CRÔNICAS

O CIRCO SEM TETO DA AMAZÔNIA

Em: 07 de Novembro de 2010
Tags:
Visualizações: 6321

 

Esse amazonense se tornou, anos depois, sogro do cantor Lulu Santos. Seu nome: Walmiki Ramayana e Sousa de Chevalier, pai da jornalista Scarlet Moon. Formou-se em medicina na Bahia, mas nunca receitou uma aspirina. O que gostava mesmo era de escrever. Publicou livros, entre os quais Circo Sem Teto da Amazônia. Conquistou vaga de ‘imortal local’ na Academia Amazonense de Letras. Viveu muitos anos em Manaus até se mudar de mala e cuia para o Rio, onde assessorou o ministro do Interior, no final da década de 1960. Foi aí que o conheci.
 
Na época, eu era repórter da ASAPRESS, agência de notícias que distribuía matérias a jornais de todas as regiões e que havia sido arrendada pela CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Decidi entrevistar o escritor sobre um tema que ainda hoje desperta o interesse da mídia e povoa o imaginário dos leitores: a cobiça internacional da Amazônia.
 
Havia uma onda nacionalistóide se espalhando pelo país. A ditadura militar, por um lado, entregava a economia do Brasil ao capital estrangeiro, sob a batuta do ministro Roberto Campos, apelidado de Bob Fields pelo humorista Stanislaw Ponte Preta. Por outro, jogava para a plateia, fazendo discursos do tipo “A Amazônia é nossa e ninguém tasca”. O ministro do interior, general Albuquerque Lima, chefe de Ramayana, era líder dessa corrente nacionalista.
 
- A União Soviética e os Estados Unidos planejam anexar a Amazônia – declarou o futuro sogro de Lulu Santos, nacionalista roxo. Espalhafatoso e retórico, ele chamou o rio Amazonas de “impatriótico”, porque suas águas cavam e engolem terras que são carregadas pelo Gulf Stream para a Flórida. Denunciou os padres estrangeiros que estariam montando uma extensa rede de espionagem em Manaus e no Solimões onde atuavam.  E sentenciou numa frase de efeito:
 
- O rio Amazonas e os padres americanos vão levar Manaus de bubuia para Miami.
 
A honra de bubuia
 
MANAUS VAI DE BUBUIA PARA MIAMI, berrou a manchete de O Jornal, da empresa Archer Pinto. A matéria publicada em diversos jornais do Brasil foi distribuída, no Amazonas, pelo agente local da Asapress, Domingos Sávio Ramos de Lima. Ele e eu, ex-alunos redentoristas, fomos espinafrados pelo arcebispo de Manaus, D. João de Souza Lima, no programa radiofônico A Voz do Pastor, que nos acusou de ferir a honra dos padres, como se nós fôssemos os autores da frase e não Ramayana.
 
Contei essa e outras histórias na última sexta feira ao Laboratório de História da Imprensa no Amazonas (LHIA) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). De passagem por Manaus, dei um depoimento tentando avaliar as relações das empresas jornalísticas com as diferentes instâncias do Poder, com os leitores, as fontes e os fatos, com a verdade e com a honra de quem se sente ferido pela mídia.
 
Lembrei, então, a pergunta formulada no dia anterior por meu amigo Paulo Figueiredo, advogado e jornalista, que viveu esses anos conturbados da política. Ele queria saber se fui processado por ferir a honra de alguém. Nunca ataquei a honra de quem quer que seja durante mais de 40 anos de exercício do jornalismo. Critiquei Deus e o mundo – mais o mundo do que Deus, embora de raspão tenha atingido alguns de seus representantes na terra – mas sempre a conduta pública, nunca a privada.
 
A honra de alguém só pode ser definida dentro do âmbito da vida privada, naquela esfera da intimidade dos relacionamentos familiares, maritais, pessoais, não profissionais. Algumas vezes, os jornais invadem esse território, mas essa nunca foi a minha praia. Um exemplo escabroso foi a polêmica entre o vereador Fábio Lucena e Andrade Neto, dono de A Notícia, que deixou a sociedade amazonense estarrecida. Baixaria pura!
 
No depoimento dado ao Laboratório de História da Imprensa, fui indagado sobre a coluna Taquiprati. As críticas contundentes, com humor, às vezes com deboche, às vezes ácidas, aqui feitas, se referem à conduta PÚBLICA de quem exerce um cargo PÚBLICO. Nunca ao comportamento privado, particular. Esse, não me interessa.
 
Quem exerce cargo público, num sistema democrático, está sujeito à avaliação, porque é remunerado com o dinheiro do contribuinte. Isso faz parte do exercício da cidadania. Um jornalista, que pretende ser uma espécie de autofalante para quem não é ouvido e se sente injustiçado, não pode calar. Se cada vez que a crítica à conduta pública de um agente público for considerada, espertamente, como atentado à honra, o Judiciário ficará entulhado de milhões de processos e não existirá imprensa livre. Quem assim obstrui a liberdade de imprensa deve ser penalizado.
 
A pesquisa histórica
 
Muitas histórias foram contadas ao Laboratório de História da Imprensa por vários jornalistas que já deram seu depoimento: Arlindo Porto, Almir Diniz, Benedito Azedo, Flaviano Limongi e Carlos Zamith. Outros estão sendo contatados: Phelipe Daou, Almino Afonso, Paulo Figueiredo, Leal da Cunha, Abrahim Aleme, Messias Sampaio, Deco Souza, Alfredo Lopes, Beth Azize, Baby Rizato e Ana Maria Blablablá. Não fica de fora nem Paulo Girardi, empresário que criou a bela experiência do Jornal do Norte.
 
A iniciativa do Laboratório, coordenado pelos doutores Luis Balkar Pinheiro e Luiza Ugarte Pinheiro, tem o objetivo de criar acervos documentais, visuais e bibliográficos destinados a fomentar a pesquisa histórica nesse campo. “A constituição de uma História da Imprensa no Brasil e, principalmente no Amazonas, está ainda em estágio embrionário, exigindo esforços coletivos e estudos sistemáticos” – escreveram os dois pesquisadores.
 
Luiza lembra que a UFAM já produziu um catálogo “Cem anos de Imprensa no Amazonas”, publicado em 1986 por Cassiano Anunciação, o Batará (1ª edição) e pela Editora Calderaro, em 1990 (2ª edição). O Laboratório prepara terceira edição ampliada, Os vice-presidentes da Editora Ana Cássia, Cirilo Anunciação e Cyro Batará, já manifestaram interesse pela publicação.
 
Se a imprensa é esse imenso circo sem teto da Amazônia, nós que a construímos – jornalistas e leitores - somos os palhaços, os equilibristas, os domadores, os trapezistas, os malabaristas, os pernas-de-pau e as mulheres barbadas. Cada um escolhe o que quer ser.

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

12 Comentário(s)

Avatar
VANIA NOVOA TADROS 3 comentou:
09/11/2010
HERCULANO DE UMA FORMA BEM HUMURADA TERMINOU O ARTIGO ASSIM: CHEVAL,CHEVAUX,CHEVAL + EST, DEU INICIO A UMA BRIGA QUE DUROU MESES. OS LEITORES ESPERAVAM ANCIOSOS OS ARTIGOS SEMANAIS. EU TORCIA PELO BRILHANTE HERCULANO
Comentar em resposta a VANIA NOVOA TADROS 3
Avatar
Vânia Novoa Tadros 2 comentou:
09/11/2010
DOIS ADVERSÁRIOS MUITO APRECIADOS PELOS LEITORES ERAM HERCULANO DE CASTRO E COSTA E CHEVALIER. UM DIA O HERCULANO RESOLVEU COMBINAR COM O ARTIGO UMA DECLINAÇÃO EM FRANCES
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros 2
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
09/11/2010
A imprensa de Manaus foi marcada, na década de 50 e 60 por debates acalorados sempre entre dois famosos jornalistas de jornais distintos. Escreviam uma vez por semana e apesar de abordarem temas de importância coletiva sempre entrando no ataque pessoal
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Luiz Carlos Freire comentou:
08/11/2010
Bessa, esse é o mesmo a quem o Plínio Coelho, chamava de Ramacana de Chaval? São lembranças a beça...O trabalho histórico neste sentido é sensacional. Temos que revisar momentos brilhantes e mesmo enchovalhantes de nossa imprensa; entender o porquê de um homem com a capacidade do Fábio Lucena cometer aquelas asneiras, e o que é pior, não estando bêbado. Mas, o mais impressionante e contraditório na imprensa, com raríssimas exceções, é que o que Rui Barbosa dizia a respeito dela em 1914 se
Comentar em resposta a Luiz Carlos Freire
Avatar
Ana comentou:
08/11/2010
Ótimo texto!! Precisamos enviá-lo a toda mídia impressa, televisiva. radiofônica... Quem sabe assim, não temos mais qualidade, humor, leveza e sabedoria. Adorei Bessa!!
Comentar em resposta a Ana
Avatar
Marilza Foucher comentou:
07/11/2010
MEDIAPART é um jornal eletrônico criado em 2008, na França, por Edwy Plenel, ex-chefe de redação do Le Monde, onde trabalhou durante 25 anos e de onde saiu por discordar da mudança na linha editorial. Trata-se do primeiro jornal eletrônico mantido exclusivamente por leitores, com acesso pago. A editoria internacional traz entrevista feita por mim com o professor José R. Bessa Freire sobre as eleições no Brasil. Para acessar a entrevista http://www.mediapart.fr/journal/international
Comentar em resposta a Marilza Foucher
Avatar
Marilza Foucher comentou:
07/11/2010
MEDIAPART é um jornal eletrônico criado em 2008, na França, por Hervé Edwy Plenel, ex-chefe de redação do diário Le Monde, onde trabalhou durante 25 anos e de onde saiu por discordar da mudança na linha editorial. Trata-se do primeiro jornal eletrônico mantido exclusivamente pelos leitores, com acesso pago. A editoria internacional traz uma entrevista feita por mim com o professor José R. Bessa Freire sobre as eleições no Brasil. Para acessar gratuitamente ai vai o link http://www.mediapart.fr/j
Comentar em resposta a Marilza Foucher
Avatar
Marilza Foucher comentou:
07/11/2010
MEDIAPART é um jornal eletrônico criado em 2008, na França, por Hervé Edwy Plenel, ex-chefe de redação do diário Le Monde, onde trabalhou durante 25 anos e de onde saiu por discordar da mudança na linha editorial. Trata-se do primeiro jornal eletrônico mantido exclusivamente pelos leitores, com acesso pago. A editoria internacional traz uma entrevista feita por mim com o professor José R. Bessa Freire sobre as eleições no Brasil. Para acessar gratuitamente ai vai o link http://www.mediapart.fr/j
Comentar em resposta a Marilza Foucher
Avatar
Roberta comentou:
07/11/2010
você é, sem duvida, o meu autofalante. grata, sempre.
Comentar em resposta a Roberta
Avatar
Paulo Afonso comentou:
07/11/2010
Professor, bons causos. Não me contive, pois sei que você adora Aldo Rebelo. Já leu o que ele escrevu hoje? Pois recomendo com uma porção de veneno. O carinha não tem jeito "Aldo Rebelo: Monteiro Lobato no tribunal literário" http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=140984&id_secao=11
Comentar em resposta a Paulo Afonso
Avatar
Vânia Novoa Tadros comentou:
07/11/2010
LEMBRARAM DE TI BABAZINHO QUERIDO. QUE CAMBADA INTERESSEIRA! SER CIRCO É UMA ALEGRIA SEMPRE. NÃO VEJO ESSA CONOTAÇÃO NEGATIVA NO CIRCO.
Comentar em resposta a Vânia Novoa Tadros
Avatar
Paulo Bezerra comentou:
07/11/2010
Babá, vale lembrar que o Luis Balkar e a Maria Luiza foram também os organizadores do "IMPRENSA OPERÁRIA NO AMAZONAS" produzido pela UFAM em 2004, cujo exemplar me foi ofertado e, com muita satisfação, lí munido de uma lupa. Agradeço de público ao casal pelo "IMPRENSA OPERÁRIA NO AMAZONAS" e pelo "A CIDADE SOBRE OS OMBROS - Trabalho e Conflito no Porto de Manaus" de Maria Luiza Ugarte Pinheiro. Excelentes Historiadores.
Comentar em resposta a Paulo Bezerra