CRÔNICAS

ALBERTO SANTORO: A PARTÍCULA DE DEUS

Em: 11 de Dezembro de 2011
Tags:
Visualizações: 7970

 

- Durante quanto tempo você limpou bunda de elefante?
A pergunta me foi feita à queima-roupa, semana passada, no Rio de Janeiro, pelo físico Alberto Santoro e sua esposa Beth, sobre um fato que eu nem lembrava mais, ocorrido em Paris há quarenta anos. Na época, Santoro estava vinculado ao Serviço de Física Teórica, em Saclay, na França, já com um pé dentro da Universidade Denis Diderot. E eu? Bem, eu...me preparava para conhecer Mina, uma fofura de quatro aninhos.
Nossos caminhos se cruzaram não por causa da física, da qual – para o bem de todos e felicidade geral da nação – sempre mantive uma prudente distância. Mas pelo fato de sermos, ambos, amazonenses. De Manaus. Quase parentes. Se a irmã dele, Carmita, tivesse casado com meu tio Esmeraldo, de quem foi noiva, eu hoje pediria, respeitoso: “Sua benção, tio Alberto”. Apesar da pouca diferença de idade entre nós.
Alberto Franco de Sá Santoro acaba de completar 70 anos e recebe muitas homenagens por isso. Filho de Michelangelo Giotto Santoro e Cecília Autran Franco de Sá morava ali na Rua 24 de Maio, n° 220, perto da Padaria Mimi. Eram 15 irmãos. Dois deles, por serem meninos-prodígio, a família Santoro logo cederia para o mundo: Cláudio, o músico e Alberto, o físico. Ambos tiveram uma projeção internacional e se tornaram conhecidos na Europa, França e Bahia, constituindo-se motivo de justificado orgulho dos amazonenses.
Tudo começou quando Alberto, convencido por Fernando Bonfim, deixou Manaus para cursar engenharia em Itajubá. Aí O Jornal da empresa Archer Pinto, que sempre registrava qualquer êxito de nossos conterrâneos, deve ter berrado em letras garrafais a sua proverbial manchete: “MAIS UM AMAZONENSE QUE VENCEU LÁ FORA!!!” Com direito a pingar vários pontos de exclamação, porque dessa vez foram dois, de uma só tacada. É que Cláudio já estourava nas paradas na Alemanha, onde vivia. O Jornal deve ter tido orgasmos impressos com as andanças posteriores dos dois irmãos pelo planeta.
Convidado por Darcy Ribeiro para criar o Instituto de Musica na UnB, Cláudio trocou a Alemanha por Brasília. Alberto deixou Itajubá e foi morar com o irmão, fez o vestibular para Arquitetura na UnB, não concluiu o curso, mas chegou a ser eleito presidente do Diretório Acadêmico. – “Você tem que fazer física” – lhe recomendou o físico nuclear Roberto Salmeron, então seu professor na UnB. Seguiu o conselho do mestre.
Foi aí que o golpe militar de 1964 afetou a vida da Universidade, quando 223 professores da UnB, entre os quais Cláudio Santoro e Roberto Salmeron deixaram aquela instituição. Cláudio saiu para o exílio e, já fora do Brasil, acabou regendo as orquestras mais conhecidas do mundo como a RIAS Berlin, a Sinfônica de Leipzig, a Filarmônica de Leningrado, a Beethovenhalle Bonn e tantas outras. Alberto se transferiu para o Rio, foi estudar física na FNFi da UFRJ. Depois prosseguiu seus estudos na França.
Graduado em Física pela UnB e pela UFRJ, com pós-graduação no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e com doutorado na Université Paris VII, Alberto trabalhou cinco anos nos Estados Unidos como cientista convidado do FERMILAB, tornando-se membro da Comissão Executiva do Forum Internacional de Física da American Physical Society e Diretor da LISHEP – International School on High Energy Physics. Além disso, lidera um grupo de pesquisadores no Grande Colisor de Hádrons (LHC), que recentemente ganhou as manchetes dos jornais do mundo inteiro.
Um dos seus lugares de trabalho, hoje, é justamente o LHC – o maior laboratório já criado pelo homem, situado na fronteira da Suíça com a França. Trata-se de um túnel oval de 27 quilômetros de extensão, cavado a 175 metros abaixo da terra, onde se realiza um dos experimentos mais importantes da ciência: averiguar a existência do bóson de Higgs – a partícula primordial que surgiu bilionésimos de segundo após o Big Bang, dando origem a tudo o que existe no universo. Por isso, foi chamada de “partícula de Deus”, no título do livro de Leon Lederman, prêmio Nobel de Física.  
Segundo Alberto Santoro, em entrevista a National Geographic, o LHC “é o lugar mais vazio do sistema solar. Há um vácuo monstruoso. Dentro dele correm os objetos mais rápidos do mundo – prótons que viajam a 99,9% da velocidade da luz e se chocam 40 milhões de vezes por minuto”. Ele declarou que embora a comprovação do bóson de Higgs não vá explicar tudo na vida, é uma descoberta fundamental para a física. “É uma forma de compreendermos quem somos, de onde viemos. Isso permitirá sonhar mais, imaginar mais e levar essa cultura às futuras gerações”.
Este cientista amazonense, pesquisador nível 1A do CNPq, com quase 400 artigos publicados em revistas especializadas do mundo todo, lidera pesquisa no LHC, mas é também diretor do Departamento de Físicas de Altas Energias, da UERJ. Lá, de vez em quando, nos encontramos, pois o Programa de Estudos dos Povos Indígenas que eu coordeno fica fisicamente – vá lá saber por que – dentro do Instituto de Física. Foi lá que ele me contou do seu orgulho de ter sido alfabetizado pela professora Diana Pinheiro, no Instituto São Geraldo, que funcionava na Rua 24 de Maio quase esquina da Costa Azevedo. Depois, estudou no D. Bosco e no Colégio Estadual do Amazonas.
Conhecido internacionalmente, requisitado por vários centros de pesquisa, Alberto Santoro recebeu convite para organizar um curso de pós-graduação na Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e montar ali um Laboratório de Física Experimental de Altas Energias, com o apoio do CERN. – “Nós não podemos nos dar o luxo de ter o senhor fora de Manaus” - lhe disse o então reitor da UEA, Lourenço Braga, num ato público. Com ligação afetiva forte com o Amazonas, Santoro aceitou.
Entusiasmado, mobilizou a família toda: sua esposa Elizabeth, seus filhos Leonardo e Giulia, e vários físicos de sua equipe – Francisco Caruso, Vitor Oguri e outros. Convenceu vários pesquisadores a acompanhá-lo nessa aventura, que deixaria – aqui pra nós – os paraenses morrendo de inveja. Viajou várias vezes a Manaus, onde recebeu até homenagem da Assembléia Legislativa. Mas o convite ficou por isso mesmo: só no papo. De concreto, nada. Tudo, farofa. Cascata. O que dá sentido à crítica contundente do escritor Márcio Souza quando escreveu no seu livro A Expressão Amazonense:
- Bem faz Thiago de Mello, que anda pelo mundo espocando de amor e defendendo a liberdade. Bem faz Cláudio Santoro, enriquecendo o povo da Alemanha e apagando de seu passado o calor da burrice amazonense. Ai de vós, artistas ou bêbados inveterados que ousam declarar-se homens de cultura em Manaus.  
O Amazonas ficou a ver navios e Alberto Santoro continuou, então, “regendo sua orquestra” de físicos. Ele aponta os benefícios trazidos para a humanidade com as pesquisas em física, desde o tratamento de vários tipos de câncer com aceleradores especificamente construídos para isto, até a evolução de toda a indústria eletrônica e computacional, que usa instrumentação inicialmente inventada para a Física de Partículas. Não é por diletantismo que a Organização Européia para Pesquisa Nuclear (CERN) já investiu quase 6 bilhões de dólares no LHC. Mas essa não é a motivação principal de Santoro:
- É preciso que se entenda que fazer coisas por prazer e curiosidade é muito importante. Os poetas fazem poesias para o prazer do homem, os cientistas fazem ciência para melhorar nosso conhecimento e, é claro, ter uma vida mais completa resolvendo os conflitos com o Universo.
Sim, mas o espaço está acabando e a pergunta inicial não foi respondida: o que é que a bunda do elefante tem a ver com essa história? Bem, é que quando encontrei Alberto e Beth em Paris, em 1971, a CIMADE – uma associação de solidariedade com imigrantes, refugiados e exilados - havia arrumado um trabalho para mim no Circo Medrano, de Lyon, com carteira assinada, para tratar de Mina, uma elefantinha, cuja foto cheguei a ver. Aceitei na hora. Foi essa história que circulou entre um pequeno grupo de exilados. Mas na realidade nem comecei meu trabalho. Uma brasileira funcionária da CIMADE, Irecê da Silva, brigou com os franceses dizendo: “Temos que buscar algo compatível com os estudos dele. Apesar de Mina ser fofinha, não é o caso”.  
P.S. – Um belo livro bilíngüe, de capa dura, intitulado ALBERTO SANTORO – A LIFE OF ACHIEVEMENTS – A FESTSCHRIFT ON THE OCCASION OF HIS 70th BIRTHDAY (516 PGS) foi organizado por F. Caruso, E. Christoph, V. Oguri & R. Rubinstein, em homenagem aos 70 anos de Alberto Santoro. Traz fotos e artigos de diversos autores no campo da Física de Altas Energias e de outras áreas da física, além de fotos e depoimentos pessoais sobre Santoro.

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

18 Comentário(s)

Avatar
Giselle Anna comentou:
23/11/2014
Boa tarde,primeiramente gostaria de parabeniza-lo pelo rico texto e também divulgar que estou vendendo o livro ALBERTO SANTORO – A LIFE OF ACHIEVEMENTS – A a todos, FESTSCHRIFT ON THE OCCASION OF HIS 70th BIRTHDAY (516 PGS) escrito por F. Caruso, E. Christoph, V. Oguri & R. Rubinstein, autografado pelo próprio Alberto Santoro, eu o ganhei em um simpósio que participei e devido a situação que passo no momento estou querendo vende-lo. Contato de Giselle Anna
Comentar em resposta a Giselle Anna
Avatar
Paulo Bezerra comentou:
15/12/2011
Desde 2009 venho acompanhando pela internet as experiências realizadas no CERN, as tentativas frustradas e, ultimamente, os êxitos quanto ao choque de partículas atômicas no LHC. E, jamais poderia imaginar que este experimento tão significativo e importante para a humanidade tivesse como um dos protagonistas um conterrâneo amazonense. Parabéns Alberto Santoro. Vc nos enche de orgulho !
Comentar em resposta a Paulo Bezerra
Avatar
rlsrOfDmOps comentou:
21/10/2012
BigGuy: The show is months away, at the Brooklyn navy yard iasdutrinl area near the Con Edison plant, sometime in June I believe, I'm not the one organizing, a friend is, so I have no clue but I'll go along with it. I'll post the particulars when I get them. I wasn't working on the actual poster for the show, I was just doodling an last night and the idea occurred to me to use this image and pay tribute to Per Arnoldi at the same time, so I "inked it in Illustrator and there ya go, one less thing to worry about. :)Jumpman: Shame on you! you ordered and paid for the book and you don't even know what the name means?.....sad, really sad. :)) Here's the "true" story on Bill & Virginia: Thank you, girls! Contato de rlsrOfDmOps
Comentar em resposta a rlsrOfDmOps
Avatar
Denys Paixão comentou:
13/12/2011
Prof. Bessa. As vezes me pergunto: Por que Deus ilumina o caminho de certas pessoas? E em minha reflexão, penso, que é porque algumas vão deixar um brilho eterno na história ( Parabéns Alberto Santoro). Enquanto outras deixaram a marca da incompetência na história, e assim serão lembrados. Ai se eu fosse.....não perderia jamais a oportunidade dessa. Parabéns por mais uma bela história.
Comentar em resposta a Denys Paixão
Avatar
Theotonio dos Santos (1) comentou:
12/12/2011
Caro Bessa: Não sei se você sabe mas fui colega de Claudio Santoro na criação da Universidade de Brasília. Vivíamos no alojamento da Petrobrás e tenho as melhores recordações de Claudio que nós chamávamos de Santoro. Ele nos contava de suas viagens internacionais, inclusive do período em que vivia na Europa e não tinha dinheiro para comer bem mas tinha várias passagens de avião. Então marcava os vôos nos horários de comida e assim resolvia o seu problema.
Comentar em resposta a Theotonio dos Santos (1)
Avatar
Theotonio dos Santos (2) comentou:
12/12/2011
Para isto tinha a assessoria de uma aeromoça. Boa época aquela em que as companhias aéreas ofereciam excelentes refeições nos seus vôos. Se não me engano, conheci também a Alberto e creio que um dos seus filhos também se dedicou à física. Eu estive com ele aqui no Rio quando terminou rompendo com o instituto em que trabalhava e partiu para a Europa. Vou buscar retomar o contato com o Alberto já que está aqui na UERJ.
Comentar em resposta a Theotonio dos Santos (2)
Avatar
Weber Figueiredo comentou:
11/12/2011
Bessa, Parabéns. O que ocorreu na UEA também ocorre cá no sul maravilha. Santoro é um orgulho para a UERJ, o Amazonas e o Brasil. Weber
Comentar em resposta a Weber Figueiredo
Avatar
Giane comentou:
11/12/2011
Eu também teria cuidado da Mina sem problemas.. só preferiria que não estivesse num circo. Quanto à universidade de Manaus, trata-se de mais um exemplo do descaso público em detrimento das politicagens. Suas crônicas fazem a diferença, tocando em diversos temas sobre as UFES brasileiras.
Comentar em resposta a Giane
Avatar
Osiris comentou:
11/12/2011
Excelente artigo, Babá. Eu tive, no CEA, um colega de turma no ginásio ou no primeiro científico (mais ou menos 1961 ou 62) que era Santoro. Ele não concluiu o curso em Manaus, foi embora e nunca mais tivemos notícias dele. Teria sido o Alberto? Grande abraço. Osiris
Comentar em resposta a Osiris
Avatar
Flávio Bittencourt comentou:
11/12/2011
Além de Alberto Santoro, dois grandes amigos de meu saudoso pai [ulysses bittencourt (1916 - 1993)], são também carinhosamente aqui citados: Thiago de Mello e Claudio Santoro. Menciono Antônio Bittencourt [neto do governador do AM Antônio Bittencourt] e Agnello Bittencourt, meu saudoso avô,na minha singela coluna do portal Entretextos - cujo editor é o Prof. Dílson Lages Monteiro, autor do romance O morro da casa grande (Teresina, 2009) Abraço vigoroso, Feliz natal!
Comentar em resposta a Flávio Bittencourt
Avatar
Vania Maria comentou:
11/12/2011
legal se tu tivesses cuidado da elefantinha. elas são lindas.bjs
Comentar em resposta a Vania Maria
Avatar
VANIA NOVOA TADROS comentou:
11/12/2011
O NOSSO QUERIDO MÁRCIO SOUSA NÃO PENSA MAIS DE ACORDO COM AS CITAÇÕES ACIMA. MORA EM MANAUS E DESENVOLVE UM TRABALHO MARAVILHOSO JUNTO AO SESC - AM QUE INCLUE A FORMAÇÃO DE PEÇAS TEATRAIS MINISTRANDO CURSOS NO INTERIOR DO ESTADO PARA FORMAÇÃO DE ARTISTAS COM A POPULAÇÃO DAQUELES MUNICÍPIOS. O SESC É LIGADO A FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO CUJO CONSELHO COMPOSTO POR MEMBROS DA ELITE LOCAL
Comentar em resposta a VANIA NOVOA TADROS
Avatar
Cyrino comentou:
11/12/2011
É muito amargo, muito amargo mesmo conviver simultaneamente com esses dois sentimentos: do prazer e da vergonha de ser amazonense... é como se na hora do orgasmo a ejaculação fosse engolida de volta, lá pro fundo alma...
Comentar em resposta a Cyrino
Avatar
benedito carvalho comentou:
11/12/2011
Bessa, como sempre, leio com prazer as tuas crônicas. Não faz muito tempo que esse paraense que sou vive aqui em Manaus. Os paraense não "morrem de inveja" por ver uma amazonense brilhar lá fora, como Santoro e você mesmo. Somos, onde estivermos, cidadãos do mundo. Em SP,onde morei muitos anos, no Rio, onde estás, o importante é estar aberto para o mundo, como Benedito Nunes que não precisou sair da provinciana Belém para brilhar. Tem muitos outros exemplos. Quanto a universidade local, concordo
Comentar em resposta a benedito carvalho
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
11/12/2011
Bela crônica!! É bom acordar com teus textos. Parabéns para ti e Alberto Santoro. Obrigada por nos "apresentar" essas jóias raras do Amazonas e do Brasil. Bjos.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
Leda Beck(Blog do altino) comentou:
11/12/2011
Leda Beck Este texto primoroso é tão farto em grandes questões nacionais e humanas que não dá pra fazer um "breve" comentário. Então não farei nenhum. Recomendo MUITO a leitura, que, aliás, é gostosa. E agradeço o Altino Machado, que publicou o artigo em seu blog.
Comentar em resposta a Leda Beck(Blog do altino)
Avatar
Gilmar Nóvoa comentou:
11/12/2011
As elites locais gostam da crônica social, do ministro sorridente, do secretário puxa-saco. Odeiam poetas, cientistas e críticos. Lembro outra frase do Marcio Souza: “Em Manaus, a inteligência parece ser um bem na escala do funcionalismo publico, como o ensino universitário é um bocejo da burocracia. É necessário olhar a condição provinciana, este exercício de massacre da inteligência que reduz a arte a uma convenção e a informação em crônica social inflacionada”. Me solidarizo com Santoro.
Comentar em resposta a Gilmar Nóvoa
Avatar
Luciano Cardenes comentou:
10/12/2011
Professor Bessa, a crônica de hoje faz com que eu me sinta orgulhoso de ser da mesma terra que Alberto Santoro. A inteligência Amazonense é negada e perseguida. É triste saber que a praga da mãe de Ajuricaba continua tendo forte efeito nessa terra. Ainda assim, exemplos como esses fortalecem os sonhos de jovens amazonenses que trabalham limpando "fiofó de elefante acadêmico" para bancar os estudos fora daqui do Estado com a esperança de voltar e contribuir com alguma mudança. Um grande a
Comentar em resposta a Luciano Cardenes