CRÔNICAS

O TESTE DE DNA BARÉ

Em: 29 de Julho de 2001
Tags:
Visualizações: 2794

.Uma pergunta inquietante que até hoje a ciência não conseguiu responder para ninguém: quanto tempo de vida cada um de nós ainda tem pela frente? Uma equipe de cientistas aceitou o desafio e elaborou o teste de DNA, cuja versão original foi amplamente divulgada via internet. Esse teste é capaz de avaliar a tua esperança de vida, leitor (a), tomando como base aquilo que já viveste.

No entanto, a sua aplicação no Amazonas, num grupo experimental, apresentou resultados desastrosos, porque lamentavelmente o teste desconsiderou a realidade local, a nossa história, a cultura regional. O teste falhou, por exemplo, com minha prima Rosilene, atribuindo-lhe 15 anos de idade, quando ela já viveu isso multiplicado por três e somado com mais alguns aninhos. 
Por isso, em busca de um maior rigor científico, decidimos reelaborar o Teste do DNA - Data de Nascimento Antiga - adaptando-o à realidade baré. Para cada resposta afirmativa, leitor (a), marca um ponto. Consulta a tabela no final, para saber quantos anos ainda tens de vida. Boa Sorte!
1. Você andou alguma vez no bonde Circular-Cachoeirinha ou no bonde dos Remédios, que passava em frente ao mercadão?
2. Já pegou catraia para atravessar qualquer igarapé de Manaus?
3. Jogou futebol de botão com caroço de tucumã cortado, lixado e engraxado? Usou caroço de tucumã como bolinha de gude?
4. Assistiu alguma briga do boi Corre-Campo com o Mina-de-Ouro e ouviu esse desafio: "Ei ferro, ei aço, eu te procuro mas não acho". Ou então: "Pisei, pisei, pisei, pisei torno a pisar, pisei Mina de Ouro na esquina do boulevard".
5. Namorou no jardim da Matriz, caminhando sobre a calçada de mármore e vendo o chafariz no centro da praça? Flertou na Praça da Polícia?
6. Comprou do doutor Canuto Palhano, na Farmácia do Povo, rua dos Barés, algum xarope tipo Capivarol, Biotônico Fontoura, Elixir de Inhame Goulart ou Pílulas de Vida do doutor Ross?
7. Bebeu leite trazido do Careiro em grandes bujões de ferro com tampa trancada com cadeado?
8. Seu pai ou algum amigo dele fumava cigarro Astória, aquele de carteira amarelinha, e bebia cerveja XPTO?
9. Assistiu a apresentação das "Filhas de Maria" da Rua major Gabriel ou as pastorinhas do Luso? Tremeu diante do Cão do Luso?
10. Encontrou nas ruas de Manaus vendedores de puxa-puxa, cascalho, pirulito e catavento, que chamavam a atenção da molecada batendo com um pedacinho de ferro num triângulo de aço? 
11. Já tomou rala-rala de groselha com gelo da Fábrica Miranda Corrêa, em algum arraial ou quermesse? Comeu pastéis da tia Dinoca? Comprou jaca mole manteiga ou pajurá de racha do seu Messias? 
12. Comeu cocada, gergelim, beijo de moça, sequilho, broa ou qualquer tipo de bolo vendido por qualquer doceiro, que carregava uma caixa retangular envidraçada, de dois andares e quatro pernas compridas e chamava a atenção do freguês soprando uma gaita ou usando uma matraca?
13. Tomou tacacá na banca da dona Maria Portuguesa, em frente ao Cine Guarany ou da Nega Vitória, ao lado do Odeon? Comeu banana frita espetada no palitinho na banca da Preta Idalina, na Praça Catorze?
14. Participou do bingo do arraial de Aparecida gritado pelo Brígido Nogueira ou pelo Moacir Marques (Balança o saco, Pepita!)?
15. Seu pai vestiu terno de casemira inglesa costurado pelo Domingos Demasi ou pelo Licurgo Cavalcante? Ou mandou remendar seu sapato com o Domingos Russo? 
16. Cantou o hino oficial do 1º Congresso Eucarístico de Manaus: "Eia Exulta, Manaus sorridente, nestas bodas douradas de luz, Canta e louva, agradece e suplica, adorando na Hóstia Jesus?" Ou então: "Rei dos Céus, oh Jesus Sacramento, proclamamos, cantando a teus pés, hás de sempre reinar triunfante, sobre a terra em flor dos barés"?
17. Assistiu a audição de piano dos alunos da Escola Musical Ana Carolina, dirigida pela professora Alina Marçal de Carvalho Ferreira? 
18. Você ou seu irmão pegaram chá de burro do padre Felinto no Oratório Dom Bosco, depois de cantar "Dom Bosco teus filhos, em cantos de amor, radiante te hosanam, qual mestre e pastor"?
19. Viu o Bombalá marchando com o Colégio Estadual no dia sete de setembro? Ouviu da Carmen Doida a frase: "Vai roubar galinha"? Deu adeus para aquela doidinha que morava no boulevard, próximo ao cemitério? 
20. Participou da Cruzadinha Infantil ("Somos pequenos da Cruzada!), das Filhas de Maria ("A fita azuuul, será nossa bandeeeeira!) ou do Apostolado da Oração ("Levantai-vos, soldados de Crii-isto!)
21. Cantou ou sabe a qual instituição pertence esse hino: "Oh Colégio vergel de virtudes, berço augusto de santa instrução, és da nossa feliz juventude, o farol de eterno clarão"? 
22. Assistiu algum programa de calouros da Gelomatic, nos bairros de Manaus, ouvindo Estevão Santos cantar "Zíngara" e o Dilson do SAPS entoar: "Foi numa noite de luar, que eu conheci"? 
23. Nas manhãs de domingo da Rádio Difusora, escutou o Janderruby, o garotão das garotas de Aparecida, cantar: "Sua Majestade, o Nenen" ("Silêncio, ele está dormindo, vejam como é lindo...")
24. Chorou com a morte do Comandante Ventura dos Bombeiros Voluntários de Manaus? Viu, no Teatro Amazonas, a apresentação do grupo folclórico de Portugal, organizado pelo Comandante Ventura, dançando a Maria Papoila? E o Vovô Branco?
25. Torceu pela Auxiliadora Câmara ou pela Anete Stone na disputa do concurso de Miss Amazonas? 
26. Frequentou banhos como Parque Dez, Pecos Bill ou as Pedreiras, no V-8?
27. Na sua casa, depois da passagem do mata-mosquito, escreveram a sigla SNM - Serviço Nacional da Malária, que o povo traduzia como "Severiano Nunca Mais"?
28. Ouviu os jingles de propaganda de bebida nas rádios locais: a) Martini, Martini, Martini, vermuth sen-sa-cio- nal. Hah! Hah!"; b) "Sim, Sim, Cinzano. Cinzano sempre faz beeeem! Muito beeeem! Cinzano agrada ao paladar"; c) Vodka: E-ristóoo! Pam! Pam!"?
29. Assistiu pelada no Estádio General Osório? Tomou banho naquela piscina cuja água saia da boca de um jacaré de cimento, que tinha o rabo mordido por uma onça?
30. Você ficou mais comovido com a morte do Delmo, em Manaus, ou com a do Chico Viola, no Rio de Janeiro?
31. Viu o Auto Esporte jogar no Parque Amazonense com Vicente, Guarda e Gatinho? E o Rio Negro com Pedro Brasil, Bololô, Catita e Eudóxio? Ou o Nacional com Marialvo, Pedro Hamilton, Sula, Rolinha, Pretinho e Pepeta? 
32. Você ou seu irmão assistiram ou ouviram pelo rádio o Amazonas ganhar do Pará no Parque Amazonense por 1 a 0, com gol de penalidade máxima cobrada por Guilhito? 
33. Acompanhou o programa "Esportes no Ar", da Rádio Baré, apresentado pelo Leal da Cunha e o Irisaldo Godot? Leu a coluna "Zamith e Emiliano informam"?
34. Já deu uma paradinha no Canto do Fuxico, na esquina da Loja Capri para um dedinho de prosa? Sabe onde é o Canto do Quintela? Bilhares? E o Alto de Nazaré? 
35. Você foi assistiu o Ary Barroso e sua orquestra na Maloca dos Barés ou o Zé Coió na Festa da Mocidade? 
36. Andou de Simca-Chambord, Aero-Willis, DKW-Vemag ou Karman-Ghia?
37. Se mulher, usou saia plissada, blusa godê ou vestido tubinho? Se homem, vestiu camisa de jérsey ou "volta ao mundo", com calça lee e sapato com salto Coroa? 
38. Já ouviu alguma vez dona Yayá contar o enredo de um filme na frente do Cine Avenida? Humilhou-se, numa fila, em frente ao Palácio Rio Negro, no Natal, para ganhar um brinquedo distribuido pelo Gilberto Mestrinho, cantando: "Gilberto é amigo da criaaaaança!"?
39. Chegou a ver o estudante Amazonino Mendes, pobre-pobre, antes dele ficar milionário e construir a mansão cinematográfica do Tarumã?
40. Assistiu os comícios do PTB, quando a multidão gritava: "Abaixo o Cabeleira, é o maior lalau da CERA?" 
TABELA DE PONTOS: Se acertou até 10 pontos, você está mais por fora que umbigo de vedete: viveu pouco e tem uma longa trajetória à sua frente. De 10 a 20 pontos, você é uma brasa, mora, apresentando relativo equilíbrio entre o vivido e o por viver. De 20 a 30 pontos, você apresenta problemas sérios de DNA, está mais prá lá do que prá cá. Agora, se acertou os 40 pontos, meu irmão, não quero ser cruel, mas me cumpre advertir que você está prestes a subir, pela última vez, o Boulevard Amazonas, acompanhado de parentes e amigos chorosos. 
Cartas do leitor
FALE CONOSCO TAQUI PRA TI 

Publico carta do leitor, omitindo no entanto o seu nome.
"Caro Ribamar Bessa,
Estou transcrevendo e enviando para você a seguinte notícia, publicada no Jornal do Comércio, sob o título: "Isenção do Icms a compra de máquinas e papel". 
"As empresas de jornal, rádio e televisão deixarão de pagar ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre aquisição de produtos e bens de uso e consumo, como máquinas, equipamentos, papel, filmes, etc. Em contrapartida, numa espécie de permuta, elas são obrigadas a divulgar matérias do Poder Executivo de interesse social. Isso é o que determina o decreto assinado ontem pelo governador Amazonino Mendes, na sede do governo.
Amazonino explicou que não se trata de dispensa do imposto ou favor do governo às empresas jornalísticas, mas sim de uma compensação, que tem por objetivo principal garantir os empregos nas empresas de comunicação. 'Nossa grande preocupação, no governo, neste momento de crise, é com o desemprego. Então a gente procura ajudar as empresas e os órgãos de comunicação, exatamente para evitar as demissões', argumentou.
Para o governador, a medida vai facilitar a vida das empresas de jornal e radiodifusão de modo geral, que teriam de fazer, de imediato, o pagamento do ICMS. "Agora não precisam pagar o imposto, basta compensar. Isso é um ganho muito bom para a imprensa, porque os insumos estão ficando caros e o governo faz isso também de olho num detalhe: para evitar demissões", revelou.
O decreto assinado ontem pelo governador altera o artigo 1º de outro decreto, o de n.º 17.132, de 11.04.96, que já dispensava tratamento diferenciado às empresas de comunicação do Amazonas em troca da divulgação de matéria tributária."
"Aqui termina a notícia. Escrevo-lhe, então, pela segunda vez pra lhe expressar minha fúria (diferente de indignação!) que me ocorre ao ver você sumariamente chutado pra fora das edições domingueiras de A Crítica.
Cansei de me questionar pelos motivos (obscuros) que levaram nosso maior jornal a cometer tal injustiça. Essa semana, deparei-me com uma notícia (transcrita abaixo) na televisão, onde posavam vários representantes das rádios e televisões, junto com o nosso cacique, em uma de suas salas de seu gabinete assinando esse decreto. Segundo nosso amado governador a medida visa "exatamente evitar as demissões"... Como sei que tudo nessa maloca funciona como moeda de troca, pensei: quem sabe uma das moedas (que com certeza são muitas! E valiosas!) não foi justamente o pé-na-bunda do caro amigo a quem escrevo agora??? Evitar demissões ou favorecer algumas?
Dúvidas a parte, entendo a posição diplomática de A Crítica, pois compreendo a necessidade de um incentivo dessa natureza, para a sobrevivência da empresa. Tudo o que tenho na vida, está ntrinsecamente ligado à ZFM, e ao capital que ela faz circular aqui no meio da floresta. Mas como vi numa frase dia desses: "O preço de um homem é sempre maior àquilo que ele vale". Infelizmente, existem muitas pessoas influentes e de importância significativa para nosso povo que ainda se vende ou troca favores nessa grande maloca com os grupos poderosos.
Não perco, contudo minha esperança de ver essa Zona mudar um dia! Não irei também me privar de ler suas crônicas na internet e de divulgá-las aos meus conterrâneos que tem acesso à rede.
Um grande abraço de um admirador,
T. 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

Nenhum Comentário