CRÔNICAS

PARA NÃO FALAR COM O ESPELHO

Em: 15 de Agosto de 2010 Visualizações: 36721
PARA NÃO FALAR COM O ESPELHO
.

Escrevo da aldeia Cachoeirinha, em Miranda (MS), onde acabo de presenciar uma operação arriscada. Vi como desmontaram o gatilho de uma arma infernal que já causou mortes e emudeceu vozes, criando um silêncio de cemitério. O gatilho assassino foi desarmado por dois Terena – a professora Maria de Lourdes Elias Sobrinho, ex-empregada doméstica, filha de um índio plantador de milho, arroz, feijão e banana - e seu colega, o professor Celinho Belizário, ex-cortador de cana.

Nessa sexta-feira, 13 de agosto, cada um deles defendeu sua dissertação de mestrado na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) de Campo Grande (MS), que abriu seu Programa de Pós-Graduação em Educação para formar pesquisadores indígenas, com apoio da Fundação Ford.

No entanto, a defesa aconteceu – o que é inédito no Brasil - não no campus universitário, mas dentro da própria aldeia. Fomos nós, os professores da banca de avaliação, que nos deslocamos até lá, num movimento que não se limitou a uma simples troca de espaço, mas implicou mudança de perspectiva: a universidade desceu de suas tamancas e com isso ampliou seu universo de conhecimentos.

Maria de Lourdes fez a apresentação oral, toda ela em língua terena, para compartilhar sua pesquisa com os índios ali presentes. Na medida em que falava, o data-show ia projetando o texto da tradução ao português, permitindo que a banca e o público não-indígena acompanhassem sua fala. O trabalho escrito também é, em grande medida, bilíngue em terena e português. Essa foi, talvez, a primeira vez no Brasil que um índio não precisou renunciar à sua língua para ter um diploma reconhecendo aquilo que sabe.

O boi baba

A pesquisa de Maria de Lourdes procura identificar, justamente, os mecanismos engatilhados contra a língua terena, buscando um escudo para protegê-la. Através desse caso particular, é possível entender o extermínio, em cinco séculos, de mais de mil línguas indígenas, que deixaram de ser faladas no Brasil. Cerca de 180 delas continuam ainda resistindo, como a língua terena. De que forma foi possível silenciar tantas vozes que enriqueciam o patrimônio cultural da humanidade, sepultando com elas cantos, narrativas, poesia, músicas e saberes?

As tentativas de sufocar a língua terena – um crime de glotocídio - foram testemunhadas pela própria Maria de Lourdes, em sua infância. “Da primeira até a quarta série do Ensino Fundamental, cursei na Aldeia Cachoeirinha de 1968 a 1972, minha professora era purutuye (branca). Quando cheguei à sala de aula, meu primeiro impacto foi com a questão da língua, isto é, eu, falante da língua terena e a professora da língua portuguesa. Quando ela começou a explicar a matéria, parecia que eu estava em outro mundo, pois não entendia nada do que ela estava falando”.

Lourdes se lembra de sua primeira cartilha – O caminho suave – onde lia que “o boi baba”, em voz alta, mas não entendia bulhufas. “Em 1976, na cidade de Miranda, fui para uma escola pública cursar a 5ª série à noite. Numa das aulas, a professora pediu para eu ler um texto de história. Li. Depois ela me pediu para explicar aos colegas o que tinha lido. Sem dizer nada, comecei a chorar, pois não sabia o que o texto dizia, eu não falava a língua portuguesa”.

Lourdes chegou a estudar num convento de freiras, em 1975. Lá, “era tudo estranho, a começar pela língua. Não entendia o que as freiras falavam comigo. Lembro quando uma freira me pediu água. Fiquei parada na cozinha sem saber o que ela tinha pedido. Eu não perguntava o que ela queria, pois não sabia nem como perguntar. A minha comunicação com elas era bom dia, boa tarde e boa noite. Essas foram as primeiras palavras que me ensinaram”.

Quando saiu do convento, Lourdes foi trabalhar como empregada doméstica. “Trabalhava de dia, e à noite estudava o segundo grau numa escola pública, mas tinha vergonha de falar a língua terena no meio dos brancos, isto porque não queria que eles percebessem que eu era índia, pois quando percebiam me isolavam do grupo”. Com a língua, ela silenciou também brincadeiras infantis, danças, benzimentos, cantos, pajelança e até a culinária terena, especialmente o lapâpe – uma massa de mandioca aberta como uma pizza e preparada na frigideira quente.

Lourdes foi atingida no próprio corpo pelos disparos de uma arma letal, que assassina almas e emudece vozes. Dessa forma, descobriu o mecanismo de extermínio, que começa com a discriminação da língua indígena considerada pelo senso comum preconceituoso como “inferior” ou “pobre”. Depois vem a proibição de falar essa língua, o que significa enxotar da escola os conhecimentos tradicionais que ela veicula. Em seguida, a obrigação de aprender a ler em português, uma língua desconhecida. Por último, o falante se automutila, na medida em que é obrigado a esconder sua identidade.

Rito de passagem

Quando Lourdes se formou no Curso Normal Superior Indígena e foi lecionar na primeira série do ensino fundamental, na Aldeia Cachoeirinha, constatou que apesar das garantias constitucionais e do direito dos índios de serem alfabetizados em suas línguas maternas, a escola continuava fazendo com as crianças aquilo que havia feito com ela. As crianças não aprendiam a ler em terena, apresentando alto índice de repetência e evasão escolar.

Foi aí que Lourdes decidiu romper esse círculo vicioso, organizando a resistência ao desmontar os mecanismos que acabariam com sua língua materna. Como coordenadora pedagógica da escola, ela elaborou e implantou em 2007 o projeto de alfabetização e produziu a cartilha “Ler e Escrever na Língua Terena”. O português passou a ser ensinado como segunda língua.

A pesquisa de Lourdes no mestrado teve como objetivo analisar essa experiência. Ela realizou testes de leitura e compreensão de texto com crianças terena alfabetizadas na língua indígena e com outros alfabetizados em português. Os resultados foram surpreendentes: no primeiro caso, as crianças que liam e escreviam em Terena, se expressavam com mais fluência inclusive em português e interpretavam textos com mais facilidade nas duas línguas.

As duas pesquisas – a de Lourdes e a de seu colega Celinho, que analisou o projeto político pedagógico da escola – se apropriaram das teorias e dos conceitos dos autores nacionais e estrangeiros indicados por seus respectivos orientadores: a doutora Adir Casaro e o doutor Antônio Brand da UCDB. No início não foi fácil: “O Homi Bhabha não queria conversar comigo” – disse Lourdes, com humor, referindo-se ao teórico indo-britânico, que analisou o confronto de sistemas culturais e cuja noção de entre-lugar como local da cultura acabou se tornando familiar a ela.

Alguns autores como Aryon Rodrigues, Bartomé Meliá, Ruth Monserrat e Roberto Cardoso de Oliveira, serviram aos dois pesquisadores que, além disso, realizaram observações na aldeia e na escola. Entrevistaram velhos, professores, alunos, pais de alunos, registraram as falas nas reuniões de trabalho, consultaram os textos de autores indígenas de outras línguas como Higino Tuyuka, Chiquinha Pareci e Darlene Taukane, cruzaram as fontes orais com as fontes escritas. Enfim, produziram uma pesquisa de qualidade, como assinalou a doutora Marta Azevedo, da Unicamp, membro da banca.

“Os Terena estão buscando novas formas de sobreviver em meio a essa cruzada de flechas e às novas e gigantescas colunas de fogo que se alastram em direção a nós, vindas do entorno regional” - escreveu Celinho, que definiu sua pesquisa como “a semente de um sonho”, porque “outros pesquisadores indígenas continuarão essa reflexão”.

Na ocasião, duas cerimônias foram realizadas pela comunidade terena para celebrar o nascimento dos novos mestres. Lourdes entrou no recinto, acompanhada dos membros da banca, passando no meio de duas fileiras formadas por meninas que dançaram o Xiputrena, animadas por um tocador de pife (oxoti étakati) e um tocador de tambor (ixúkoti pepêke). Já Celinho foi recebido com o Kohitoxi Kipâhi ou dança do bate-pau, numa fileira meninos com os corpos pintados de vermelho e na outra, de azul. Tinha algo de belo e de sagrado na reverência daquelas crianças aos novos suportes do saber.

Há alguns anos, o último falante de uma língua indígena foi considerado doido, porque conversava em língua xetá com sua imagem projetada no espelho, como uma forma dramática de manter sua identidade e sua memória. As pesquisas dos dois novos mestres fazem parte de uma estratégia, uma esperança para que nenhum terena jamais precise conversar com o espelho. Que Orekajuvakai nos ouça!

               Bancas de Lurdes e Celinho (ao centro) após a defesa. .

P.S.- Link para dois artigos sobre o tema:

1) Morte e vida das línguas - http://www.taquiprati.com.br/cronica/26-morte-e-vida-das-linguas

2) Tikuein, o homem que falava com o espelho - http://www.taquiprati.com.br/cronica/21-tikuein-entxeiwi-o-homem-que-falava-com-o-espelho-seguido-de-version-en-espa
  

Ao longo do texto, algumas fotos do evento citado,
todas de autoria da jornalista Caroline Maldonado.

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

114 Comentário(s)

Avatar
Paulo Tássio comentou:
09/02/2016
Muito bom, José Bessa. Acredito que uma dos empreendimentos ainda seja o acesso. Sandra Benites, tem me colocado a dificuldade de estudantes indígenas de acessarem a UERJ, principalmente aqueles que não tem o português como língua materna. Me contou o caso de um Kuikuro que já tentou o vestibular mais de 3 vezes e não consegue, isto porque ele mal fala português e o vestibular não leva isto em conta. Não é diferenciado.
Comentar em resposta a Paulo Tássio
Avatar
Francisca Elizabeth Alexandre comentou:
03/04/2015
Uma grande conquista para os povos originários, encontrando veredas , outros instrumentos de luta e resistência contra esse massacre dos povos originários que dura mais de quinhentos anos.Avante, Guerreiras e guerreiros.Que nossa Pachamama nos fortaleça junto com todos os espíritos da natureza.
Comentar em resposta a Francisca Elizabeth Alexandre
Avatar
Maria De Lourdes Elias Elias comentou:
10/11/2013
profesor até hoje fico lendo o que o senhor escreveu sobre minha dissertação obrigada pela força. continuo na luta pela preservação de nossa língua terena e com certeza ela não vai acabar porque nós estamos aki vivos.ela é muito importante para continuar nossas lendas, mitos e historia. abraços. Maria de Lourdes da etnia terena ms.
Comentar em resposta a Maria De Lourdes Elias Elias
Avatar
Daniele Lopes comentou:
08/02/2013
Temos que resgatar o maior nº possível de línguas indígenas!!!!!!!!!!!!!!!
Comentar em resposta a Daniele Lopes
Avatar
Célia Musilli comentou:
24/07/2012
Adorei seu blog, suas crônicas e especialmente esta: "Para não falar com o espelho" publiquei na minha página no Faceboo. Continue este importantíssimo trabalho. Um abço.
Comentar em resposta a Célia Musilli
Avatar
Elda M.Silva Toga comentou:
18/09/2010
É preciso coragem para ser o que somos,além de muitas lutas!!Preservar nossa cultura,defender nossas origens,nossas idéias,uma maneira de viver só nossa,não é nada fácil.Porém,com garra e dinamismo se transpõe os obstáculos e se chega num trabalho assim,onde quando tiramos nossa língua do 2ª lugar colocamos nosso povo em 1ª,ainda que não seja tão simples assim. Parabéns aos estudiosos!!!
Comentar em resposta a Elda M.Silva Toga
Avatar
melissa comentou:
14/07/2012
acho que esta cronica e bastante engraçada
Comentar em resposta a melissa
Avatar
dalila comentou:
24/08/2010
Q legal! Como indigena fico orgulhosa pela conquista da nossa etnia Terena!!!!!!Uau!!!!
Comentar em resposta a dalila
Avatar
wagner mateus comentou:
23/08/2010
Sou de descendência Baré no Médio Rio Negro (Barcelos) e hoje sou finalista da graduaçao de Licenciatura em Ciencias Naturais pela UFAM e com este relato posso ver que ainda temos muitos mostrar para o homem branco.
Comentar em resposta a wagner mateus
Avatar
william porto comentou:
22/08/2010
Acho muito oportuno o texto do Mestre Ribamar Bessa, é importante preservar a língua dos índios. Na minha Região, os xukurus estão tentando preservar a sua língua, há até escolas nas aldeias com a disciplina da língua deles. Uma fundação de Olinda publicou uma cartilha com a língua xukuru.
Comentar em resposta a william porto
Avatar
Helenice Freitas (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Sempre aprendo muito com o prof. Bessa Freire. Não só aprendo como me enriqueço
Comentar em resposta a Helenice Freitas (Blog Lima Coelho)
Avatar
: Maria Paula Andrade (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Avatar
Charles Lamounier (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Bravo professor! A vitória é da luta indígena
Comentar em resposta a Charles Lamounier (Blog Lima Coelho)
Avatar
Mabel (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Avatar
Lelena (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Avatar
Keila Antunes (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Fiquei emocionada! Parabéns para todos que tornaram possível o feito.
Comentar em resposta a Keila Antunes (Blog Lima Coelho)
Avatar
Maria Lectícia Matos Brito (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Além de inédita, foi muito feliz a ideia da defesa das duas dissertações de mestrado (de Maria de Lourdes e Elias) na aldeia indígena na aldeia Cachoeirinha, em Miranda (MS).
Comentar em resposta a Maria Lectícia Matos Brito (Blog Lima Coelho)
Avatar
Viviane Lucenab (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Avatar
Wilson Martins Lucena (Blog Lima Coelho) comentou:
22/08/2010
Foi uma ideia maravilhosa levar para a aldeia a defesa das teses
Comentar em resposta a Wilson Martins Lucena (Blog Lima Coelho)
Avatar
Lucia Alberta comentou:
22/08/2010
Parabéns aos novos mestres indígenas!!! Conseguiram romper barreiras históricas ainda presentes nas nossas Universidades. Que essa experiência sirva de exemplo para muitos!!! Bessa, parabéns pela crônica!
Comentar em resposta a Lucia Alberta
Avatar
Jô Gondar comentou:
22/08/2010
Lindo texto e belíssimo trabalho, Bessa. Parabéns!
Comentar em resposta a Jô Gondar
Avatar
Andrêssa comentou:
22/08/2010
Avatar
Fabíola N. G. Cardoso Coordenação - DP/IPHAN comentou:
21/08/2010
De ordem da diretora do DPI, Marcia Sant'Anna, encaminho crônica de José Ribamar Bessa sobre as defesas de dissertação de Mestrado dos índios Maria de Lourdes Elias Sobrinho e Celinho Belizário, da etnia Terena, que aconteceu,pela primeira vez, dentro da própria aldeia e não no campus universitário.
Comentar em resposta a Fabíola N. G. Cardoso Coordenação - DP/IPHAN
Avatar
Vitor Rebello comentou:
20/08/2010
Fantástico Bessa. Vamos aguardar agora a defesa do Josué Kaigang. A turma está animada para presenciar mais este fato marcante para as culturas indígenas do Brasil. abraços.
Comentar em resposta a Vitor Rebello
Avatar
Abilio comentou:
20/08/2010
Lourdes e Celinho, parabéns. Upea katu nhande mba’e. Há upea nhande jehuha. Para Kayová-guarani, a lingua é mesmo da gente, pertence a nós, é a nossa existência.
Comentar em resposta a Abilio
Avatar
Noêmia Moura (Blog da Amazonia) comentou:
20/08/2010
As defesas comentadas acima são a prova de que os Terena estão conseguindo apropriar-se dos espaços acadêmicos para nos ajudar a reconstruí-los.Parabéns aos novos mestres. Sejam bem vindos à academia!
Comentar em resposta a Noêmia Moura (Blog da Amazonia)
Avatar
Heliete Vaitsman (Museublog Arte Cultura Judaismo comentou:
20/08/2010
Este artigo tem tudo a ver com a consciencia judaica, pois trata do emudecimento forçado de culturas e idiomas; alias, o atual revival do idish provavelmente tem, a par da nostalgia, um certo orgulho dos que, embora hoje estejam num lugar social privilegiado, foram no passado recente vitimas do preconceito....
Comentar em resposta a Heliete Vaitsman (Museublog Arte Cultura Judaismo
Avatar
Flávia Muniz (Blog Judaismo Humanista) comentou:
20/08/2010
Que história, Elias!A universidade indo a tribo, a história da Lourdes e a história final do índio no espelho para manter a identidade!
Comentar em resposta a Flávia Muniz (Blog Judaismo Humanista)
Avatar
Jayme Fucs Bar (Blog Judaismo Humanista) comentou:
20/08/2010
Muito interessante Elias,Valeu por essa brilhante postagem,que nos faz pensar que existem muitos e muitos outros e que dentro dessa nossa cultura ocidental muitas vezes esquecemos que esses "outros" existem!
Comentar em resposta a Jayme Fucs Bar (Blog Judaismo Humanista)
Avatar
Elias Salgado (blog Judaismo Humanista) comentou:
20/08/2010
Temos falado muito em nosso diálogo/ "discurso"(?) na necessidade de aceitação do "outro". E eu me pergunto: com quem melhor se aprende tal prática? Com o próprio "outro" ou com o nosso "igual" - aquele que assim como nós, vê e pensa as coisas como nós?Aquele que na sua generosidade nos alerta, troca e aponta caminhos que nos levam de encontro ao outro? A crônica abaixo, publicada no Museublog, é mais uma das façanhas desta maravilhosa antena.Obrigado querida amiga Heliete.
Comentar em resposta a Elias Salgado (blog Judaismo Humanista)
Avatar
Maria Cristina Araujo comentou:
20/08/2010
Fico muito feliz em saber que há pessoas preocupadas em manter a língua de seu povo.Gostaria de estar lá. Seria magnífico!
Comentar em resposta a Maria Cristina Araujo
Avatar
Lidimara Terena comentou:
20/08/2010
Fiquei muito emocionado, com a vitoria da profª Maria de Lurdes e profº Celino ...e isso ai galera!!!! Ainapono'e yakoe,pihane uti tumuneke Ituko'oviti kose'anapimo !!!! (Deus te abençõe!!!!)
Comentar em resposta a Lidimara Terena
Avatar
José Augusto comentou:
20/08/2010
Prezado, parabéns pelo trabalho!
Comentar em resposta a José Augusto
Avatar
Felipe comentou:
19/08/2010
Professor, belíssima crônica. Momento importantíssimo da nossa história. Só esqueceste de dizer quem é a professora Maria de Lourdes e quem é o professor Celinho nas fotos! São os dois aos seu laDO?
Comentar em resposta a Felipe
Avatar
jera giselda guarani comentou:
19/08/2010
Puxa! De fato cada dia que passa os povos indígenas do nosso Brasilzão vai ganhando o espaço que é de pleno direito. Lamento pelas historias de tristezas, acho que todos os povos infelizmente tem desses. Mais parabens á todos os personagens desse fato, bjssss.
Comentar em resposta a jera giselda guarani
Avatar
Leandro P. Nucci comentou:
19/08/2010
acontecimento inédito e maravilhoso, parabéns a todos os que propriciaram esse momento. Espero que esta corajosa iniciativa possa servir de inspiração para que possamos reconhecer e respeitar as diferenças que existem entre os povos. Parabéns
Comentar em resposta a Leandro P. Nucci
Avatar
Sileimann Kalil Botelho comentou:
18/08/2010
Ótima a Crônica. Mas o que vi de melhor foi o exercício de resistência dos professores Terenas, na defesa de suas tradições e orígens pela salvação da língua materna que os manterão vivos para sempre se encontrarem seguidores como almejo que aconteça. Parabéns ao cronista que nos deu a oportunidade de conhecer o feito heróico. Fraterno abraço SKalil Botelho - Professor aposentado- Sobradinho - DF
Comentar em resposta a Sileimann Kalil Botelho
Avatar
continuando comentou:
18/08/2010
E por isso estou lendo a vida da fundadora das Filhas de santana: ROSA GATORNO(1931-1900) . e FOI TAMBÉM ESTUDANDO O CATECISMO DA IGREJA CATOLICA COM TEXTO CLARISSIMO DE jOAO PAULO II - QUE SAI POR AI FAZENDO-LHE UMA HOMENAGEM - ATRAVÉS DA MUSICA (QUE EU ADORO ) . tERMINEI FAZENDO DUAS HOMENAGENS: aJOAO PAULO II E AO LUIZ GONSAGA QUE MERECE UM LUGAR DE DESTAQUE PELA OBRA QUE TEM E QUE CANTOU - A SAGA DO POVO NORDESTINO. OBS: EM 1980 O pAPA JOAO PAULO II ESTEVE NO CEARA E NO CONGRESSO EU
Comentar em resposta a continuando
Avatar
Um lugar Santo comentou:
18/08/2010
Estou buscando conhecer Dom Nivaldo Monte - que foi bispo aqui de Natal. E por que? Porque foi num lugar onde está seu tumulo que deu-se o meu encontro com Deus - mum silencio do mosteiro das filhas de santana que numa manha de domingo na semana santa fomos faer um pequeno retiro. Eu, Rose mari Cure de Medeiros e Marleno - o fundador da Comunidade Magnificat que desde fev/2010 vem nos acompanhando. Rose Marie é uma pessoa de Oração há mais de 10 anos; Marleno é um jovem rapaz que diz que vai s
Comentar em resposta a Um lugar Santo
Avatar
Rosi Waikhon comentou:
17/08/2010
O rompimento do silêncio dentro da academia ocidental é sinal de respeito e reconhecimento da diversidades dos povos indigenas.Até que enfim depois de séculos podemos senti na alma barreiras estão sendo ultrapassadas. Parabéns pela Cronica Professor Bessa.
Comentar em resposta a Rosi Waikhon
Avatar
Héctor Muñoz comentou:
17/08/2010
Maraviloso y conmovedor, Caro José Bessa, por la ternura e inteligencia que irradias en tu crónica sobre el logro académico de los profesores terena, Maria de Lourdes Elias Sobrinho y Celinho Belizário. Quedo con grandísimo interés por conocer más las experiencias de éstos y otros profesores terena. ¡Felicitaciones infinitas¡
Comentar em resposta a Héctor Muñoz
Avatar
CAUBI IRAM comentou:
17/08/2010
Parabens Professor Bessa pela bela ponte que o senhor vem construindo,
Comentar em resposta a CAUBI IRAM
Avatar
Grécia comentou:
17/08/2010
Que acontecimento maravilhoso! Defesa de Mestrado na aldeia e na língua terena. Uau, deve ter sido magnífico. Fiquei emocionada ao ler sobre o índio que conversava com o espelho. Pude sentir sua angústia... Ele não era louco e sim um homem que desejava preservar sua língua, sua cultura, sua identidade...
Comentar em resposta a Grécia
Avatar
walter martins comentou:
17/08/2010
Fico tão feliz.........quase sem palavras sou da etnia Kaiowá e quando vejo uma pessoa, conseguindo nao so conquistar seu sonho,mas assim contribuir com a nação indigena do Brasil.....é maravilhosooo,parabens aos dois pela vitoria......
Comentar em resposta a walter martins
Avatar
olivio jekupe comentou:
17/08/2010
pois é, meus amigos, a cada dia o povo ficará surpreendido ao ver indios de todos os cantos escrevendo, e escrevendo muito bem, alem de sermos contadores de histórias, tambem somos bons escrevedores de palavras...
Comentar em resposta a olivio jekupe
Avatar
Como eu admiro João Pessoa-PB! comentou:
17/08/2010
Eu adoro João Pessoa! quando a conheci fiquei identifiqueicom sua calma, com muito verde e foi este verde e sua conservação que me chamou a atenção. Ser a cidade mais verde do Brasil é muito especial. Fiquei encantada e disse: ao me aposentar quero morar aqui; e até comprei imovel para tal(*). E durante 5(cinco) anos fiz desta cidade minha casa e de um grupo de amigos, a minha familia. E foi com este grupo que conheci muitas coisas lindas no interior da Paraiba conheci o BREJO(Areia, Bananeira
Comentar em resposta a Como eu admiro João Pessoa-PB!
Avatar
Joana D`Arc Fernandes Ferraz comentou:
17/08/2010
Querido amigo Bessa, acabei de chegar do Foro Social das Américas e pude conhecer muitas outras Américas que os colonizadores e depois os dominadores nos esconderam. Fiquei com muita vergonha de ser americana, no sentido mais lindo do termo, e desconhecer as línguas, culturas, cosmovisões dos nossos irmãos, tão próximos de nós. Pude conhecer diferentes culturas indígenas resistentes e conversar com alguns deles. Acredito que mais do que nunca precisamos nos encontrar. Encontrar nossas origens e
Comentar em resposta a Joana D`Arc Fernandes Ferraz
Avatar
J. Américo Peret (1) comentou:
16/08/2010
Querido mestre Bessa, É gratificante ler uma crônica do Taqui Pra T. Você deve ter ficado deslumbrado ao ver, ouvir e julgar a capacidade dos índios que surpreendem com sua capacidade de manter viva sua língua, sua identidade, e sem nenhum embaraço assimilar a cultura dos povos envolventes, apesar das tentativas do não índio de transformá-los em párias da civilização branca. Estou emocionado, enternecido com essa vitória tão bem descrita na sua crônica. Outro dia fui a Câmara Municipal apoiar
Comentar em resposta a J. Américo Peret (1)
Avatar
J. Américo Peret (2) comentou:
16/08/2010
apoiar a resistência dos povos indígena contra a construção da Hidrelétrica Belo Monte, antiga Kararahô que a índia Tuíra Kayapó espanou sua cabeça num ritual "limpando a mente" do diretor da Eletronorte com um facão. Lá, a índia Sílvia Nobre Wajãpi, do Amapá ((tem três títulos universitários) declamou seu Poema épico: “Essa Terra não é Tua”. Encerrou assim: Porque um povo que não preserva sua identidade e nem guarda a memória de seus mortos, não sabe de onde veio e nem sabe para onde vai.
Comentar em resposta a J. Américo Peret (2)
Avatar
J.Américo Peret (1) comentou:
16/08/2010
Querido mestre Bessa, É gratificante ler uma crônica do Taqui Pra T. Você deve ter ficado deslumbrado ao ver, ouvir e julgar a capacidade dos índios que surpreendem com sua capacidade de manter viva sua língua, sua identidade, e sem nenhum embaraço assimilar a cultura dos povos envolventes, apesar das tentativas do não índio de transformá-los em párias da civilização branca. Estou emocionado, enternecido com essa vitória tão bem descrita na sua crônica. Outro dia fui a Câmara Municipal apoiar
Comentar em resposta a J.Américo Peret (1)
Avatar
Marilena D. B. dos Reis comentou:
16/08/2010
Parabéns, Lourdes e Celinho. Vocês são valorosos e estão quebrando paradigmas, até então intocáveis. Você Célinho foi meu aluno no Magistério Indígena, o primeiro até então oferecido. A luta foi doída e desigual mas, os frutos é você e outros que acreditaram serem capazes.É mais uma conquista Terena.
Comentar em resposta a Marilena D. B. dos Reis
Avatar
Bebel Nepomuceno comentou:
16/08/2010
Caro Bessa Freire, Que prazer "reencontrá-lo" por meio deste maravilhoso relato. Nos conhecemos há pouco menos de um ano, em evento na UFAC. Como você disse, a Academia vê-se, aos poucos, obrigada a descer das tamancas. E é exatamente isso o que apavora certos pares. Grande abraço e obrigada por dividir esse momento tão especial com todos
Comentar em resposta a Bebel Nepomuceno
Avatar
Djwery comentou:
16/08/2010
Emocionante a história! Mas essa questão de línguas é historinha pra "boi Baba dormir"... o que vai mudar se o índio vai falar inglês, português, espanhol ou terena? O ideal seria que só existisse uma língua, já tentaram o esperanto, e não deu certo...que sabe se o prof. Bessa iniciasse uma campanha para língua terena ou tupi ou tupinambá ser a língua universal... EU APOIO!
Comentar em resposta a Djwery
Avatar
Djwery comentou:
16/08/2010
Emocionante a história! Mas essa questão de línguas é historinha pra "boi Baba dormir"... o que vai mudar se o índio vai falar inglês, português, espanhol ou terena? O ideal seria que só existisse uma língua, já que o esperanto não deu certo...quem sabe se o prof. Bessa iniciasse uma campanha para língua terena ou tupi ou tupinambá ser a língua universal... EU APOIO!
Comentar em resposta a Djwery
Avatar
Marianna Kutassy comentou:
16/08/2010
Bessa, que abertura luminosa em meio à clareira de terras dos indios Terena! Desejo que o evento inédito possa, doravante, ecoar e frutificar em outros territórios das nossas tantas diversidades culturais! carinhoso abraço
Comentar em resposta a Marianna Kutassy
Avatar
Caroline comentou:
16/08/2010
É muito legal também que todos comentam e isso nos dá um ânimo a mais ao ver que mais pessoas se interessam e vibram com as conquistas dos povos indígenas.
Comentar em resposta a Caroline
Avatar
Miguel Jordão comentou:
16/08/2010
Parabens aos irmãos Celinho e Maria de Lourdes orgulhos para nos da nação TERENA, fico com os olhos cheio de lagrimas ao ler a historia de vcs, muito sofrimento mas mostraram que sao fortes e batalhadores, e que se tornaram mestres espero eu que tornem futuro doutores....., mas nunca se esqueçam de suas comunidades. Abraços e sucesso
Comentar em resposta a Miguel Jordão
Avatar
maria de Lourdes comentou:
16/08/2010
Aínapo Yákoe (obrigada na língua terena) professor Bessa fico feliz saber que a nossa defesa virou uma noticia nacional. Espero que quem for ler a minha dissertação possa imaginar o quanto nós populações indigenas estamos lutando na preservação e manutenção de nossas línguas. A minha dissertação é a voz de todas as populações indígenas clamando por resapeito e preservação de suas línguas.
Comentar em resposta a maria de Lourdes
Avatar
Stella Gonzales - Instituto Caro y Cuervo comentou:
16/08/2010
Avatar
Ismênia comentou:
16/08/2010
Fiquei emocionada ao ler sua crônica. Havia recebido a informação que haveria essa defesa inédita e que você estaria na banca.Como sempre suas crônicas são impactantes e revelam a realidade.
Comentar em resposta a Ismênia
Avatar
Eliane Lima Terena comentou:
16/08/2010
Jamais seria possivel " desarmar gatilhos" se não fossemos encorajados por pessoas que nos vêem como seres que tem capacidade de aprender, de demostrar beleza, de se revelar diante do desconhecido... a confiança é uma atitude que não se pede, se conquista, a cada encontro
Comentar em resposta a Eliane Lima Terena
Avatar
Leila A. Souza comentou:
16/08/2010
Parabéns aos professores pela conquista! Como poderia ter acesso à pesquisa deles?
Comentar em resposta a Leila A. Souza
Avatar
Moema comentou:
16/08/2010
É isso aí! Emocionante a Maria de Lourdes! Muito bacana trabalhar nessas causas, vou passar para pessoas queridas.
Comentar em resposta a Moema
Avatar
Mauro Cherobim comentou:
16/08/2010
Olá Bessa! Estava lendo o seu comentário a respeito do "boi baba", são confusões comuns de índios estudando em escolas nao índias. A minha primeira orientanda de um doutorado sobre educação indígena em Avai um dia me trouxe uma preocupação: a professora pediu uma redação sobre uma boia e um aluno (guarani) fez sobre cobra. A professora e a orientanta não conseguiam ver relação entre uma coisa e outra. Eu falei a ela que se soubesse que cobra é guarani era mboi não haveria confusão.
Comentar em resposta a Mauro Cherobim
Avatar
Teresinha comentou:
16/08/2010
Relato emocionante. Bessa parabéns pelo seu brilhantismo uma vez mais. São atitudes como essa que fazem e farão a diferença na quebra de braços contra o precocneito e o racismo. Somente por meio de ações expressivas como esta poderemos resgatar as raízes da raça brasileira. Valeu!!!
Comentar em resposta a Teresinha
Avatar
Esteban comentou:
16/08/2010
Linda a crônica, emocionante a história. Que nosso espelho continue sendo outrem. Parabens a todos os participantes desta resistência.
Comentar em resposta a Esteban
Avatar
Clayton Luiz comentou:
16/08/2010
Chama à atenção é o emocionante relato de dona Lourdes, exemplo e, agora referencia para os Terenas. Aos dois professores Lourdes e Celinho desejo sucesso. Bessa - Parabéns pela divulgação desse seu trabalho acadêmico. E para finalizar, quero dizer que não é só índio que fala com o espelho. Os baixíssimos índices de nossa educação no Brasil estão ai.
Comentar em resposta a Clayton Luiz
Avatar
Eneida Simões da Fonseca comentou:
16/08/2010
Querido Prof. Bessa, Ser sua colega na UERJ é uma honra. Sua crônica é mais que um presente, me inspira a continuar na luta pela educação de qualidade. Beijos e saudades, Eneida
Comentar em resposta a Eneida Simões da Fonseca
Avatar
Alexandre comentou:
16/08/2010
Professor Bessa, neste país nada como o poder e temos que valorizar quando utilizado para boas ações. Parabéns a Professora Lourdes que como coordenadora pedagógica da escola, ela elaborou e implantou em 2007 o projeto de alfabetização e produziu a cartilha “Ler e Escrever na Língua Terena”. O português passou a ser ensinado como segunda língua.
Comentar em resposta a Alexandre
Avatar
Marcio Magagna comentou:
16/08/2010
Será que tais gatilhos não foram disparados devido ao comodismo das autoridades educacionais do país? Pelo menos essa língua genuína faz com que se expresse corretamente a idéia que a palavra quer traduzir. Não, bom mesmo é o tal Portugues, com milhares de ambiguidades dificultando até tomadas de decisões e "saídas pela direita(ou esquerda)" notadamente entre os políticos: não foi isso que eu quiz dizer. Em pequerê, pelo menos, falou e disse! Abraços a todos.
Comentar em resposta a Marcio Magagna
Avatar
Gleicy Almeida Agostinho comentou:
16/08/2010
Um fato inédito para a história das bancas de defesa, algo que presenciei e pude ver pessoas chorando de tanto emoção com este fato. Espero que o aconteceu pode ser exemplo a ser seguido por outras instituições. Parabéns ao Celinho e a Maria de Lurdes.
Comentar em resposta a Gleicy Almeida Agostinho
Avatar
Fatima Nascimento comentou:
16/08/2010
Professor Bessa, Parabéns, por mais uma conquista a qual o senhor fez parte e com certeza deu a sua contribuição. Obrigado, por compartilhar este momento histórico.
Comentar em resposta a Fatima Nascimento
Avatar
Tania Pacheco comentou:
16/08/2010
Parabéns! Um belo e emocionante texto, com tudo o que ele implica. Vou tomar a liberdade de reproduzir - com os devidos créditos e endereço - no Blog Combate ao Racismo Ambiental. Espero que não haja problema...
Comentar em resposta a Tania Pacheco
Avatar
Heliete Vaitsman comentou:
16/08/2010
Artigo excelente!!!! Prova de que estamos vivendo momentos melhores, espaços se abrem, os brasileiros avançamos.... quando Sarkozy ameaçou expulsar da França os "estrangeiros" que ataquem funcionarios publicos, mesmo que esses "estrangeiros" estejam ha 3 geraçoes no pais, e foi apoiado pela opiniao publica (ha 2 semanas), a gente percebe que a luta para ver no outro um igual nunca vai terminar, onde quer que esteja esse outro...
Comentar em resposta a Heliete Vaitsman
Avatar
monica comentou:
16/08/2010
Que maravilha! Aguardo autorização para postar no meu blog http://basicregisters.blogspot.com
Comentar em resposta a monica
Avatar
Cláudia Lopes Bernardino comentou:
16/08/2010
Bessa, obrigado por compartilhar esse momento conosco. Felizmente ela apenas parece Ficção, mas é uma história real. Fiquei emocionada e animada ao ver que ainda existe Respeito pelas nossas origens! Parabéns
Comentar em resposta a Cláudia Lopes Bernardino
Avatar
Cecilia Londres comentou:
16/08/2010
O fato é inédito, acredito, e tem mil e uma implicações. Vou repassar para os colegas do Departamento do Patrimônio Imaterial e para o Grupo de Trabalho da Diversidade Linguística, além dos Conselheiros, é claro. Fantástico! Não deixe de me mandar sempre essas suas boas novidades
Comentar em resposta a Cecilia Londres
Avatar
Dirceu comentou:
15/08/2010
OLá, amigo Bessa! Parabéns não só pelo texto publicado, mas principalmente por sua cruzada cotidiana em relação às questões indígenas. Foi um prazer compartilhar o seu texto.
Comentar em resposta a Dirceu
Avatar
Mary comentou:
15/08/2010
Bonita surpresa, uma dissertação em língua materna e defendida na aldeia, exemplo de protagonismo. Mostra um caminho possível para romper práticas coloniais ainda presente em escolas indígenas. Uma dúvida: como os mestres terena trataram a missao religiosa? Em Rondônia, uma igreja se apresenta como indígena Terena - UNIEDAS e adentra aldeias para evangelizar. O que os pesquisadores terena acham disso. Parabéns aos mestres indígenas e ao orientador que inovaram e certamente mais frutos virão.
Comentar em resposta a Mary
Avatar
Mary comentou:
15/08/2010
Bonita surpresa, uma dissertação em língua materna e defendida na aldeia, exemplo de protagonismo. Mostra um caminho possível para romper práticas coloniais ainda presente em escolas indígenas. Uma dúvida: como os mestres terena trataram a missao religiosa? Em Rondônia, uma igreja se apresenta como indígena Terena - UNIEDAS e adentra aldeias para evangelizar. O que os pesquisadores terena acham disso. Parabéns aos mestres indígenas e ao orientador que inovaram e certamente mais frutos virão.
Comentar em resposta a Mary
Avatar
Ana Cretton comentou:
15/08/2010
Bravo Bessa!!! Imagino como deve ter sido bacana viver a experiência de participar dessa banca na própria aldeia. Parabéns aos dois mestres indígenas, pela beleza de suas dissertações!!! Vc sempre me deixa com os olhos mareados de emoção.Forte abraço, Ana
Comentar em resposta a Ana Cretton
Avatar
Rosângela. comentou:
15/08/2010
Prof. Bessa,Que saudades de nossas aulas! Essa crônica foi uma 'palhinha' que me fez, outra vez, querer mudar minha pesquisa para índios! rs. Sério! Sempre que te escuto, é tão empolgante e estimulante que tenho vontade de largar o futebol do Maracanã e escrever sobre a cultura indígena. Grd abraço, da sua aluna e fã,
Comentar em resposta a Rosângela.
Avatar
Lilian Nabuco comentou:
15/08/2010
Depois de tantas mazelas da nossa controvertida e arrogante sociedade, supostamente civilizada, bem-vinda a homenagem prestada pela academia, representada pela banca (na qual você não poderia deixar de estar), que proporcionou aquele belo e significativo ritual: a defesa de tese na aldeia, inserida nas tradições daquele povo. E tudo descrito por você com paixão e talento, como sempre!
Comentar em resposta a Lilian Nabuco
Avatar
Jorge da Silva comentou:
15/08/2010
Penso que é uma violência arrancar do índio a sua lígua materna. Ainda bem que está sendo mudada essa questão, essa luto não pode parar.
Comentar em resposta a Jorge da Silva
Avatar
Giane comentou:
15/08/2010
Bessa, é comovente, é lindo de "ver"/imaginar a universidade se curvando diante da aldeia... o reconhecimento de que o ocidente letrado não dá conta da vida que pulsa na Terra... vou levar para meus alunos nesta semana... lindo...
Comentar em resposta a Giane
Avatar
Paulo Maia (Blog da Amazonia) comentou:
15/08/2010
Sensacional, e como sempre, o texto de Bessa Freire é invejável!
Comentar em resposta a Paulo Maia (Blog da Amazonia)
Avatar
Leo Pequeno /Reis ( Blog da Amazonia) comentou:
15/08/2010
Avatar
Diego Madih comentou:
15/08/2010
Parabéns, o texto é emocionante! :)
Comentar em resposta a Diego Madih
Avatar
Elisa comentou:
15/08/2010
Embora eu pouco entenda da causa indígena, essa coluna me deixou muito emocionada. Acho que o período em que coordenei o Programa Conexões de Saberes na UFAM tive que batalhar tanto por alunos excluídos que me deixou muito sensível pra essas causas. A bela forma como foi narrada valoriza ainda mais o fato. Parabéns!
Comentar em resposta a Elisa
Avatar
Marcus Magalhães comentou:
15/08/2010
Extraordinário, enquanto o indigenismo falece aceleradamente por estas bandas (Funai-Manaus), vc e seus pares, dão demonstrações de competência estimulando-nos e fazendo ver que; Príncipios e persistência são indissociáveis.
Comentar em resposta a Marcus Magalhães
Avatar
Regina Abreu comentou:
15/08/2010
Bessa, gostei muito da crônica e tb da proposta de sair da Universidade em direção à aldeia. Nestes tempos de comunicações virtuais, mais do que nunca se fazem necessários os encontros presenciais com sabores, cheiros, toques, abraços, risos e sobretudo a esperança nas trocas reais pra que nós não fiquemos malucos falando diante de nossos espelhos contemporâneos que são nossos computadores! Obrigada por me trazer esta luz! abs Regina
Comentar em resposta a Regina Abreu
Avatar
danielle comentou:
15/08/2010
que bom que essa "arma letal" ta sendo destruída. Parabens gostei muito desse artigo sobre os Terenas.
Comentar em resposta a danielle
Avatar
Jose Carlos Levinho comentou:
15/08/2010
Meus parabens. Sem duvida um momento especial.
Comentar em resposta a Jose Carlos Levinho
Avatar
Jose Carlos Levinho comentou:
15/08/2010
Meus parabens. Sem duvida um momento especial.
Comentar em resposta a Jose Carlos Levinho
Avatar
Ana comentou:
15/08/2010
Sensacional a crônica Bessa!! Sem sombra de dúvidas esta experiencia deve ser propagada nas universidades do pais. Linda, emocionante!!! Parabens.
Comentar em resposta a Ana
Avatar
Amélia Leite de Almweida comentou:
15/08/2010
Que emoção ler sua cronica!!! isso nos fazz acreditar cada vez mais na politica de inclusão, possibilitando a todos o acesso ao saber. Sucessos sempre!
Comentar em resposta a Amélia Leite de Almweida
Avatar
Célia Linhares comentou:
15/08/2010
Obrigada Ribamar Bessa, por estar aqui, ali, construindo pontes irradiadoras e pescadoras de tantas experiências instituintes, com que investimos num mundo com mais respeito, amorosidade e interligação de vidas e saberes. Não é a primeira vez, em que suas narrativas produzem em mim um tipo de maravilhamento, que o compartilhar esperanças pode produzir.
Comentar em resposta a Célia Linhares
Avatar
Ruth Monserrat comentou:
15/08/2010
Bessa. Tua crônica, para variar, está ótima. Fiquei comovida e mais animada com o futuro dos povos indígenas. Grande abraço.
Comentar em resposta a Ruth Monserrat
Avatar
Ana Chrystina comentou:
15/08/2010
Maravilha, Bessa. Li e encaminhei para Conceição Passeggi (UFRN) e Elizeu Clementino(UNEB).
Comentar em resposta a Ana Chrystina
Avatar
Susana Grillo comentou:
15/08/2010
Bessa, sensacional sua interpretação profunda sobre os temas das dissertações e a sacação de a defesa ter sido realizada na aldeia... Devargarinho vamos nos "civilizando" e respeitando os povos indígenas! Muitos abraços, Susana
Comentar em resposta a Susana Grillo
Avatar
Marcelo Soeiro comentou:
15/08/2010
Excelente, como de costume. Obrigado!
Comentar em resposta a Marcelo Soeiro
Avatar
jose nogueira comentou:
15/08/2010
Professor, quando o senhor relata estes fato, com foto, lembro-me da minha passagem como militar na Cuiabá-Santarém. Eu, topógrafo de primeira viagem, tinha um pequeno grupo, civis e militares; mas me sentia seguro porque o nosso guia e mateiro era o Crancrê, um índio. Até hoje penso nele... Ele era um familiar; e eu imaginava que nele havia ancestrais meus; pois gostava de ouvir minhas piadas e me acompanhar mata a dentro... É uma dádiva ver alguém, como o senhor, que continua sendo meu profess
Comentar em resposta a jose nogueira
Avatar
Maria Beatriz Rocha Ferreira comentou:
15/08/2010
Parabenizo o trabalho, pós graduandos e professores. A iniciativa de fazer a defesa na aldeia é excelente. Espero que outras universidades e professores realizem a mesma proeza.
Comentar em resposta a Maria Beatriz Rocha Ferreira
Avatar
Paulo Maia comentou:
15/08/2010
Bessa, sua escrita nos motiva, o percursso acadêmico de Maria de Lourdes Sobrinho e Celinha Belizário são exemplares, e a fala é boa!
Comentar em resposta a Paulo Maia
Avatar
VÂNIA TADROS comentou:
15/08/2010
BESSA, PARA VC E MARTA AMOROSO DEVE TER SIDO " A GLÓRIA" PARTICIPAR DESSA BANCA. PARABÉNS A TODOS ENVOLVIDOS
Comentar em resposta a VÂNIA TADROS
Avatar
Roberta Enir (Blog da Amazonia) comentou:
15/08/2010
Avatar
Márcia Maria de Azeredo Coutinho comentou:
15/08/2010
Assim como com os Terenas, pretendo com os Cegos. Desmistificarei, revelarei a sua verdadeira identidade. Assim, plantando pequenas mais poderosas sementes, contribuiremos para um caminho de transformação social. A UCDB, na pessoa de seus professores do Programa de Pós-Graduação - Mestrado e Doutorado em Educação, me parece o sol e a água que ilumina, rega e dá vida para que estas questões venham à tona. Parabéns Celinho, Maria de Lourdes e todos os professores !
Comentar em resposta a Márcia Maria de Azeredo Coutinho
Avatar
Edmundo comentou:
15/08/2010
Muito boa. Sensacional a defesa na aldeia.
Comentar em resposta a Edmundo
Avatar
Ana Gomes comentou:
15/08/2010
Parabenizo os dois pelo evento singular da defesa, os demais colegas e todos os envolvidos.Receber a notícia da defesa (o Celinho esteve por um período aqui na UFMG) e dessa cena tão forte e significativa é realmente uma bufada de ar puro em nossas tão minadas energias para prosseguir com o trabalho.
Comentar em resposta a Ana Gomes
Avatar
José Carlos Azeredo comentou:
15/08/2010
É maravilhoso perceber que o Ser Humano possui dentro de si a consciência do que lhe convém! Que trabalho importantíssimo! O nosso índio ,verdadeiro senhor das terras,tem essa maravilhosa tenacidade de lutar contra os elementos.Não se dobra diante das armas do chamado homem branco.Esse,além de roubar a terra dos indios quer destruir sua identidade. Parabéns aos professores.Até posso imaginar as dificuldades que encontraram para realizar essa pesquisa!
Comentar em resposta a José Carlos Azeredo
Avatar
André Ricardo, uma sugestão comentou:
14/08/2010
Bessa, com sua licença, sugiro esse texto (http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao_47/artigo_1374/A_marretadas.aspx ) lamenta a demolição do Vivaldão e dá ótimas informações!!
Comentar em resposta a André Ricardo, uma sugestão
Avatar
André Ricardo comentou:
14/08/2010
Se vivificássemos nossas diversas línguas certamente seríamos um país mais nobre, tal como fora nosso último monarca.
Comentar em resposta a André Ricardo
Avatar
André Ricardo comentou:
14/08/2010
Coisa interessante: D. Pedro II era poliglota, falava mais línguas que o autor desta coluna (risos). Era fluente em guarani. Na Guerra do Paraguai, ficou sabendo que um prisioneiro de guerra falava guarani tbm. Pois ele foi pessoalmente conversar com o prisioneiro!!
Comentar em resposta a André Ricardo
Avatar
André Ricardo comentou:
14/08/2010
A mesma fundação Ford doou 300 mil para o Conselho Indigenista Missionário - a parcela dos índios que queria a demarcação contínua da Raposa Serra do Sol. Testemunhas oculares afirmam que a demarcação contínua prejudicou muitos índios, que viviam em harmonia com os rizicultores
Comentar em resposta a André Ricardo