CRÔNICAS

A ALAVANCA DA KÁTIA ABREU E SEU PONTO DE APOIO

Em: 08 de Junho de 2014 Visualizações: 7514
A ALAVANCA DA KÁTIA ABREU E SEU PONTO DE APOIO

Responda sem pestanejar: o Brasil ganha a Copa? Ganha caso o Felipão tenha - digamos assim - um ponto de apoio como a bunda do Hulk ou o topete arrepiado do Neymar para alavancar a seleção. Mas há quem duvide por achar isso ainda insuficiente. Para a senadora Kátia Abreu (PMDB, TO, vixe, vixe), além de ponto de apoio, precisamos da alavanca de Aristóteles para empurrar a seleção e torná-la hexacampeã. Alavancado por Aristóteles, aí sim, Hulk faz um gol de bunda e o Brasil fica com o caneco. Aristóteles não falha.

A senadora Kátia Abreu está convencida de que tudo depende da alavanca do filósofo grego, cujo poder miraculoso é capaz, em sua imodesta opinião, de colocar o Brasil nas cabeças, tanto a seleção brasileira quanto o agronegócio. Licenciada do comando da Confederação Nacional da Agricultura e da Pecuária do Brasil (CNA) para se dedicar à sua reeleição ao Senado, ela escreveu na Folha de São Paulo o artigo A Alavanca de Aristóteles (24/05/14), justamente sobre o setor do agronegócio.

Confessou, nesse artigo, que chegou a “relatar à presidente Dilma nosso temor de que a desatenção para com esse setor levasse o pecuarista a procurar alternativa mais rentável”. Reivindicou mais recursos para o seguro agrícola, elogiou a criação de “um canal direto entre o setor e o governo” que funcionou nos últimos três anos, quando “fomos relativamente pouco penalizados”, se rejubilou com “as condições de financiamento à avicultura, à suinocultura, à agricultura de precisão, a hortigranjeiros e à pecuária de leite” e concluiu com frase contundente:

 - Aristóteles já dizia: “Dê-me uma alavanca e moverei o mundo”. Num país como o nosso, dê o agro a um governante sensato e ele moverá o Brasil. Escreveu e assinou embaixo: Kátia Abreu.

Eureka

Depois de publicado, Kátia Abreu não podia mais apagar a gargalhada que estrondou “num país como o nosso” do Chuí ao Gurupi. Foi ridicularizada, sob o argumento de que pisou feio na bola, pois a alavanca não é de Aristóteles - o filósofo nascido em Estagira (384 a.C.), mas, eureka, de Arquimedes - o matemático e físico de Siracusa, que só surgiu um século depois (287 a.C.). Por que os assessores tão bem remunerados não explicaram à senadora que quem mexia com alavancas, roldanas e catapultas era Arquimedes, morto por um soldado romano, e não o aluno de Platão?

Uma leitora lembrou que o sacrifício de Arquimedes tinha sido em vão, ele quase contraiu pneumonia ao tomar banho e sair só de cueca, no frio, gritando - Eureka! Eureka! – quando descobriu, ao entrar na banheira, que era possível calcular o volume de um corpo qualquer, que desloca uma quantidade de água igual ao seu próprio volume.

De que adiantou tanto sofrimento, se a colunista que escreve semanalmente num grande jornal atribuiu os créditos a outro autor? Arquimedes, se pudesse, reescreveria a frase na lápide de sua sepultura: “Noli turbare alavancam meam, Katia Agronegotiorum, regina motoserrae”, ou traduzido ao neolatim falado atualmente em Tocantins “Deixa minha alavanca em paz, Kátia do agronegócio, rainha da motosserra”.

Diante dos comentários jocosos, a senadora foi obrigada a reconhecer o erro em nota publicada no dia seguinte na Folha: “RESPOSTA DA COLUNISTA KÁTIA ABREU - Por um lapso de memória, atribuí a Aristóteles uma frase de Arquimedes. A confusão autoral não invalida o paralelo que quis traçar – e que reitero – entre a alavanca e o agronegócio. Perdão, leitores”.

Lapso de memória? Conta outra. Até mesmo o leitor que perdoou, não acreditou no “lapso de memória”. Teria sido assim, se ela soubesse e tivesse esquecido momentaneamente. Mas ela não sabe. Podia ter perguntado a qualquer aluno Guarani, Kaingang e Xokleng da Licenciatura Intercultural da Universidade Federal de Santa Catarina, pois todos eles conhecem Aristóteles e Arquimedes. No entanto, a senadora insiste que não importa de quem é a alavanca; o fundamental é que ela impulsione o agronegócio e - eu acrescento - a seleção brasileira.

Dialeto dórico

- “Cala a boca, Magda” – implorou uma leitora para quem a senadora “é o retrato acabado do pedantismo das nossas elites sonegadoras offshore burras que comem ovo e arrotam caviar, atribuindo a Aristóteles uma frase de Arquimedes”.  

- Bastava a senadora consultar o Google para não cometer erro tão lamentável. Um vexame! – comentou um leitor, que pessoalmente não dá importância a essas firulas, mas só considera grave por que a autora trata os índios como “primitivos” e “selvagens”, se sentindo superior a eles.

Google? A senadora – imagina! – é demasiado erudita para tarefa tão comezinha. Por extrema modéstia, ela não quis revelar que tal confusão se deu porque leu o texto de Arquimedes, no original, em grego antigo, que conhece e fala fluentemente. No entanto, como o grego que ela domina é o dialeto cipriota, houve um quiproquó, já que o texto de Arquimedes foi escrito em grego dórico, dialeto falado em Siracusa.

Ora, todo mundo sabe que os nomes mudam de uma língua para outra. Por exemplo, o autor do taquiprati, em português, é este locutor que vos fala - uma celebridade municipal, mas será outra pessoa se seu nome for traduzido ao inglês - Joseph Oversea Verymuch - ou ao francês – Joseph Au-delà de la mer Davantage. Da mesma forma, Arquimedes, em cipriota, vira algo parecido com Aristóteles que – convenhamos – dá mais ibope. Às vezes, pecamos por excesso de erudição. Foi o que aconteceu com Kátia, que não quis perguntar nem ao Google nem aos índios. Por orgulho besta.

A senadora Kátia Abreu devia era pedir pedrão aos índios, porque aborda a questão indígena, em alguns de seus artigos semanais, com o mesmo “lapso de memória” com que tratou a alavanca de Aristóteles; os “lapsos de memória” são frequentes especialmente quando se trata de reconhecer as terras indígenas. Aborda qualquer assunto com a mesma erudição, com a mesma seriedade e com a mesma profundidade, como seu recente pronunciamento contra a Lei da Palmada: “É absurdo querer determinar aos pais, pela lei, como devem zelar ou tratar seus filhos” – ela declarou.

Enfim, a forma como a colunista da Folha domina o pensamento dos pré-socráticos, dos estoicos, dos epicuristas, dos platônicos e dos cínicos nos faz suspeitar ter ela lido, de cabo a rabo, as 300 páginas da Sínderese do Cônego Walter Gonçalves Nogueira, cujas aulas de filosofia, no Curso Clássico, em Manaus, demonstraram cabalmente, pelos efeitos causados, que “Filosofia é a ciência com a qual ou sem a qual a gente fica tal e qual”. Ou, como disse o corintiano Sócrates: “Só sei que nada sei”. Êpa! Foi ele mesmo quem falou? Ou foi o Valdemar Carabina, zagueiro do Palmeiras?  Pera lá que vou consultar o Google.

P.S. Agradeço a jornalista Leda Beck que, fascinada, me chamou a atenção para a erudição e o refinamento da senadora e ao meu amigo Renan de Freitas Pinto, leitor voraz, cujo livro de cabeceira é um igapó encharcado de cópias de ofícios e memorandos e se tornou best seller em Coari, cidade natal do autor: NOGUEIRA, Walter Gonçalves (Cônego). Sindérese sobre a Faculdade de Filosofia do Amazonas. Manaus: Sérgio Cardoso Editor, 1962, 298p.

P.S. - O parceirinho Fernando Assaz Atroz brilhou no céu da pátria nesse instante com uma charge que acrescento aqui. Vejam - http://assazatroz.blogspot.com.br/ 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

19 Comentário(s)

Avatar
Felipe comentou:
15/06/2014
Caro José Ribamar, não sei se é por causa do meu dialeto, mas cá onde vivo a tradução mais conhecida da frase do matemático sequer faz referência à alavanca, mas ao ponto de apoio. Creio, no entanto, que a diferença deva ser uma particularidade do agronegocês, para manter oculto o sujeito oculto: pois se o agronegócio é a alavanca, o ponto de apoio é metade genocídio, metade escravidão. Que, convenhamos, é sempre melhor deixar a salvo de qualquer eureka.
Comentar em resposta a Felipe
Avatar
Thassio Paulo comentou:
12/06/2014
As ironias geniais dos teus textos me levam a dar risadas! Ótimo artigo!!
Comentar em resposta a Thassio Paulo
Avatar
Olívia Maria Maia comentou:
09/06/2014
Marrapaiz!!!! seja como José Ribamar, Bessa, Babá ou Joseph Au-delà de la mer Davantage (esse ficou chique demais), você é sempre fantástico na maneira de trazer a tona o besteirol desse povinho metido a besta. Ecaaa!!! costumo dizer que comem sardinha e arrotam caviar...
Comentar em resposta a Olívia Maria Maia
Avatar
Hans Alfred Trein comentou:
09/06/2014
Sátira deliciosa, meu caro Bessa. A emenda "lapso de memória" é ainda mais ridícula, por inverossímil. Não sei, se devo rir ou chorar com o nível de formação e informação desse pessoal que se propõe a representar o povo brasileiro. Pobres de nós, com copa ou sem copa! Provavelmente os eleitores dessa senhora não lêem a sua coluna e nem o tal jornal de grande circulação, caso contrário poderiam dar-lhe um recibo em outubro. O Betinho é que tinha razão quando atribuía à mídia a função de imbecilizar o povo brasileiro. Eu não pude deixar de lembrar a fábula de Jotão, em Juízes 9,7 e versículos seguintes. Abraço, Hans
Comentar em resposta a Hans Alfred Trein
Avatar
Zé Cyrino comentou:
08/06/2014
Do Zé Cyrino: Quanto a ti, Katia Abreu Deixa o Aristóteles em paz E nem deixa o leitor confuso, A bomba de parafuso E a famosa alavanca É invenção de outro rapaz Que nasceu em Siracusa, O cara de Estagira, Filósofo peripatético, Era muito mais ético do que tua verve obtusa.
Comentar em resposta a Zé Cyrino
Avatar
Zé Cyrino comentou:
08/06/2014
Babá, rapaz, em que oráculo essa "Estagirusa" (pessoa concebida em Estagira e nascida em Siracusa) foi buscar tamanha pérola. Parece até brincadeira, mas isso só é permitido aos humoristas e poetas como o inigualável Zé Limeira, “Poeta do Absurdo”, a quem, certamente Katia Abreu atribuiria a autoria do “O Livro das Ignoranças”. Em homenagem a ti, Zé Ribamar, o Zé Cyrino manda um pouco de Zé Limeira. Meu nome é Zé Limeira De Lima, Limão, Limansa As estrelas de São Bento Bezerro de vaca mansa, Vale-me, Nossa Senhora, Ai que eu me lembrei agora: Tão bombardeando a França. Pedro Álvares Cabral Inventor do telefone Começou tocar trombone Na volta de Zé Leal Mas como tocava mal Arranjou dois instrumento Daí chegou um sargento Querendo enrabar os três Quem tem razão é o freguês Diz o Novo Testamento!
Comentar em resposta a Zé Cyrino
Avatar
Leda Beck (via FB) comentou:
08/06/2014
E seu nome inteiro é José d'Além-Mar Bessa??? José Bessa trata deliciosamente da mais recente diatribe da Kátia Motoserra Abreu (PMDB-TO). Não me comove que a equipe de assessores da Kátia Abreu não saiba a diferença entre Aristóteles e Arquimedes. O que me comove, e me arrasa, é que na Redação da Folha não haja um só vivente que pudesse corrigir a cagada. Ou pelo menos colocar um sic na frente do título... Grata por uma nova palavra no meu vocabulário: sindérese! sin•dé•re•se substantivo feminino 1. Consciência moral. 2. Bom senso.
Comentar em resposta a Leda Beck (via FB)
Avatar
Altemar Vasconcellos (via FB) comentou:
08/06/2014
Como comediante prefiro a Fafi Siqueira. Procurem saber de quem eram as terras dela.
Comentar em resposta a Altemar Vasconcellos (via FB)
Avatar
Celso Sánchez comentou:
08/06/2014
Sensacional!!!! É uma das melhores análises da dona Katia!!! Para além da megalomania da alavanca!!! FAntástico, thankyou mister Joseph Oversea Verymuch!!!
Comentar em resposta a Celso Sánchez
Avatar
nuno comentou:
08/06/2014
A ignorância e a arrogância ( o que é pior!) impera entre os dirigentes e os ditos " representantes " do povo. Como sempre, oportunas suas farpas.
Comentar em resposta a nuno
Avatar
Evelyn comentou:
08/06/2014
os comentários de seus leitores são igualmente brilhantes. mais uma vez, parabéns, mon cher ami, Joseph Au-delà de la mer Davantage
Comentar em resposta a Evelyn
Avatar
Marco comentou:
08/06/2014
Excelente artigo, Bessa - como sempre, no tom certo e na mosca (no caso, uma varejeira). Tenho apenas um comentário a fazer, talvez incômodo para alguns companheirxs: palhaços somos nós cujo governo deixa a mosca varejeira e seus representados felizes.
Comentar em resposta a Marco
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
08/06/2014
kkkkkkk Muito bom. Que maravilha de texto! Kátia palhaça Abreu, que não sabe nada sobre os índios, o Brasil e tão pouco filosofia grega. Como pode a Folha manter essa mulherzinha como colunista? Realmente, não é um jornal sério, é um jornaleco de quinta. Adorei Bessa, aplausos por essa deliciosa sátira. Ai, como é bom rir dessas pessoas escusas, que mancham a imagem desse país.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
José Varella (via FB) comentou:
07/06/2014
mudernizando o velho ditado: manda quem paga e obedece quem fica no prejuízo (lei da filósofa do agronegócio dona Kátia Ah Breu).
Comentar em resposta a José Varella (via FB)
Avatar
Ana comentou:
07/06/2014
Muito bom e divertido, adorei!!!!
Comentar em resposta a Ana
Avatar
Laís Sonkin comentou:
07/06/2014
Alto la ! Perdão leitores não senadora , eu tb leio seu febeapa semanal e Eu já não havia perdoado quando vc escreveu algo como - busco inspiração em Zilda "Arnes" ! E tb nao perdôo ao jornaleco paulista por te dar uma coluna semanal, desinformando leitores a troco de que ?? !
Comentar em resposta a Laís Sonkin
Avatar
Antonio Carlos Levy Rabello (via FB) comentou:
07/06/2014
Primo, não sei como ela não colocou a Hércules na jogada, né? Afinal o cara era possante.
Comentar em resposta a Antonio Carlos Levy Rabello (via FB)
Avatar
Claudio Limongi Batista (via FB) \ comentou:
07/06/2014
O mico da Senadora. Adorei. Aliás, como todas as crônicas do meu mestre e amigo José Bessa.
Comentar em resposta a Claudio Limongi Batista (via FB) \
Avatar
Claudio Limongi Batista (via FB) \ comentou:
07/06/2014
O mico da Senadora. Adorei. Aliás, como todas as crônicas do meu mestre e amigo José Bessa.
Comentar em resposta a Claudio Limongi Batista (via FB) \