CRÔNICAS

AS DUAS MORTES DO AVÔ DA ROSI ODINA

Em: 14 de Agosto de 2011
Tags:
Visualizações: 6160

 

O velho Cabral estava lendo o jornal “O Trabalhista”, sentado numa cadeira de balanço daquelas de macarrão, na varanda de sua casa, na Rua Cláudio Mesquita, em Manaus. De repente, começou a rir, inicialmente de forma discreta, contida, mas o acesso de riso foi crescendo, se avolumou, se apoderou de seu corpo que balançava, em convulsão. A gargalhada sonora, capaz de matar de inveja a Fafá de Belém em seus dias mais hilariantes, ecoou por todo o seringal mirim. Ele riu, riu, riu, mas riu tanto que morreu de rir. Literalmente. Teve um ataque fulminante do coração. Tombou já sem vida.
- O vovô morreu – gritou Huguinho Reis, muito assustado. Minto, estamos na década de 50, Huguinho não era nem nascido. Quem gritou, já de olho em uma das netas com quem depois acabou casando, foi o Ferreti, que viu o velho esticar as canelas. O vovô era capaz de rir desbragadamente como a Fafá, mas não possuía, que nem ela, um cofre enorme para guardar tanto riso, por isso o peito dele não aguentou. Explodiu. O corpo desabou, junto com os óculos, sobre o jornal, cuja manchete panfletária berrava em letras garrafais: “ABAIXO O CABELEIRA, O MAIOR LALAU DA CERA”. 
Cabeleira era o apelido do ex-governador Álvaro Maia. CERA, a Comissão de Estradas de Rodagem do Amazonas, que depois se transformou em Departamento, mudando a sigla para DERA, o precursor do DNIT. E O Trabalhista era o jornal do PTB, liderado na época por Plínio Coelho, que baixava o sarrafo denunciando a corrupção, embora Álvaro Maia fosse um poço de virtudes se comparado ao filho do ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, cujo enriquecimento foi galopante.
No velório do velho Cabral, lá na Funerária Almir Neves, que acabou sendo divertido, com todo o respeito, vinha a clássica pergunta: - Ele morreu de quê?
Os parentes, no meio da dor e do sofrimento, explicavam, e aí ninguém aguentava, as pessoas começavam a rir e queriam saber mais:
- Morreu rindo, mas rindo de quê?
Mistério
Pois é, rindo de quê? Um mistério. Ninguém entendia. Até hoje ninguém sabe, nem mesmo uma das netas do velho Cabral, a Rosilene Odina, que me contou, ontem, por telefone, com riqueza de detalhes essa história absolutamente verdadeira, testemunhada por várias pessoas que estão vivas e são dignas de fé. Ela diz que o velho Cabral fazia parte da ala que os opositores da UDN e do PSD chamavam de “canalha da quinta coluna petebo-comunista” e que provavelmente o ataque de riso fora provocado pela notícia sobre a corrupção nos transportes.
Mas qual é a graça que pode ter a corrupção?  Num exercício especulativo, podemos ressuscitar o velho Cabral, colocando-o diante do noticiário dessa semana no Diário do Amazonas. Vamos lá. Ele abre o jornal e lê a manchete: “Policia Federal prende 36 pessoas por desvios de recursos do Turismo”.
No corpo da notícia, o velho Cabral é informado que no ano de 2010 desembarcaram 459 turistas estrangeiros no Amapá. Considerando que o airbus A-330 pode transportar até 475 passageiros em cada voo, o total de turistas que entraram no Amapá durante um ano inteiro não lotaria um avião numa única viagem. O Amapá participa com 0,001% - eu falei zero vírgula zero, zero hum por cento - dos que embarcam em voos internacionais no Brasil e 0,005% dos que desembarcam. O fluxo de passageiros nos voos nacionais é igualmente irrisório.
Dos 8.956 guias de turismo existentes no Brasil, apenas 18 atuam no Amapá, cujos hotéis, pousadas e flats somam 19 unidades. No entanto, o Ministério do Turismo não hesitou em aprovar um megaprojeto de cursos de capacitação para os guias do Amapá. Assinou três convênios suspeitos no valor de R$ 17,7 milhões – eu falei dezessete milhões e setecentos mil - com uma ONG, o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi), que sequer ministrou os cursos, mas embolsou o dinheiro. Aqui o velho Cabral começa a rir.
Continua lendo que as verbas foram desviadas, com orientação do próprio secretário-executivo do Ministério do Turismo, que ensinou a um empresário como montar um negócio de fachada para enganar a instituição. O riso do velho Cabral aumenta ao saber, ainda, que quem defende os membros da ONG fraudulenta é o escritório do filho do ministro do TCU, que teve acesso prévio à acusação.  
Vovô Cabral começa a gargalhar quando toma conhecimento de que a autora da emenda que deu origem aos recursos desviados é a deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP), acusada de embolsar parte da grana. A deputada jura que não conhece o Ibrasi, que escolheu essa ONG para desovar a bufunfa, porque soube de sua existência através de panfleto distribuído em evento do Ministério do Turismo. Aí as gargalhadas tomam conta do corpo do velho Cabral.
Os membros da quadrilha do Turismo foram presos. O avô de Rosi Odina vê na televisão o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), criticar como “um exagero” a prisão do ex-deputado pelo PMDB, Colbert Soares e dizer que “o uso das algemas pegou muito mal”. Aí, o vovô lê as declarações da ministra de Relações Institucionais Ideli Salvatti e do ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, primo do Collor de Mello, ambos condenando como abuso a utilização de algemas nos presos e que isso “leva as pessoas a pensarem que o caso é mais grave do que é”.
Crime hediondo
O velho Cabral começa a ter convulsões de tanto rir. Ele constata que todos os envolvidos com corrupção nos ministérios do Turismo, da Agricultura e dos Transportes são indicações dos partidos aliados do governo, que milhões de reais foram sugados do erário público, num escândalo envolvendo altos funcionários e que o vice-presidente da República, a ministra e o ministro que se apressaram em condenar as algemas esqueceram-se de externar qualquer indignação contra o roubo.
Seu riso fica igual ao da Fafá quando lê as outras notícias: “CPI no Paraná descobre rombo de R$ 491 milhões no Porto de Paranaguá, um dos gestores era o irmão do ex-governador Requião”. “Prefeito de Belo Horizonte gasta R$ 900 mil com jatinhos”. “Ministro do Turismo, Pedro Novais, indicado por Sarney, paga motel com dinheiro público”. “Cunhado do governador de SP, Alkmin, denunciado por fraude em escola de Pindamonhagaba”. Não escapam nem os militares: “Fraude no Instituto Militar de Engenharia tem cinco generais sob suspeita”.  
É aqui que o velho Cabral morre pela segunda vez, de tanto rir, quando lê que o líder do DEM na Câmara, Antonio Carlos Magalhães Neto – logo quem? - é que quer investigar os corruptos. Consciente de que o desvio dessas verbas é responsável pelos médicos mal pagos, pelas ambulâncias abandonadas, pelos hospitais sem equipamentos e pelos remédios com validade vencida, o velho Cabral morre outra vez antes de saber do lançamento da Frente Parlamentar de Combate à Corrupção coordenada pelos deputados Francisco Praciano (PT/AM), Paulo Rubem (PDT/PE), Protógenes Queiroz (PCdoB/SP) e Alessandro Molan (PT/RJ).
A Frente quer que a Câmara aprove projeto tornando crime hediondo os casos de desvios de verbas destinadas à saúde, educação, compra de medicamentos, merenda escolar e saneamento básico. Já morto, vovô Cabral não leu o relatório “Corrupção: custos econômicos e propostas de combate” da Federação das Indústrias de São Paulo, mostrando que se a corrupção fosse reduzida, a quantidade de leitos nos hospitais públicos poderia subir de 367 mil para 694 mil, se poderia construir moradias para 3 milhões de famílias ou levar saneamento básico para 23 milhões de domicílios.
É assim que vovô Cabral morre outra vez, rindo. Rindo de quê? Da nossa própria desgraça coletiva, do fato de boa parte dos homens que ocupam cargos públicos serem verdadeiros bandidos que provocam protestos de indignação quando são algemados. O vovô Cabral morre com saudades do jornal O Trabalhista.

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

14 Comentário(s)

Avatar
mpaherfRHxyl comentou:
15/09/2011
This makes everything so cmopeltely painless.
Comentar em resposta a mpaherfRHxyl
Avatar
Tokandira comentou:
17/08/2011
Caro Mestre, Nós, amazonenses, morremos um pco todos os dias, não de tanto rir, mas de uma decepção corrosiva e desesperança em nosso cenário sócio-político. Nós, q conseguimos usar o terceiro neurônio, sabemos q a roubalheira por aqui ainda via perdurar por décadas, e jamais veremos algum canalha de colarinho branco usar algemas. Afinal, aqui "...quem tem dinheiro compra até consciências..." Quem eh mesmo o autor desta frase??? Bzzzzz!
Comentar em resposta a Tokandira
Avatar
Jotapeve comentou:
17/08/2011
Eu também sou contra o uso de algemas em corruptos do colarinho branco. Acho que a Polícia Federal deveria cortar as mãos deles, então não precisaria algemá-los e acabaria a polêmica, sem contar que eles não poderiam mais bater a carteira de ninguém. Aposto que o velho Cabral aprovaria a idéia.
Comentar em resposta a Jotapeve
Avatar
José Alcimar de Oliveira comentou:
15/08/2011
Caro Bessa: Pax et Bonum! Estamos diante de um processo de abastardamento da esfera pública nesse país. Dizia Santo Agostinho: "Remota itaque justitia, quid sunt regna nisi magna latrocinia?" (Removida a justiça, o que são os reinos - Estados - senão um bando de ladrões?). Abraços e segue a luta.
Comentar em resposta a José Alcimar de Oliveira
Avatar
"Huguinho" Reis comentou:
15/08/2011
Que ele morreu rindo eu nem sabia, mas deu pra notar que ele era bem espirituoso! Com tanta safadeza dos governantes e até vice-presidente criticando a polícia por um parlamentar criminoso ter aparecido algemado em público, melhor rir e mostrar pro povo o que estão fazendo que chorar e não fazer nada! Abre o olho Brasil! Ahhh Velho Cabral... tá rindo né...!
Comentar em resposta a "Huguinho" Reis
Avatar
Manauara (Blog da Amazonia ) comentou:
15/08/2011
Avatar
Cabral (Blog da Amazonia) comentou:
15/08/2011
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Comentar em resposta a Cabral (Blog da Amazonia)
Avatar
Antonio Novais Torres (Blog Amazonia) comentou:
15/08/2011
Meu Deus! Quanta patifaria. Estou envergonhado. A malversação do dinheiro público é de tal ordem que nos estarrece pelas notícias da imprensa que traz à tona toda a descaração desse povo. Deus é mais…
Comentar em resposta a Antonio Novais Torres (Blog Amazonia)
Avatar
Rildo Batista Cabral Marques comentou:
15/08/2011
Avatar
Giane comentou:
14/08/2011
Como disse Guamán Poma: "alguns vão rir, outros chorar, outros maldizer.. outros vão qeurer ter em mãos essa crônica.." e quem sabe, "frear sua alma, consciência.. etc." Agora é fazer pressão para que o projeto de tornar crime hediondo os casos de desvios de verbas destinadas à saúde, educação, compra de medicamentos, merenda escolar e saneamento básico.. seja aprovado.. O que é bacana é a sua forma de contar..
Comentar em resposta a Giane
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
14/08/2011
Diante de tanta corrupção, descaso com a coisa pública e principalmente com os brasileiros nos resta fazer como vovô Cabral, rir, gargalhar de nossos infortúnios, quer dizer representantes. Muito boa Bessa.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
ROBERVAL ANDRADE comentou:
13/08/2011
BABÁ, PARABÉNS PELA CRONICA INTELIGENTE MAS, É PRECISO QUE SEJA AMPLAMENTE MOSTRADA. E, NAO DEIXAR O ASSUNTO CAIR NO ESQUECIMENTO!
Comentar em resposta a ROBERVAL ANDRADE
Avatar
Elson de Melo comentou:
13/08/2011
Talvez o Vovô Cabral fosse descendente daquele japonês que quase morre de rir quando o avião quase se desmancha na turbulência. Parece que a Presidente faxineira com medo da crise, cortou as verbas para comprar vassoura. Assim ela ela evita a varredura na base aliada e o Garçom do Drácula fica satisfeito!
Comentar em resposta a Elson de Melo
Avatar
VANIA TADROS comentou:
13/08/2011
O VOVÔ CABRAL MORREU DE RIR PORQUE O JORNAL INTELIGENTEMENTE FEZ UMA MANCHETE ONDE RIMARAM O CABELEIRA, APELIDO DO ALVARO MAIA, COM O NOME DO ORGÃO PÚBLICO CERA,
Comentar em resposta a VANIA TADROS