CRÔNICAS

OS MUSEUS DO CHE: DÊ BOM DIA PRO PAPAI

Em: 12 de Fevereiro de 2006 Visualizações: 5962
OS MUSEUS DO CHE: DÊ BOM DIA PRO PAPAI
(Enviado de Cochabamba, Bolivia). Quem tem fé, acredita que Cristo morreu na cruz para nos salvar. E o Che Guevara? Morreu pra quê? Essa é a pergunta do visitante que chega a Vallegrande, depois de percorrer estradas poeirentas e miseráveis da chamada “rota do Che”. Lá, um pequeno museu mostra a foto do cadáver, sem camisa, descalço, barbas e cabelos compridos, com o rosto sereno e os olhos abertos. A comparação com o crucificado é inevitável.
Na foto, um oficial boliviano futuca com o dedo o buraco do coração ferido por uma bala, como se mostrasse a chaga aberta pela lança do centurião romano, sem desconfiar que a ressurreição aconteceria logo depois nas barricadas de maio de 1968, em Paris; na praça de Tlatelolco, no México; nas passeatas do Rio de Janeiro e São Paulo; nos protestos das ruas de Praga e no outono italiano de Turim. Em todas elas, os manifestantes gritavam o nome do Che.  
Vallegrande, onde o Che foi enterrado, é apenas uma das estações da via sacra. Existem muitas outras que ele percorreu até chegar ao monte Calvário – o pequeno povoado de La Higuera, onde foi executado. Hoje, um pacote turístico alternativo, de discutível validade, permite visitar esses lugares em três dias, de ônibus, por estradas quase sempre não asfaltadas.
 La Ruta del Che
Os caminhos da via crucis do Che estão precariamente sinalizados. Sobem serras, cortam vales escarpados, atravessam rios, passam por povoados quase desertos, cercados por vegetação rala, espinhosa e cerrada. Na estradinha de terra, a 18 km. de Lagunilla, uma placa artesanal de madeira indica com letras vermelhas: “Rutas del Che”. Um vândalo engraçadinho cometeu o sacrilégio de apagar o rabinho do “R”.
Os moradores de alguns desses lugarejos organizaram por conta própria, como puderam, pequenos museus, de forma artesanal, para atender a curiosidade do turista que chega em romaria. São também os próprios moradores locais que guiam os visitantes ao primeiro acampamento do Che, onde começou a guerrilha, até a escola rural de La Higueira, chegando finalmente em Vallegrande.
Perdida no Sudoeste boliviano, La Higuera deve ter o quê? Vinte, trinta casas? É por aí. Todas elas muito pobres. A sala da escolinha rural, onde o Che foi preso e depois assassinado, virou sítio de peregrinação, com alguns murais e objetos musealizados por um morador, por iniciativa própria. Lá está uma cadeira, com uma informação escrita num pedaço de cartolina: “donde se sentó por última vez”.  
Na única praça, ao lado da escola, ergueram um busto bem simples do Che, com suas longas melenas e sua boina de guerrilheiro. Eu não vi, mas o jornalista Luis Crespo, colaborador da BBC na Bolivia, conta que os moradores de La Higuera acendem velas e rezam para o Che, pedindo milagres, que não aconteceram nesses últimos 39 anos. O Che virou santo, mas o lugarejo continua tão miserável como antes.
A única coisa que mudou foi a eventual chegada de raros turistas, o que permite a venda, aquí e ali, de algum artesanato e rende uns trocadinhos para os guias improvisados. Eles contam histórias e narram o que viram, como Policárpio Cortez, que dá seu testemunho na primeira pessoa: “Eu vi o Che, ferido no joelho, chegar montado numa mula, ali, pela boca da estrada”. 
Tierra de su tumba
Vallegrande, localizada na beira da cordilheira dos Andes, é uma cidadezinha, com 18 mil habitantes, casas de barro e ruas sem calçamento. Ao contrário de La Higuera, tem alguns serviços básicos, embora precários, de hotelaria (três ou quatro hospedarias) restaurante, taxi e telefone público.
O circuito turístico alternativo inclui visita ao hospital que recebeu o cadáver do Che, trazido de La Higuerra amarrado num helicóptero. Ele estava com os cabelos sujos, a roupa rasgada e calçava umas “abarcas” bolivianas, de couro cru, parecidas com alpercatas-de-arigó. Lá, o corpo foi lavado pelas freiras e foi fotografado em imagens que circularam pelo mundo inteiro.
A peregrinação leva os visitantes também ao Memorial construido na improvisada pista de avião, no lugar onde o Che permaneceu enterrado em segredo durante 30 anos, até que foi identificado, tendo seus restos mortais sido trasladados para a cidade de Santa Clara, em Cuba. “Os cubanos cairam no choro quando encontraram os restos do Che”, diz o boliviano Villagomez, que ajudou a procurar a sepultura escondida.
No pequeno museu de Vallegrande, ao lado da foto famosa, tem um saco cheio de terra. Num pedaço de cartolina, seis palavras escritas à mão, com caligrafia irregular mas clara, informam: “Tierra de su tumba del Che”. A sintaxe desse espanhol aqui indica a origem popular e o bilingüismo andino de quem escreveu, além dos procedimentos artesanais na construção do museu, que exibe ainda o par de “abarcas” bolivianas.
 Soldadito boliviano
Os moradores de Vallegrande acabam de participar, como atores de apoio, de um filme intitulado “Di buen dia a Papa”, do cineasta boliviano Fernando Vargas, que começa sua narrativa justamente com a foto do Che deitado na lavandaria do hospital, com os olhos abertos, um ligeiro sorriso nos lábios e uma ferida no coração. Essa é a foto que ficou mais conhecida internacionalmente.
O documentário sobre o Che em Vallegrande usou fotografias de três profissionais: Freddy Aborta, que vive hoje no Brasil e tirou as fotos durante a entrevista coletiva em que o cadáver foi exibido, René Cadima - o fotógrafo de Vallegrande, e Reginaldo Ustáriz - biógrafo do Che.
Segundo um cineasta de Santa Cruz, Rodrigo Bellot, o filme é um poema de amor a Vallegrande, com uma proposta estética e conceitual nova. Discute quem são os bolivianos, como são, a identidade fragmentada do país, sua história e o que se pretende fazer com ela. O documentário “fala de como nós amamos, brigamos, nos defendemos, damos, sonhamos, esperamos, sofremos e também perdoamos. Coincidentemente no momento em que nós, bolivianos, mais necessitamos, o filme nos devolve a fé em nós mesmos, em nossa capacidade de construir nosso destino coletivo”.
É uma pena que um filme como esse não passe no Brasil, que continua de costas para os acontecimentos e a produção cultural e artística dos países hispano-americanos. De qualquer forma, se anunciarem em algum cine clube, vai lá, leitor (a), que não te arrependerás. Num certo sentido, o filme dialoga com aquele poema do cubano Nicolás Guillén, que foi musicado e cantado pelo espanhol Paco Ibáñez:
“Soldadito de Bolivia,
soldadito boliviano,
armado vas con tu rifle,
que es un rifle americano,
te lo entregó un asesino,
soldadito boliviano,
regalo de mister Dólar,
para matar a tu hermano.
Pero aprenderás seguro,
soldadito boliviano,
que a un hermano no se vende,
que no se mata a un hermano,
soldadito de Bolivia,
soldadito boliviano”. 

.P.S. - O CHE PODE ESTAR VIVO. Veja: http://www.taquiprati.com.br/cronica/205-o-che-pode-estar-vivo

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

21 Comentário(s)

Avatar
Taquiprati comentou:
31/12/2016
O CHE PODE ESTAR VIVO. . Veja: http://www.taquiprati.com.br/cronica/205-o-che-pode-estar-vivo
Comentar em resposta a Taquiprati
Avatar
Verenilde Pereira comentou:
31/12/2016
Acho que o mundo está precisando de mais \"psicopatas\" para que seja mais justo. E mais pessoas com \"primitivo ardor\" para revolucionar como Guevara fez.
Comentar em resposta a Verenilde Pereira
Avatar
Ronaldo De Maria Derzy (via FB) comentou:
31/12/2016
A construção da analogia cristocheguevariana é apenas livresca e de uma criatividade fenomenal apesar de oblíqua, desnecessária e ilógica porém, vindo de u\'a mente brilhante vale a leitura. São dois personagens absolutamente distintos no tempo e no espaço, nos propósitos e nos exemplos, na forma de ver e encarar e valorizar a vida do outro. Se se cruzassem um dia, Che pediria perdão pelas atrocidades que planejou e perpetrou e Jesus com certeza daria um abraço em Che e diria: - Vai, teus pecados estão perdoados. Procura teu sacerdote e não diz nada a ninguém. Amém!
Comentar em resposta a Ronaldo De Maria Derzy (via FB)
Respostas:
Avatar
Josemar Maciel comentou:
31/12/2016
Imagino um encontro no al di là, entre Jesus, o Che e um catolicão, desses que criminalizam o comunismo. Vira-se para o Che e diz, pede perdão, pede, pelas maldades crueldades e atrocidades que fazias e farias em nome da revolução. No que Jesus responde, véio, eu é que peço perdão por gerações inteiras que massacraram povos inteiros em meu nome. Sem minha autorização. O Che, que até ali estava quieto, disse vem. Te pago um trago. Saíram os dois barbudos para beber. O catolicão continuou parado, coçando a cabeça. História verídica narrada por Dante Alighieri que a presenciou. Dante é escritor, renascentista. Prepara uma edição de \"paradiso ritrovato. Nuovo canto\".
Comentar em resposta a Josemar Maciel
Avatar
Maria Celeste Freire Corrêa (via FB) comentou:
31/12/2016
José Bessa, é sempre importante fazer esse resgate histórico para reparar a dívida com tantas pessoas que deram as suas vidas para que hoje pudéssemos ter a liberdade de falar bem ou mal do governo, discordando ou concordando uns dos outros, mas com liberdade de pensamento e de expressão. Um viva ao Che, Herzog e a todos esses que sofreram e morreram pelos seus ideais. Feliz ano novo, mano!
Comentar em resposta a Maria Celeste Freire Corrêa (via FB)
Avatar
Nelson Bessa Maia (via FB) comentou:
31/12/2016
Não se pode comparar Jesus Cristo, a essência do bem, com esse psicopata esquerdista que adorava fuzilar os \" inimigos da revolução\" por puro sadismo!!! Que arda no inferno eternamente!!!
Comentar em resposta a Nelson Bessa Maia (via FB)
Respostas:
Avatar
Taquiprati comentou:
31/12/2016
Meu caro Nelson, não existe A BIOGRAFIA. Existem biografias. José Bessa Meu caro Nelson, a que eu li foi outra, foi essa aqui: CASTAÑEDA GUTMAN, Jorge. Che Guevara: A Vida em Vermelho - São Paulo, Companhia das Letras, 1997 Fique sempre com um pé atrás nessas biografias. Se eu fosse fazer a tua biografia, meu caro Nelson, vc não sairia tão mal na fita, porque eu tentaria contextualizar porque esse ódio doentio contra as lutas pelas transformações sociais, Mas se a biografia fosse feita por outros leitores aqui, vc poderia se sair mal. As biografias, nem a que eu li, nem a que vc leu, não contem verdades inquestionáveis.
Comentar em resposta a Taquiprati
Avatar
Nelson Bessa Maia (via FB) comentou:
31/12/2016
Dê uma olhada na biografia dele: http://mundoestranho.abril.com.br/.../quem-foi-che-guevara/
Comentar em resposta a Nelson Bessa Maia (via FB)
Avatar
Taquiprati comentou:
31/12/2016
Ei, rapaz, ele não fuzilou, ele foi fuzilado.
Comentar em resposta a Taquiprati
Avatar
Anne-Marie Milon Oliveira comentou:
31/12/2016
Jesus, como o Che foi um dos poucos que morrem pelos seus ideais
Comentar em resposta a Anne-Marie Milon Oliveira
Avatar
João Amado (via FB) comentou:
31/12/2016
Jesus era um zelota, ou, no mínimo, bem próximo ao movimento revolucionário judaico. Mal comparando, Jesus estaria para Guevara, como João Batista para Gandhi. O Jesus pacifista foi construído a posteriori, após a destruição de Jerusalém pelos romanos, décadas depois da morte do Nazareno.
Comentar em resposta a João Amado (via FB)
Avatar
Alfredo Morel (via FB) comentou:
30/12/2016
Belo texto Bessa! Aproveito para lhe desejar uma entrada de ano cheia de esperança, de resgate à dignidade e cidadania desse Brasilzão, assim como Guevara pregava para a nossa América. Grato também pelas deliciosas crónicas. Um abraço
Comentar em resposta a Alfredo Morel (via FB)
Avatar
Silvio Poggi Nunes · comentou:
30/12/2016
A foto foi batida por uma jornalista da equipe do Estadão, que ia cobrir a greve dos mineiros em La Paz, e o avião desceu em Santa Cruz de la Sierra, para escala, e lá os jornalistas ao descerem para tomar um café no aeroporto viram a maior movimentação de que mataram o Che, procurara se certificarem e ligaram para o Estadão, e aí o Ruy Mesquita, pediu para ficarem em Sta Cruz daí saiu o furo sb a morte do Che.
Comentar em resposta a Silvio Poggi Nunes ·
Avatar
Magela Ranciaro (via FB) comentou:
07/12/2016
Avatar
Danielle Bastos (via FB) comentou:
07/12/2016
Das que li, eu acho que é a mais bonita que já escreveu.
Comentar em resposta a Danielle Bastos (via FB)
Avatar
Nelson Bessa Maia (via FB) comentou:
07/12/2016
Respostas:
Avatar
Alexandra Ribeiro (via FB) comentou:
07/12/2016
Taquiprati, esse Bessa aí de cima é teu parente? Se for, me perdoa, mas o cara é repugnante, não publica esses comentários doentios desse cara, por favor.
Comentar em resposta a Alexandra Ribeiro (via FB)
Avatar
Mary Gaspari Puri (via FB) comentou:
07/12/2016
É, tem que ser muito repugnante mesmo pra libertar um país e seguir lutando contra injustiça e desigualdade até a morte. Que Deus me permita estar sempre do lado das criaturas repugnantes como o Che.
Comentar em resposta a Mary Gaspari Puri (via FB)
Avatar
Maria das Graças de Carvalho Barreto (via FB) comentou:
07/12/2016
Quem vê essa foto de Che não deixa de ficar impactado.
Comentar em resposta a Maria das Graças de Carvalho Barreto (via FB)
Avatar
Maria das Graças de Carvalho Barreto (via FB) comentou:
07/12/2016
A morte chegou até ele, mas a utopia permanece presa naquele sorriso estático, cristalizado na ponta das baionetas, mas nunca deixa de ser um sorriso. Do que e por que Che sorri?
Comentar em resposta a Maria das Graças de Carvalho Barreto (via FB)
Avatar
Leonard Costa comentou:
10/06/2012
Gostei da crônica. Che continua vivo!
Comentar em resposta a Leonard Costa