CRÔNICAS

O TAMBOR DO CABOCO SUBURUCU (SEGUIDO DE VERSIÓN EN ESPAÑOL - EL AMIGO QUE TOCA TAMBOR)

Em: 28 de Agosto de 2011
Tags:
Visualizações: 12447

Charapa é o nome que no Peru e no Equador se dá a um tipo de tartaruga que vive nos rios, lagos e florestas da Amazônia. Essa espécie de cágado, de casco negro com manchas amarelas, corresponde ao que no nosso português regional chamamos de tracajá. Nada mais amazônico. Por isso, é com essa palavra que os peruanos denominam todos aqueles que nascem na região da selva.

Nascido em Iquitos, em 1943, o poeta Manuel Morales é um ‘charapa’, um ‘tracajá’ autêntico, da gema, do tipo que nós, na Amazônia brasileira, chamamos de 'caboco suburucu'.  Ele ganhou vários prêmios de poesia, entre os quais o primeiro lugar nos Juegos Florales Universitários de 1967, organizado pela Universidade Nacional de Educação, conhecida como La Cantuta.

Nessa época, publicou dois livros: Peicen Bool (1968) e Poemas de entrecasa (1969). Enquanto viveu no Peru, esse caboco suburucu integrou o Movimento Hora Zero, que congregava poetas rebeldes de sua geração. Mas logo depois, nos anos 1970, viajou para o Brasil, vivendo por mais de trinta anos em Porto Alegre (RS), onde morreu em 2 de outubro de 2007, aos 64 anos, longe dos amigos peruanos e de qualquer uma das amazônias,  mas cercado pelo afeto de "tocadores de tambor, flauta, violão e cavaquinho".

Continuo intrigado sem saber bem por que nós, da Amazônia brasileira, desconhecemos os nossos vizinhos da Pan-Amazônia, de cujo convívio salutar estamos privados, apesar da proximidade geográfica e cultural. Lendo o poema de Manuel Morales intitulado ‘Si tienes um amigo que toca tambor´, pensei que os brasileiros gostariam de conhecê-lo. Por isso, publiquei há vinte anos uma tradução desse poema, quando seu autor ainda vivia. Agora, depois de sua morte, quero uma vez mais compartilhá-lo com os leitores para tentar, dessa forma, derrubar alguns tijolos do muro que nos separa.

SE TENS UM AMIGO QUE TOCA TAMBOR

Se tens um amigo que toca tambor

Cuida bem dele! É mais que um conselho: cuida bem dele!

Porque hoje em dia ninguém mais toca tambor.

Pior ainda: ninguém mais tem um amigo.

 

Então, cuida bem dele,

Que esse amigo guardará tua casa.

Mas não o deixes sozinho com tua mulher, lembra-te

Que ela é tua mulher e não de teu amigo.

 

Se segues este conselho, viverás

Muito tempo. E conservarás a tua mulher

E um amigo que toca tambor.

Uma carta de Manuel Morales enviada do Brasil ao seu amigo (que toca tambor) Túlio Mora, que também é poeta, foi publicada recentemente num periódico de Lima. Nela, declarava-se ainda vinculado, mesmo de longe, ao movimento Hora Zero e definia sua visão de poesia:

Te digo que escrever é viver. A poesia é, portanto, um estado de reconstrução e nominação dos elementos do mundo. Vocês dirão: Manuel Morales viveu longe e nos esqueceu. Não é verdade. Tenho orgulho de ser um militante de Hora Zero, o movimento que ajudamos a construir para que a poesia não seja uma farsa”.

Outro poema de Manuel Morales, publicado na Antologia da poesia peruana, organizada por Alberto Escobar, se intitula ‘Usos son de la guerra’, algo assim como ‘São os costumes da guerra". A inspiração vem de uma frase atribuída ao Inca Atahualpa, assassinado pelos espanhóis em 1533, que teria declarado em quechua a Pizarro:  "Maqanakuypa chayninmi maqay utaq maqachikuy", cuja tradução corresponde a um refrão que circula também na poesia hispânica: "usos son de la guerra vencer o ser vencido". Com seu humor refinado, Morales poetou:

USOS SON DE LA GUERRA

No amor e na cama,

Napoleão foi um fracasso.

Não digo o mesmo

na guerra. Seu êxito

consistia em envolver o inimigo.

E a França o teve

como seu filho mais dileto;

e lhe deu fama

e suas mais formosas mulheres.

Tão grande na estratégia

e com um pênis tão pequeno, na cama

mandavam suas mulheres. (A vitória

se deveu a seus generais).

O voo do Sarney

Havia pensado em conversar hoje com os leitores sobre outro - digamos assim - escritor, membro da Academia Brasileira de Letras. Não pretendia comentar a sua - digamos assim - obra literária, cuja qualidade é - digamos assim - bastante duvidosa. Queria discutir sua mais recente atuação no cenário nacional - uma senhora presepada. Se trata de José Sarney, ex-presidente da República, que é, atualmente, presidente do Senado.

Nesta semana, Sarney viajou de férias de São Luís para sua ilha particular, em Curupu, num helicóptero da Polícia Militar do Maranhão comprado por R$ 16,5 milhões com recursos públicos do Ministério da Justiça, destinado ao uso exclusivo da segurança e saúde.

O voo do Sarney, que deu carona a Henry Dualibe Filho, um empresário de “ficha duvidosa” segundo a Folha de São Paulo, acabou impedindo que se prestasse socorro a um doente, um pedreiro gravemente acidentado. Enquanto Sarney ocupava o helicóptero voando gratuitamente de férias com seu amigo empresário, o pedreiro esperou horas numa maca, com a saúde em risco, até ser transportado em outro helicóptero para um hospital.

Quando deram o flagrante, Sarney estava vestido imaculadamente de branco, num modelo safári de linho, com uma boina, cercado por carregadores nativos que transportavam suas bagagens e caixas de isopor entupidas de bebida e comida. Os carregadores, na realidade funcionários da Polícia Militar pagos pelo contribuinte, ensaiavam mesuras e reverências e só faltavam exclamar: bwana, bwana. Sarney teve o cinismo de declarar que tem direito a transporte de representação em todo o território nacional.

Um deputado do Maranhão, Magno Bacelar, puxa-saco e vice-líder da governadora Roseana Sarney, que por acaso é filha do dito-cujo, respondeu agressivamente aos jornalistas:

- Vocês queriam o quê? Que o presidente do Senado fosse andar montado num jumento? Esse helicóptero, é claro, tem que servir os doentes, mas tem que servir também as autoridades.

José Ribamar Sarney, que nessas horas confunde a coisa pública com a privada, é o atraso do atraso do atraso. Usa descaradamente recursos da nação com fins pessoais. Esse helicóptero cumpriria sua função se transportasse Sarney a um hospital ou - digamos assim - a uma prisão. Enquanto ele exercer qualquer tipo de poder, o Brasil não deixará de ser uma República das Bananas. Decididamente, não se faz mais Ribamares como outrora.

Sarney era um cadáver político. Lula, que em campanha eleitoral passada o havia acusado de corrupto, agora contraiu uma grande dívida com a História do Brasil por tê-lo ressuscitado quando com ele se aliou.

Peço desculpas ao leitor, mas prefiro me refugiar na poesia. O Sarney me dá asco, talvez porque sua existência mostra que nós brasileiros, que convivemos com tanto cinismo, somos uns vermes, por permitirmos que coronéis de barranco se apropriem da máquina pública do Estado, numa prática muito exercitada pelo dono do Maranhão, o estado mais pobre e miserável do Brasil.

Que país é esse? Não. Não vou buscar a pátria mãe gentil na parte infectada e contaminada por tantos detritos, tanto lixo e demasiados sarneys. Prefiro buscá-la na inspiração de Manuel Morales, o nosso querido caboco suburucu, nos versos de outro poema:

NÃO BUSQUEM UMA PÁTRIA

Não busquem uma pátria

Que contenha rosas. Hoje

As rosas não existem mais. Só existe

Uma pátria na palma do peito

E outra no centro do olho.

Continuem buscando rosas. Encontrarão

Um balaço no peito

E outro

No centro do olho.

- Em Mangueira / quando morre / um poeta / todos choram - canta Nelson Cavaquinho, sambista e compositor carioca, autor de 'Pranto de Poeta'. Que a Panamazônia seja uma grande escola de samba, como a Mangueira, aonde possamos prantear Manuel Morales com um "pranto tão diferente, um pranto sem lenço, com pandeiro e tamborim, que alegre a gente". Que viva Manuel Morales, um ‘caboco suburucu, popa de lancha e bandeira azul’ (*).

(*) A expressão "caboco suburucu, popa de lancha e bandeira azul" é muito usada no Amazonas para designar um amazonense da gema. Quem gosta dela é o nosso poeta maior, de Barrerinha (AM), Thiago de Mello e sua prima Marilza Foucher. CABOCLO ou CABOCO, como regionalmente se prefere, aparece em vários dicionários, entre os quais o Glossário Paraense (1905), de Vicente Chermont de Miranda e o mais recente Dicionário de Amazonês (2004), de Sérgio Freire de Souza da Universidade Federal do Amazonas. Refere-se ao mestiço, mas é também a uma forma de tratamento carinhosa, de cumplicidade identitária, que corresponde ao cholito peruano ou ao cunhado caribenho. Já o termo SUBURUCU, embora de amplo uso, não está dicionarizado, nem sequer no clássico Vocabulário de Língua Geral Português-Nheengatu, de Stradelli (1929). No entanto, a partir dele, podemos fazer algumas considerações. Em Nheengatu, SU é um marcador de perfectividade que marca uma ação como acabada (ido, andado, conforme Stradelli). URUCU é  fruto do urucuzeiro (Bixa Orellana) - planta nativa da América Tropical - cujas pequenas sementes são usadas como condimento e como corante na comida e na pintura corporal indígena. SUBURUCU pode ser, portanto, aquele caboco legítimo, porque pintado de urucu, ainda que simbolicamente, que navega em canoa, cuja popa, em dias de festa, ostenta uma bandeira azul.

 

EL TAMBOR DEL CABOCO SUBURUCU

José R. Bessa Freire  - Diário do Amazonas - 28/08/2011

Charapa es como se llama en el Perú y en el Ecuador a un tipo de tortuga que vive en los ríos, en los lagos y en la floresta de la Amazonía. Esta especie de casco negro con manchas amarillas, corresponde a lo que se llama en portugués regional tracajá. Nada más amazónico. Por eso, con esa palabra los peruanos denominan todos aquellos que nacen en la región de la selva.

Nacido en Iquitos, en 1943, el poeta Manuel Morales es un ‘charapa’, un ‘tracajá’ auténtico, de esos que nosotros en la Amazonía brasileña llamamos ‘caboco suburucu’ (*). Ganó varios premios de poesía, entre los cuales el primer lugar en los Juegos Florales Universitarios de 1967, organizado por la Universidad Nacional de Educación, conocida como La Cantuta.

En esa época, publicó dos libros: Peicen Bool (1968) y Poemas de entrecasa (1969). Mientras vivió en el Perú, ese caboco suburucu integró el Movimiento Hora Zero que congregaba los poetas rebeldes de su generación. Pero después, en los años 1970 viajó al Brasil, vivió más de treinta años en Porto Alegre (RS), donde murió el 2 de octubre de 2007, a los 64 años, lejos de los amigos peruanos y de cualquier Amazonía, pero rodeado del afecto de ‘tocadores de tambor, flauta, guitarra y cavaquinho’.

Continúo intrigado sin saber bien porque en la Amazonía brasileña, desconocemos nuestros vecinos de la Pan-Amazonía, de cuyo convivio saludable estamos privados, a pesar de la proximidad geográfica y cultural. Al leer el poema de Manuel Morales ‘Si tienes un amigo que toca tambor’, imaginé que a los brasileños les hubiera gustado conocerlo. Por eso hace veinte años, cuando el autor aún vivía, publiqué una traducción de ese poema, que quiero, después de su muerte, compartir una vez más con los lectores para intentar, de esa forma, derribar algunos ladrillos del muro que nos separa.

 

SI TIENES UN AMIGO QUE TOCA TAMBOR
Si tienes un amigo que toca tambor
Cuídalo, es más que un consejo, cuídalo.
Porque ahora ya nadie toca tambor,
Más aún, ya nadie tiene un amigo.

 

Cuídalo, entonces,
Que ese amigo guardará tu casa.
Pero no lo dejes con tu mujer, recuerda
Que es tu mujer y no la de tu amigo.

Si sigues este consejo, vivirás
Mucho tiempo. Y tendrás tu mujer
Y un amigo que toca tambor.

Una carta de Manuel Morales enviada de Brasil a su amigo (que toca tambor) Tulio Mora, que también es poeta, fue publicada recientemente en un periódico de Lima. En ella, se declaraba todavía vinculado, aunque de lejos, al movimiento Hora Zero, y definía su visión sobre la poesía:

 Quiero decirles que escribir es vivir y la poesía es, por tanto, un estado de reconstrucción y nominación de los elementos del mundo. Ustedes dirán Manuel Morales vivió lejos y nos olvidó. No es verdad. Tengo orgullo de ser un militante de Hora Zero, el movimiento que ayudamos a erguir para que la poesía no sea una farsa”.

Otro poema de Manuel Morales publicado en la Antología de la poesía peruana organizada por Alberto Escobar se titula ‘Usos son de la guerra’. La inspiración viene de una frase atribuida al Inca Atahualpa, asesinado por los españoles en 1533, que habría declarado a Pizarro en quechua: "Maqanakuypa chayninmi maqay utaq maqachikuy", cuya traducción corresponde a un refrán que circula también en la poesía hispánica: "usos son de la guerra vencer o ser vencido". Con su humor refinado, Morales poetizó:

USOS SON DE LA GUERRA

En el amor y en la cama

Napoleón fue un fracaso.

No digo lo mismo

en la guerra. Su éxito

consistía en envolver al enemigo.

Y Francia lo tuvo

como su hijo predilecto;

y le dio fama

y sus más hermosas mujeres.

Grande en estrategia

y corto en pene, en la cama

mandaban las mujeres. (La victoria

correspondió a sus generales).

 

El vuelo de Sarney

Hoy había pensado en conversar con los lectores sobre otro - digamos así - escritor, miembro de la Academia Brasileña de Letras. No pretendía comentar su - digamos así - obra literaria, cuya cualidad es - digamos así - bastante dudosa, sino su más reciente actuación en el escenario nacional. Se trata de José Sarney, ex-presidente de la República que es, además, el actual presidente del Senado.

En esa semana, Sarney viajó de vacaciones de São Luís a su isla particular, en Curupu, en un helicóptero de la Policía Militar del Maranhão comprado por R$ 16,5 millones con recursos públicos del Ministerio de Justicia, destinado al uso exclusivo de Seguridad y Salud.

El vuelo de Sarney que llevó de gorra a Henry Dualibe Filho, un empresario de “fama dudosa” según la Folha de São Paulo, acabó impidiendo el socorro a un albañil, víctima de un grave accidente. Mientras Sarney volaba gratuitamente de vacaciones con su amigo empresario, el albañil esperó horas, con riesgo para su salud, en una camilla hasta ser transportado a un hospital por otro helicóptero.

Cuando lo pillaron en flagrante, Sarney estaba vestido inmaculadamente de blanco, modelo safari de lino, con una boina, rodeado de cargadores nativos que transportaban su equipaje y cajas de isopor con bebidas y comidas. Los cargadores, en realidad efectivos de la Policía Militar cuyos sueldos salen de nuestros impuestos, ensayaban reverencias, como quien exclama: bwana, bwana.

Sarney tuvo el cinismo de declarar que tiene derecho a transporte de representación en todo el territorio nacional. Un diputado, vice-líder y chupa-medias de la gobernadora Roseana Sarney, que por acaso es hija del susodicho, respondió agresivamente a los periodistas:

- ¿Qué quieren Uds.? ¿Que el presidente del Senado ande montado en burro? Claro que ese helicóptero tiene que servir a los enfermos, pero también tiene que servir a las autoridades.

José Ribamar Sarney, que confunde lo público con lo privado, es el atraso del atraso del atraso. Usa descaradamente recursos de la nación con fines personales. Ese helicóptero cumpliría su función si llevase Sarney a un hospital o - digamos así  - a una prisión. Mientras él ejerza cualquier tipo de poder, Brasil no dejará de ser una República de Bananas. Decididamente, no se producen más ribamares como antaño.

Sarney era un cadáver político. Lula, que en campaña electoral anterior lo acusaba como corrupto, ahora tiene una gran deuda con la Historia de Brasil por haberlo resucitado cuando a él se alió.

Pido disculpas al lector, pero prefiero refugiarme en la poesía. Sarney me da náuseas, tal vez porque su existencia muestra que nosotros brasileños que aceptamos convivir con tanto cinismo, somos unos miserables al permitir que 'coroneles de barranco' se apropien de la máquina pública del Estado, como lo ha hecho el dueño del Maranhão, el estado más pobre e indigente de Brasil.

¿Qué país es este? No, no voy buscar la madre patria donde hay muchos detritos y demasiados sarneys. Prefiero buscarla en la inspiración de Manuel Morales, nuestro querido caboco suburucu en los versos de otro poema.

 

NO BUSQUEN UNA PATRIA

No busquen una patria

Que contenga rosas. Hoy

ya no existen las rosas. Solo existe

una patria en la palma del pecho

y otra

en el centro del ojo.

Sigan buscando rosas. Encontrarán

un balazo en el pecho

y otro

en el centro del ojo.

 

- En Mangueira / cuando muere / un poeta / todos lloran - canta Nelson Cavaquinho, sambista y compositor carioca, autor de 'Pranto de poeta'. Que la Pan-amazonía sea una gran escuela de samba como Mangueira donde podamos llorar la muerte de Manuel Morales con "un llanto tan diferente, un llanto sin pañuelo, que alegre a todos, con pandereta y tamborin". Que viva Manuel Morales, un caboco suburucu, popa de lancha e bandeira azul (*).

 (*) La expresión "caboco suburucu, popa de lancha e bandeira azul" se usa mucho en el Amazonas para designar un amazonense de pura cepa. A nuestro poeta mayor, Thiago de Mello, de Barrerinha (AM) y a su prima Marilza Foucher, les gusta mucho usarla. CABOCLO o CABOCO, como regionalmente se prefiere, aparece en varios diccionarios, entre los cuales el Glossário Paraense (1905), de Vicente Chermont de Miranda y el más reciente Dicionário de Amazonês (2004), de Sérgio Freire de Souza, de la Universidad Federal de Amazonas. No solo se refiere al mestizo, sino también a una forma de tratamiento cariñosa, de complicidad identitaria, que corresponde a cholito peruano o cuñado caribeño. Ya el término SUBURUCU, a pesar de su amplio uso, no está diccionarizado, ni siquiera en el clásico Vocabulário de Língua Geral Português-Nheengatu, de Stradelli (1929). Sin embargo, podemos hacer algunas conjeturas. En Nheengatu, ‘SU’ es una partícula de perfectividad que marca una acción como acabada (ido, andado, según Stradelli). URUCU es el  fruto del urucuzero (Bixa Orellana) - el achiote, planta nativa de América Tropical - cuyas pequeñas semillas se usan como condimento y colorante rojo en la comida y en la pintura corporal indígena. Asi SUBURUCU puede simbolizar el caboclo amazonense legitimo pintado de achiote que navega en una barco, cuya popa, en dias de fiesta, ostenta una bandera azul. 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

24 Comentário(s)

Avatar
Gabriela Bernal comentou:
04/05/2013
Me han gustado mucho las poesías... las voy a robar por partes para publicarlas en mi muro. La política es siempre desastrosa... poesía y política parece antídoto y veneno... Sin la primera, sería imposible sobrevivir a la segunda!! Me gustan mucho tus crónicas!!
Comentar em resposta a Gabriela Bernal
Avatar
Jose Varella (via fb) comentou:
03/05/2013
O caboco Professor José Bessa dá esmolas de espírito aos pobres tupiniquins. Sua Crônica 919 é um primor de cacetada pra acordar caboco que dorme demais sob a linha do equador. Aqui os ictiófagos da Apf Ver O Peso podem ver o peso da poesia em todas as Amazônias. Pena que a gente seja panema em matéria de integração regional pela literatura... em plena feira pan-Amazônica do livro que homenageia um certo país que se chama Pará.
Comentar em resposta a Jose Varella (via fb)
Avatar
José Varella (do Marajó) comentou:
03/05/2013
este belo poema de Manuel Morales que José Bessa nos manda neste cair da tarde, sexta-feira, com chuva. Me faz lembrar a anedota supimpa do comunista marajoara típico. Está o caboco na beira do igarapé a tirar bicho do pé, quando chega o amigo marreteiro com um batelão de conversa fiada a ver de leva a colheita de açaí do coitado, na base do "apurado". Que o sistema filho da mãe de entregar o produto de boa fé e esperar pagamento, se Deus quiser, depois da venda na feira. Ora, o marreteiro vem com uma conversa mole de cerca Lourenço. Pergunta à toa, "de quem é essa canoa?". O caboco responde com pachorra: "É nossa"... E este sítio maneiro? continua o marreteiro. É nosso, diz o caboco tranquilo. A casa? É nossa... Nisto passa a comadre bonita lá pela varando. O malandro se assanha e torna a perguntar: De quem é essa mulher? É minha 'seu' corno... Fim de papo e de negócio. De besta o caboco marajoara só tem a cara.
Comentar em resposta a José Varella (do Marajó)
Avatar
Marilza De Melo Foucher comentou:
03/05/2013
Meu mano caboco suburucu tua mana caboca ta em Sevilha. Mas em qualquer lugar do mundo em que eu esteja nunca deixarei de ler as crônicas de meu charapa que nao sabe tocar tambor mas é caboco suburucu, grande jornalista, historiador, sociologo, antropologo, escritor e o escambal. Obrigada por saber um pouco sobre o grande poeta de nossa vasta amazônia.
Comentar em resposta a Marilza De Melo Foucher
Avatar
USFShcIeglFn comentou:
02/05/2012
7NfuAv jqbylhjmvsta, [url=http://haaletteugsg.com/]haaletteugsg[/url], [link=http://lpwrtocjlswt.com/]lpwrtocjlswt[/link], http://jxterrcwzykn.com/
Comentar em resposta a USFShcIeglFn
Avatar
zNzJPLoA comentou:
15/09/2011
This is way more helpful than anything else I've lkoeod at.
Comentar em resposta a zNzJPLoA
Avatar
José Sequeira comentou:
01/09/2011
E o prêmio Santa Etelvina do mês de agosto vai para (goes to) João Batista... ô cabra leso!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Comentar em resposta a José Sequeira
Avatar
Jotapeve comentou:
29/08/2011
Sarney não morreu ainda porque o diabo tá com medo de levar ele e perder o comando do inferno.
Comentar em resposta a Jotapeve
Avatar
daAbmcRkslQIQd comentou:
08/06/2012
Facunte,percisteancia e9 a maior que disposmos e a educae7e3o as balas, que temors chatos e pesados de usar, contudo sei que alguns de menor cale3o prestariam ate9 melhor na comparae7e3o.Posso eu, te pedir algo, escreve sobre os cursos de gradue7e3o que conferem maior impacto na mudane7a da sociedade.Meu aspecto de vise3o: a sociedade e9 composta de indivedduos, se esses este3o dividos em classes, temos a sociedade de classes o que je1 promove inveja, adjetivo mednimo digamos -; se temos desacordo entre classes e ser da classe alta facilita muito a vida gostosa de se ter, claro que todos querem ser da classe A; quem ne3o e9 A e almeja ser, calunia os meios que A se mante9m e A se mante9m com suas novas gerae7f5es ingressando nas melhores graduae7f5es, juntamente com dissolue7e3o de ide9ias tedpicas de a vida e9 curta, aproveite sempre e o me1ximo que puder, estudar fedsica e9 coisa de louco, medicina ui que medo de ver sangue -, engenharia e9 curso a cultural, robos-homens do desenvolvimento, sabe? Ocorre um sensacionalismo dos que ralam na condie7e3o de jovens que tiveram oportunidade, je1 os que ne3o a tem recebem os ideais de ne3o discuta poledtica, tenha um carro, mulheres tem que se arrumar, stress e9 doene7a contempore2nea O que venho pedir e9 que nos organizemos pra mostrar o que3o interessante e importante e9 estar politizado, ciente tambe9m das cieancias que regem o desenvolvimento econf4mico e social o tese3o pelo conhecimento, antes do andar de skate, assitir futebol, viajar de fe9rias porque esse e9 o objetivo de trabalhar -, prefirir feriados do que dias de estudos.A cultura brasileira e9 ace9fala, pois age conforme ditos midie1ticos e ne3o pelas resposta de reflexf5es de como se portar diante a vida social!Refletir? Ne3o temos tempo, pois trabalhamos 8 horas por dia, fazemos acadeamia pra cuidar do corpo, grae7as ao fast-food semanal do rango corriqueiro nosso de cada dia e das bebedeiras e gordurinhas dos finais de semana.Ace9falos, perdemos a capacidade de sermos o governo de nf3s mesmos pensando no bem comum como e9 proposto por Bakunin -. Se controlem pessoas, avaliem se e9 bom correr no seu carro, se e9 bom deixar a vida poledtica pra em cima das eleie7f5es, se e9 valido ralar por capital e deturpar os movimentos prol reforma agre1ria?Francamente Facunte, acho que terei que mudar pra Sue9cia pra um socialismo nessa vida, por mais economicamente-ilusf3rio que paree7a. Contato de daAbmcRkslQIQd
Comentar em resposta a daAbmcRkslQIQd
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
29/08/2011
Muito boa!!! É um absurdo esse corrupto presidente do senado. Só mesmo a poesia para acreditarmos num outro país que não esse. Certa vez um sábio me disse que esse mundo não era justo. Realmente, ele tem toda razão. No mundo, nesse país... impera a corrupção.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
cruz credo comentou:
29/08/2011
A administração pública em nosso país, infelizmente, ainda não conseguiu sair do regime patrimonialista. Governantes e seus auxiliares entendem que os bens públicos a eles pertencem. Por isso, os abusos cometidos na utilização inadequada de imóveis, veículos, aeronaves e outros equipamentos oficiais sem nenhuma cerimônia por parte dos usuários, afrontando os contribuintes. Falta-nos portanto culhão, a exemplo das revoltas que vem acontecendo na Africa, para reagir contra esses desmandos, tão de
Comentar em resposta a cruz credo
Avatar
vania tadros 2 comentou:
28/08/2011
continuação da postagem das 15 horas- como a Roseane Sarney, vive doente, concorda com essas práticas jurásscas do pai. E estranho como eles se mantem no poder há tanto tempo. Todos o criticam mas quando estao com problemas correm atráz dele,
Comentar em resposta a vania tadros 2
Avatar
vania tadros comentou:
28/08/2011
Oscar Niemayer escreveu: ¨Projetar Brasilia para os politicos que voces colocaram lá, foi como criar um lindo vaso de flores prá voces usarem como PINICO. Brasilia nunca deveria ter sido projetada na forma de um avião e sim de um Camburão.¨
Comentar em resposta a vania tadros
Avatar
Paulo Bezerra (4) comentou:
28/08/2011
Ao instituir o Bolsa-Família, o Lula, não somente proporcionou uma renda mínima para as famílias carentes, como também as libertou do cabresto eleitoral praticado por políticos do tipo Sarney através da distribuição de ranchos. Veja que nas ultimas eleições o povo mandou "pastar" muito dono de curral eleitoral. Oxalá que em 2014 o povo do Amapá que elegeu Sarney em 2006, mas que também elegeu um Randolfe Rodrigues (PSOL) em 2010, aposente e enterre de vez essa "coisa" abjeta da política nacional
Comentar em resposta a Paulo Bezerra (4)
Avatar
Paulo Bezerra (3) comentou:
28/08/2011
Quem poderia ter "ressuscitado" o Sarney, seria os vanguardeiros da Nova República (DEM ex-PFL; PSDB, PPS) que desistiram do movimento pelas Diretas-Já e foram ao Colégio Eleitoral eleger o Sarney que embora não estivesse morto, estava bastante combalido por ter sido expulso do PDS pelo General Figueiredo. Portanto não foi o Lula nem o PT que elegeu (ressuscitou) o Sarney vice-presidente permitindo que se tornasse Presidente do Brasil. OK ?
Comentar em resposta a Paulo Bezerra (3)
Avatar
Paulo Bezerra (2) comentou:
28/08/2011
Na verdade é que neste país todo Presidente fica refém do Congresso Nacional e para governar tem que ceder as chantagens desses parlamentares picaretas. Nesse contexto o PMDB, cujo manda-chuva é o Sarney, sempre "apoiou" os governos em troca do "apoio" nas votações no Congresso. Foi assim com o Lula, com o FHC, com o Itamar e está sendo assim com a Dilma. Infelizmente. Triste desse Brasil varonil.
Comentar em resposta a Paulo Bezerra (2)
Avatar
Paulo Bezerra comentou:
28/08/2011
Peraí dizer que o Lula ressuscitou o Sarney ! !, E quando foi que ele morreu ? O peste sempre esteve "vivinho da silva", tanto física como politicamente. Na política está mamando desde 1950 sem ficar um "diazinho" sequer sem mandato. Na vida, recentemente, venceu um tumor labial maligno. (E eu que torci tanto pelo tumor). Além do que este "meliante" não é apenas dono do Maranhão, também é do Amapá, e tem raízes fincadas em quase todos os Estados do Norte-Nordeste. Portanto. errou flagorosamente
Comentar em resposta a Paulo Bezerra
Avatar
VANIA TADROS comentou:
28/08/2011
JOÃO BATISTA, AS CRÔNICAS DO BESSA, VIA DE REGRA, CRITICAM O ASSUNTO POLÊMICO DA SEMANA. NESTA FOI A VIAGEM DO SARNEY DE HELICÓPTERO DO EXERCITO PARA SER USADO EM OBRAS SOCIAIS E, PRINCIPALMENTE, PARA ACUDIR DOENTES. NÃO SE TRATA DE GOSTAR OU NÃO DO SARNEY E SIM DE REPROVAR COMO ELE E SUA FAMÍLIA TRATAM O DINHEIRO PÚBLICO. JÁ ESTÃO A TANTO TEMPO SE APROVEITANDO DO PODER QUE NÃO SABEM MAIS O QUE É DELES E O QUE É NOSSO. ISSO É NOJENTO SIM! COMO É ASQUEROSO UMA MULHER RELATIVAMENTE JOVEM, COMO A
Comentar em resposta a VANIA TADROS
Avatar
João Batista (1) comentou:
28/08/2011
Senhor Colunista, no seu artigo,fica clara sua antipatia pelo Ex-Presidente da República e atual do Senado.Atacar uma pessoa que está distante é fácil, difícil é fazer o mesmo com alguém que encontra-se próximo.Enquanto diz que o Sarney lhe dá nojo, esqueceu-se de falar que os governantes do Amazonas e de Manaus lhes fazem muito bem. Enquanto fala mal do Sarney, não tem a coragem de falar que o Amazonas, nos 7 anos de Governo do Eduardo Braga, contraiu a maior dívida fundada da sua história...
Comentar em resposta a João Batista (1)
Avatar
João Batista (2) comentou:
28/08/2011
... dívida com projetos superfaturados e obras mirabolantes como: ponte, Arena da Amazônia e outros, e como contrapartida o enriquecimento ilícito de corruptos. Andando pelo Brasil, podemos concluir que Manaus é a mais desorganizada capital brasileira e uma das maiores arrecadadoras de tributos, como explicar esse antagonismo de cidade rica e bagunçada, para onde vai o dinheiro do contribuinte?
Comentar em resposta a João Batista (2)
Avatar
João Batista (3) comentou:
28/08/2011
Com trânsito caótico e ruas cheias de bancas de guloseimas, canteiros ocupados por particulares, calçadas obstruídas, praças ocupadas por bancas fedorentas e feias, numa prova que a corrupção está tão próxima, mas que a imprensa local não tem a coragem de comentar. Portanto, falar de mal dos outros é fácil, difícil é falar mal de nós mesmos.
Comentar em resposta a João Batista (3)
Avatar
DYgNrZbCbGsTmQVeI comentou:
09/06/2012
O ideal do partido vocea pode ver na conefreancia de imprensa que foi feita em Brasilia, onde petistas, entre outros, fizeram propostas para uma nova lei de imprensa querendo trazer de volta a censura na imprensa entre outras coisas.Bem disse a reportagem que falou sobre isso : Que na ce2mara fae7am o mesmo uso para estas propostas que os cubanos fazem do jornal oficial : papel higieanico A mesma revista em que li sobre isso fala sobre o trabalho educacional de Vicky Colbert na Colf4mbia e tambe9m aplicado no Brasil em 4.000 escolas no norte e nordeste das quais ne3o ouvimos falar. O caminho e9 a educae7e3o, mas quando algo bom surge nela ningue9m se importa.O filme do Lula vai ser lane7ado. Ontem a noite je1 noticiavam uma pesquisa feita como quem ne3o quer nada mostrando que Lula tem a prefereancia popular e ganha de todos os outros candidatos.A te9cnica de dar o peixe funciona com pessoas que foram ensinadas a ser preguie7osas. Para que ne3o exista uma nova gerae7e3o de estudantes revoltados dos anos 60, tiraram os estudos e como resultado temos uma gerae7e3o de revoltados que ne3o sabem o que fazer com isso os traficantes.O que nf3s fazemos ?Ou esquecemos o assunto ou largamos nossos empregos, vamos para as escolas do interior aplicar bons me9todos de ensino e mudar, pessoa por pessoa, a educae7e3o deste paeds.Da forma como este1 o paeds este1 fadado a ser sempre dominado pelos opressores e filhos destes, nunca a quebrar a relae7e3o opressores/oprimidos descrita por Freire. Contato de DYgNrZbCbGsTmQVeI
Comentar em resposta a DYgNrZbCbGsTmQVeI
Avatar
benedito Carvalho comentou:
28/08/2011
Mais uma para a coleção do jornalista Palmério Dória que publicou as tripulias desse coronel do Maranhão. Realmente, "o atraso do atraso", como aqui no Amazonas, também. Usar o helicóptero para fins privados, enquanto o necessitado morre na maca nos faz pensar que o senhor Sir Ney concorda com seu confrade amazonense: "Então morra, morra!"
Comentar em resposta a benedito Carvalho
Avatar
VANIA NOVOA TADROS comentou:
28/08/2011
SARNEY TINHA ERA QUE TER VERGONHA SENDO TÃO RICO E FICAR USANDO O TRANSPORTE DESTINADO A POPULAÇÃO CARENTE. É COMO O RIBAMAR ARTICULISTA ESCREVE :FOI O LULA QUE FOI RESSUSCITÁ-LO, POR ISSO SOU CONTRA A ESSE TIPO DE ALIANÇA AONDE VALE TUDO.PORQUE COMEÇA POR UMA BOA CAUSA. DEPOIS ESTA TRANSFORMA-SE EM DEZENAS DE CAUSAS PIORES.
Comentar em resposta a VANIA NOVOA TADROS