CRÔNICAS

EL CHE PAPA

Em: 17 de Março de 2013
Tags:
Visualizações: 15718
<p style="text-align: justify;">&nbsp;</p> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;"><img width="553" height="385" align="left" src="http://www.taquiprati.com.br/images/a papa(3).jpg" alt="" />Tudo o que acontece no Vaticano repercute na Par&oacute;quia de Aparecida, em Manaus, de forma quase instant&acirc;nea. Ainda mais, quando se trata de mudan&ccedil;a de papa. Se o Sumo Pont&iacute;fice, com todo respeito, soltar sem querer um pum discreto em Roma, ele vai ecoar pelos becos do bairro onde nasci. Sempre foi assim, mas agora a velocidade e o estrondo s&atilde;o maiores, com o poder da m&iacute;dia, que usa as novas tecnologias para ampliar e espetacularizar o fato, digo o flato, infantilizando o telespectador, anestesiando e agredindo a nossa intelig&ecirc;ncia. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O <i>Jornal Nacional (JN) </i>da Rede Globo se especializou nisso de confundir fato com flato. Enviou um ex&eacute;rcito de rep&oacute;rteres a Roma e dedicou 71% do seu espa&ccedil;o s&oacute; para a elei&ccedil;&atilde;o do papa, segundo o <i>Controle da Concorr&ecirc;ncia</i>, institui&ccedil;&atilde;o que monitora inser&ccedil;&otilde;es comerciais para o mercado. No entanto, deu pouca informa&ccedil;&atilde;o substancial. Tudo foi formatado para evitar qualquer brote de pensamento cr&iacute;tico. Entrevistou na Pra&ccedil;a de S&atilde;o Pedro turistas brasileiros, seminaristas, brazucas enrolados na bandeira do Brasil, socialaites verde-amareladas, num exibicionismo folcl&oacute;rico do tipo &quot;Galv&atilde;o, filma eu&quot;. Pura perfumaria! Satura&ccedil;&atilde;o de fragr&acirc;ncia. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Perfume demais agride o olfato, enjoa e d&aacute; dor de cabe&ccedil;a. O JN gastou tempo precioso para dizer que o papa tem s&oacute; um pulm&atilde;o, que ele recusou a&nbsp;limusine, que anda de &ocirc;nibus, que pagou pessoalmente a sua hospedagem, que usa cruz de lat&atilde;o, que ama os pobres, que &eacute; carism&aacute;tico, que tem bom humor, que o sapateiro mexicano fez um novo modelo de sapato papal. Ou para mostrar a gaivota na chamin&eacute; da Capela Sistina, o que lhe permitiu especular sobre a presen&ccedil;a do Esp&iacute;rito Santo. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">A Igreja, coitada, sufocada em esc&acirc;ndalos e problemas administrativos e de valores que angustiam 1.2 bilh&atilde;o de fi&eacute;is espalhados pelo mundo - pedofilia, negociata do Banco Ambrosiano, roubo de documentos, cardeais ficha-suja, celibato dos padres, uso de camisinha, aborto, matrim&ocirc;nio gay, div&oacute;rcio... E o JN nem seu-souza. A f&eacute; virou mercadoria. E espet&aacute;culo.</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O JN seria mais jornal&iacute;stico se enviasse um correspondente para acompanhar a elei&ccedil;&atilde;o do papa, n&atilde;o da </span><i><span style="font-size:14.0pt;line-height: 150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;">Piazza di San Pietro</span></i><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">, mas da Pra&ccedil;a Bandeira Branca, em Manaus. L&aacute; comprovaria a import&acirc;ncia de um novo papa e de como ele mexer&aacute; com a vida dos paroquianos. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Tiro por mim. Posso testemunhar historiando dois exemplos: eu e meu primo Caio. Ambos, de fam&iacute;lia inescapavelmente cat&oacute;lica, vivemos a inf&acirc;ncia em Aparecida, mas sob diferentes papados, porque ele &eacute; mais novo do que eu. E isso influenciou de forma diferenciada nossas pr&aacute;ticas e nossas mentes. Eu fiquei mais amargo, rancoroso e ressentido. Ele, mais aberto, mais <i>light</i>, mais af&aacute;vel. Sabe por qu&ecirc;? </span></div> <div style="margin-bottom: 6pt; text-align: center; line-height: 150%;"><b><u><span style="font-size: 14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;"><img width="619" height="399" align="middle" src="http://www.taquiprati.com.br/images/ab papa.jpg" alt="" /></span></u></b></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%">&nbsp;</div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><b><u><span style="font-size: 14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Cruzada Infantil</span></u></b></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O Papa Pio XII era quem comandava a Igreja Cat&oacute;lica, nos anos 1950, quando entrei na Cruzada Eucar&iacute;stica Infantil. A <i>Cruzadinha,</i> como era conhecida, reunia meninos e meninas de 7 a 13 anos, tinha como padroeiro S&atilde;o Tarc&iacute;sio, m&aacute;rtir da Eucaristia, e veio <i>&quot;trazer ao Brasil, um vigor novo e forte, dos pampas ao norte&quot;</i>, com a participa&ccedil;&atilde;o de milh&otilde;es de crian&ccedil;as.</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Comecei como &quot;<i>aspirante&quot;,</i> nas aulas de catecismo para a primeira comunh&atilde;o. Usava, ent&atilde;o, uma fita amarela com uma cruz azul no centro, presa na camisa por um broche. Depois, passei a &nbsp;<i>&quot;perseverante&quot;,</i> quando ganhei uma faixa da mesma cor amarela que cruzava diagonalmente o t&oacute;rax, do ombro esquerdo at&eacute; o quadril direito. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O padre Cristov&atilde;o, um americano simp&aacute;tico, organizava o catecismo aos s&aacute;bados, as missas aos domingos, e de vez em quando uma prociss&atilde;o, onde a Marlene Bandeira, uma menina que era membro da Diretoria, vestida de branco, carregava o estandarte da Cruzadinha. Ela era respons&aacute;vel por redigir as atas das reuni&otilde;es. Rez&aacute;vamos e cant&aacute;vamos o hino da cruzada: <i>&quot;Somos pequenos da Cruzada / Terna esperan&ccedil;a do Senhor&quot;. &nbsp;</i></span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O outro hino era mais belicoso. O <i>&quot;Cruzadinhos amantes da Igreja</i>&quot; exaltava &quot;<i>a santa peleja, no combate do bem contra o mal&quot;</i>, advertia que &quot;<i>para sermos perfeitos cruzados, sempre ao Papa estaremos unidos</i>&quot; e finalizava com um grito de guerra:</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">- <i>&quot;Eia! Sus! Cruzadinhos amigos / a marchar nos impele o dever / Sem temor afrontando os perigos / Pois lutar por Jesus &eacute; vencer&quot;.</i></span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Sa&iacute;amos da igreja com os cascos afiados, cocainados, incendiados por um furor guerreiro, n&oacute;s, os soldados mirins do Ex&eacute;rcito de Cristo. De l&aacute; &iacute;amos, muitas vezes, atirar bombinhas de S&atilde;o Jo&atilde;o, como se fossem granadas, dentro do templo Batista, na Rua Xavier de Mendon&ccedil;a, em frente &agrave; padaria do seu Armando! Grit&aacute;vamos &quot;crente do cu quente&quot; na hora da explos&atilde;o. Era um horror. As crian&ccedil;as batistas choravam. Os cultos celebrados pelo pastor Chagas Carneiro, um homem bom de cabe&ccedil;a branca, eram interrompidos. At&eacute; que a </span><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Igreja Batista cansada de guerra se mudou para a pra&ccedil;a da Saudade, fugindo assim do terrorismo paroquial.</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">As bombinhas n&atilde;o eram produto apenas da molecagem. O papa tinha culpa no cart&oacute;rio. O pr&oacute;prio nome infeliz - <i>Cruzada</i> - remetia aos guerreiros antigos, que marcharam ao Oriente para combater os infi&eacute;is e libertar os lugares santos. A Cruzadinha queria libertar as almas e as na&ccedil;&otilde;es do jugo do dem&ocirc;nio. Essa era a consigna estabelecida por Pio XII: fora da Igreja, n&atilde;o h&aacute; salva&ccedil;&atilde;o. E l&aacute; de Roma ele fazia nossa cabe&ccedil;a no Bairro de Aparecida. E tome intoler&acirc;ncia. E tome agress&atilde;o. Ta&iacute; o Gerald&atilde;o que n&atilde;o me deixa mentir. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Mais sorte do que eu, teve meu primo Caio. Ele s&oacute; entrou no circuito depois da morte de Pio XII, quando Jo&atilde;o XXIII - aquele campon&ecirc;s gordo e bonach&atilde;o - assumiu, pregando o ecumenismo, a conviv&ecirc;ncia com a diversidade, o respeito &agrave; f&eacute; dos outros, a toler&acirc;ncia.&nbsp;Depois do Conc&iacute;lio Vaticano 2&deg;, ele publicou em 1963 a enc&iacute;clica <i>Pacem in Terris</i>, que falava dos &quot;sinais do tempo&quot;,&nbsp;estabelecendo diretrizes para a op&ccedil;&atilde;o preferencial pelos pobres, criticando o colonialismo, defendendo os direitos dos trabalhadores e a dignidade da mulher.<img width="509" height="345" align="right" src="http://www.taquiprati.com.br/images/ac papa igreja aparecda(2).jpg" alt="" /></span></div> <div style="margin-bottom: 6pt; text-align: justify; line-height: 150%;"><b><u><span style="font-size: 14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Jovens em movimento</span></u></b></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O Caio se deu bem, porque nunca foi um <i>cruzado,</i> jamais considerou outras religi&otilde;es como obra do Satan&aacute;s. &Eacute; que Jo&atilde;o XXIII, com experi&ecirc;ncia na Turquia onde havia sido delegado apost&oacute;lico da Santa S&eacute; - ter&aacute; visitado a Capad&oacute;cia? - extinguiu a <i>Cruzada Eucar&iacute;stica Infantil</i>, que era - aqui pra n&oacute;s - uma aberra&ccedil;&atilde;o, pois usava crian&ccedil;as para o exerc&iacute;cio da intoler&acirc;ncia. Jo&atilde;o XXIII criou, para substitu&iacute;-la, o Movimento Eucar&iacute;stico Jovem. Meu primo, que viveu nesse ambiente p&oacute;s-conciliar e moderno, tem outra cabe&ccedil;a, &eacute; um homem de f&eacute;, mas n&atilde;o carrega sentimento de culpa por agress&otilde;es contra quem professa outra religi&atilde;o. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;text-justify: distribute-all-lines;line-height:150%"><span style="font-size:14.0pt; line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Agora, Francisco, o novo papa argentino assume trope&ccedil;ando em um discurso amb&iacute;guo. De um lado, faz um gesto em favor do ecumenismo, afirmando querer melhorar as rela&ccedil;&otilde;es entre cat&oacute;licos e judeus, o que &eacute; positivo, mas de outro afirma que &quot;quem n&atilde;o reza para Jesus, reza para o diabo&quot;. &Eacute; um ecumenismo limitado, porque deixa de fora o Islamismo, o Kardecismo e as religi&otilde;es afro-brasileiras e ind&iacute;genas: Umbanda, &nbsp;Pajelan&ccedil;a, Catimb&oacute;, Tor&eacute;, Candombl&eacute;, Culto de If&aacute;, Encantaria. O Caboclo das Sete Encruzilhadas, penhorado, agradeceria ser tratado com respeito. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Vamos ver qual ser&aacute; o discurso predominante do novo papa - o da Cruzada ou o do Ecumenismo amplo e irrestrito - e como vai operar na cabe&ccedil;a dos paroquianos de Aparecida. A professora da PUC/SP, Maria Jos&eacute; Rosado Nunes, que dirige a associa&ccedil;&atilde;o das Mulheres Cat&oacute;licas pelo Direito de Decidir, est&aacute; preocupada com o autoritarismo e a posi&ccedil;&atilde;o de Bergoglio contra os direitos das mulheres. Ela recomenda o di&aacute;logo entre religi&otilde;es, a liberdade de express&atilde;o, o respeito &agrave; diversidade entendida como uma releitura evang&eacute;lica nos dias atuais e n&atilde;o como uma amea&ccedil;a aos valores crist&atilde;os.</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">- Queremos que o pontificado de Francisco se deixe refrescar pelos ventos do Concilio Vaticano II e abra a possibilidade de uma revis&atilde;o doutrinal e pastoral sobre o conceito de fam&iacute;lia, div&oacute;rcio, celibato, sacerd&oacute;cio feminino, direito das mulheres, uni&atilde;o entre pessoas do mesmo sexo e uso de preservativo para a viv&ecirc;ncia de uma sexualidade livre e saud&aacute;vel - disse a soci&oacute;loga.</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Se isso vai acontecer ou n&atilde;o saberemos logo que Jorge M&aacute;rio Bergoglio se livrar do bombardeio ao qual foi submetido, com acusa&ccedil;&otilde;es pesadas sobre sua cumplicidade com a ditadura militar na Argentina ou sua omiss&atilde;o na pris&atilde;o de dois padres, considerados subversivos, e no acobertamento do roubo de Ana, neta de Alicia La Cuadra, ex-presidente das Av&oacute;s da Pra&ccedil;a de Maio.</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">Uma guerra de acusa&ccedil;&otilde;es e de den&uacute;ncias tomou conta das redes sociais, obrigando a m&iacute;dia a registrar quem acusa o papa e quem o defende. Graciela Yorio, cat&oacute;lica praticante, irm&atilde; do ex-professor de teologia de Bergoglio, o padre Orlando Yorio, j&aacute; falecido, diz que est&aacute; &quot;convencida de que Bergoglio delatou meu irm&atilde;o aos militares&quot; e que ficou com sua f&eacute; abalada depois da elei&ccedil;&atilde;o do papa. &quot;Essa igreja n&atilde;o me representa mais. Tenho um profundo sentimento de injusti&ccedil;a&quot;. Diz que pode perdoar, mas citou Santo Agostinho: &quot;Primeiro vem a verdade, depois a compaix&atilde;o&quot;. </span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi jura que as acusa&ccedil;&otilde;es s&atilde;o feitas por &quot;uma esquerda anticlerical&quot;, que Bergoglio, uma vez nomeado arcebispo de Buenos Aires, &quot;pediu perd&atilde;o em nome da Igreja por n&atilde;o ter feito o bastante durante o per&iacute;odo militar&quot;, deixando de seguir o exemplo de dom Paulo Evaristo Arns no Brasil, e que &quot;depois de ser interrogado pela justi&ccedil;a argentina, Bergoglio nunca foi acusado de nada&quot;.&nbsp;</span></div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">A situa&ccedil;ao, no entanto, se complica porque o Vaticano acaba de convidar Carlos Blaquier, dono do engenho Ledesma, para a posse do novo papa. Ele aceitou o convite, mas o Poder Judici&aacute;rio n&atilde;o permitiu sua sa&iacute;da. Blaquier est&aacute; sendo julgado por haver sequestrado 29 trabalhadores de sua empresa, que foram encaminhados para os centros clandestinos de tortura. Al&eacute;m disso, na &uacute;ltima sexta-feira, um grupo de torturadores, encabe&ccedil;ados pelo general Menendez, se apresentou ao tribunal de C&oacute;rdoba com o escudo do Vaticano no peito, saudando o novo papa</span>.</div> <div style="margin-bottom:6.0pt;text-align:justify;line-height: 150%"><span style="font-size:14.0pt;line-height:150%;Times New Roman&quot;,&quot;serif&quot;;Times New Roman&quot;;">O papa Francesco alerta - segundo a Folha de S&atilde;o Paulo - que a Igreja n&atilde;o &eacute; uma ONG, mas devia ter dito tamb&eacute;m que n&atilde;o &eacute; uma OG, uma organiza&ccedil;&atilde;o governamental. De qualquer forma, resta esperar que a verdade aflore. Por enquanto, s&oacute; me resta recorrer &agrave; mem&oacute;ria da Cruzadinha Infantil e dizer que &quot;eu, Marlene Bandeira, lavrei a presente ata que ser&aacute; assinada por mim e pelos demais membros da diretoria&quot;. </span></div> <p>&nbsp;P.S. As fotos foram &quot;pirateadas&quot; na internet.</p>

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

57 Comentário(s)

Avatar
carlos gilberto nobrega comentou:
03/04/2013
Como reconstruir a Igreja que está em ruina,com material de pouca ou quase nada de qualidade?. A igreja não vai mudar nunca,porque os seus membros não vão mudar,porque os seus lideres não mudam.A igrejas deveria em quanto há tempo,pedir perdão por tantas atrocidades que cometeu na história e aceitar as 95 teses de lutero.
Comentar em resposta a carlos gilberto nobrega
Avatar
Armando Barrela comentou:
23/03/2013
Moro há décadas na Aparecida, quando criança participei da catequese, dá perseverança com dona Elisa. Não sabia dessa parte das cruzaas, cômico, eu sabia que havia uma igreja em frente à padaria do vovô, mas não imaginei que os fatos fossem tão cômicos... Lembro do Tuta narrar alguns episódios sobre algumas peripécias da paróquia...É sempre bom ouvir histórias de nossa infância, da história de cada um de nós, da história da minha infância na catequese - eu, José Amaro Júnior, Sandra, Yeda e Iara, Cintia e Marcelo Bessa, entre tantos amigos... Parabéns pela crônica Babá
Comentar em resposta a Armando Barrela
Avatar
Valéria comentou:
21/03/2013
A Fé pode mudar o mundo. Sempre com tolerância. Vamos esperar que os tempos de João XXIII retornem.. Abraços professor!
Comentar em resposta a Valéria
Avatar
bolinasc comentou:
30/03/2013
Avatar
Cristina Amaral comentou:
21/03/2013
Sabia que meu querido Prof. Bessa não iria conseguir parar nas 1000 crônicas, fico já gratificada por isso, e tenho certeza que muitas outras pessoas. Parabéns pelos fatos tão bem relacionados e pelo humor sempre contido!! Carinhos Cris Amaral
Comentar em resposta a Cristina Amaral
Avatar
Eduardo comentou:
21/03/2013
Eu escrevo portugues mas neste caso vou preferir o espanhol, espero se entenda meu pensamento. Otra de las razones por la cual es electo un Papa Americano trae al recuerdo a Juan Pablo II,fue elegido en tiempos de la Guerra fría y con el objetivo de derribar °los muros° o sea los países del Bloque Socialista. Hoy en día los países de América Latina °La Pobre° que es grande en riquezas pero pobre sus pueblos ha tomado caminos que lo llevarían a un avance en la opción por los pobres. Es la hora que se le ponga un freno han decidido los que verdaderamente eligen el Papa, o sea los dueños del mundo. Y no los que hacen el circo como que eligieran algo. Es mi opinión con todo respeto, o sea,nada nuevo bajo el Sol. Y por ultimo digo como creyente en Dios que no se necesita de intermediarios para creer, la verdadera Fe pasa por lo interior. Ellos son solo mensajeros del Poder Mundial. Saludos cordiales. Contato de Eduardo
Comentar em resposta a Eduardo
Avatar
Thomaz Nogueira comentou:
20/03/2013
Senhor Guillhermo Rodriguez 1. Não manifestei minha crença sobre o comportamento do Cardeal Bergoglio, o que fiz foi trazer informação postada por Leonardo Boff, que cita o testemunho de Adolfo Pérez Esquivel. Repito o testemunho é de Pérez Esquivel, não meu. 2. Respeito sua opinião, mas discordo. Minhas crenças são fundamentais para eu agir e buscar mudar a realidade. P.S - Muitas vezes, me confundo ao postar comentários. Agora mesmo, não sei se estou postando comentário novo ou replicando ao Guillermo. (além de errar em 99,991% a digitação do código de segurança, o que me leva a repetir "n" vezes a postagem.)
Comentar em resposta a Thomaz Nogueira
Avatar
Fabricio Ferraço comentou:
20/03/2013
Essas religiões nao são ocidentais. E tanto o cristianismo quanto o islamismo descendem do judaísmo, portanto, sob forte influência da lei mosaica...
Comentar em resposta a Fabricio Ferraço
Avatar
Leila Gomes comentou:
20/03/2013
Acho que nós não emos o direito de criticar ninguém, temos que pedir a Deus que abençoe seu pontificiado e que ele seja um verdadeiro mensageiro de Deus. Quanto a ele dizer que 'quem não reza para Jesus, reza para o diabo' está certo porque JESUS É O ÚNICO CAMINHO... NÃO EXISTE OUTRO MEIO DE IR P/ O CÉU. Se não formos pelo caminho certo, cairemos no abismo e lá haverá choro e ranger de dentes.. Essa é a verdadeira palavra do Senhor.
Comentar em resposta a Leila Gomes
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
20/03/2013
Interessante como cada pessoa recebe uma experiência de forma diferente. Eu também fui membro da Cruzada Infantil da Igreja de Aparecida, a partir de 1958, quando era dirigida pela Irmã Ansila do Preciosíssimo Sangue. Usavam um hábito branco com uma corrente dourada onde era dependurado um coração com uma cruz. Cheguei ao posto máximo que era o de Apóstolo. O distintivo era um escudo de tecido azul anil do lado direito do peito. Nossa função era levar mais crianças do bairro e adjacências para o catecismo ao sábado. Sempre em dupla, nós descíamos até o igarapé da Bica por uma escada que saía da Bandeira Branca e percorríamos, sobre pontes de madeiras, as casas flutuantes do igarápé. Falávamos com os pais das crianças e convidávamos seus filhos para ir a igreja. Éramos orientadas a ser educados com as pessoas. Foi uma grande experiência de solidariedade marcando a minha vida para sempre de forma positiva.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
20/03/2013
Interessante como cada pessoa recebe uma experiência de forma diferente. Eu também fui membro da Cruzada Infantil da Igreja de Aparecida, a partir de 1958, quando era dirigida pela Irmã Ansila do Preciosíssimo Sangue. Usavam um hábito branco com uma corrente dourada onde era dependurado um coração com uma cruz. Cheguei ao posto máximo que era o de Apóstolo. O distintivo era um escudo de tecido azul anil do lado direito do peito. Nossa função era levar mais crianças do bairro e adjacências para o catecismo ao sábado. Sempre em dupla, nós descíamos até o igarapé da Bica por uma escada que saía da Bandeira Branca e percorríamos, sobre pontes de madeiras, as casas flutuantes do igarápé. Falávamos com os pais das crianças e convidávamos seus filhos para ir a igreja. Éramos orientadas a ser educados com as pessoas. Foi uma grande experiência de solidariedade marcando a minha vida para sempre de forma positiva.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
20/03/2013
Interessante como cada pessoa recebe uma experiência de forma diferente. Eu também fui membro da Cruzada Infantil da Igreja de Aparecida, a partir de 1958, quando era dirigida pela Irmã Ansila do Preciosíssimo Sangue. Usavam um hábito branco com uma corrente dourada onde era dependurado um coração com uma cruz. Cheguei ao posto máximo que era o de Apóstolo. O distintivo era um escudo de tecido azul anil do lado direito do peito. Nossa função era levar mais crianças do bairro e adjacências para o catecismo ao sábado. Sempre em dupla, nós descíamos até o igarapé da Bica por uma escada que saía da Bandeira Branca e percorríamos, sobre pontes de madeiras, as casas flutuantes do igarápé. Falávamos com os pais das crianças e convidávamos seus filhos para ir a igreja. Éramos orientadas a ser educados com as pessoas. Foi uma grande experiência de solidariedade marcando a minha vida para sempre de forma positiva.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
20/03/2013
Interessante como cada pessoa recebe uma experiência de forma diferente. Eu também fui membro da Cruzada Infantil da Igreja de Aparecida, a partir de 1958, quando era dirigida pela Irmã Ansila do Preciosíssimo Sangue. Usavam um hábito branco com uma corrente dourada onde era dependurado um coração com uma cruz. Cheguei ao posto máximo que era o de Apóstolo. O distintivo era um escudo de tecido azul anil do lado direito do peito. Nossa função era levar mais crianças do bairro e adjacências para o catecismo ao sábado. Sempre em dupla, nós descíamos até o igarapé da Bica por uma escada que saía da Bandeira Branca e percorríamos, sobre pontes de madeiras, as casas flutuantes do igarápé. Falávamos com os pais das crianças e convidávamos seus filhos para ir a igreja. Éramos orientadas a ser educados com as pessoas. Foi uma grande experiência de solidariedade marcando a minha vida para sempre de forma positiva.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Leda Beck (via FB) comentou:
19/03/2013
Como sempre, José Bessa produz uma crônica saborosíssima sobre o assunto do momento - o novo papa - e sobre os efeitos que um papa produz nos mais longínquos rincões da Terra. Ele aponta, particularmente, a gigantesca diferença entre os papados de Pio XII e de João XXIII. Felizmente, eu sou da geração João XXIII... Também há duas notícias importantes embutidas na crônica: 1- o Jornal Nacional chegou a dedicar 71% de seu tempo ao dito papa, com informações tão importantes como o sapato do papa, o carro do papa, o sorriso do papa etc. 2- e a ligação do "che" em questão com os facínoras da ditadura argentina é mais séria do que eu pensava. Vejam só: "O Vaticano acaba de convidar Carlos Blaquier, dono do engenho Ledesma, para a posse do novo papa. Ele aceitou o convite, mas o Poder Judiciário não permitiu sua saída. Blaquier está sendo julgado por haver sequestrado 29 trabalhadores de sua empresa, que foram encaminhados para os centros clandestinos de tortura. Além disso, na última sexta-feira, um grupo de torturadores, encabeçados pelo general Menendez, se apresentou ao tribunal de Córdoba com o escudo do Vaticano no peito, saudando o novo papa". Durma-se com um barulho desses...
Comentar em resposta a Leda Beck (via FB)
Avatar
Claudio Nogueira comentou:
19/03/2013
Babá, eu queria colocar o meu cometário aqui, mas ficou muito grande, resolvi escrever no meu blog: http://www.nogueiraclaudio.blogspot.ca/2013/03/cruzadas.html Contato de Claudio Nogueira
Comentar em resposta a Claudio Nogueira
Avatar
Anne-Marie comentou:
19/03/2013
De início fiquei feliz com este papa "poverello", acreditando num milagre, pois os cardeais que elegeram o homem foram, quase todos, nomeados pelo papa polonês e pelo alemão . Depois comecei a "cair na real", conspirações a parte, estamos provavelmente diante de um grande comunicólogo, um João-Paulo II bis, estrategicamente escolhido para trazer de volta o rebanho latino americano que fugiu e está fugindo em massa para as denominações evangélicas. Junto com a Globo temos, não esqueçamos, o novo canal chamado "Canção Nova" que muita gente confunde (não sem uma certa razão) com um canal neo-pentecostista. Outra estratégia de "recaptura".
Comentar em resposta a Anne-Marie
Avatar
Paulo Bezerra comentou:
19/03/2013
Para ganhar a simpatia dos fiéis o Bispo Bergoglio usou a força do nome de São Francisco de Assis, que é quase uma unanimidade mundial, e se apropriou da consigna do Papa João XXIII de fazer a opção preferencial pelos pobres. Quando falou por si próprio, foi um desastre. A máscara caiu. Dizer que quem não reza prá Jesus, reza para o diabo, é regredir, no mínimo 3 mil anos, quando a palavra de ordem na bíblia era “morte aos infiéis”, onde infiéis seriam todos aqueles que não fossem hebreus. Um aviso aos incautos: A escolha do nome de Francisco não transformou o Bispo Bergoglio em São Francisco de Assis, sequer num franciscano. Quanto ás denúncias sobre o seu passado de colaborador da ditadura argentina, a simples defesa do Adolpho Perez Esquivel, não é suficiente e é, no mínimo, suspeita por ser o prêmio Nobel da Paz um fervoroso militante católico. Como bem disse o Guillermo Rodriguez “ajudaria muito se aparecesse alguém dizendo que foi ajudado pelo Bispo Bergoglio. Mas até agora não apareceu ninguém”.
Comentar em resposta a Paulo Bezerra
Avatar
Valdevino Gonçalves Cardoso comentou:
18/03/2013
A minha preocupação é com relação ao meu povo. O cristianismo aliado a "civilização" com princípios no etnocentrismo europeu destruiu a cultura religiosa tradicional do nosso povo. Alias a pratica religiosa indígena esta quase toda extinta, as que permanecem são consideradas coisas do demônio e "todos irão para o inferno" e "ele esta próximo meus irmão" ALELUIA. Só resta saber se o fogo do inferno é o mesmo das inquisições medievais, pois BLAQUIER esta na parada.
Comentar em resposta a Valdevino Gonçalves Cardoso
Avatar
Renato Colbert (Blog Amazonia) comentou:
18/03/2013
Uma das coisas que aprendi como padre e professor é que, ao analisar um texto, precisamos conhecer quem o escreveu, sua história pessoal e a ideologia subjacente ao que se diz ou faz. Torna-se de fundamental importância ater-se à verdade, buscar uma profunda isenção. Parece-me que o articulista, sob a aparência de procurar ser neutro, ora atacando, ora aparentando defender, revela-se um ideólogo esquerdista. Mais um daqueles anticlericais, dos quais a imprensa brasileira e mundial anda cheia. A partir daí, percebe-se no texto uma forte tendência a passar mais informações negativas sobre a Igreja do que positivas. Tudo bem, cada um fala o que quer numa democracia. Mas esconder-se atrás de uma aparência de neutralidade, só diminui a credibilidade do jornalista.
Comentar em resposta a Renato Colbert (Blog Amazonia)
Avatar
mauro oliveira (Blog da amazonia) comentou:
18/03/2013
Na década de 1970, viajava para a Argentina com frequência. A presidente era a Isabelita Perón, eleita pelo voto popular. Na época, os guerrilheiros Montoneros, armados, paravam os carros na estrada para cobrar propina, que chamavam de imposto revolucionário. Quem não pagasse apanhava dos guerrilheiros ou era até mesmo executado se os enfrentasse. Deixei de viajar para a Argentina e logo depois os militares assumiram o governo para combater aquele caos em que estava o país. Hoje, vejo acusações contra os militares e contra o Papa e não vejo ninguém na imprensa denunciando os guerrilheiros que deram origem a tudo aquilo.
Comentar em resposta a mauro oliveira (Blog da amazonia)
Avatar
Renato Colbert comentou:
18/03/2013
Uma das coisas que aprendi como padre e professor é que, ao analisar um texto, precisamos conhecer quem o escreveu, sua história pessoal e a ideologia subjacente ao que se diz ou faz. Torna-se de fundamental importância ater-se à verdade, buscar uma profunda isenção. Parece-me que o articulista, sob a aparência de procurar ser neutro, ora atacando, ora aparentando defender, revela-se um ideólogo esquerdista. Mais um daqueles anticlericais, dos quais a imprensa brasileira e mundial anda cheia. A partir daí, percebe-se no texto uma forte tendência a passar mais informações negativas sobre a Igreja do que positivas. Tudo bem, cada um fala o que quer numa democracia. Mas esconder-se atrás de uma aparência de neutralidade, só diminui a credibilidade do jornalista.
Comentar em resposta a Renato Colbert
Avatar
rogerio teles comentou:
18/03/2013
Legal mestre, uma instituição tão poderosa, tem que se depurar, mudar com as circunstacias que a vida impõe, nã há mais lugar para dogmas e tabus, corroídos pelo tempo ou aceita novos valores sociais ou..., intolerância é pecado
Comentar em resposta a rogerio teles
Avatar
Niminon comentou:
18/03/2013
Adorei! Faço minhas as suas palavras escritas nessa crônica. Vamos ver o que vai dar. Talvez a igreja se divida?! Um abraço da Niminon
Comentar em resposta a Niminon
Avatar
Luiz Pucú comentou:
18/03/2013
Professor, quase perdi o fôlego depois que mergulhei nas águas da tua escrita. Paidégua! Essa dialetica-de-caboco faz até canoa voar sem remo. Abraço orgulhoso! LP
Comentar em resposta a Luiz Pucú
Avatar
18/03/2013
A intrasnsigência e intolerancias,prática comum daqueles que desjam serem reconhecidos como os baluartes da verdade só conseguirá produzir preconceito,ódio e segrgação entre aqueles que Jesus veio para agrupar em um único rebanho. Contato de carlos augusto c. de barros
Comentar em resposta a carlos augusto c. de barros
Avatar
Ligia Leão de Aquino comentou:
18/03/2013
Excelente! Belo texto por sua estrutura e narrativa e contundente em sua análise! Uma aula de história e política! Muito obrigada!
Comentar em resposta a Ligia Leão de Aquino
Avatar
María Stella González de Pérez comentou:
18/03/2013
¡Felicitaciones! Me gustó mucho su escrito.
Comentar em resposta a María Stella González de Pérez
Avatar
Vera Kauss comentou:
18/03/2013
Como sempre, impecável a crônica e a crítica que a perpassa... A "verdade", hoje, é tão fragmentada como o homem, mas existem pontos que não podemos deixar de refletir para termos consciência do que acontece em nossas vidas... Realmente, só saberemos a que veio esse novo papa com o tempo...
Comentar em resposta a Vera Kauss
Avatar
18/03/2013
Parabéns Professor José Bessa, definiu meus sentimentos e indignação numa crônica muito bem escrita, engraçada e real! Contato de Claudia Cristina Hoffmann
Comentar em resposta a Claudia Cristina Hoffmann
Avatar
Vera Nilce Cordeiro Correa (via FB) comentou:
18/03/2013
Ler o José Bessa Bessa Freire é demais , relembro de minha cidade e me identifico em suas crônicas. " E o JN nem seu-souza. A fé virou mercadoria. E espetáculo." qual o conterrâneo e contemporâneo que nunca usou o "seu-souza"? sempre quis saber de onde tiramos isto... até hoje uso rssss
Comentar em resposta a Vera Nilce Cordeiro Correa (via FB)
Avatar
SERGIO SOUTO comentou:
18/03/2013
Grande Babá, que lindo! Vou encaminhar pra toda minha rede de amigos, e depois deitar na minha rede que comprei ano passado lá no Ceará. Abração e parabens pelo texto!
Comentar em resposta a SERGIO SOUTO
Avatar
SERGIO SOUTO comentou:
18/03/2013
Grande Babá, que lindo! Vou encaminhar pra minha rede de amigos antes de deitar na rede!! rsrsr Abração meu caro! Parabens pelo texto! Contato de SERGIO SOUTO
Comentar em resposta a SERGIO SOUTO
Avatar
vania novoa tadros comentou:
17/03/2013
Oração A São Francisco Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor, Onde houver ofensa , que eu leve o perdão, Onde houver discórdia, que eu leve a união, Onde houver dúvida, que eu leve a fé, Onde houver erro, que eu leve a verdade, Onde houver desespero, que eu leve a esperança, Onde houver tristeza, que eu leve a alegria, Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ó Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado; compreender que ser compreendido, amar, que ser amado. Pois é dando que se recebe é perdoando que se é perdoado e é morrendo que se nasce para a vida eterna...
Comentar em resposta a vania novoa tadros
Avatar
vania novoa tadros comentou:
17/03/2013
Oração A São Francisco Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor, Onde houver ofensa , que eu leve o perdão, Onde houver discórdia, que eu leve a união, Onde houver dúvida, que eu leve a fé, Onde houver erro, que eu leve a verdade, Onde houver desespero, que eu leve a esperança, Onde houver tristeza, que eu leve a alegria, Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ó Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado; compreender que ser compreendido, amar, que ser amado. Pois é dando que se recebe é perdoando que se é perdoado e é morrendo que se nasce para a vida eterna...
Comentar em resposta a vania novoa tadros
Avatar
17/03/2013
Prezado professor Bessa, acompanho todos os seus textos, e este sem dúvida foi o que mais gostei. Além de esclarecedor, é bastante interessante, pois ao tratar de sua experiência particular ajuda aos mais jovens a entenderem de força bastante didática coisas bastante complicadas. Com a devida permissão, irei aproveitar seu texto em algumas de minhas aulas na escola onde leciono aqui em Manaus. Obrigado por dividir conosco uma experiência tão significativa. Contato de Marcos Paulo Mendes Araujo
Comentar em resposta a Marcos Paulo Mendes Araujo
Avatar
gerusa pontes de moura comentou:
17/03/2013
Como sempre professor seu comentário é extraordinário, o humor inteligente faz falta, mas quem tem costume de ler seus artigos não pode reclamar que não tem gente que sabe fazer, e como diz minha mão com categoria.
Comentar em resposta a gerusa pontes de moura
Avatar
Joshua Emannuel (BlogAmazonia) comentou:
17/03/2013
Do ''alto'' da minha sabedoria de motorista de caminhãoe que acompanha a uma certa distançia as questões religiosas digo que não vejo um bom futuro para as religiões de um modo geral dizem que nas escrituras ha um texto que dis mais ou menos o seguinte!...que no final dos tempos todas as religiões cairiam e desta queda nasceria a verdadeira religião do senhor!sim porque a existençia de DEUS e inquestionavel mas não esse deus que atraves dos tempos tem causado tantos males a toda humanidade!... a proposito a verdadeira religião do verdadeiro DEUS e o AMOR!!!
Comentar em resposta a Joshua Emannuel (BlogAmazonia)
Avatar
Antonio Eduardo M. Fernandes (Blog Amazonia) comentou:
17/03/2013
É impressão minha ou um dos motivos para a antipatia é pelo fato de ele desaprovar a SODOMIA?A noção de que o homossexualismo é uma aberração e um pecado não é uma postura pessoal do papa. É uma crença do cristianismoNem é uma crença específica do cristianismo. É uma crença de todas as religiões ocidentais monoteístas: judaísmo, cristianismo e islamismo.
Comentar em resposta a Antonio Eduardo M. Fernandes (Blog Amazonia)
Avatar
Eneida comentou:
17/03/2013
Querido Bessa, vc é mesmo D+. Ler suas crônicas é ver mais longe, critica e conscientemente e saber o que ecoa das entrelinhas. Muito agradecida!
Comentar em resposta a Eneida
Avatar
Tomzé comentou:
17/03/2013
Parabéns. Leia "La Isla del Silencio", livro escrito pelo jornalista argentino Horacio Verbitsky. Ele descobriu documentos oficiais dos arquivos do Estado Argentino com graves acusações contra Bergoglio. Vejam também o blog do Verbitsky Iglesia y Dictadura, que fala do periodo da ditadura argentina entre 1976 e 1982. Em 976, diz o autor, o presidente da Conferencia Episcopal, Adolfo Servando Tortolo, resolveu em conferencia com membros da Junta Militar que, antes de prender um sacerdote, as Fuerzas Armadas avisariam o bispo responsável, e que "em algumas ocasiões" esses bispos deram "luz verde" às prisões. A Armada interpretou tal decisão e possivelmente algumas manifestações críticas de seu provincial jesuita, Jorge Bergoglio, como una autorização para proceder contra ele. Por isso, Bergoglio compareceu ante a Justiça argentina em 2010. Tambem foi citado num processo de roubo de bebés. Bergoglio guardou silencio. A frase que dizia cada vez que era indagado obre este tema é que "o lugar dos sacerdotes eram as igrejas.
Comentar em resposta a Tomzé
Avatar
Fabio comentou:
17/03/2013
Valeu, José. Ah, contra flatos, que argumentos, né? ;-)
Comentar em resposta a Fabio
Avatar
Sergio Caldieri comentou:
17/03/2013
Parabéns ao José Bessa pelo excelente texto comentando sobre o novo papa.
Comentar em resposta a Sergio Caldieri
Avatar
Estevão Martins Palitot (via FB) comentou:
17/03/2013
Como sempre José Bessa nos brinda com uma crônica lúcida e lúdica. O melhor que já se disse até agora, não sobre o novo Papa, mas sobre o que pode significar a eleição de um novo Papa para uma igreja que é historicamente arrogante e ciosa do seu poder, mas que deve se abrir para o mundo, aceitando a inevitável pluralidade da condição humana.
Comentar em resposta a Estevão Martins Palitot (via FB)
Avatar
Olga Paiva comentou:
17/03/2013
Nada como ler uma seríssima análise sobre a ambiguidade da Santa Madre Igreja temperada com a verve do José Bessa.
Comentar em resposta a Olga Paiva
Avatar
Thomaz Nogueira comentou:
17/03/2013
Quanto a postura do novo Papa frente à ditadura argentina, Leonardo Boff traz o testemunho de Eduardo Esquivel e diz ""Conheço as acusações e acredito no que diz o Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel, que como opositor ao regime militar esteve preso e foi torturado. Houve bispos que foram cúmplices da ditadura, mas Bergoglio não estava entre eles", opinou. "Até agora, não há indícios claros de um comportamento censurável. Pelo contrário, ele escondeu e salvou muitos sacerdotes perseguidos. Conheci Orlando Yorio, um dos jesuítas que dizem terem sido traídos por Bergoglio, e nunca fez a mim tais acusações", completou. (ver em http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/renuncia-do-papa/papa-surpreendera-com-reviravolta-na-igreja-diz-leonardo-boff,326bd29cae47d310VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html)
Comentar em resposta a Thomaz Nogueira
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
18/03/2013
Thomaz não adianta outros argumentos e afiirmações . Os inimigos da Igreja Católica só acreditam naquilo que eles querem ler. Por traz dessa estória de acusação de tortura está a Cristina Kirchner que queria ter o apoio do Cardeal Jorge Mário ao seu projeto populista do casamento gay. Embora diametralmente opostos do ponto de vista ideológico da Presidente da Argentina, preferem não ver que ela está se vingando do Papa Francisco. Muitas pessoas em, cargos chaves, deram depoimentos a favor do Papa mas eles não acreditam. Saem pinçando declarações convinientes na elaboração de seus discursos.O interessante é a maioria deles foram muito bem tratados pela Igreja Católica, mas como são orgulhosos, por um dia ter dependido dela, a odeiam. Felizmente, não pesam nada no contexto de um mundo apaixonado por um Papa simples, alegre, latino americano e com nosso jeito de conquistar adesões.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Guillermo Rodriguez comentou:
17/03/2013
Sr Thomaz, quero crer que o senhor tem razão quando dice que o obispo Bergoglio "escondeu e salvou muitos sacerdotes perseguidos". Sem embargo, minha creencia não es suficiente para cambiar a realidade. A sua creencia também não. Nuestra creencia quedaria muito forte si apareceriera uma só dessas personas que foram ajudadas pelo obispo Bergoglio. Mas até agora não apareceu ninguém diciendo: Ele me ajudó.
Comentar em resposta a Guillermo Rodriguez
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
21/03/2013
E não vai aparecer Guilermo. Porque essas pessoas não são agradecidas. Pelo contrário, elas ficam com raiva de quem as ajudou porque o auxílio só seria reconhecido se o Padre Jorge Mário trocasse a sua ideologia pela deles. Se saísse abençoandos as suas armas porque queriam fazer uma revolução com apoio de todas as classes sociais. Tipo; os empresários teriam que fazer uma revolução contra eles mesmos.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Teresinha Marcis comentou:
17/03/2013
Obrigado pela crônica e por uma leitura dominical, prazerosa e instrutiva. Contato de Teresinha Marcis
Comentar em resposta a Teresinha Marcis
Avatar
Giane comentou:
17/03/2013
Avatar
Alê Marques comentou:
17/03/2013
Bessa, ri um bocado com o a sua infância de cruzadinho. Quer dizer que você praticava bullyng religioso? Tsc, tsc, tsc... Mas que há graça nas palavras amedrontadoras q falavam no momento em que jogavam as bombinhas, isso há. Aliviada por vc ter continuado a escrever, religiosamente, aqui no site, ufa! Abraço forte
Comentar em resposta a Alê Marques
Avatar
Evelyn comentou:
17/03/2013
Bessa você, como sempre, certeiro e "on time". Estava com uma sensação esquisita que não sabia precisar exatamente, mas vc traçou uma linha precisa de percepção. Parabéns!
Comentar em resposta a Evelyn
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
16/03/2013
Maravilhaaa de crônica! Penso que a CNBB, a Rede Globo e seus correspondentes (principalmente a Ilze Scamparini) deveria ler o teu texto, inclusive enviar uma cópia ao novo papa. Certamente, ele ficaria inspirado. Viva o Taquiprati! Rumo as 2000 mil crônicas!
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
Ana Helena Tavares (Blog QTMD) comentou:
16/03/2013
Com essa publicação, espero encerrar o ciclo de artigos sobre o novo papa. O texto, do amigo Ribamar Bessa, é imperdível. Uma crônica séria sem perder a piada. Uma deliciosa crítica à cobertura do Jornal Nacional e otras cositas más. Peço que as pessoas, em vez de comentarem aqui, deem preferência a comentar no site. Um ótimo domingo a todos.
Comentar em resposta a Ana Helena Tavares (Blog QTMD)
Avatar
Lori Altmann comentou:
16/03/2013
Bessa! Onde você está nessa foto? Quem diria! Conheci você já no tempo de Porantin! Conheci Maria José Rosado Nunes (Zeca) como religiosa na Prelazia do Acre e Purus, cujo bispo na época era nosso querido D. Moacir Grecci, que tão ecumenicamente nos acolheu como luteranos na década de 1980. Eram os tempos de vigor das CEBs e dos Movimentos Indígena e Seringueiro ("os Povos da Floresta"). Acompanhei a criação do movimento Católicas Pelo Direito de Decidir - CDD no Brasil, no período em que estive em São Paulo de (1988 - 1992). Ela foi minha professora no mestrado em Ciências da Religião. Zeca e Ivone Gebara possuem uma fala claramente situada. Você mostra neste artigo a importância de se definirmos o lugar de onde falamos. Parabéns! Contato de Lori Altmann
Comentar em resposta a Lori Altmann
Avatar
Osiris Silva comentou:
16/03/2013
Babá, Em respeito ao fato histórico, muito bem abordado por você nesta crônica, lembro-o que, antes de "Aspirante", havia a "Liga", o estágio inicial da Cruzada Eucarística Infantil. Também integrei esse movimento cristão. Fiz minha Primeira Comunhão por ocasião do Congresso Eucarístico realizado em Manaus em 1954 na praça em frente ao Instituto de Educação do Amazonas (IEA). Que, após o evento, passou a se denominar Praça do Congresso. E assim os tempos passaram. Tanto que, hoje, já beiramos os 70 anos. Acredite ou não. Sua crônica, além de contextual, bem expressa eventos de grande significância para os que viveram a adolescência e a juventude naqueles tempos. Grande abraço. Arabi e Osiris Silva
Comentar em resposta a Osiris Silva
Avatar
Elayne comentou:
16/03/2013
Grande Professor José Bessa, sempre bem-humorado e crítico em suas maravilhosas crônicas..
Comentar em resposta a Elayne