CRÔNICAS

ELEIÇÃO: DEDADA NELES !!!

Em: 24 de Setembro de 1996
Tags:
Visualizações: 1725
O "Maninho" tem razão. Teu voto, (e) leitor (a), é uma bomba. Lembra disso quando fores puxar o gatilho na urna eletrônica. Com uma simples dedada, tu podes decidir o destino da nossa cidade nos próximos quatro anos. O teu dedo, que costumas enfiar nos buracos mais suspeitos, agora, no dia 3 de outubro, digitará o número do prefeito e dos vereadores de Manaus.
Quem diria, hein! O velho fura-bolo ou cata-piolho deixa de ser uma espécie de gari-de-meleca, de dedo-lixeiro, para realizar funções mais nobres, transformando-se no dedo-cidadão. É ele que, ao dedilhar as teclas do computador da urna eletrônica, escolherá 5.500 prefeitos e 60 mil vereadores entre quase 1 milhão de candidatos em todo o Brasil.
A tarefa não é fácil. A escolha é através de dedução, sem qualquer trocadilho. Em Manaus, existem 33 vagas de vereador, disputadas à tapa por aproximadamente 500 concorrentes. Em quem votar? Se o eleitor teclar errado e confirmar o erro, além de nascer uma verruga na ponta do seu dedo, pagará caro nos próximos quatro anos. Vê lá onde enfia teu dedo, leitor!
Numa contribuição para o processo democrático, a coluna Taqui Pra Ti reproduz fragmentos de uma fita gravada com a propaganda eleitoral gratuita, decidindo assim abrir o espaço a alguns candidatos, para orientar as dedadas do eleitor baré. Aqui, você encontrará informações úteis sobre em quem votar e em quem não votar.
Independente de quem será o futuro prefeito, é importante que a Câmara Municipal seja formada por vereadores competentes, críticos, corajosos, comprometidos com os problemas da cidade e de sua população, capazes de vigiar as ações do executivo municipal e cobrar dele medidas eficazes. São poucos aqueles com tais características, espalhados por diferentes partidos.
Por outro lado, são muitos os picaretas, os puxa-sacos, os oportunistas, os que entram na política pensando apenas em "se arrumar" e em obter vantagens pessoais. Se você não é um esquecido, não vote em ressarcido. Carrel Benevides, aquele troglodita ressarcido cuja argumentação é quase sempre a porrada, hibernou e desapareceu da cena política. Agora, confiando na falta de memória da população, ele volta como candidato - pasmem! - do PDT. Furtado ou Socorro - que mundo imundo! - é tudo o mesmo Raimundo. E o ressarcido Antônio Carioca, louco para entrar nas "bocas" outra vez.
Já o cordão-dos-puxa-sacos cada vez aumenta mais. Tem puxa-saco velho, jovem, mulher, civil, militar. Como é que esse pessoal vai defender os interesses da cidade, se durante toda a campanha é a maior babação de ovo com o candidato a prefeito? Tem um tal de Roquelane - ou será Hopalong Cassidy? - que puxa o saco do Janjão, que puxa saco do Omar, que puxa saco do Cabo Pereira, que puxa saco do Eduardo Braga, que puxa saco do Amazonino, numa cadeia infinita. O ídolo de Roquelane, por enquanto, ainda é o Paulinho Jacob, um dia será o Robério Braga.
Os cabos e sargentos do sexo feminino que se candidataram merecem também um destaque especial. No horário eleitoral aparecem os sargentos Vânia e Bárbara e os cabos - ou as "cabas"- Viviane e Vera, tratando o Cabo Pereira como se ele fosse general, numa rasgação de seda inacreditável. Se eleitas, rezarão todas na mesma cartilha e dirão sempre amém. Não serão eleitas, ainda bem.
Em compensação, o teu dedo-cidadão, (e) leitor (a), desta vez tem uma série de opções interessantes, de candidatos que tentam a reeleição e de novos candidatos. No primeiro caso está o vereador Aloisio Nogueira, sempre do lado dos fracos e humildes e a Vanessa, voz dos sem-voz, capaz de pegar um tapa em defesa da cidade.
Quem demonstrou também que gosta de Manaus foi o médico Edson Gomes, n 45623, sempre numa oposição, sem estardalhaço pirotécnico, mas firme. Coloco o seu número para não confundi-lo com o médico Edson Ramos. Presta atenção, leitor. Ramos e Gomes não são o mesmo Edson. O Ramos é o que andou fazendo besteiras no Sindicato dos Médicos. Tem uma cara de sonso, de falso! É um projeto-de-Omar Aziz. Suspeito que ele vai passar a perna no PC do B.
Taí! O Leonel Feitosa. Ressarciu-se, é verdade, mas arrependeu-se com sinceridade. Depois disso, demonstrou coragem e saiu prá porrada, meteu-se no lado certo em todas as brigas, futucou a questão do lixo, do transporte dos garis, das passagens de ônibus. Será reeleito? Não sabemos. Como costumavam cantar as suas tias - as irmãs Feitosa - "the future not ours to see, que será, será! - Mas o povo de Manaus estará bem servido se Leonel for reeleito e mantiver a linha de comportamento combativo.
Estou absolutamente convencido que Praciano foi garfado nas últimas eleições por algum discípulo do Joaquim Corado. Com o voto eletrônico - dizem, dizem, eu não sei - a fraude será praticamente impossível. A cidade de Manaus merece ter um vereador como Praciano, cuja ação corajosa, lúcida e persistente contribuiu decisivamente para acabar com a pouca-vergonha dos ressarcimentos.
Dos novos, existem alguns nomes confiáveis que fiscalizarão qualquer prefeito. José Barroncas, de São Jorge e José Ricardo, de São Francisco. O primeiro, eu conheço porque foi meu aluno na Universidade do Amazonas. Quem não o conhece e quiser saber quem ele é, pense no Oicrépul, lido de trás prá frente. Do ponto de vista intelectual e ético, Barroncas é o anti-Lupércio, e isso diz tudo sobre ele. O segundo é ligado aos movimentos sociais.
Manaus realmente seria uma cidade melhor, se tivesse uma Câmara Municipal formada por gente honesta e competente, com a sensibilidade de um Guto Rodrigues, a competência de um Sérgio Cardoso, a integridade de um Pedro Missioneiro, e a combatividade da Dra. Norma. Aliás, a dra. Norma, farmacêutica, professora da UA, se eleita - não duvidem - infernizará a vida de qualquer prefeito que fuja da raia.
É disso que precisamos, minha gente! Representantes com disposição para brigar pela cidade. O resto é folclore, como o Jairo Santana que aparece no Horário Eleitoral ao lado de seu irmão. "Algumas pessoas se queixaram que eu passei por elas na rua e não cumprimentei. Disseram que sou metidinho. Não é verdade. Eu cumprimento todo mundo. Deve ter sido este meu irmão aqui, que parece comigo". Jairo aponta para seu irmão, que olha o telespectador, com o pescoço duro, sem piscar. E a gente fica sem entender o que a cueca tem a ver com as calças.
Dedada neles, leitor!

P.S. - Estou terminando a leitura do livro "Redesenhando o Projeto ZFM: um estado de alerta", de autoria de Antônio José Botelho, edições SEBRAE, 1996. O autor armou-se de bastante informação para rediscutir o modelo da Zona Franca de Manaus. Após as eleições, gostaria de poder compartilhar com os leitores desta coluna as principais teses defendidas no livro..

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

Nenhum Comentário