CRÔNICAS

Os Índios que a Camila Pitanga viu no Mar

Em: 24 de Março de 2018 Visualizações: 6919
Os Índios que a Camila Pitanga viu no Mar

A atriz Camila Pitanga visitou, na sexta-feira (16), os Guarani, os Pataxó, os Puri e os índios em contexto urbano residentes no Rio. Foi na Exposição Dja Guatá Porã: Rio de Janeiro Indígena, no Museu de Arte do Rio (MAR). Logo na entrada, ela atravessou a passarela de acesso ao Pavilhão de Exposições e passou pela instalação sonora que lhe permitiu ouvir dezenas de línguas indígenas. Depois, circulou pelos quatro núcleos que exibem objetos, vídeos, fotos, maquetes, documentação histórica e iconográfica e pelas cinco estações: arte, educação, comércio, mulher e natureza.

Acompanhada do diretor teatral Bruno Siniscalchi, Camila Pitanga seguiu a linha do tempo projetada sobre uma cobra grande pintada na parede, ao longo da exposição, na qual leu textos, viu imagens com o registro das relações violentas entre colonizadores, em busca de escravos, e os povos indígenas, que resistiam. Lá está reproduzido, entre outros, o manuscrito do final do séc. XVII, no qual o português André Soares registra que a força de trabalho não remunerada dos índios foi responsável pela construção dos Arcos da Lapa.

Mas a linha do tempo avança. Depois de acompanharem a invasão das terras indígenas no litoral pelos engenhos de açúcar, Camila e Bruno seguiram o caminho da cobra e viram as fazendas de café se expandindo pelo vale do Paraíba no séc. XIX, usurpando o território dos Puri, Coroado e Coropó. Observaram a resistência indígena e verificaram que hoje o Rio de Janeiro continua índio nas aldeias Guarani e Pataxó, nos Puri e nos índios da Aldeia Vertical e da Aldeia Maracanã residentes na cidade, por onde transitam inúmeros indígenas da Amazônia.

Trajetória da cobra    

No Rio, vivem falantes de mais de 30 línguas indígenas oriundos de todas as regiões do país. Os visitantes viram imagens da violência sofrida pelos Waimiri Atroari nos desenhos feitos pelos índios, em 1985, cedidos para a exposição por Egydio Schwade, que os alfabetizou, antes de ser expulso da área pelo então presidente da Funai, Romero Jucá (PMDB vixe, vixe), agora réu por crimes de corrupção.

Os dois visitantes acompanharam ainda a reprodução de jornais com a cobertura do assassinato do pataxó Galdino Jesus dos Santos. Ele, que resume em seu nome o Crucificado e todos os canonizados pela igreja, foi queimado vivo por cinco jovens, em abril de 1997, enquanto dormia em um ponto de ônibus de Brasília.

A cobra grande chega até os dias de hoje, testemunhando outros fatos recentes, como a polícia enviada pelo então governador Sérgio Cabral (PMDB vixe Maria!) para espancar os índios da aldeia Maracanã, mostrando que a realidade indígena não é alheia nem distante conforme o texto de apresentação da equipe curatorial composta por Clarissa Diniz, Pablo Lafuente, a guarani Sandra Benites e este locutor que vos fala:

“A cobra, protagonista de narrativas de origem de vários povos, através dos mitos que traz consigo, adverte-nos sobre outras historicidades possíveis. Em sua trajetória, a cobra traça um caminho de destino incerto, construído como um processo inacabado, atravessado por lutas, retomadas, propostas e esperanças. Djá Guatá Porã: Rio de Janeiro Indígena é também um caminho de aprendizado coletivo, em que as trocas entre indígenas e não indígenas, deram forma a intenções, linguagens, urgências, articulações”.

Os museus costumam realizar exposições nas quais os índios aparecem apenas como objetos musealizáveis, algumas até aceitáveis, mas limitadas em seus resultados.  O MAR, seguindo caminho traçado, por exemplo, pelo Museu do Índio do Rio, tratou de realizar uma curadoria compartilhada. A equipe de curadores percorreu as aldeias Guarani e Pataxó para indagar a eles, aos Puri e aos índios que residem na cidade do Rio o que queriam mostrar de suas culturas vivas.

A exposição é, assim, fruto de um diálogo em encontros abertos ao público tanto no auditório do museu quanto nas aldeias envolvidas, com a participação direta dos índios, de pesquisadores, historiadores, curadores, arquitetos e designers. Os próprios índios fotografaram e filmaram o que apresentaram na mostra Dja Guata Porã, que em língua guarani sugere “uma construção coletiva, um caminho orientado para o futuro”. Dezenas de índios, cujos nomes aparecem lá na entrada, participaram diretamente da construção da mostra.

Horta urbana                          

Camila Pitanga fotografou parte da história que viu documentada no museu.   Diante do mapa etnohistórico de Curt Nimuendaju, que registra a presença de mais de mil línguas faladas em território que é hoje o Brasil, observou que a história indígena se mantém encoberta, silenciada, com o apagamento da contribuição das culturas ameríndias para a nossa vida cotidiana e para nossa capacidade de conceber o futuro.

Até a toponímia do estado do Rio de Janeiro tem sua origem indígena desconhecida. Alguns lugares como Mangaratiba, Sepetiba, Cachambi, Tijuca, Catumbi, Ipanema, Pavuna, Irajá e tantos outros apontam para a história e a atualidade indígena da região. O próprio termo “carioca” se refere à aldeia às margens do rio que era a morada do peixe acari. Isso está explicitado no texto de apresentação assinado pela equipe de curadores anunciando o objetivo da exposição:

“Dja Guata Porã quer intervir com uma reflexão sobre a realidade indígena no Rio de Janeiro hoje, bem como sobre o passado que desaguou neste presente. Se a recente história política brasileira tem precipitado a emergência de uma luta indígena organizada, com pautas amplas e precisas (do respeito pela diversidade à demarcação de terras), os museus, como lugares da cultura do presente, precisam fazer eco a essa luta”.

Foram esses índios que Camila Pitanga viu no MAR, na exposição que durou dez meses e termina neste domingo (25), com uma celebração na horta urbana cultivada na praça Mauá, por Niara do Sol, índia Fulniô/ Cariri Xokó que trabalha com terapias alternativas, ervas e plantas medicinais. Os interessados em horta urbana poderão nesse momento trocar saberes e práticas de cultivos em território das cidades e receber mudas, já que a horta, parte da mostra, será desativada.  Quem não viu, não sabe o que perdeu.

Camila e Bruno encontraram no MAR o clima para a montagem de Iperoig, peça teatral em preparação, que tem como referência a paz celebrada entre os Tupinambá e os jesuítas Manuel da Nóbrega e Anchieta, em território que é hoje Ubatuba, tendo como protagonistas Cunhambebe, Coaquira e Pindobuçu.

- Acho que o museu deve ser cada vez mais experimental, corajoso, arrojado e dar lugar ao inesperado – declarou o artista plástico Evandro Salles, diretor do MAR. Dja Guata Porã parece ter seguido por esse caminho. Quando ele, através de sua assessoria, me consultou sobre a possibilidade de ser o guia da visita, eu estava atolado de trabalho, mas respondi:

- Tá de brincadeira... A Camila Pitanga? Deixo tudo de lado para acompanhá-la.

Foi o que fiz.

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

18 Comentário(s)

Avatar
Fernanda Garcia Camargo comentou:
10/04/2018
Bessa, Sandra Benites, têm planos de remontar o caminho da cobra Dja Guata Porã nalgum outro lugar do Rio? As crianças do CAp UERJ estão no ponto para irem. Forte abraço.
Comentar em resposta a Fernanda Garcia Camargo
Avatar
Romulo Andrade comentou:
29/03/2018
Mostra interessantíssima, professor. Gostaria de ter visitado. Atualmente vivo do DF mas passei a infância e juventude no Rio de Janeiro. Tenho acompanhado publicações nessa trilha de resgate e valorização do rico patrimônio cultural dos povos ameríndios. Afinal integram a nossa complexa identidade. Tenho um trabalho extenso como artista visual em torno de uma aproximação desse imaginário. Gostaria de lhe mostrar algum dia. Foi produzido algum catálogo dessa mostra ?
Comentar em resposta a Romulo Andrade
Avatar
Selda Valle comentou:
27/03/2018
Bessa, vi a exposição. Passei uma manhã inteira percorrendo o caminho da cobra. Parabéns à curadoria, pela criatividade, clareza e postura critica nas informações. Precisamos fazer esse percorrido historico / atual em todos os estados e com todas as etnias. abs
Comentar em resposta a Selda Valle
Avatar
Fernando Soares Campos (via FB) comentou:
25/03/2018
As crônicas do professor Bessa também são antídotos no combate a "artigos jornalísticos e think tanks como MBL e Vem pra Rua traçando o fim da família, da ordem social e uma conspiração comunista que fizeram as pessoas odiar a esquerda, os movimentos sociais e até cotas raciais, beijo gay, bicicletas e ciclofaixas..."
Comentar em resposta a Fernando Soares Campos (via FB)
Avatar
Rita Lustosa (via FB) comentou:
25/03/2018
Sinto muita tristeza pela indiferença e omissão dos governistas na preservação da cultura indígena. Na história da humanidade sempre trataram essa categoria de pessoas como se fossem de outra espécie, escravizando-os, maltratando-os até a morte. basta ver o genocídio que dizimou os índios na América Latina, no final do séc XVlll, início do séc lXX , com.os espanhóis invadindo o território Inca e também, no México com os Maias e Astecas. O ser que se diz humano sempre teve sua trajetória na civilização marcada por muito sangue..
Comentar em resposta a Rita Lustosa (via FB)
Respostas:
Avatar
Sergio Caldieri (via FB) comentou:
26/03/2018
Rita Lustosa, tem um excelente livro 'América Latina: Males de origem', do Manoel Bomfim, que contas as atrocidades nos piratas portugueses e espanhóis. Deve ter na Estante Virtual. Escreveu em Paris, em 1904. Seus livros foram recolhidos das livrarias, escolas e bibliotecas e foram queimados. Por um acaso, Darcy Ribeiro descobriu numa biblioteca em Montevidéu.
Comentar em resposta a Sergio Caldieri (via FB)
Avatar
Maria Da Glória Abdo (FB) comentou:
25/03/2018
Sou de fronteira Ponta Porã e Pedro Juan Cabalhero e no paraguai o guarani é lingua oficial. Che ro jaiju raça ;eu te amo muito ;falava fluentemente o Guarani.com o tempo e distância fui esquecendo.mas ainda toco violão e canto polcas em guarani.
Comentar em resposta a Maria Da Glória Abdo (FB)
Avatar
Fernando Soares Campos (via FB) comentou:
25/03/2018
Publicado no Portal Pravda em portugues. http://port.pravda.ru/busines/26-03-2018/45226-indios-0/ Acesse a página inicial do Portal Pravda em português e leia notícias em destaque: http://port.pravda.ru/
Comentar em resposta a Fernando Soares Campos (via FB)
Avatar
Eneida comentou:
25/03/2018
Eu tb perdi esta exposição. Mas não deixei de ganhar com a crônica do Prof. Bessa! Parabéns e muito agradecida!!!
Comentar em resposta a Eneida
Avatar
Deva Karuna Andrade (via FB) comentou:
25/03/2018
Rio Domino Hoje História Conhecimento Oportunidade Ultimo dia!!
Comentar em resposta a Deva Karuna Andrade (via FB)
Avatar
SILVIA INES CARCAMO DE ARCURI comentou:
25/03/2018
Obrigada pela bela crônica. Nessa semana, escutei numa arguição um comentário interessante: Europa fala pouquissimas línguas se comparada com América. Corremos agora mesma para ver a exposição do MAR,
Comentar em resposta a SILVIA INES CARCAMO DE ARCURI
Avatar
Marília Xavier Cury (via FB) comentou:
25/03/2018
Muito boa a descrição da exposição, obrigada José Bessa.
Comentar em resposta a Marília Xavier Cury (via FB)
Avatar
Caio Giulliano Paião comentou:
25/03/2018
Ei, prof. ótima crônica (como sempre) mas cadê a foto dela ou com ela?
Comentar em resposta a Caio Giulliano Paião
Respostas:
Avatar
Taquiprati (FB) comentou:
25/03/2018
Rapaz, a visita durou quase três horas e eu fiquei tão empolgado na conversa com a Camila e o Bruno que só pensei na foto quando eles já tinha ido embora. Não sei se o MAR tirou alguma foto, no inicio da visita, quando o Evandro, diretor do Museu, estava.
Comentar em resposta a Taquiprati (FB)
Avatar
Vera Nilce Cordeiro Correa (via FB) comentou:
24/03/2018
Fez bem! Camila é doce e antenada, merece ser acompanhada. Putz perdi esta expo
Comentar em resposta a Vera Nilce Cordeiro Correa (via FB)
Avatar
Ademario Ribeiro (via FB) comentou:
24/03/2018
Estive no TaquiPraTi, te vi, vi a Pitanga, o Bruno o MAR!
Comentar em resposta a Ademario Ribeiro (via FB)
Avatar
Sandra Benites (via FB) comentou:
24/03/2018
Que pena esse é o último dia. Fiz minha parte como curadora junto com os demais para mostrar que existe outra forma de exposição e outra forma de luta só basta ter oportunidade.
Comentar em resposta a Sandra Benites (via FB)
Avatar
Ana Paula da Silva comentou:
24/03/2018
Dja Guata Porã foi uma experiência de encontros, diálogos riquíssimos! Incrível, linda, sensível. Deixará saudades. Obrigada, foi um prazer estar com vocês nessa caminhada!
Comentar em resposta a Ana Paula da Silva