meio ambiente;

. A minha irmã Preta plantou uma jaqueira (artocarpus heterophyllus) no quintal dela, que serviu de gancho, no domingo passado, para discutir a arborização de Manaus. A jaca, originária da Índia, se adaptou bem em nossas terras, desde que foi trazida, no século XVIII, p...

Detalhes

 É possível falar de flores, quando cartões corporativos são usados criminosamente por funcionários do Governo, financiando até mesmo a lixeira de luxo do reitor da UnB?  Qual dos dois temas é mais importante: as árvores de Manaus ou o iate e a casa do ex-procurador Vic...

Detalhes

 O ano era 1976. Época do “milagre econômico”. O general Ernesto Geisel, presidente da República (ARENA – viche! viche!), visitava Manaus para inaugurar o aeroporto Eduardo Gomes. As autoridades locais disputavam para ver quem puxava mais o saco do ditador. O vencedor f...

Detalhes

Quinta feira, 22 de abril. Oito horas da manhã. Toca o telefone. Atendo. Ligação interurbana. É de Manaus. A voz de alguém que não conheço geme, angustiada, do outro lado da linha, pedindo socorro: - Estou agorinha presenciando um assassinato daqui da janela da minha ca...

Detalhes

- Que horror, Babá, que horror! Djalma Batista, o filho, com as duas mãos empalmadas encobrindo o rosto, repetia muitas vezes a frase, prolongando os erres, como se isso pudesse potencializar o horrrorrr. Foi numa discussão apaixonada em 1964, no Colégio Estadual do Ama...

Detalhes

A Lei da Tilápia, também conhecida como Lei Linguacu, serviu de modelo para o estabelecimento de alianças no campo político com sérias repercussões na eleição para prefeito de Manaus. Essa Lei Ordinária - e bota ordinária nisso - foi sancionada pelo governador José Melo...

Detalhes

Na rua das Laranjeiras, no Rio, não há laranjeiras. Talvez até existissem no séc. XVII nas chácaras às margens do rio Carioca. Mas o nome veio mesmo da Quinta das Laranjeiras, um bairro de Lisboa também cercado por morros e árvores. Depois, em 1880, a Companhia de Tecid...

Detalhes

“En la lucha de clases / todas las armas son buenas / piedras / noches / poemas”.Paulo Leminski Eles fizeram aquilo que vêm fazendo há mais de 500 anos: (r)existir. Nesta semana, no Equador, em Roraima e no Vaticano, usaram todas as armas possíveis: pedras, poemas, oraç...

Detalhes