CRÔNICAS

Teste da memória: a corrupção no Amazonas

Em: 04 de Março de 1996 Visualizações: 5280
Teste da memória: a corrupção no Amazonas

Numa crônica publicada no Jornal do Brasil, nos anos 1990, mas de atualidade extraordinária, L.F. Veríssimo manifesta, com humor inteligente, sua preocupação diante da falta de reação pública aos escândalos financeiros que diariamente pipocam no Brasil. “O último é sempre maior que o anterior e acabaremos substituindo a indignação pela saturação. Chegaremos àquele ponto – perigoso em qualquer civilização – em que nada mais surpreende ou revolta”. Nem mesmo quando direitos constitucionais são violados.

A corrupção não é apenas obra de indivíduos inescrupulosos, mas está profundamente enraizada no sistema, que transforma santo em bandido. Diariamente se sucedem casos de desvios de verbas públicas para contas privadas, de afilhadismo, de compadrismo, de nepotismo, de farinha pouca meu pirão primeiro, de mateus primeiro os meus depois os teus. As pessoas metidas em tais escândalos desaparecem por algum tempo do cenário político, absolutamente impunes. Depois, quando acreditam que todo mundo esqueceu, voltam para morder o queijo confiando na amnésia coletiva.

Esquecer favorece a impunidade. Lembrar mantém, pelo menos, a condenação moral. O Departamento de Pesquisa do Taquiprati elaborou um teste para avaliar sua memória nos últimos dez anos. Confira aqui os seus conhecimento sobre os desfalques que foram dados nas contas públicas nos anos 1980 e 1990, quando ainda não havia delação premiada e os autores de falcatruas ficavam impunes.

1. O crime do colarinho verde na década de 1980 acabou revelando:

    a) A existência de guias falsificadas de exportação de toneladas de couve e alface.

    b) Um rombo de 117 milhões de dólares cometidos no âmbito da SUFRAMA.

    c) O contrabando de esmeraldas escondidas em colarinhos de camisas exportadas.

    d) Uma facada mortal no pescoço de um calango honesto.

2. Quem era o superintendente da SUFRAMA e quais partidos políticos vixe-vixeados se beneficiaram com o Caixa 2 nas eleições de 1986?

      a) Aloisio Campelo: ARENA E MDB

      b) Delile Guerra: PDT e PT

      c) Roberto Cohen: PDS e PFL

      d)  Nenhuma das alternativas

3. Qual foi o delegado da PF que apurou o crime do colarinho verde?

      a) Gustavo Gominho

      b) Rosinaldo Wanderley

      c) Romeu Tuma

      d) Mauro Spósito

4. Nas eleições de 1986, no Amazonas, as urnas de duas localidades apresentaram TODOS os votos para o mesmo candidato, escritos com a mesma letra e a mesma caneta. As urnas eram de: 

      a) Coari e Codajás

      b) Anori e Tefé

      c) Iranduba e Boa Vista do Ramos

      d) Urucurituba e Urucará 

5. Um senador envolvido em corrupção se beneficiou com incêndio criminoso em cartórios de Manaus:

      a) Gilberto Miranda

      b) Carlos Alberto de Carli

      c) Amazonino Mendes

      d) Aureo Melo  

6. Foi registrada na Junta Comercial de Manaus a empresa A. N. da Silva Ltda, que obteve liberação de câmbio fechado de 2 milhões de dólares vendidos no mercado paralelo. A.N. eram iniciais de:

      a) Antônia Nogueira, a Tonica, cozinheira de Gioto Santoro.

      b) Ambrósia Nunes, lavadeira de Ézio Ferreira

      c) Amazonino Nendes

      d) Artur Neto em sociedade com o vereador Aloysio Nogueira

7. Nos contratos feitos entre a SERVAZ e a Secretaria Estadual de Transportes e Obras, entre 1988 e 1993, houve superfaturamento. A obra mais polêmica e mais cara foi:

     a) A urbanização do bairro Francisca Mendes.

     b) A construção de escolas e hospitais.

     c) A montagem da rede de esgotos em Manaus.

     d) A reconstrução de praças do Manoel Ribeiro Pracinha.

8. “Por Collor, eu mato. Por Collor, eu morro”. A frase bombástica foi dita por um deputado federal do Amazonas acusado na CPI do Orçamento de haver desviado 14 milhões de dólares.

     a) Átila Lins

     b) Ézio Ferreira

     c) Euler Ribeiro

     d) Pauderney Avelino

9. Quais os vereadores ressarcidos, a quantia de recursos públicos que embolsaram e a justificativa que deram:

     a) Raimundo Furtado, o “Boca de Ouro”: 37 mil dólares com dentista.

     b) Robério Braga, 35 mil dólares com ginecologista e parto cesariano

     c) César Bonfim, 38 mil dólares com um resfriado

     d) Todas as alternativas são corretas.

10. O Tribulins (TCM) aposentou deputados e pagou salários de marajás para as respectivas esposas que ganhavam sem trabalhar.

     a) Euler Ribeiro

     b) Átila Lins

     c) Pauderney Avelino

     d) Nenhuma das alternativas

11. Denúncias do deputado L.F. Nicolau dão conta de duas mil toneladas de merenda escolar desviadas. A merenda foi comida por:

     a) José Melo e Gilberto Mestrinho

     b) José Melo e Amazonino

     c) José Melo e Omar Aziz

     d) José Melo e José Melo

12. Um governador da Amazônia envolvido em corrupção tirou vários e diferentes CPFs para facilitar mutretagem:

     a) Orleir Cameli

     b) Amazonino Mendes

     c) As duas alternativas

     d) Nenhum dos dois. 

13. Descobriram fraude: um deputado foi votado nove vezes pela mesma eleitora nas últimas eleições:

     a) Joaquim Corado

     b) Omar Aziz

     c) Lupércio Ramos

     d) Ronaldo Tiradentes

14. Um secretário de Estado foi acusado de falsificar diploma e engatilhar um gato na Eletronorte:

     a) Omar Aziz

     b) Joaquim Corado

     c) Lupércio Ramos

     d) Ronaldo Tiradentes

Avaliação final: Se acertou todas as questões, parabéns. Se todos fossem iguais a você, os corruptos estariam presos.

De 9 a 13 respostas certas, existe possibilidade de que não vote errado nas próximas eleições, mas é bom tomar cuidado.

De 5 a 8, não se queixe, você vai reeleger trapaceiros. Procure ler a cartilha da CNBB, que orientará os eleitores nas próximas eleições.

Entre 1 a 4, você é um alienado e vai a assistir o concerto do próximo tenor que se apresentar no Teatro Amazonas.

Nenhuma resposta certa: os corruptos existem, porque você existe. 

 

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

5 Comentário(s)

Avatar
Isabela Torres De Castro Innocencio comentou:
04/05/2017
Verdade, e agora...muita gente acha que deveria ficar tudo como era antes...CONSERVADOR o nosso país...
Comentar em resposta a Isabela Torres De Castro Innocencio
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
02/05/2017
Nossa que texto atual!!! Engraçado, algumas figuras estão sempre no poder e não saem.do poder nem que a vaca tussa. Rsrs
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
Geraldo Sá Peixoto Pinheiro comentou:
30/04/2017
Fui muito bem pontuado nesse teste! (rs)
Comentar em resposta a Geraldo Sá Peixoto Pinheiro
Avatar
Magela Ranciaro comentou:
30/04/2017
A imprensa divulgou no ano de 1988 Que, entre outras regiões: \"Na Amazônia, 370 empresas receberam dinheiro público para lavoura e criação de gado, mas não iniciaram os projetos (dados divulgados em 1988 pela Comif). Entre 1975-1985, cerca de US$ 1 bilhão foi desviado somente na área do Fundo de Incentivos a Projetos de Reflorestamento (Fiset). O Fundo de Incentivos da Amazônia (Finam) recebeu US$ 1,1 bilhão, mais da metade para projetos agropecuários. Dos empreendimentos incentivados, apenas 3% tiveram alguma rentabilidade. Em 1990, quase US$ 110 bilhões liberados para financiar projetos na Amazônia teriam sido desviados por empresas que receberam os benefícios... \" (Jornal O Estado de São Paulo, 09.11.98, p.B-3 - Cleu Sholz). (RANCIARO, M.M.M.A, 2004, p. 191). A coisa é séria, caro amigo, José Bessa!
Comentar em resposta a Magela Ranciaro
Avatar
Abrahim Farha comentou:
30/04/2017
t Bessa Manu Em kada estad0 Teem seus cacikes Amaz0nas Boto Tucuxy etc y tal SP. Pryma...... Bahya....0 toinho PA. O criador de rã..... Etc ytc
Comentar em resposta a Abrahim Farha