CRÔNICAS

SE EU FOSSE OS ÍNDIOS: AS LÍNGUAS (SEGUIDO DE VERSIÓN EN ESPAÑOL)

Em: 17 de Maio de 2009
Tags:
Visualizações: 4597

 

""Teve um tempo que nós, para viver, precisamos nos calar. Hoje, nós, para viver, precisamos falar”.
(Pajé Luiz Caboclo – índio Tremembé do Ceará)
 
Se eu fosse os índios – não UM índio, mas OS ÍNDIOS que vivem nesse chão que é hoje o Brasil - aproveitaria a Conferência Regional de Educação Escolar Indígena, que começa amanhã, em Manaus, e diria para o Ministério da Educação o seguinte: hoje, nós, para viver, precisamos falar. Por isso, nas novas diretrizes que vão ser formuladas em setembro de 2009, na I Conferência Nacional, em Brasília, nós, índios, queremos deslocar TODO o peso da educação para o uso de nossas línguas, que são portadoras dos demais saberes.
 
Durante 500 anos – eu diria ao ministro Fernando Haddad – ficamos mudos, sem voz. Proibiram nossas línguas e tudo que era guardado e transportado nelas: conhecimentos, pensamentos, afetos, história, memória, narrativas, mitos, cantos, poesia. O padre João Daniel conta que em 1750 um missionário espancou uma índia do Marajó com ‘bolos’ de palmatória, dizendo:
 
“Só paro de bater quando você disser ‘basta’, mas não na tua língua”. Ela calou. Suas mãos sangraram, mas ela não traiu a língua-mãe.
 
No entanto, nem todos conseguiram resistir assim. Eram mais de 1.300 as línguas faladas no Brasil. Cerca de 1.100 foram extintas na base da porrada e com elas desapareceram saberes milenares. Sobraram menos de 200 línguas, vivendo na clandestinidade, cochichadas, sussurradas. Falávamos escondidos, exclusivamente dentro das aldeias, línguas que nunca entraram na escola, de onde foram enxotadas e banidas. Nos internatos salesianos do Rio Negro, quem abria a boca em sua língua materna era castigado sem dó nem piedade, isso até recentemente, até 1988, quando a Constituição nos devolveu o direito à fala.
 
Foi uma grande conquista! Já não precisamos mais mandar nossos filhos para uma escola glotocêntrica e monolíngüe, que discriminava a língua adquirida no colo da mãe e tentava, sem sucesso, nos alfabetizar em uma língua estranha, que não falávamos. Com pretensão de ser uma fábrica de fazer brancos, a escola nos emudecia, porque, por um lado, reprimia nossas línguas maternas e, por outro, não nos tornava competentes na língua oficial. Ficamos sendo os sem-línguas.
 
Com a Constituição, conquistamos o direito de aprender a ler em nosso idioma, de usá-lo como língua de instrução nas primeiras séries e de aprender o português como segunda língua. Assim, a língua que expressa nossa alma e que só era falada em casa, ganhou legalmente um novo espaço: a sala de aula, onde também – agora para valer – o português passou a ser uma segunda alternativa, planejada, como escolha nossa e não como imposição do colonizador.
 
No entanto, falta ainda muito a conquistar – eu diria ao MEC. São quase 2.500 escolas indígenas, mas muitas delas, em vez de ensinar na língua, dedicam um curto tempo para ensinar a língua. Não existe material de leitura nelas, o currículo nem sempre é intercultural, os cursos de formação de professores não são bilíngües e, diante da televisão monolíngüe que invade as aldeias engrolando uma variedade do português que não é a nossa, as crianças, os jovens e até muitos de seus pais se perguntam: por que preservar uma língua indígena? Para que serve uma língua sem prestígio?
 
A cada quinze dias morre uma língua no planeta, entre outras razões porque seus usuários perderam o orgulho e o desejo de falá-las. No mundo existem 6.700 línguas, mais de 5.000 delas ameaçadas. Nossas línguas, consideradas como se estivessem no corredor da morte, na realidade não são moribundas, mas anêmicas e podem ser revitalizadas.
 
Alguns de nós, cujas línguas já estão mortas, conseguimos transferir parte de nossos saberes para a língua portuguesa – um português indianizado, com a nossa cara, que é discriminado, mas que queremos também seja respeitado. O escritor português José Saramago disse que existem várias línguas faladas em português. Nós não queremos que desapareça a nossa forma de falar, nem na língua indígena, nem no português que falamos marcado pelo contato entre línguas. 
 
Somos povos da oralidade, eu explicaria ao MEC, se fosse os índios. Então, nós, índios, queremos fortalecer a expressão oral, mas precisamos também – não todos, mas muitos de nós – da escrita, essa técnica poderosa capaz de aprisionar o som, como quem agarra a fumaça com a mão para guardá-la num paneiro. Queremos nos apoderar da escrita, que confere prestígio, em nossas línguas e em português.
 
Mas a escrita que queremos é uma escrita viva, não uma escrita funerária, onde o livro parece um caixão que guarda o cadáver das palavras, que nunca mais serão pronunciadas. Ler é ver o som, ver um desenho que nos permite reconstituir o som. Queremos uma escrita que alimente nossa oralidade, em uma escola que desenvolva a escrita em nossas línguas, como um meio de afirmação histórica, política, de criação artística e de cidadania.
 
A língua, veículo de experiências milenares, é um modo de ver, perceber e pensar. Queremos escritores indígenas publicando narrativas, poesia, cantos em nossas línguas. Queremos ganhar a letra, mas sem perder a palavra. Sonhamos com uma escola que promova tanto a oralidade como a escrita em língua indígena para que sejam valorizados os conhecimentos, tradições e saberes dos anciãos. Queremos ler e escrever bem em nossa língua e em português, mantendo o bilingüismo para sempre, não um bilingüismo transitório que seja mera ponte para o monolinguismo em português. Nós, que já fomos os sem-línguas, agora ambicionamos ter as duas línguas.
 
A língua é arquivo da história, é a canoa do tempo, responsável por levar os conhecimentos de uma geração à outra. Pretendemos remar as duas canoas, que já fazem parte de nossa vida: uma carregada de saberes tradicionais, a outra com os novos saberes, ambos necessários para nossa sobrevivência e para a afirmação da nossa identidade. Lutamos por um bilingüismo que guarde a nossa memória em português e em uma língua indígena, re-atualizando permanentemente os saberes que elas veiculam. A maioria de nós, hoje, não pode mais viver sem as duas, que já fazem parte do nosso jeito de ser.  
 
Se eu fosse os índios e o MEC me ouvisse, diria: ganhamos um espaço na escola, que precisa ser consolidado. Mas isso ainda é pouco para manter o bilingüismo. Queremos ampliar os espaços dos usos sociais de nossas línguas. Na Bolívia, Peru e Equador, programas de rádio e televisão, além de espanhol, falam quéchua e aimara.
 
No Brasil, há alguns anos, proibiram o uso do Nheengatu num programa de rádio no rio Negro, alegando que a Constituição não permitia o uso de “língua estrangeira”. O problema só foi contornado quando uma lei municipal decretou o Nheengatu, o Baniwa e o Tukano como línguas co-oficiais em São Gabriel da Cachoeira (AM). Queremos que nossas línguas sejam co-oficializadas nos municípios onde são faladas, para que não sejam consideradas mais como estrangeiras em nossa própria terra.
 
Queremos que nossas línguas, que saíram da aldeia e entraram na escola, agora ocupem espaços nos livros, nas bibliotecas, nos museus e em programas bilíngües de rádio e TV. Desejamos explorar novos tipos de oralidade e de escrita surgidos com as tecnologias da informática, do vídeo, porque a palavra já superou as limitações do espaço e do tempo.
 
Antes, só se podia falar com quem estivesse na presença da gente. Hoje, o telefone e a internet permitem que uma aldeia guarani do Rio Grande do Sul se comunique com os Tuyuka no rio Tiquié (AM). Além disso, podemos ouvir a voz gravada de alguém que já morreu. Hoje, os mortos falam. Queremos criar espaços culturais que abriguem arquivos sonoros, com o material coletado em línguas indígenas
 
As novas diretrizes – eu reivindicaria ao MEC, se fosse os índios - devem apontar para o uso das línguas também FORA da aldeia e do espaço escolar, em maior número de âmbitos e funções, inclusive em espaços urbanos. Segundo o último censo do IBGE (em 2.000), os índios no Brasil eram 734.127, dos quais a metade vivia nas cidades. A projeção para o ano 2.010 é de que ultrapassaremos um milhão de habitantes. Reivindicamos que o MEC tenha uma política educacional e de línguas para nossos parentes que vivem nas cidades, transformadas em cemitérios de línguas indígenas. O último falante da língua baré está enterrado em Manaus.  
 
Precisamos de mais pesquisadores estudando nossas línguas – os que existem são insuficientes. Esperamos que o MEC incentive as universidades a formar índios em Lingüística. Queremos bibliotecas, videotecas e mitotecas bilingües, onde possamos acessar nossos conhecimentos. Necessitamos produzir textos e vídeos em nossas línguas maternas e queremos capacitação para isso. Nos cursos de formação de professores indígenas, os formadores, entre outros, devem ser índios já formados e os velhos reconhecidos pelo saber, competentes em língua indígena.
 
Queremos sair do confinamento em que fomos colocados e participar da Lei 11.645, que torna obrigatória a temática indígena no sistema nacional de educação escolar. Podemos contribuir para que a escola do branco mude a imagem preconceituosa que construíram sobre nós, índios. Queremos revitalizar nossas línguas, que são línguas de resistência. É dramático ter de falar, sozinho, diante do espelho como fez Tikuen, índio Xetá, por falta de interlocutores.  
 
Queremos nos apoderar dessas tecnologias: rádio, telefone, gravador, filmadora, TV, computador e combinações de uns com os outros – fax modem, base de dados, multimídia. Vale tudo para fortalecer a língua e a tradição. Queremos que a Escola, o Museu, a Rádio e a TV promovam um novo movimento cultural, revolucionário, que desenvolva nossas línguas e incentive seu uso por parte das crianças e dos jovens. Só assim elas serão salvas e só assim nós poderemos falar, em vez de calar. Para isso, basta, apenas, trocar uma letra. Essa é uma questão de vida ou morte: nossa e das línguas que falamos.
 
Sobre nossos ombros, o peso e a responsabilidade de salvar um patrimônio, que não é só nosso, mas do Brasil e da humanidade. Queremos que o MEC nos dê instrumentos para preservá-lo. Era isso que eu diria ao MEC, se eu fosse os índios. Escreveria em português, para o MEC entender, mas traduziria para cada uma de nossas línguas, para que cada um de nós leve essa mensagem no coração.
 
P.S. – Escrevo do Ceará, durante o intervalo de um seminário sobre museus indígenas, que é outra forma de fala dos índios. Mudando de assunto, se eu fosse, NÃO os índios, mas apenas UM índio, daria flechadas na bunda dos Irmãos Metralha, irmãos do vice-governador do Amazonas Omar Aziz. Eles invadiram uma sala da Universidade Federal do Amazonas e espancaram o professor Gilson Monteiro, por discordarem do conteúdo de sua aula. Esses dois brucutus nem suspeitam o que é liberdade de expressão. No próximo domingo, abordaremos essa questão.
 
 
 
SI YO FUERA LOS INDIOS, LAS LENGUAS 
José Ribamar Bessa Freire
 
“Hubo un tiempo en que para vivir necesitábamos callarnos.
Hoy día, para vivir, necesitamos hablar”.
(Pajé Luiz Caboclo, indio Tremembé. Brasil).
 
""Si yo fuera los indios – no UN indio, sino LOS INDIOS que viven en Brasil -  le diría al Ministerio de Educación (MEC) lo siguiente:   
Hoy día, para vivir necesitamos hablar. Por eso, en las nuevas directrices que van a ser formuladas en la Conferencia Nacional de Educación Escolar Indígena, en Brasilia, del 16 al 20 de noviembre de 2009, nosotros, indios que vivimos en Brasil, queremos desplazar TODO el peso de la educación escolar para el uso y la revitalización de las lenguas indígenas, que son portadoras de nuestros saberes.
 
Durante 500 años – diría – nos hemos quedado mudos, sin voz. Discriminaron y prohibieron nuestras lenguas y todo lo que se guardaba y circulaba en ellas: nuestros conocimientos, nuestros pensamientos, nuestra historia, nuestras narrativas míticas, nuestros cantos sagrados. El padre jesuíta João Daniel, que vivió en el siglo XVIII en la Amazonia, cuenta que un misionero le pego a una india en la isla de Marajó con golpes de palmatoria, diciéndole: “Solo paro de golpearte cuando me digas ‘basta’, pero no en tu lengua”. La mano le sangró, pero ella no dio su brazo a torcer.
 
Sin embargo, no todos consiguieron resistir de esta forma. Eran más de 1.300 las lenguas habladas en ese territorio que es hoy Brasil. Más de 1.100 se extinguieron y con ellas desaparecieron saberes milenarios. Las que sobrevivieron y que todavia se hablan – menos de 200 – quedaron en la clandestinidad. Hablábamos escondidos, solamente dentro de las aldeas. En las escuelas, eran prohibidas. En los internados salesianos del Alto Rio Negro (Amazonas), indio que hablaba su lengua materna recibía castigos sin piedad. Eso aconteció durante casi quinientos años hasta 1988, cuando se aprobó la Constitución de la República Federativa de Brasil, que nos devolvió, por lo menos en tesis,el derecho a usarlas en espacios públicos.
 
En la lucha, junto con nuestros aliados no-indígenas, conquistamos finalmente el derecho de hablar nuestras lenguas maternas en la escuela, de ser alfabetizados en ellas, de usarlas como lenguas de instrucción en los primeros años. Así,  la lengua que expresa nuestra alma y que solo se hablaba en casa, ganó legalmente un nuevo espacio: la sala de clase, donde el portugués pasó a ser una segunda lengua, planeada, como opción nuestra y ya no como imposición colonizadora, lo que fue una gran conquista. Hoy en dia, no tenemos más porque tener vergüenza, como en el pasado, de mandar nuestros hijos a una escuela que no era nuestra, que era una fábrica de hacer blancos.
 
Sin embargo, falta todavía mucha cosa por conquistar. Son casi 2.500 escuelas indígenas, pero no todas son bilingües, muchas de ellas, en vez de enseñar en la lengua indígena, como lengua de instrucción, dedican un tiempo mínimo para describirla formalmente, como una disciplina del currículo, usando el portugués como lengua de instrucción, en una estructura curricular no intercultural. No existe material de lectura en lengua indígena, los cursos de formación de profesores no son bilingües y ante la televisión que invade inexorablemente nuestras aldeas hablando solamente el portugués, muchos de nuestros niños se preguntan: ¿Por qué preservar la lengua indígena? ¿Para qué sirve ?
 
Sabemos que en el mundo se hablan 6.700 lenguas y que más de 5.000 están amenazadas de extinción. Cada quince días muere una lengua en el planeta. Muchos consideran nuestras lenguas como moribundas, en el corredor de la muerte. Nosotros reconocemos la amenaza, pensamos que están anémicas, pero que pueden ser revitalizadas. No queremos que nuestra forma de hablar desaparezca. Somos pueblos de la oralidad. Queremos fortalecer la expresión oral en nuestras lenguas, asi como -  aunque no sea una reivindicación unánime - queremos apoderarnos de una nueva forma de comunicación: la escritura.
 
Algunos de nosotros, cuyas lenguas ya están extintas, hemos conseguido transferir parte de nuestros saberes a la lengua portuguesa – un portugués indianizado, con nuestras marcas, discriminado, pero que queremos que sea respetado. El escritor José Saramago dijo que existen varias lenguas dentro del portugués. No queremos que desaparezca nuestra forma de hablar, ni en la lengua indígena, ni en el portugués marcado por el contacto. Queremos apoderarnos de la escritura, que confiere prestigio, en nuestras lenguas y en portugués. 
 
No queremos una escritura funeraria, donde el libro funciona como si fuera um cajón que guarda los huesos de los sonidos y el cadáver de las palabras. Queremos una escritura viva. Leer es ver el sonido, ver un dibujo que nos permite representar un sonido y construir un sentido. Queremos una escritura que alimente nuestra oralidad. Queremos una escuela que contribuya en el aprovechamiento de la escritura en nuestras lenguas, como un medio de afirmación histórica, política, de creación artística y de ciudadanía. La lengua, preservadora de experiencias milenarias, es un modo de ver, percibir y pensar. Queremos que nuestros escritores indígenas publiquen narrativas, poesía, cantos, en nuestras lenguas.
 
Queremos ganar la letra, sin perder la palabra. Soñamos con una escuela que promueva tanto la oralidad como la escritura en lengua indígena para que sean valorizados los conocimientos, tradiciones y saberes de los ancianos. Queremos leer y escribir bien en nuestra lengua y en portugués, manteniendo el bilingüismo de forma permanente, no un bilingüismo transitorio, que sea un puente hacia el monolingüismo en portugués. Nosotros, que fuimos considerados ‘los sin-lengua’, ahora estamos aspirando usar las dos lenguas.
 
La lengua es el archivo de la historia, la canoa del tiempo, responsable por llevar los conocimientos de una generación a otra. Nos proponemos remar las dos canoas, que ya hacen parte de nuestra vida: una cargada de saberes tradicionales, la otra con los nuevos saberes, ambos necesarios para nuestra sobrevivencia y para la afirmación de nuestra identidad. Luchamos por un bilingüismo que guarde nuestra memoria en portugués y en una lengua indígena, re-actualizando permanentemente los saberes que circulan en ellas. Hoy, la mayoría de nosotros no puede vivir sin las dos, que ya hacen parte de nuestra forma de ser.  
 
Queremos que la escuela promueva tanto la oralidad como la escritura en lengua indígena para que podamos descubrir y valorizar nuestros propios conocimientos, nuestras tradiciones y los saberes de los ancianos. Queremos leer y escribir bien en nuestra lengua y en portugués.
 
Ganamos un espacio para usar nuestras lenguas en la escuela, es verdad. Ese espacio precisa ser consolidado, aprofundado. Pero eso es todavía poco. Queremos más. Queremos ampliar los espacios de los usos sociales de nuestras lenguas. En Bolivia, en Perú, en Ecuador, las lenguas indígenas se están usando en programas de radio y televisión. En Brasil, hace algunos años las instituciones oficiales prohibieron el uso del Nheengatu en un programa de radio en São Gabriel da Cachoeira, município del Estado de Amazonas, alegando que se trataba de una “lengua extranjera”, lo que seria prohibido por la Constitución. Queremos que nuestras lenguas sean co-oficializadas en  los municipios donde se hablan, para que no sean tratadas como lenguas extranjeras en nuestro propio territorio.
 
Hoy, además del portugués, el Nheengatu, el Baniwa y el Tukano son lenguas co-oficiales en São Gabriel da Cachoeira.

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

1 Comentário(s)

Avatar
comentou:
30/03/2012