CRÔNICAS

A CPI DA TOMADA: ONDE ENFIAR OS TRÊS PINOS?

Em: 17 de Maio de 2015 Visualizações: 3426
A CPI DA TOMADA: ONDE ENFIAR OS TRÊS PINOS?
Essa pergunta será feita ao dono do Hotel Garvey, em Brasília, no dia em que o deputado Eduardo (vixe) Cunha (vixe) do PMDB (vixe-vixe) instalar a CPI da Tomada para investigar as empresas fora-da-lei que continuam usando tomadas antigas de dois furos. Tal CPI será criada - não tenham dúvidas - se Cunha com seu bico curvo e adunco e suas garras afiadas de carcará perceber que pode ganhar "politicamente" alguma coisa com isso.
Fiz a mesma pergunta nesta sexta-feira ao Reginaldo, funcionário da Recepção do Hotel: onde enfio os três pinos? Eu havia feito uma reserva no Garvey. Realizei o check-in e subi ao terceiro andar, encontrei a porta danificada do quarto 333  com a madeira compensada toda esfolada. Como toda desgraça é pouca, uma vez lá dentro, tento ligar o notebook, que está dentro do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas, descubro que o pino não entra no buraco. O que aconteceu depois é quase inenarrável.
Desci para a Recepção e interpelei o funcionário do Garvey Park Hotel, situado na Asa Norte, distante apenas 9 km do Palácio do Planalto. No site, eles anunciam que tem "móveis modernos, guarda-roupas espaçosos e pisos de azulejo" e de quebra se gabam de ter funcionários poliglotas: "Nós falamos a sua língua". Mentira! Suas tomadas monolingues não entendem o dialeto dos plugues e sequer possuem um tradutor, um reles adaptador, para quebrar um galho. E Reginaldo não entendeu o que eu falava.
Cacimba da Dadá
Costumo viajar levando sempre na mala um kit de adaptadores com tomada chata, tomada com terra, sem terra, etc. especialmente depois de um sufoco no aeroporto de Bogotá, em que não consegui ligar meu notebook. Mas só faço isso em viagem ao exterior, onde o padrão é outro, diferente do nosso. No Brasil, existe uma lei desde 2002, com prazo de adequação até 2010, que obriga todo mundo a trocar a tomada de dois pinos pela de três. Mas o Garvey não está nem aí.
A gente até que entenderia se o transgressor fosse o Hotel Cacimba da Tia Dadá em Urucurituba (AM), no meio da floresta amazônica, ou o Hotel Mocorongo, em Santarém. Mas logo em Brasília, na capital federal, a 5 minutos de táxi da Câmara de Deputados? Lá a expectativa é outra. Seria possível perdoar se o Garvey oferecesse adaptadores aos seus hóspedes, enquanto não faz a reforma. Ou se pelo menos abrisse uma loja para vender adaptadores e ganhar dinheiro com a operação. Nada disso.
- Ás 21 horas, onde é que encontro um adaptador?
Reginaldo, o zeloso funcionário, coitado, disse que não era possível usar qualquer aparelho de três pinos. Diante do meu desespero, respondeu que o problema era meu e não do hotel. Invoquei a lei. Nada. Expliquei, quase chorando, que precisava redigir essas mal traçadas linhas e enviar ao jornal. Nada. Cartada final: ameacei deixar o hotel. Ele sem pestanejar, sem qualquer interesse em segurar o hóspede, me devolveu a ficha. Cumpri, então, a ameaça. Deixei o hotel. Telefonei pra mais três perguntando se tinham tomada de três pinos, dois deles não tinham.
Dessa forma, o Garvey  não é a única empresa pré-capitalista que desafia a lei no coração da República. Prefere perder uma diária do que fazer a reforma exigida. Sequer opta pela merreca de um adaptador de cinco reais para melhor atender o hóspede.  
Pedi para falar com o gerente, não tinha gerente. Reginaldo me explicou que aquele quarto - não era o único - pertencia a outra empresa, que terceirizou várias habitações naquele hotel. Era um hotel dentro do hotel, só que sem funcionários responsáveis.
Enfia na dele
De qualquer forma, antes de cancelar a reserva e abandonar o local explodindo de raiva pelo constrangimento e pelos maus-tratos, pedi o livro de registro de reclamações e redigi um protesto furibundo, que ninguém vai ler, nem tomar qualquer providência. Os empresários da rede hoteleira gozam de total impunidade para seus desmandos. O público que se lixe.
A Polícia Federal, seguindo o modelo da "Lava-Jato", podia muito bem criar a Operação "Enfia na Tomada dele". O Macaco Simão, em sua coluna na Folha de São Paulo explorou um cartaz exibido numa manifestação na avenida paulista, com a foto de uma tomada de três pinos e a frase: "Só essa porra já merecia um impeachment". Segundo ele, "tomada de três pinos é pior que corrupção. Se a Dilma prometer a volta da tomada de dois pinos, a popularidade dela explode prá 20% Rarará".
Esse novo padrão brasileiro criou a chamada "tomada-jabuticaba", de três pinos,  que só existe no Brasil, com um encaixe diferenciado e formato em poço, cujo objetivo seria evitar o contato acidental do usuário com a corrente elétrica. Na época da lei, estatísticas duvidosas falavam do registro de 13.776 internações hospitalares com 379 mortes - isso num período de dez anos - decorrentes de acidentes com correntes elétricas em residências, locais de trabalho, escolas, asilos, além de incêndios causados pelo tipo de tomada antiga.
Nem sei se é verdade, mas se for verdade o Hotel Garvey continua, então, sendo um perigo para a vida de seus hóspedes, por incompetência ou mesquinharia. Não existe um órgão fiscalizador que faça cumprir a lei. Moral da história: se for a Brasília, faça como se estivesse indo para o exterior, leve vários adaptadores. Ou fuja de hotéis sem tomada de três pinos onde enfiar o plug do seu computador.

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

11 Comentário(s)

Avatar
Marcus Antonio comentou:
20/05/2015
Solução: Rádio a pilha, bateria de caminhão , máquina de datilografia, pombo correio, e ficha telefônica .
Comentar em resposta a Marcus Antonio
Avatar
Olivia Maria Maia comentou:
19/05/2015
Com a falta de humor na humanidade está cada dia mais difícil fazer texto usando de ironia. Mas... faz parte da vida de todo cronista. As vezes também sofro com isso. Parabéns! Mais um texto que gostei muito. Se fosse meu (o texto) eu encerraria dizendo que enfiaria a tomada de três pinos no Cu-nha (ou quem sabe "nas fuças" da Dilma, pois certamente a culpa é dela...Fica a dica rss). abs
Comentar em resposta a Olivia Maria Maia
Avatar
Marco comentou:
17/05/2015
O Brasil é tradicionalmente organizado assim: criam-se leis e "necessidades" que beneficiam empresários, favorecem a corrupção dos representantes políticos e sobrecarregam o mundo do trabalho com mais despesas inexplicáveis. A época eduardo cunha é mais uma reprodução escancarada dessas tradições que precisam ser rompidas. Parabéns pelo artigo, Bessa!
Comentar em resposta a Marco
Avatar
Paula Cordeiro Nunes comentou:
17/05/2015
Por que vc perdoa a transgressão da lei no Amazonas e no Pará e fica escandalizado quando ocorre em Brasília? Só porque vc é amazonense? Só porque o Amazonas está longe de Brasília? Isso é passar a mão na cabeça dos infratores. Em qualquer lugar onde a lei não é respeitada, a transgressão deve ser condenada. Não proteja o Amazonas.
Comentar em resposta a Paula Cordeiro Nunes
Avatar
Gunter Zibell (via FB) comentou:
17/05/2015
o hotel não tem um estoque de adaptadores pra emprestar? Pode arrancar o pino do meio, mas aí diminui a segurança (a função desse pino é ser fio-terra) e perde a garantia do equipamento.
Comentar em resposta a Gunter Zibell (via FB)
Avatar
Vania Tadros comentou:
16/05/2015
QUE PRECONCEITO É ESSE COM AMAZONAS Ô FRANCÊS? EU SEI DA SUA ASCENDÊNCIA HOLANDESA, MAS EU QUERIA LHE INFORMAR QUE AQUI EXISTE O SENAC-AM QUE ORIENTA MUITO BEM OS HOTELEIROS DONOS DE HOTÉIS COM ESTRÊLAS OU SEM ELAS DOS MUNICÍPIOS DO NOSSO INTERIOR.
Comentar em resposta a Vania Tadros
Avatar
Claudia Presotto (via FB) comentou:
16/05/2015
um amigo governista no último, economista, doutor, argumentou comigo que incentivaria a indústria nacional ao promover a substituição de equipamentos??????? cuma??? e digo o quê, eu??? só se incentivou as fabriquetas de garagem a fabricar zilhões de adaptadores... só rindo, mas é grave. gentem, hotel dentro de hotel que não é responsável por nada??? me derarm a dica de arrancar o pino do meio...ainda não tentei
Comentar em resposta a Claudia Presotto (via FB)
Avatar
Vera Rodrigues (via FB) comentou:
16/05/2015
Tadinho, que perrengue. Emoticon frown Mas é o fim mesmo essa aberração (entre outras), nessas bandas.
Comentar em resposta a Vera Rodrigues (via FB)
Avatar
Devair Fiorotti comentou:
16/05/2015
kkkkk como falam na minha terra, "tu não vale nada" kkk Parabéns pelo belo texto. Eu cortei o meu de três e, agora, sem prolemas rsrs
Comentar em resposta a Devair Fiorotti
Avatar
Alfredo Camacho comentou:
16/05/2015
A pequenez da pessoa às vezes transborda pelas suas palavras. O autor ferido por não ter suas necessidades consumistas e capitalistas atendidas em um hotel da capital brasileira destila seu veneno contra um povo que não tem culpa de seu infortúnio. É infeliz ao insinuar que santarém é atrasada e que lá esse tipo de coisa é "aceitável". A Amazônia e suas cidades não são fossas para despejo das diarreias que saem da boca de pseudos intelectuais, respeitem a Amazônia e seu povo!
Comentar em resposta a Alfredo Camacho
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
16/05/2015
Kkkkk ri e me diverti pra caramba!!!! Esse teu gênero de crônicas do cotidiano é fantástico!!!!!! Eu adooorei, Bessa! Muito bom.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw