CRÔNICAS

TIRE SEU SORRISO DO CAMINHO

Em: 19 de Dezembro de 2004
Tags:
Visualizações: 2324
Nelson Cavaquinho tinha pavor da morte e acabou projetando essa angústia obsessiva nas letras dos seus sambas. Um dia, ele sonhou que morria às três horas da madrugada. Acordou aflito pensando em compor uma música. Aí, olhou o relógio, eram 2h:45. Pensou:
- “É um aviso, vou morrer dentro de quinze minutos, não tenho tempo para mais nada”.
Olhou a sola do seu pé, já estava amarelando. Teve, então, uma ideia luminosa: atrasou o ponteiro do relógio em várias horas. Desta forma, conquistou a tranquilidade necessária para escrever um dos versos mais bonitos da música popular brasileira: 
- Tire seu sorriso do caminho, que eu quero passar com a minha dor.
Depois de ouvir uma versão dessa história contada por Adelzon Alves em seu programa na Rádio MEC, fiquei pensando em usar o truque do Nelson Cavaquinho para enganar a morte e o tempo. Atraso o relógio não em uma hora, mas em cinquenta anos, só para poder ver outra vez, desfilando pelas ruas de Manaus, uma camioneta com o desenho do Saci Pererê, cheia de gente cantando:
- Você diz que amor não dói / No fundo do coração / Tome amor e viva ausente, oi caboca bonita / veja se lhe dói ou não’.
Essa camioneta era uma das três – as outras eram o Zé Carioca e o Tininim – que fazia o transporte escolar do Instituto Christus do Amazonas, na época de sua fundação, há meio século. Os alunos iam e voltavam para suas casas, cantando e cantando. Lá fora, todo mundo curtia. Debruçada na janela, a moça feia pensava que cantavam só pra ela. A namorada, que contava as estrelas, parava para ver, ouvir e dar passagem. Parecia até uma banda de música, animando a vida da cidade.
Canto das crianças
Está aí uma das professoras do Christus, Luíza Sanches, que não me deixa mentir. Ela lembra:
- A nossa pequena cidade perdia um pouco de sua tranquilidade e ganhava muita alegria quando passavam as crianças cantando festivamente. As pessoas paravam para ver a passagem dos alunos de uma escola que teve a coragem de ser a primeira em Manaus a inovar em suas atividades pedagógicas.
Orígenes Martins confirma: “O Christus era uma escola que cantava em sala, no pátio de recreio, na rua, nos bairros, no transporte escolar, em atividades docentes”.
Era como se o Nelson Cavaquinho trocasse as bolas e fizesse um apelo à população de Manaus: - ‘Bote seu sorriso no caminho, que eu quero passar com minha alegria’. Cantava pelo prazer de cantar, mas graças a seu repertório selecionado, cantava também como um exercício de auto-conhecimento e de amor à identidade regional.
Qual o repertório que tanto encantava os moradores de Manaus? Era variado. Havia as canções infantis: o cravo brigava com a rosa; o Sambalelê ficava doente; o Pai Francisco entrava na roda tocando seu violão; o bom barqueiro dava licença pra gente passar; a Terezinha de Jesus se esborrachava no chão; o sapo cururu cantava, maninha, quando estava com frio; a canoa virava por causa da Dilma que não sabia remar; mas se eu fosse peixinho e soubesse nadar, eu tirava a Nega Nathércia lá do fundo do mar.
Tinha muito mais. Tinha carneirinho-carneirão, tinha Sinhaninha com sete saias de balão, tinha escravo de Jó, tinha a Renata bebendo água no Itororó, deixando o Carlos três noites sem dormir, porque havia perdido seu galinho, que fazia qui ri qui qui. O alecrim dourado nascia no campo sem ser semeado, se misturava com roda pião, bandeia pião, e com o rebola bola, você diz que dá e dá. E o meu chapéu? Tinha três bicos, se não tivesse três bicos, não seria o meu, chapéu. Anda, Luzia, pega o pandeiro e vem pro carnaval. Leva, meu samba, este recado para o meu amor primeiro. Nesse côco eu não vadeio mais, Berenice apagou o candieiro e derramou o gás.
Voz da Amazônia
Todos os fins de semana, quem entrava na camioneta éramos nós, professores, rumo à Ponta Negra ou Ponte da Bolívia. Era uma festa só. Nós também circulávamos pelas ruas e pelas estradas, cantando as músicas de Waldemar Henrique, considerado por Turíbio Santos como “a voz da Amazônia, aquela que lembra a terra, os cantos da terra, a memória regional, cujas canções passeiam pelos rios, pelas matas, através das lendas e mitos do povo. Mas nunca se afastam de um sentimento universal de amor, de sensualidade, de paixão”. Conheci a obra de Waldemar Henrique em 1965, no Christus, compartilhando uma turma de alunos com Dilma Afonso, Nathércia Menezes e Renata Gonçalves.
Era um espetáculo ouvir a Luiza Sanches cantar, quase recitando como se fosse uma ladainha: “Certa vez de montaria, eu descia um Paraná, e o caboco que remava não parava de falar, ô ô, que caboco falador”. Ou o nosso coral afinado atacar o “Tamba-tajá, me faz feliz, que meu amor me queira bem”. E logo depois: “Tajá-panema chorou no terreiro, e a virgem morena fugiu no costeiro. Foi boto, sinhá”. O nosso repertório era esse: Waldemar Henrique, Cavaquinho, Luiz Gonzaga, Caimi, Noel Rosa, Ataulfo Alves. Com eles, íamos tecendo os fiapos da nossa identidade.
Uma madrugada, voltando de uma farra, depois de ter cantado umas e outras, a camioneta do Christus passava pela rua Recife, em Adrianópolis, quando o padre Ruas gritou: “Uma tartaruga! Pára!”. Ninguém acreditou. Todo mundo pensava que ele estava de porre. Ele insistiu: “Eu vi, ela é enorme”. O carro voltou. Não era uma alucinação. Efetivamente, uma tartarugaça, que havia fugido de alguma mansão, desfilava pelo asfalto. No domingo seguinte, almoçamos sarapatel. Na época, não era proibido.
O Christus acaba de completar meio século. Antigos alunos foram entrevistados: “Nessa data, quem você homenagearia?” Cláudia Vieira, que passou quinze anos de sua vida estudando na instituição, respondeu: “A tia Helô, do maternal. Até hoje recordo do lanche que ela fazia com tanto carinho, um copinho de gelatina ou uma banana deixaram um sabor de saudade”. Outros escolheram os motoristas Valmiro, Paulo e Fernando, que nos guiavam pelas ruas de Manaus.
Diante da mesma pergunta, escolho o idealizador e fundador da escola, Orígenes Martins, meu professor de Didática no Instituto de Educação do Amazonas. Ele despertou em todos nós o gosto pelo magistério. Metia pilha, tocava fogo, nos incendiava, convencendo-nos de que como professor, nós éramos o sal da terra, a luz do mundo. Por causa dele, ainda hoje, cada vez que entro em sala de aula, é como se estivesse participando de uma cruzada, de uma epopeia, ouço rufar de tambores, Prokofiev e Villas Lobos. Essa crônica não é só saudade, é homenagem e reconhecimento, como o leproso do evangelho que voltou para agradecer a cura.
P.S. - Publicada originalmente em 2004, foi novamente postada, sem qualquer modificação, em 26 de agosto de 2016, sexta-feira, quando o professor Origenes faleceu. Os comentários são em sua maioria dessa segunda postagem

P.S – O ministro Carlos Britto, do Supremo Tribunal Federal, é o nosso herói. Ele derrubou duas liminares que impediam a homologação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. Agora, Lula não tem mais justificava para deixar de homologar a área de forma integral, retirando os fazendeiros e plantadores de arroz que invadiram o território dos índios. Se os índios forem mesmo os amigos ocultos de Lula, ganharão esse presente de natal..

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

17 Comentário(s)

Avatar
Chris Maciel (via FB) comentou:
28/08/2016
Mesmo não tendo conhecido Prof. Orígenes, sou profundamente grata pela generosidade de ter concedido bolsa de estudo para meu marido quando criança até o ano derradeiro do ensino médio, período em que tudo o que a família possuía lhe foi usurpado e os anos que decorreram foram de extrema austeridade, restando apenas o muito básico para que pudessem sobreviver materialmente, isso compensado pelo trabalho e garra da mãe, a Dona Monica Melchior. Com muito trabalho e pelo resultado do conhecimento adquirido, que fora oportunizado pelo Prof. Orígenes, puderam construir uma vida boa depois de muitos anos. Somos todos muito gratos a ele. Que Deus o tenha. Meus sentimentos à família, aos amigos e a todos os que o admiram, por tão significativa perda...
Comentar em resposta a Chris Maciel (via FB)
Avatar
Rosilene Cabral Bessa comentou:
27/08/2016
Quando meu pai, em 1964, foi perseguido pela ditadura militar e perdeu o emprego,, o professor Origenes era nosso vizinho na rua Cláudio Mesquita. Na hora que soube, correu lá em casa,ainda sem camisa e disse para minha mãe: A partir de hoje seus filhos que estudam no Christus não precisam mais pagar a mensalidade. Na nossa família, a gente nunca esquece esse gesto de solidariedade.
Comentar em resposta a Rosilene Cabral Bessa
Avatar
Celeste Freire Correa comentou:
27/08/2016
Ensinar é um exercicio de imortalidade. De alguma forma continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra.. O professor assim não morre jamais (Rubem Alves)
Comentar em resposta a Celeste Freire Correa
Avatar
Ivone Andrade (via FB) comentou:
27/08/2016
Merecida homenagem Babá Bessa. Grande abraço!
Comentar em resposta a Ivone Andrade (via FB)
Avatar
Nilda Alves (via FB) comentou:
27/08/2016
VIVA A VIDA!!!! Que ele deixou em tantos!!!!!!!
Comentar em resposta a Nilda Alves (via FB)
Avatar
Juliana Venturelli (via FB) comentou:
27/08/2016
José Bessa, meus sentimentos. Agradeço ao prof. Orígenes (mesmo não o conhecendo) pelo legado que ele lhe deixou, o de ser o sal da Terra. Nós que somos suas alunas e alunos sentimos todo o fogo, a pilha e o amor que incendeia sua fala!
Comentar em resposta a Juliana Venturelli (via FB)
Avatar
Ana Maria Ludgero de Barros (via FB) comentou:
27/08/2016
Nossa, que lindo, Parabéns professor, não o conheci mas por tão linda e emocionante homenagem agradeço tudo o que o senhor fez pela educação. Esteja com Deus.
Comentar em resposta a Ana Maria Ludgero de Barros (via FB)
Avatar
Juarez Silva Jr. (via FB) comentou:
27/08/2016
Não conheci, só ao filho, de quem fui colega no professorado da Ulbra..., mas o legado é bem visível..
Comentar em resposta a Juarez Silva Jr. (via FB)
Avatar
Gloria Nogueira (via FB) comentou:
27/08/2016
Eu sempre admirei a seriedade do Prof. Origines , foi um grande mestre e empreendedor . Não tive vínculo nenhum com ele , mas o conhecia por ser uma pessoa pública e trabalhadora e que muito fez pela educação desses estado.
Comentar em resposta a Gloria Nogueira (via FB)
Avatar
Penha Rocha (via FB) comentou:
27/08/2016
Essas pessoas fazem muita falta no mundo! Que Mestre! Abraços
Comentar em resposta a Penha Rocha (via FB)
Avatar
Maria Luiza Ugarte Pinheiro (via FB) comentou:
27/08/2016
E você aprendeu com maestria os ensinamentos de seu mestre, pois ele representou para você o que hoje representas para muitos de nós!
Comentar em resposta a Maria Luiza Ugarte Pinheiro (via FB)
Avatar
Dilma Montezuma Afonso (via FB) comentou:
27/08/2016
Querido Ribamar,quantas saudosas e magníficas lembranças temos do Instituto Christus,cujo \"Capitão\",era o nosso grande incentivador Angelitino!
Comentar em resposta a Dilma Montezuma Afonso (via FB)
Avatar
Alessandra Monique (via FB) comentou:
27/08/2016
Avatar
Cris Amaral (via FB) comentou:
27/08/2016
Meus sentimentos querido mestre! Carinhos
Comentar em resposta a Cris Amaral (via FB)
Avatar
Helder Sarmento (via FB) comentou:
27/08/2016
Meus sentimentos nossos mestres são nossos inspiradores em nossa caminhada acadêmica e de vida...
Comentar em resposta a Helder Sarmento (via FB)
Avatar
Maria Berenice Martins Marques (via FB) comentou:
27/08/2016
Grata amigo!! Bela homenagem! ! Abraços Carinhosos! !
Comentar em resposta a Maria Berenice Martins Marques (via FB)
Avatar
José Varella (via FB - da Ilha do Marajó) comentou:
27/08/2016
Gente de espécie assim nunca morre: se encanta já dizia o outro.
Comentar em resposta a José Varella (via FB - da Ilha do Marajó)