem-bomba. Incendiário frustrado, brincava com fogo, mas não era capaz de tocar fogo na Missão. 

Foi aí que dona Alice teve uma ideia genial para solucionar a falta de atores:

- Vamos encenar o Siricoté, a dança das três pretinhas da Guiné.

Seria fácil encontrar as pequenas atrizes. Quem interpretaria as crianças negras? Buscaram em Matupiri, no Andirá, onde se refugiou no séc. XIX o angolano escravizado Benedito Rodrigues da Costa. Mas a comunidade, desconfiada, recusou o convite, porque conhecia versão racista do Siricoté, cuja letra dizia que “as três pretinhas da Guine encontraram o amigo chimpanzé”. Aurélio lhes explicou pacientemente que a variante de sua proposta era outra: combatia o racismo e denunciava os maus tratos dispensados aos negros escravizados. De nada adiantou.

O prefeito respeitou a recusa e diante do impasse escolheu suas próprias filhas para representarem as pretinhas da Guiné: Fátima (11 anos), Magela (10) e Bernadete (8). Na regra três, Paula Frassinete (7). A melodia era a mesma que recebera tratamento violonístico do maestro Guerra Peixe, numa versão que fala de Peixinhos da Guiné, registrada por Guilherme Neves em Cachoeiro de Itapemirim (ES). A letra, embora lamente "a perda do que era bom na África, é cantada, porém, com muita animação", como assinala Maria Inês Almeida, que pesquisou o véu da invisibilidade da negritude. A direção do espetáculo era do próprio Aurélio e o figurino da dona Alice.

O bispo e a capivara

Chegou, enfim, o grande dia. Sentados na primeira fila os convidados de honra: o bispo, o padre Santis, a irmã Antonieta e a professora Jeny do Grupo Escolar Padre Seixas, as autoridades civis, eclesiásticas e até militares – um sargento da PM. As três meninas subiram ao palco com o corpo inteirinho pintado de carvão, trajando vestidos de organdi-bangu, com botões de várias cores, debruns com viés coloridos, costurados por dona Alice na sua máquina Singer. Modelitos de papel celofane e enormes laços na cabeça completavam o figurino, que dava realce aos olhos. Com passinhos saltitantes, começaram a dançar e cantar:

                                                                                                                                 I

Eu lá na minha terra, vivia como rainha. 

Aqui na terra dos brancos, eu só vivo na cozinha.

Oi siricoté, oi siricoté, as três pretinhas da Guiné.

II

Eu lá na minha terra, dormia num colchão 

Aqui na terra dos brancos, passei a dormir no chão.

Oi siricoté, oi siricoté, as três pretinhas da Guiné

III

Eu lá na minha terra, comia tanta galinha.

Aqui na terra dos brancos, passei só a comer farinha.

Oi siricoté, oi siricoté, as três pretinhas da Guiné

Ninguém jamais foi tão ovacionado em Barreirinha. Os aplausos ecoaram pelo Andirá e Paraná do Ramos. “É como se eu estivesse” – exagerou o bispo – “no Teatro Scalla de Milão e não na casa do prefeito”. Disse isso durante o almoço, quando convidou as “três pretinhas” a se apresentarem em Parintins, enquanto devorava avidamente a “pièce de résistance” -  um bife de capivara com arroz branco e polenta temperado com pimenta do reino, cominho, colorau e cebola, que só dona Alice sabia fazer, além, é claro, de deter o segredo para tirar o cheiro desagradável do bicho.

Com fama de glutão e de raspa-tacho, o bispo se atracou com a capivara, comeu metade dela e ainda papou quatro vezes a sobremesa imbatível de cupuaçu, cujo creme salpicou sua barba de arame-farpado, numa imagem que não foi registrada devido à inexistência de máquina fotográfica em Barreirinha e de não coincidir com a passagem do regatão que tirava foto e a vendia num monóculo.

Alma negra

Aurélio não está mais entre nós, mas ele e Alice deixaram sementinhas da flor da solidariedade plantadas nos corações das filhas. As suas pretinhas da Guiné saíram vida afora dançando o siricoté, duas delas já na outra dimensão. O carvão nunca mais saiu da pele delas. Magela que, com os anos enegreceu sua alma, mergulhou fundo nas comunidades quilombolas do Andirá como pesquisadora do Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, talvez o projeto mais sério de toda a Amazônia nesse campo, coordenado por Alfredo Wagner de Almeida, que orientou sua tese de doutorado.

Quilombolas do Rio Andirá é uma publicação organizada por eles dois dentro do Projeto Mapeamento Social como instrumento de gestão territorial contra o desmatamento e a devastação, destinado à capacitação de povos e comunidades tradicionais. A essa publicação se somou o livro com relatos de Maria Amélia dos Santos Castro, líder da Federação dos Quilombos do Andirá, cinco dos quais já reconhecidos pela Fundação Palmares.

Por causa desse reconhecimento que lhes garante a terra, Maria Amélia, bisneta de escravo, está sofrendo ameaças de pistoleiros do agronegócio, na medida em que o Rio Andirá, pelo potencial de recursos naturais, se tornou grande atrativo para madereiros e pecuaristas, que criaram conflitos no momento em que foram notificados pelo Incra sobre a retirada do território quilombola. Ela completa 58 anos no próximo dia 13 de maio. É uma mulher de fibra. Mãe de oito filhos, morou um tempo em Manaus, vendendo doces nas ruas e adornando porta-guardanapos com tampinhas de garrafa pet.  Concluiu o curso de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e retornou ao caminho da roça.

- Ser quilombola é questão de orgulho... Ninguém mais se envergonha de ser negro – ela disse.

A parte sadia do Amazonas não pode permitir que ataquem a nossa pretinha angolana do Andirá. Oi Siricotá! Oi Siricotá! Somos todos pretinhas do Andirá. 

P.S. Bibliografia:

1) Ranciaro, Maria Magela Mafra de Andrade. Os cadeados não se abriram de primeira: processos de construção identitária e configuração do território de comunidades quilombolas – Município de Barreira/Am. Tese de Doutorado. UFAM. 2016

2) Amélia, Maria: Trilhas percorridas por uma militante quilombola: vida, luta e resistência! Rio. Casa 8, 2016. 

3) Almeida, Alfredo W. e Ranciaro, Magela (orgs) – Quilombolas do Rio Andirá. Manaus. UEA. 2014

4) Dados sobre Guerra Peixe e o Siricoté estão em Corradi Jr, Cláudio José: César Guerra-Peixe: suas obras para violão. Dissertação de Mestrado. ECA-USP. 2006 Dados sobre o Siricoté podem ser encontrados também na dissertação de Maria Inês Almeida defendida em 2014 na Universidade Federal do Ceará.

Fotos: Magela Ranciaro, Rosselini Tavares, Emmanuel Farias Jr,  Armando Cajueiro e Alex Ximango

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

27 Comentário(s)

Avatar
Anne Marie Milon Oliveira comentou:
10/05/2018
Faço minhas as palavras de Lopes Davi: é uma dádiva, um privilégio ter aportado, fazem agora 48 anos, neste país tão inesgotável que, graças entre outros ao nosso Taquiprati, descubro ainda todos os dias. Sou-lhe muito grata!
Comentar em resposta a Anne Marie Milon Oliveira
Avatar
taquiprati comentou:
08/05/2018
Publicado no site Nova Cartografia Social da Amazônia http://novacartografiasocial.com.br/oi-siricote-os-quilombolas-de-barreirinha-cronica-de-jose-ribamar-bessa-freire/
Comentar em resposta a taquiprati
Avatar
Renato Athias comentou:
08/05/2018
Bessa, muito legal o seu texto, como sempre mostrando todas as cores que esse contexto politico nos oferece. Parabéns!
Comentar em resposta a Renato Athias
Avatar
Edvander Batista comentou:
07/05/2018
essa ancestralidade tão iluminada ,é uma herança inestimável ,um orgulho que enche os olhos de lágrimas e engrandece o espírito!
Comentar em resposta a Edvander Batista
Avatar
Lopes Davi · (via FB) comentou:
06/05/2018
Que incrível e lindo! Uma dádiva ter tido pais tão maravilhosos!
Comentar em resposta a Lopes Davi · (via FB)
Avatar
Fernando Soares Campos (via FB) comentou:
06/05/2018
Já publicado na versão em português do Pravda - http://port.pravda.ru/cplp/brasil/06-05-2018/45484-siricote-0/
Comentar em resposta a Fernando Soares Campos (via FB)
Avatar
Loretta Emiri comentou:
06/05/2018
Bessa, i tuoi testi mi fanno morire dal ridere, mentre mi strappano lacrime.....
Comentar em resposta a Loretta Emiri
Avatar
Ana Silva comentou:
06/05/2018
Que lindo texto!!! Não esqueceremos de Maria Amélia. O Brasil não pode permitir que mais uma mulher negra seja morta nesse país. "Somos todos sementes"
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Manoel Tarcízio Villanova (via FB) comentou:
06/05/2018
Eu aprecio muito e gosto de saber dos movimentos de resistência que há em todo o Brasil. A resistência é a forma de demonstração de que estamos de um lado da história que enfrenta o poder destruidor. Por outro lado nada me agrada mais que saber da Família Andrade que tanto guardo em minhas recordações com muito carinho e apreço. Vocês Andrades foram e ainda são muito importantes na minha vida no sentido de me fazerem conhecer a realidade amazônica e a resistência deste povo através da arte e da cultura, e também da política. Não posso deixar de sempre pensar nos bons momentos de conversas com Dona Alice (doce mãe) e Sr. Aurélio (e sua cachacinha). Guardo vocês no meu coração para sempre, carinhosamente.
Comentar em resposta a Manoel Tarcízio Villanova (via FB)
Avatar
gerusa pontes de moura comentou:
05/05/2018
Que linda história, me senti no meio de tudo que foi falado, ia imaginando os cenários, quanta beleza Professor Bessa.
Comentar em resposta a gerusa pontes de moura
Avatar
Juarez Silva Jr comentou:
05/05/2018
. Mais uma jóia do imbatível contador e contextualizador José Bessa
Comentar em resposta a Juarez Silva Jr
Avatar
Hery DePauxis comentou:
05/05/2018
No Rio Andirá, o "rio dos morcegos", onde a tribo Munduruku da minha avó parou, antes de ir pra fronteira do Brasil com a Guiana Inglesa. Mas, falar em quilombolas é lembrar do meu avô da etnia Pauxis. O avô dele que salvou muitos negros da morte lá na beira do Rio Tocantins. Escreveram até um livro no Pará sobre o velho.
Comentar em resposta a Hery DePauxis
Avatar
Serafim Correa comentou:
05/05/2018
Que belo resgate, Ribamar. Bateu a saudade do Seo Aurelio, D. Alice, e da Fafá e da Berna. Grande abraço. Serafim
Comentar em resposta a Serafim Correa
Avatar
Adailson Veiga comentou:
05/05/2018
Li e fui me emocionando a cada parágrafo... Que história linda. Tenho muito orgulho de ter conhecido o Sr. Aurélio e Dona Alice Andrade. Tive o prazer de degustar dos almoços deliciosos feitos por Dona Alice quando comecei a aprender as primeiras técnicas de confecção de adereços e cenários com a Paula Andrade.
Comentar em resposta a Adailson Veiga
Avatar
Isabela Torres comentou:
05/05/2018
Muito bom, professor! Adorei saber um pouco dessa história. Quantos "brasis" num só.
Comentar em resposta a Isabela Torres
Avatar
Fernanda Kaingáng (via FB) comentou:
05/05/2018
Muito bom José Bessa! Amo ler seus textos bem humorados com gosto de Amazónia!
Comentar em resposta a Fernanda Kaingáng (via FB)
Avatar
Dacri Figueiredo (via FB) comentou:
05/05/2018
Socorro Andrade, que linda história! Sublime! Parabéns!
Comentar em resposta a Dacri Figueiredo (via FB)
Avatar
Juarez Silva (Manaus) comentou:
05/05/2018
D. Maria Amélia, grande guerreira, tive a oportunidade de conhecer e depois compartilhar uma mesa redonda em evento na UFAM.
Comentar em resposta a Juarez Silva (Manaus)
Avatar
Graça Helena Souza )via FB) comentou:
05/05/2018
Vamos guardar este nome!Vida longa a Maria Amélia!Democracia,sem direitos humanos, é a maior das farsas.
Comentar em resposta a Graça Helena Souza )via FB)
Avatar
José Augusto Cardoso (via FB) comentou:
05/05/2018
Que maravilha de relato e que linda herança...
Comentar em resposta a José Augusto Cardoso (via FB)
Avatar
Socorro Andrade (via FB) comentou:
05/05/2018
Aaaaaaaaah!!! Vc não existe!!! Me deliciei com esse saboroso registro histórico das pretinhas da Guiné. Essa é a minha história de vida, o DNA da arte que carrego, vem daí... Meus pais, meus mestres. Relatada nessa crônica deliciosa do incrivel José Bessa, o nosso querido Babá do "Taqui Pra Ti". Onde nesse depacinho no meio do nada, na cidade que nasci, Barreirinha, sobrevive nos dias de hoje, um dos Quilombos esquecido e pouco conhecido do nosso país. Tema do Doutorado da minhã irmã Magela Ranciaro.
Comentar em resposta a Socorro Andrade (via FB)
Avatar
Magela Ranciaro (via FB) comentou:
05/05/2018
Irretocável a capacidade literária do José Bessa, que foi lá no baú e fez um 'mixto': memória resgatada e fatos contemporâneos se aliaram nessa deliciosa crônica. Ninguém sabe se ri ou chora... Por tudo, a Familia ANDRADE e nossos bravos guerreiros QUILOMBOLAS, agradecem. Valeu, companheiro!!!
Comentar em resposta a Magela Ranciaro (via FB)
Respostas:
Avatar
Josana P. Andrade Mundstock (via FB) comentou:
05/05/2018
Não sabia que vc era atriz. Que história linda.
Comentar em resposta a Josana P. Andrade Mundstock (via FB)
Avatar
Vera Andrade Cabral (via FB) comentou:
05/05/2018
Lembro bem do dia da apresentação da briga do anjo com satanás, foi no barracão dos padres eu tinha uns 5 anos e fiquei apavorada quando vi o Diabo (tio Cordeiro) aparecer no meio do palco, do nada, com uma roupa e capa vermelha com dois grandes "ancinhos" nas mãos, depois pegando fogo...Todas as crianças saíram do teatro correndo apavoradas Pelo que sabia, foi a tia Maria do Socorro com o tio Aurélio que organizavam essas peças teatrais religiosas. A tia Maria amava teatro. Foi uma época linda cheia de encanto sonhos e fantasias.
Comentar em resposta a Vera Andrade Cabral (via FB)
Avatar
Ivone Andrade (via FB) comentou:
05/05/2018
Adorei "Babá" voltei no tempo. Aurélio, Alice e As Pretinhas da Guiné agradecem!
Comentar em resposta a Ivone Andrade (via FB)
Avatar
Adeice Torreias (via FB) comentou:
05/05/2018
Que coisa incrível. Dona Alice e "seu" Aurélio... família Andrade continua "siricotando" a cultura amazonense. Agora vem cá, que texto heim!? Mestre José Bessa. Nem dotô besta acompanha hahaha
Comentar em resposta a Adeice Torreias (via FB)
Avatar
Isabela Thiago de Mello comentou:
05/05/2018
Haja coração! Viva Crispim de Leão, verdadeira lenda viva do nosso Andirá. Você é necessário, Bessa!
Comentar em resposta a Isabela Thiago de Mello