CRÔNICAS

EM NOME DO PADRE

Em: 17 de Março de 1995
Tags:
Visualizações: 2736
De nihilo nihil - Nada vem do nada
Lucrécio (94 a.C – 50 a.C), filósofo latino
 
Durante muitos anos, nós nos habituamos a encontrar, aqui neste espaço, todas as sextas-feiras, o artigo do padre Nonato Pinheiro. O padre nos deixou e fui convidado a ocupar o seu lugar.
A tarefa não é fácil. Padre Nonato tinha os seus leitores cativos, entre os quais, desde já, eu me coloco. Dono de uma prosa elegante, ele dominava a chamada norma culta da língua portuguesa, como o Romário domina a bola. Tinha intimidade com a sintaxe, manejava a gramática com extrema habilidade e conhecia profundamente os grandes mestres do idioma, com quem convivia através da leitura sistemática de suas obras.
Perfeccionista, padre Nonato era muito exigente com as questões do idioma nos seus mínimos detalhes. Não perdoava os “vícios de linguagem”. Uma vírgula fora do lugar, para ele, era como um chute fora do gol para o torcedor fanático de futebol. Um deslize de concordância, então, nem falar! Padre Nonato saía em campo brandindo sua espada invisível contra o transgressor da norma. No Amazonas, ele era uma espécie de xerife do português, guardião daquilo que considerava como a pureza da língua, vigia do seu uso correto, de sua graça e encanto.
E como era erudito esse padre Nonato! Era bom ler em sua coluna resenhas sobre os livros que recebia ou comentários sobre questões polêmicas de filologia. Talvez, com sua morte, tenha sido enterrado o último amazonense que escrevia e lia latim e ainda traçava o grego antigo. Mesmo sem compartilhar a sua visão sobre a língua e o seu uso, qualquer um de nós é obrigado a reconhecer que o Amazonas ficou mais pobrezinho com a morte do padre.
Intelectuais com esse tipo de formação não existem mais. Existiam antes, porque havia quem os formasse. Eis o que eu queria dizer: ninguém vem do nada. O padre Nonato teve a felicidade de ser filho da dona Diana Pinheiro. A minha geração, ainda de calça curta, aprendeu a ouvir com uma mistura de respeito e veneração o nome de educadoras como dona Natália, no Cônego Azevedo, e dona Diana Pinheiro. Com elas, até mesmo quem comia caroço de tucumã, aprendia.
A professora Diana de Macedo Pinheiro, maranhense, casou-se com o poeta e escritor Raimundo Nonato Pinheiro, com quem teve quatro filhos: Geraldo, Nonato e as gêmeas Aracy e Iracema, além de uma filha adotiva, Amazonina. Desenvolveu suas atividades pedagógicas no Instituto São Geraldo, que funcionou até 1964 na Rua 24 de Maio, quase esquina da Costa Azevedo, com curso primário e preparação para o exame de admissão. Ministrava ainda aulas de português e francês e preparava pessoas para concursos públicos. Morreu em julho de 1962.
Várias gerações aprenderam com Diana Pinheiro não apenas o ABC ou os conteúdos dos programas oficiais. Aprenderam princípios, valores éticos, formas de comportamento, posturas. A escola de dona Diana era uma escola da vida. Foi aí, neste berço, que começou a formação erudita do padre Nonato. Dele e de seu irmão Geraldo Pinheiro.

   .

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

7 Comentário(s)

Avatar
Jandir Ipiranga Jr comentou:
06/01/2015
Prof Bessa, obrigado. O meu pai foi aluno da Dª Diana Pinheiro em preparação para o exame de admissão que prestou no Colégio Dom Bosco. Ele a tem em sua lembrança, com rara clareza. Li sua crônica e o meu pai lembrou muito bem destes personagens de nossa história. Ele tinha o Padre Nonato como um ícone e uma referência de nosso idioma, e que quando precisavam "resolver" alguma questão mais intrincada no português, logo consultavam o Padre Nonato. Um forte abraço. Contato de Jandir Ipiranga Jr
Comentar em resposta a Jandir Ipiranga Jr
Avatar
Roberto Mendonca comentou:
06/01/2015
Não houve qualquer manifestação em Manaus por ocasião dos 20 anos do falecimento do padre Nonato Pinheiro. Tentei, inclusive junto a Academia Amazonense de Letras, com sugestões, mas nada consegui.
Comentar em resposta a Roberto Mendonca
Avatar
Simara Ferreira (via FB) comentou:
05/01/2015
Querendo relaxar um pouco das obrigações de dissertar, fui remexer a biblioteca do Geraldo e acabei escolhendo um exemplar do Eça de Queiroz que pra minha surpresa, guardava uma folha amarelada, um recorte de jornal que continha um artigo do padre sobre o "O primo Basílio". Enquanto lia o artigo, Geraldo me contou várias peripécias do padre. Homem ilustrado, como já não existem mais.
Comentar em resposta a Simara Ferreira (via FB)
Avatar
Diana Sá Peixoto Pinheiro (Via FB) comentou:
05/01/2015
Gosto de tudo que vc escreve. Agradeco por mais esse texto onde me deparei com meu tio Padre Nonato. Obrigada Mestre. Um abraco.
Comentar em resposta a Diana Sá Peixoto Pinheiro (Via FB)
Avatar
Nelson Peixoto comentou:
05/01/2015
Geraldo Sá Peixoto Pinheiro, que bom saber! Eu o conhecia também e o admirava! Eu tinha um tio Padre que tb já faleceu que ficou muitos anos na Igreja dos Remédios! Gente heróica assim que não podemos esquecer! Saudações!
Comentar em resposta a Nelson Peixoto
Avatar
Graça Pinheiro (via FB) comentou:
05/01/2015
Boa lembrança José Bessa, em nome do tio padre
Comentar em resposta a Graça Pinheiro (via FB)
Avatar
Geraldo Sá Peixoto Pinheiro (via FB) comentou:
05/01/2015
Esta é de 1995 e fala sobre a morte do meu tio Nonato Pinheiro, hoje desconhecido das novas gerações, inclusive de muitos dos meus jovens amigos aqui do Facebook!
Comentar em resposta a Geraldo Sá Peixoto Pinheiro (via FB)