CRÔNICAS

DANIEL CABIXI, O SÁBIO, NA COVA DOS LEÕES

Em: 19 de Novembro de 2017 Visualizações: 1527
DANIEL CABIXI, O SÁBIO, NA COVA DOS LEÕES

O sábio Pareci, Daniel Matenho Cabixi, falecido na madrugada desta quinta-feira (16), foi homenageado pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT), que guardou um minuto de silêncio durante a plenária do seu 3º Congresso, em Cuiabá. “Ele viajou ao encontro de Enore, o Criador” – disse no velório celebrado na aldeia Wazare, em Campo Novo, um dos seus filhos, o cacique Rony, formado no Curso de Licenciatura Intercultural. Nessa viagem sem volta não precisou do passaporte que lhe foi negado para outras.   

Daniel Cabixi ficou internacionalmente conhecido quando, em 1979, a ditadura no Brasil lhe negou o visto de saída para ir a III Conferência dos Bispos Latino-Americanos em Puebla, no México, convidado pelo próprio papa João Paulo II. A gritaria, porém, foi tanta que, um ano depois, lhe permitiram ir ao Peru, mas com um passaporte amarelo. Viajamos juntos e, por causa do bendito documento, passamos constrangimentos no aeroporto e no hotel em Lima.

De qualquer forma, lá no Cuzco, Daniel pôde dizer tudo aquilo que não lhe deixaram falar em Puebla. Numa entrevista publicada na revista Amazonia Peruana, com a participação de um líder Shipibo do alto Ucayali, o líder Pareci discutiu o movimento indígena e suas lutas, a posse da terra, o Estado e sua política indigenista, a educação bilíngue e intercultural, a relação com igrejas e academia, que aqui resumo, complementando com falas posteriores publicadas em outras fontes.

No grotão dos leões

Daniel relatou sua experiência na escola, mas não explicitou que foi colega de sala do Gilmar Mendes no Ginásio jesuíta, em Diamantino (MT). Ele foi. É. Desse ai mesmo, ministro do STF. O próprio Gilmar usou recentemente o fato de ter convivido com ele e outros índios para alegar que conhecia bem a realidade indígena e que, por isso, tinha legitimidade para defender o agronegócio. Em reflexão anterior, Cabixi já havia denunciado:  

- “Os fazendeiros têm uma política bastante nojenta. Eles dizem que os índios são preguiçosos, vagabundos. Essa é a política deles. Dizem que o índio não trabalha e, portanto, não precisa de terra. Mas nós nascemos nessa terra, somos filhos dessa terra e estamos aqui antes deles, que são gananciosos, predadores e trazem destruição”.   

Órfão de pai, Daniel foi separado ainda pequeno de sua família e internado no Lar do Menor, mantido pelos jesuítas em Utiariti, Diamantino (MT), sede da fazenda dos Mendes. Por isso – ele diz com distanciamento crítico – “não cresci na aldeia junto com a minha mãe, meus tios, meus avós e bisavós, o que não me deixou conhecer as tradições do meu povo. Esse padrão de escola, desestruturador, não reconhecia as culturas e os saberes indígenas, proibia o uso da língua materna e exigia que o português fosse a única língua”.

Além disso, aqui pra nós, compartilhar a mesma sala com Gilmar Mendes, é dose. As consequências foram desastrosas, mas Daniel salienta que foi possível sair milagrosamente vivo da cova dos leões:

- “A minha geração, que sofreu esse modelo de ensino, até hoje sente dificuldades em restabelecer os laços com a tradição para buscar o saber tradicional junto aos velhos, que são seus guardiões. Foi preciso criar uma estratégia contra a desagregação cultural, contra essa perda irreparável. Perdi, mas também ganhei alguma coisa. A escola, apesar de alienante, me deu subsídios para entender o contexto em que fui criado e as necessidades dos Pareci, Nambikwara e Irantxe que habitam a região”.

Dessa forma, Daniel tomou conhecimento da “organização do mundo branco atual, saturado de desconfianças, ódios e ganância, onde impera a lei do mais poderoso, daquele que tem mais bens materiais, que são educados para explorar e destruir seus semelhantes”. Historicamente, o território tradicional Pareci foi invadido no séc. XVIII, quando descobriram lá dentro minas de ouro. Depois vieram os bandeirantes, as linhas telegráficas, as igrejas, as estradas, os gilmares, o capiroto e o diabo a quatro.

A biodiversidade

Quando concluiu a sétima série, em 1972, Daniel foi passar férias na Aldeia de Rio Verde, em Tangará da Serra, e por lá ficou, mergulhando na cultura Pareci. A vivência na região bem na fronteira da bacia Amazônica e da bacia do Prata, permitiu que ele usasse os saberes tradicionais e aqueles adquiridos na escola para observar o ecossistema próprio da Chapada dos Parecis, transformado num grande tapete de soja, arroz, milho, canavial, o que mexeu com a vida dos índios, das árvores, dos pássaros, dos rios, dos peixes.  

Daniel Cabixi, índio Pareci, era reconhecidamente um intelectual produtivo. Suas observações foram registradas no artigo – “As Tecnologias dos Povos Indígenas na preservação do meio ambiente” – que escreveu para a Conferência Mundial das Nações Unidas realizada em junho de 1992, no Rio de Janeiro. Durante sua estadia na Rio-92, recorreu à Clínica Odontológica da UERJ para tratamento de problema dentário, quando nos cedeu seu artigo, editado artesanalmente pelo Programa de Estudos dos Povos Indígenas.   

Trata-se de um texto de 40 páginas com cinco capítulos. No primeiro discute a tecnologia dos povos indígenas da Amazônia para a preservação dos ecossistemas e da biodiversidade. O segundo trata dos conhecimentos etnobiológicos e etnofarmacológicos e sua aplicabilidade na medicina ocidental. O terceiro aborda a troca de conhecimentos entre os povos indígenas e a comunidade científica. O quarto traz sugestões para a preservação das florestas tropicais. Finalmente o quinto finaliza com recomendações a ONU.

Daniel traz muitas informações valiosas como aquela que se refere aos Mẽbêngôkre Kaiapó que classificam mais de 50 tipos de diarreia, cada qual tratada com remédios caseiros específicos, com uma taxonomia mais sofisticada, nesse caso, do que a da medicina ocidental. Defende a necessidade de se ter uma compreensão efetiva dos conceitos indígenas de saúdes e doença para que a ação médica seja mais eficiente.

 - “A etnofarmacologia e a etnomedicina podem, portanto, ajudar os cientistas a compreender melhor as moléstias e seus sintomas, bem como a validade de tratamentos diferenciais, em regiões específicas. Novos preparados farmacêuticos e fontes adicionais às existentes podem tornar mais acessíveis os tratamentos advindos da medicina popular e ocidental” – ele escreve.

Passaporte amarelo

Daniel Cabixi publicou artigos no Porantim, do qual foi correspondente em Mato Grosso. Participou das assembleias indígenas e da 3ª Assembleia Geral do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), realizada em julho de 1979, em Goiânia, que aprovou documento no qual a Igreja Católica reconhece os erros históricos e se compromete a mudar sua prática missionária. Participou de eventos acadêmicos como o Congresso de Leitura do Brasil (COLE) na Unicamp e deu conferências em muitas universidades, incluindo a Universidad Nacional Mayor de San Marcos, em Lima.

Com essa bagagem, foi chamado em 1985 pela FUNAI para ser professor, tornando-se anos depois Coordenador de Assuntos Indígenas do Estado de Mato Grosso. A luta indígena em defesa do conhecimento tradicional foi um dos temas abordado por ele, em 1980, no Encontro de Movimentos Índios da América do Sul realizado em Ollantaytambo, no Cuzco, Peru. Para poder sair do Brasil, depois de muita pressão, o Itamaraty lhe deu um passaporte, mas aquele amarelo, que se concede a quem tem nacionalidade indefinida, aos refugiados e aos apátridas.

Como o voo Lima x Cuzco foi cancelado e transferido para o dia seguinte, a Aeroperu nos hospedou no Hotel Savoy, no centro de Lima. Lá, o recepcionista olhou com desconfiança o passaporte amarelo e chamou o gerente para avaliar aquele estranho documento que, na realidade, devia envergonhar o governo brasileiro capaz de tratar como estrangeiro um índio aqui enraizado há mais de 5.000 anos. Hoje, aquele outro Brasil, solidário, que acompanha a luta indígena, se despede do intelectual e combatente Pareci, que sobreviveu aos leões, em cuja cova falta agora lançar aqueles que vocês já sabem quem são. Nossos pêsames à família enlutada: Maria Adilis e os filhos Rony, Selma, Nayara, Sirlene, Genilson e Evandro.   

P.S. Um pouco da produção de Daniel Cabixi:

1) La población indígena del Brasil a través de Daniel Matenho Cabixi. Entrevista a Nilda Guillén y José Bessa. Amazonia Peruana. N° 5, Vol. III. Junio 1980. (Pgs. 135-141). Lima – Peru.

2) As Tecnologias dos Povos Indígenas na preservação do meio ambiente. Rio. Uerj. 1992. Mimeo

3) O pensamento de Daniel Matenho Cabixi. Nimuendaju. Boletim da Comissão Pro-Indio/RJ. Ano 1,  N° 1 – Jan-fev.1979. Bernardo Karan (org). Editor Marcelo Beraba.

4. Educação Escolar entre os Pareci, Nambikwara e Irantxe no contexto socioeconômico da Chapada dos Parecis – MT. In Juracilda Veiga e Andrés Salanova (orgs). Questões de educação escolar indígena: da formação do professor ao projeto de escola. Brasília. Funai/Dedoc. 2001 (12° Encontro COLE – Congresso de Leitura do Brasil. Unicamp. 1999)

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

15 Comentário(s)

Avatar
Graça Helena Souza (via FB) comentou:
20/11/2017
Bessa,quem sabe você promove algumas rodas de leitura,com este trabalho de cinco ou mais capítulos,do Daniel Cabixi? Uma vergonha,uma dor sem tamanho,a apartação/negaçäo dos povos indígenas,emblematicamente trazida pela lembrança do passaporte amarelo! Que a cova näo tarde em receber seus legítimos hóspedes! Aqueles que sabemos quem são!
Comentar em resposta a Graça Helena Souza (via FB)
Avatar
HANS ALFRED TREIN comentou:
20/11/2017
Caro Bessa, uma justa homenagem a um sábio brasileiro, tratado vergonhosamente como um apátrida. Só dá para gritar: "Que país é este"? Também me interessa o seu texto: “As Tecnologias dos Povos Indígenas na preservação do meio ambiente” . Grato por uma indicação. Abraço, Hans
Comentar em resposta a HANS ALFRED TREIN
Avatar
Rodrigo A Venzon comentou:
20/11/2017
O pensamento de Daniel Matenho Cabixi é uma referência paradigmática. Aos textos listados pelo professor Bessa cabe acrescentar a obra prima "A Questão Indígena" (Cuiabá, CDTI, 1984). É importante que ele tenha uma coletânea de sua obra que a divulgue e que perpetue sua memória como um dos grandes intelectuais indígenas, embora seu pensamento ainda seja pouco estudado porque pouco conhecido. E que tenha o descanso merecido nesse contexto de tantas atrocidades contra a natureza e contra os povos indígenas.
Comentar em resposta a Rodrigo A Venzon
Avatar
elias comentou:
20/11/2017
nao o conheci.mas pelos comentarios que li nesta coluna so tenho uma coisa a dizer..ele era o cara...
Comentar em resposta a elias
Avatar
Loretta Emiri (via FB) comentou:
20/11/2017
È MORTO IL MANSUETO DANIEL MATENHO CABIXI, CHE HO AVUTO IL PIACERE DI CONOSCERE.
Comentar em resposta a Loretta Emiri (via FB)
Avatar
Antônio Menezes (VIA fb) comentou:
19/11/2017
Ter sobrevivido a um filho de senhor de terras e escravos e ter resgatado sua memória e história com uma produção e vida tão belas faz acreditarmos que o viver é o possível.
Comentar em resposta a Antônio Menezes (VIA fb)
Avatar
Rosinere Evaristo comentou:
19/11/2017
Perdemos um ser fantástico. Vc disse td José Bessa, os passaportes são negados aos povos indígenas desde a invasão do lugar que hj é chamado de Brasil. Essa semana, escrevi algo para uma Universidade pública: "quando as pesquisas sobre as temáticas indígenas serão desejadas pelos programas de Educação? "
Comentar em resposta a Rosinere Evaristo
Avatar
Larissa Pontes (via FB) comentou:
19/11/2017
Professor, onde é que a gente encontra o texto do Daniel Cabixi sobre as teconologias indígenas? Gostaria de ter acesso.
Comentar em resposta a Larissa Pontes (via FB)
Avatar
Araci Labiak (via FB) comentou:
19/11/2017
Grande Daniel! Imensurável contribuição à manutenção da vida indígena na interface com a sociedade não Indígena. Lucidez e sabedoria. Importa seguir Cacique Rony Paresi.
Comentar em resposta a Araci Labiak (via FB)
Avatar
Alessandra Marques comentou:
19/11/2017
Um homem como Daniel sempre faz falta nesse mundo em que uma meia dúzia de poderosos vive a nos maltratar. Meus sentimentos aos familiares.
Comentar em resposta a Alessandra Marques
Avatar
Jacob Sander (VIA FB) comentou:
18/11/2017
Mais um dos grandes que foi se encontrar com os Espíritos das Matas. Meus sentimentos a toda a família.
Comentar em resposta a Jacob Sander (VIA FB)
Avatar
Carlos Valentim Selegatto comentou:
18/11/2017
Um sábio que mostrou ao mundo a cultura milenar de um povo sofrido, discriminado e injustiçado. É o Brasil dos poucos.
Comentar em resposta a Carlos Valentim Selegatto
Avatar
Fernando Soares Campos (via FB) comentou:
18/11/2017
Daniel Cabixi agora para os leitores do Pravda. Portal do jornal russo Pravda, versão em português - CPLP » Brasil - 19.11.2017 ...http://port.pravda.ru/cplp/brasil/19-11-2017/44423-daniel_cabixi-0/
Comentar em resposta a Fernando Soares Campos (via FB)
Avatar
Ana Silva comentou:
18/11/2017
Que linda homenagem ao Daniel. Seus artigos foram um passaporte para conhecer, admirar e me encantar com os saberes indígenas. Obrigada, Bessa. Texto sensível, emocionante.
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Armando Soares (via FB) comentou:
18/11/2017
Que trajetória linda, eivada de conhecimentos e determinação, próprias de um grande guerreiro!
Comentar em resposta a Armando Soares (via FB)