PRODUÇÃO ACADÊMICA

MANÁOS, BARÉS E TARUMÃS (Manaus, Museu Amazônico, 1993-1994)

Em: 06 de Março de 2010

Autor: JOSÉ RIBAMAR BESSA FREIRE
Local da Publicação: MANAUS. MUSEU AMAZÔNICO, 1993-1994, P.159-179

 

Geraldo Sá Peixoto Pinheiro (org) - História em Novos Cenários. Revista AMAZÕNIA EM CADERNOS do Museu Amazônico, da Universidade Federal do Amazonas (vol. 1, 2, nºs 2/3 dez 1993/1994; 251 pgs.

A primeira versão desse artigo foi publicada em São Paulo, na revista Arquitetura e Urbanismo (1987). O artigo discute como o espaço amazônico foi ocupado, hierarquizado e, portanto humanizado pelos povos-testemunhas que aqui viveram antes da invasão européia. Aborda ainda alguns elementos históricos do processo de ocupação do território onde foi erguida a cidade de Manaus, destacando alguns aspectos do processo de urbanização, realizado contra os interesses das populações locais.

Esse número da revista contém 15 artigos, entre os quais Manáos, Barés e Tarumãs, de autoria de José R. Bessa Freire, convidado pelo organizador Geraldo Pinheiro para fazer também a apresentação geral da edição.

 

APRESENTAÇÃO

José Ribamar Bessa Freire

Corrupção eleitoral e fraudes nas listas de eleitores, marcando o processo de escolha de representantes do Amazonas; debate na Constituinte Estadual sobre liberdade de ensino e escola pública, gratuita e de qualidade; crise no abastecimento de Manaus e escassez de gêneros alimentícios; aluguéis de imóveis residenciais caros e salários baixos, dos professores e de outras categorias assalariadas; greves na zona portuária, mexendo com o quotidiano da população; questões sobre Manaus e a modernidade. Esses são alguns dos problemas que você vai encontrar, ao folhear este volume 2 da "Amazônia em Cadernos".

No entanto, se essa problemática guarda uma estreita relação com a atualidade e parece ter sido extraída dos jornais de hoje, um simples olhar no sumário da revista mostra que o foco principal - do ponto de vista espacial e cronológico - é a Província do Amazonas na segunda metade do século XIX, quando dois modelos - o europeu e o tapuia - ainda disputavam a hegemonia na região. Trata-se de um período crucial da história regional, quando são definidos os rumos que explicam o aqui e o agora.

Do ponto de vista temático, o leque é bastante amplo, envolvendo questões de demografia, ecologia, organização do sistema de produção e da rede de trocas, comportamento das elites, poder político, educação, ocupação do espaço urbano, modernidade, resistência e luta.

Quando é que os índios deixaram de ser maioria no Amazonas? Qual o valor e os limites dos levantamentos censitários da época Como trabalhá-los hoje? Por que as constantes crises de abastecimentos dos gêneros alimentícios? O solo da Amazônia é mesmo pobre em nutrientes e impróprios para a agricultura? Um conjunto de perguntas formuladas permite dimensionar a importancia dos artigos aqui apresentados.

Como eram escolhidos os representantes políticos do Amazonas? Quem votava e quem era votado? Qual o papel dos partidos políticos? Por que o sistema eleitoral existente durante o Império favoreceu a corrupção permanente? Como se deu o debate sobre a educação no Primeiro Congresso Constituinte do Amazonas, onde Lima Bacury e Fileto Pires - hoje desconhecidos nomes de ruas em Manaus  - polemizavam sobre o ensino público gratuito, laico e obrigatório? Como estava organizada a instrução pública, quando a Casa dos Educandos Artífices tinha como professores alguns presidíários que saiam da prisão e iam ministrar seus ensinamentos, acompanhados de guardas? Ou alemães que não falavam uma só palavra em português?

Os trabalhos aqui publicados tentam formular essas e outras dezenas de questões e ensaiar algumas respostas para elas, explorando - alguns - novas fontes e /ou prospectando fontes conhecidas sob novos ângulos e incorporando de forma sistemática conhecimentos recém-produzidos por outras disciplinas auxiliares da história, que se debruçaram sobre a Amazônia. Mas não se limitam apenas à realidade empírica. Explicitam, em alguns momentos, as concepções de história, verdade, fato e documento histórico, e aprofundam a reflexão sobre a pesquisa histórica e sua metodologia, como quando se discute o uso dos jornais como fontes e o processo de aproximação sistemática entre História e Imprensa ou o significado do discurso da imprensa operária.

"Não entrar em empatia com o vencedor" e "explorar a história do ponto de vista do soldado raso e não do grande comandante". Isto que vem explicitado no artigo sobre a Cabanagem constitui o pano de fundo, também, dos demais trabalhos, orientando a perspectiva de seus autores.

É essa consciência que permite, entre outros fatores, a construção dos novos cenários aqui desenhados.

Todos os autores dos artigos têm, ainda, em comum, o fato de estarem vinculados de uma forma ou de outra à Universidade Federal do Amazonas que, desta forma, busca ocupar o seu espaço na produção de conhecimentos, não se contentando com sua mera reprodução. A maioria está ligada ao Curso de História, que começou a funcionar a partir de 1981 e, alguns anos depois, já era identificado como o foco de um grupo emergente de pesquisa, com alguns trabalhos publicados circulando na praça. Mas a revista reúne também artigos de pesquisadores de outras áreas, com preocupações afins, como as áreas de literatura, comunicação, educação e ciências sociais.

Quase todos os autores seguiram - ou estão seguindo - cursos de pós-graduação em universidades como a USP, UFF, UFRJ, PUC/SP ou na própria Universidade do Amazonas. Os trabalhos aqui reunidos passaram, portanto, por diferentes crivos acadêmicos e foram debatidos em diversos foros. São projetos de doutorado, capítulos de dissertação de mestrado, trabalhos apresentados em curso de pós-graduação como exigência de algumas disciplinas ou em encontros da Associação Nacional de Professores Universitários de História (ANPUH) e até mesmo um capítulo de monografia de conclusão de curso de graduação.

Trata-se de uma contribuição relevante ao debate sobre a Amazônia, de interesse para os universitários de diferentes cursos e de utilidade para os professores do sistema estadual e municipal de ensino. No entanto, a tentativa de revelar alguns aspectos da história do Amazonas e da cidade de Manaus é feita aqui com a consciência sobre a real natureza do conhecimento produzido, em processo de construção, longe, muito longe das verdades acabadas e definitivas.

Nesse sentido, talvez seja conveniente concluir esta apresentação recuperando uma relação pessoal do autor com o  "Journal de la Société des Américanistes" (JSA), uma publicação periódica transdisciplinar, que vem sendo editada regularmente há mais de cem anos e que reúne em suas páginas uma produção de qualidade elaborada ao longo do tempo por pesquisadores de diferentes nacionalidades, abordando os mais variados temas vinculados ao continente americano.

Durante mais de um século o JSA circulou com artigos, debatendo, entre outras questões, os problemas relacionados à região da Pan-Amazônia (um de seus colaboradores, no final do século passado, foi o paraense radicado em Paris, Barão de Sant´Anna Nery)

Uma leitura cuidadosa desses artigos, numa seqüência cronológica feita em 1983 evidenciou como em cada quinze-vinte anos a visão do mundo acadêmico sobre a Amazônia passa por mudanças radicais. As verdades e certezas de uma década se desmoronam com rapidez, cedendo lugar a dúvidas e abrindo o caminho para a construção de novas certezas que logo serão derrubadas, num movimento incessante em busca da apreensão da realidade.

Cada geração de pesquisadores, retomando o conhecimento acumulado, faz a sua própria leitura da Amazônia e contribui com novas reflexões. Como elas serão, inevitavelmente, superadas, conviver com a idéia de provisoriedade do conhecimento não deixa de ser uma atitude de profunda sabedoria, que impede que nos instalemos em saberes acabados. Isso é, justamente, o que caracteriza a postura cientifica.

Sem dúvida alguma, este número da revista "Amazônia em Cadernos" está acrescentando alguns elos na cadeia deste processo.