CRÔNICAS

HANNA, SEU AVÔ ANARQUISTA E OS PALAVRÕES

Em: 26 de Janeiro de 2014 Visualizações: 6189
HANNA, SEU AVÔ ANARQUISTA E OS PALAVRÕES

Abro o jornal. Dois renomados colunistas do Globo, cujas crônicas são em geral atraentes, escrevem sobre suas próprias netas. Morro de inveja. Bem que gostaria de imitá-los, mas sou contido por um certo pudor. Embora o tema me interesse, há quem os critique neste caso, ressaltando a excessiva exposição da privacidade, que caracterizaria uma "falta de decoro parlamentar". O fato de não demarcar a fronteira entre o público e o privado compromete a qualidade do texto?

Faltou-lhes distanciamento crítico, mas qual é o avô que consegue falar da sua neta sem arriar os quatro pneus? Daí surge uma dúvida assaz atroz: o leitor exigente e, convenhamos, invejoso, não perdoa os dois cronistas. Mas o neto que algum dia fomos ou que ainda somos olha com condescendência e até com simpatia os avós que escrevem. De qualquer forma, neste caso, talvez seja mais prudente ouvir a voz de Carlos Drummond: 

- Não faças versos sobre acontecimentos. O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia.

É uma pena! Os netos, que nos encantam, por si sós não rendem literatura. Quer dizer, os nossos netos não, mas podemos manter o recato e fazer uma fezinha com os netos dos outros, penetrando "no reino surdo das palavras", em busca do que há de universal na relação com os avós. Falar sobre a neta de terceiros é menos indecoroso do que sobre a própria, além de permitir aquele distanciamento brechtiano. Com essa esperança, recorro, então, ao velho Pepê, com histórias de sua neta Hanna que agora vos repasso.

Palavrão

Ouçamos, ora pois pois, Pedro Pereira, que já passou dos 70 anos. Seu nome é uma homenagem feita pelo pai, um sindicalista português, ao anarquista russo Piotr Kropotkin. Pedro queria seguir carreira diplomática e foi estudar filosofia na Universidade de Coimbra, mas perseguido pela ditadura fascista de Salazar, fugiu da guerra colonial, nos anos 1960, se refugiou na França e logo depois se exilou no Brasil. Aqui ficou conhecido como PP entre os amigos do Largo do Bicão, na Vila da Penha, onde mora.

Nas barricadas do Quartier Latin, em maio de 1968, levantou a bandeira do "é proibido proibir". Herdou dos anarquistas, além do nome, ideias libertárias e um desprezo por qualquer forma de poder ou de autoridade, o que explica talvez, em parte, o fato de ser desbocado. De cada cinco palavras que fala, dez são palavrões, alguns leves, outros impublicáveis.  Mas consegue operar o milagre de não ser vulgar nem pornográfico. E de usá-los de forma apropriada, no momento preciso, em várias línguas, já que todas elas têm um rico repertório de "obscenidades".

Concorda com Jorge Amado para quem o palavrão é apenas uma palavra, igual a qualquer outra, que se tornou maldita e obscena por causa de preconceitos bobos e moralistas. Porra, para ele, é uma vírgula. Aquele xingamento da torcida do Maracanã saudando o trio de arbitragem é um ponto de exclamação. Expressões como "fuck, man" dos ingleses ou "va te faire foutre" dos franceses é moeda corrente, que serve para aliviar o estresse.

Durante uma bacalhoada na semana passada, a conversa de PP se centrou sobre sua neta de 3 anos e caqueirada, cujos pais são professores e deixam escapar aqui e ali, quando inevitável, palavrões que não são socialmente aceitos e que  passaram a ser repetidos pela criança. Hanna, a neta de Pepê, se encantou não só com as vírgulas, mas também com alguns substantivos fortes e até verbos sugestivos que não ouso escrever aqui para não ferir ouvidos pudibundos, que os há, e precisam ser respeitados.

Desbocado

Depois disso, sob o olhar irônico, mas respeitoso do velho PP, pai e mãe decidiram policiar a própria linguagem e advertiram a filha que devia evitar esse tipo de palavra, escolhendo outras para expressar suas emoções, embora não concordem com o que a tia falou na creche de que palavrão é coisa de homem e não de mulher e discordem frontalmente de uma amiga psicóloga que chegou a diagnosticar Hanna como portadora da Síndrome de Tourette, cujo sintoma seria o uso excessivo de palavrões.

Um dia desses Hanna estava sentada na banheira, enfrentando o calor infernal, enquanto seu avô escovava os dentes. Começou a contar para ele uma história que parecia não ter fim, um fato recente, cheio de idas-e-vindas, que terminava com ela deixando cair uma garrafa de xarope espatifada no chão. Foi vidro pra tudo quanto é lado.

- Aí, vovô, eu disse... aí, eu disse... eu disse...

- Disse o quê, Hanna?

Ela pediu então à mãe e a avó que se retirassem. Afastadas as autoridades repressoras, quando ficou sozinha com o velho anarquista desbocado, Hanna concluiu a história com muita propriedade, encheu a boca, saboreando as palavras e explorando toda sua sonoridade:

- Aí, vovô, eu disse: PUTA QUE O PALIU! Puta que o paliu é palavrão, não é pra falar, mas eu falei sem querer.

Três aninhos e pouco e já promete tanto. Um ano depois, repetiu a dose, falando por skype de Paris com o avô:

- Vovô, aqui pode. Ninguém entende: puta kius pariu!

A mãe censurou-a porque não queria dividir um brinquedo com uma amiguinha.

- Você não pode ser egoísta, Hanna! 

- Egoísta é palavrão, não é pra falar palavrão - respondeu ela, muito espertinha. Aliás, esperteza é o que não lhe falta. Aliás, ela aprendeu a falar a palavra 'aliás', que emprega também na ocasião e no lugar certos. Aliás, cada janeiro ela vem de férias do nordeste, onde mora, para o Rio. Mostra, então, que continua fiel ao desbocamento herdado do avô. Aliás, entra hanna e sai hanna e o velho hannarquista continua a festejar as vírgulas e exclamações da neta.

Netarana

Contei ao avô que no Pará se emprega a palavra "netarana", usando o sufixo tupi rana (como se fosse), indicando que os processos de modalização do nome, característicos das línguas tupi, podem ser também registrados em português, como indicam uma infinidade de formas assim modalizadas: canarana, cajarana, tupinambarana, sagarana, etc. Considerei sua neta Hanna como minha netarana. Pedi licença para contar as histórias dela aqui no Diário do Amazonas.

Foi então que o velho Pepê me disse que havia assuntos muito mais importantes: a guerra civil na Síria, as manifestações na Ucrânia, a violência nas prisões do Maranhão, as fraudes no banco do Vaticano, o acordo nuclear do Irã, o Forum de Davos, as gordas propinas pagas ao PSDB paulista, as denúncias no Jornal Nacional dos crimes cometidos pelo prefeito de Coari Adail Pinheiro, as maldades da Aline e a cegueira do doutor César.

Respondi-lhe com o início de um poema de Bertold Brecht, que foi traduzido por Manuel Bandeira:

"Realmente, vivemos tempos sombrios! (...)  

Que tempos são estes, 

em que é quase um delito 

falar de coisas inocentes.

Pois implica silenciar tantos horrores!".

Falar de flores e de netos é "quase" um crime, que merece uma "quase punição"?

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

13 Comentário(s)

Avatar
Jorge Gomes comentou:
28/01/2014
Avatar
Azucena comentou:
28/01/2014
Muito bonito! porque "los más terrible se aprende en seguida y lo hermoso nos cuesta la vida..."
Comentar em resposta a Azucena
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
27/01/2014
Linda crônica! O vovô está de parabéns.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
M.deMelo Foucher comentou:
26/01/2014
Belíssima crônica de um vovô subversivo que amansado por Hanna nao deixa de "babar" quando escuta a neta dizer "Puta qui paliu vovô". Eu conheço uma avó muito parecida que inclusive ja no nascimento da neta escreveu "um quasi poema- que envio para o cronista Bessa: Vovó subversiva Para minha neta Não sei bordar, nem sei fazer tricô, Sei dar denguinhos, sei dar cafunés, Encher-te de cheirinhos com carinhos, Posso cantar, posso dançar contigo, Embalar-te nos meus braços, Falar-te de mansinho... Até chegar teu soninho... Vou ser vovó inteirinha, Vou te ensinar brincadeiras, Vou te falar besteiras, Vou te contar lendas da Amazônia, Vamos viajar pelo mundo encantado, Ser vovó não é velhice Contigo vou-me rejuvenescer Farei a subversão da disciplina, Pra te explicar com candura Com muita fraternura, Minha sana cumplicidade, Tu serás minha eterna felicidade novembro 2013
Comentar em resposta a M.deMelo Foucher
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
25/01/2014
Eu tive a felicidade de viver intensamente todas as fases da minha vida por isso não posso dizer qual foi a melhor delas. No entanto posso afirmar quer ser avó de quatro netos transformou a minha casa em um permanente laboratório libertário. Temos um lema: " Na casa da vovó nada é proibido". Eu sempre falei palavrões e sem nenhuma repressão os meus filhos não falam, mas também não me criticam. O palavrão relaxa o meu ser. Aqui no nosso Paraíso Libertário eles falam, em casa não, embora os pais não proíbam. Considero interessante o fato deles saberem fazer essa diferença o que me deixa orgulhosa por despertar neles total confiança semelhante a que a Hanna tem no seu avó anarquista e bom caráter. Eu observo os meus netos o tempo todo e percebo como os condicionamentos étnicos são importantes até na escolha dos alimentos. O meu neto mais novo, por exemplo,descendentes de árabes, com dois anos, gosta muito de frutas secas: Tâmaras, figos, do azedo damasco, uvas passas e também de azeitonas pretas sem isso fazer parte da dieta alimentar da sua casa. Gosto de deixá-los fazer o que desejam, sempre comigo por perto, para que tornem-se adultos com iniciativa. Se vejo que que escolha é perigosa reunimos o que denominamos de Conselho do Perigo e analisamos em conjunto se vale a pena assumir o risco. A minha casa é um lugar onde eles se sentem muito importantes pois nada é mais importantes que os netos e muito menos móveis e enfeites. Aprendem a lidar carinhosamente com os animais e com as plantas. Acredito que tendo esse refúgio ficarão mais fortes para enfrentar os freios do mundo. A educação formal é com os pais. Os avós devem ficar com a educação libertária que procura a felicidade de ser eles mesmo. Nessa liberdade lemos constantemente e trocamos informações sobre os livros que lemos. Sou sua confidente. Fico muito feliz : " Vou te contar uma coisa, mas não conta para o papai nem para a mamãe". Dessa forma, partindo de indicadores verdadeiros posso orientá-los. Falar de netos pode sim ser cientificamente orientado.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
25/01/2014
Eu tive a felicidade de viver intensamente todas as fases da minha vida por isso não posso dizer qual foi a melhor delas. No entanto posso afirmar quer ser avó de quatro netos transformou a minha casa em um permanente laboratório libertário. Temos um lema: " Na casa da vovó nada é proibido". Eu sempre falei palavrões e sem nenhuma repressão os meus filhos não falam, mas também não me criticam. O palavrão relaxa o meu ser. Aqui no nosso Paraíso Libertário eles falam, em casa não, embora os pais não proíbam. Considero interessante o fato deles saberem fazer essa diferença o que me deixa orgulhosa por despertar neles total confiança semelhante a que a Hanna tem no seu avó anarquista e bom caráter. Eu observo os meus netos o tempo todo e percebo como os condicionamentos étnicos são importantes até na escolha dos alimentos. O meu neto mais novo, por exemplo,descendentes de árabes, com dois anos, gosta muito de frutas secas: Tâmaras, figos, do azedo damasco, uvas passas e também de azeitonas pretas sem isso fazer parte da dieta alimentar da sua casa. Gosto de deixá-los fazer o que desejam, sempre comigo por perto, para que tornem-se adultos com iniciativa. Se vejo que que escolha é perigosa reunimos o que denominamos de Conselho do Perigo e analisamos em conjunto se vale a pena assumir o risco. A minha casa é um lugar onde eles se sentem muito importantes pois nada é mais importantes que os netos e muito menos móveis e enfeites. Aprendem a lidar carinhosamente com os animais e com as plantas. Acredito que tendo esse refúgio ficarão mais fortes para enfrentar os freios do mundo. A educação formal é com os pais. Os avós devem ficar com a educação libertária que procura a felicidade de ser eles mesmo. Nessa liberdade lemos constantemente e trocamos informações sobre os livros que lemos. Sou sua confidente. Fico muito feliz : " Vou te contar uma coisa, mas não conta para o papai nem para a mamãe". Dessa forma, partindo de indicadores verdadeiros posso orientá-los. Falar de netos pode sim ser cientificamente orientado.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Paulo Bezerra comentou:
25/01/2014
Agora imagina a alegria e a felicidade de ser pai (pãe) de gêmeas na idade de ser avô !!!. Falar de inocentes num mundo dominado por culpados só merece punição se o julgador seguir o estilo "Joaquim Barbosa". Parabéns por mais uma irretocável crônica.
Comentar em resposta a Paulo Bezerra
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
25/01/2014
Eu tive a felicidade de viver intensamente todas as fases da minha vida por isso não posso dizer qual foi a melhor delas. No entanto posso afirmar quer ser avó de quatro netos transformou a minha casa em um permanente laboratório libertário. Temos um lema: " Na casa da vovó nada é proibido". Eu sempre falei palavrões e sem nenhuma repressão os meus filhos não falam, mas também não me criticam. O palavrão relaxa o meu ser. Aqui no nosso Paraíso Libertário eles falam, em casa não, embora os pais não proíbam. Considero interessante o fato deles saberem fazer essa diferença o que me deixa orgulhosa por despertar neles total confiança semelhante a que a Hanna tem no seu avó anarquista e bom caráter. Eu observo os meus netos o tempo todo e percebo como os condicionamentos étnicos são importantes até na escolha dos alimentos. O meu neto mais novo, por exemplo,descendentes de árabes, com dois anos, gosta muito de frutas secas: Tâmaras, figos, do azedo damasco, uvas passas e também de azeitonas pretas sem isso fazer parte da dieta alimentar da sua casa. Gosto de deixá-los fazer o que desejam, sempre comigo por perto, para que tornem-se adultos com iniciativa. Se vejo que que escolha é perigosa reunimos o que denominamos de Conselho do Perigo e analisamos em conjunto se vale a pena assumir o risco. A minha casa é um lugar onde eles se sentem muito importantes pois nada é mais importantes que os netos e muito menos móveis e enfeites. Aprendem a lidar carinhosamente com os animais e com as plantas. Acredito que tendo esse refúgio ficarão mais fortes para enfrentar os freios do mundo. A educação formal é com os pais. Os avós devem ficar com a educação libertária que procura a felicidade de ser eles mesmo. Nessa liberdade lemos constantemente e trocamos informações sobre os livros que lemos. Sou sua confidente. Fico muito feliz : " Vou te contar uma coisa, mas não conta para o papai nem para a mamãe". Dessa forma, partindo de indicadores verdadeiros posso orientá-los. Falar de netos pode sim ser cientificamente orientado.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Soraia Magalhães comentou:
25/01/2014
Adorável...li de um fôlego só...muito legal!
Comentar em resposta a Soraia Magalhães
Avatar
Giane comentou:
25/01/2014
E viva a (H)An(n)a Pereira!!
Comentar em resposta a Giane
Avatar
Jesus maia comentou:
25/01/2014
Avatar
APF Ver o Peso comentou:
25/01/2014
mestre José Bessa atingiu em cheio o coração do caboco velho que vos fala, avô de cinco netas curtindo bastante a netinha caçula, com um ano e dez meses de idade, que tem nome de minha avó Sophia. Eita, a vida é mais vida na idade do paraíso chamado "infância". Com um pouco de sorte, na velhice retomamos o caminho do paraíso perdido na feliz convivência com esta gente miúda filhos de nossos filhos. Aí é que vale a pena lutar por um mundo melhor para todos. a Mulher é quem faz o Homem. Somos todos filhos da Mãe... Viva o matriarcado!!!
Comentar em resposta a APF Ver o Peso
Avatar
Mauro Souza comentou:
25/01/2014
Lindo! Um brinde à vida que vale a pena ser vivida, onde as palavras brincam e são marcantes como Hanna. Obrigado, Bessa!
Comentar em resposta a Mauro Souza