CRÔNICAS

Sérgio Moro e Dona Diquinha: uma surra de terço

Em: 14 de Abril de 2019 Visualizações: 2402
Sérgio Moro e Dona Diquinha: uma surra de terço

- “É algo que pode acontecer” – admitiu Sérgio Moro, ministro da Justiça, comentando três dias depois o fuzilamento do músico Evaldo Rosa por soldados do Exército, que dispararam 80 tiros no carro da família a caminho de um chá de bebé, em Guadalupe, no Rio. Além do morto, dois feridos: o sogro do músico e um pedestre que tentou ajudar as vítimas.

- “Isso não pode acontecer” – berrou dona Diquinha, recatada e do lar, paroquiana do bairro de Aparecida, em Manaus, depois que um soldado da Polícia Militar, montado a cavalo, quebrou a clavícula do Taturaia, um menino de 8 anos que brincava no Beco da Escola no início da década de 1950. Sua reação inusitada foi dar uma surra de terço no policial.   

Afinal, a violência institucional contra cidadãos indefesos é algo que pode ou não pode acontecer? Vejamos os argumentos de Moro no presente e de Diquinha, no passado.

Morosidade

O ex-juiz da lava-jato e agora ministro da Justiça e da Segurança Pública do Governo Bolsonaro, embora tenha admitido o “incidente bastante trágico”, se enrolou todo sustentando que “lamentavelmente, esses fatos podem acontecer”, e que as pessoas não são treinadas para que isso aconteça, “mas tendo acontecido, o que conta é o que as autoridades fazem a esse respeito”.

E o que ele fez como autoridade que é? Calado ficou, como aliás todo o governo. Somente três dias depois do assassinato do músico, provocado pelo entrevistador Pedro Bial em um programa de TV, Moro respondeu que “se houve ali um incidente injustificável em qualquer espécie, o que aparentemente foi o caso, as pessoas têm que ser punidas”. Falou no condicional: “se houve” o “incidente. Foram 80 balas que ceifaram a vida de um honrado pai de família. Incidente? Cuidadoso, não quer condenar sem provas, pelo menos neste caso, para evitar “rugas” com o Exército. No frigir dos ovos, as aparências podem enganar. 

Somente cinco dias depois do crime, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, se pronunciou no mesmo sentido para dizer que “deve haver punição se houve erro”, mas afastou qualquer possibilidade de prestar assistência ou auxílio financeiro aos familiares do músico assassinado. Oitenta tiros no fuzilamento de um homem de bem e os dois ministros aventam a possibilidade de não ter havido erro. 

O Comando Militar do Leste havia soltado uma primeira nota no domingo com explicações fantasiosas de que os soldados teriam resistido ao ataque de bandidos armados dentro do carro. Parecia que ia prevalecer o alargamento do “excludente de ilicitude”, que trocado em bom português significa dar ao policial a prerrogativa de assassinar sob uma situação de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”. Neste caso, o militar sob “forte emoção”, deve ser perdoado – é o que defendem Jair Bolsonaro, Sérgio Moro e o governador do Rio, Wilson Witzel.

- Não me cabe fazer juízo de valor – disse ao Globo o governador e ex-juiz Witzel, que tirou o loló da seringa, recusando-se a comentar o crime.

“O Exército não matou ninguém” – disse o presidente Jair Bolsonaro seis dias após o assassinato, justificando: “O Exército é do povo. A gente não pode acusar o povo de ser assassino não” (FSP, 13/04). Diante de tal silogismo com essas premissas, Descartes tremeu em seu túmulo na Abadia de Sainte-Geneviève, em Paris. Se é certo o “Ego cogito ergo sum”, logo Bolsonaro não existe.

A tendência dominante no governo parecia ser aquela baseada na declaração de Jair Bolsonaro, em outro contexto anterior ao crime, quando declarou no Programa Câmera Aberta da Band: “Se vai morrer alguns inocentes, tudo bem, tudo quanto é guerra morre inocente” (sic).

Surra de rosário

Morreu mais um inocente, pois o delegado Leonardo Salgado, da Delegacia de Homicídios, desmontou a nota do Comando Militar do Leste. Era uma farsa. Foi então que a Justiça Militar curvou-se às evidências e expediu mandados de prisão contra nove dos dez militares presos pelo assassinato do músico. O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva deu a única declaração decente de uma autoridade: “Vamos apurar e cortar na própria carne”. Será que a Justiça Militar vai seguir o exemplo de dona Diquinha? 

Vão dizer que pareço Bozena, a empregada do programa de tv “Toma lá dá cá”. Diante de qualquer fato, ela jura que algo similar já ocorreu em Pato Branco (PR). Que culpa tenho se o Brasil inteiro cabe no meu bairro, que já viveu tudo o que acontece ou ainda vai acontecer no planeta? O que vou narrar teve como palco o bairro de Aparecida, em Manaus. Taí o Tuta, meu irmão, testemunha ocular da cena, que não me deixa mentir. Ou deixa?

Durante o governo Álvaro Maia (1951-1955) no Estado do Amazonas, cada dia, ao cair da tarde, uma patrulha de soldados da Polícia Militar galopava furiosamente em seus cavalos pelos estreitos becos e ruas dos bairros pobres da cidade, semeando o terror em crianças e jovens que buscavam o espaço público para se divertir. Era uma demonstração de força e de poder. Quem resistia era levado preso na “manduquinha”, o “camburão manauara”.  

- Lá vem a cavalaria! – alguém avisava quando ouvia o tololoc-tololoc. Todo mundo corria e se escondia em suas casas. Num dia, uma cavalgadura invadiu o Beco da Escola e deu um coice em um menino de 8 anos, o Taturaia, que brincava de cangapé atrás do Grupo Escolar Cônego Azevedo. Com a clavícula quebrada, a criança urrava de dor. 

Dona Diquinha, uma robusta zeladora do Apostolado da Oração da Paróquia de Aparecida, guardava pendurado na parede de quarto de dormir uma relíquia que ganhara no Primeiro Congresso Eucarístico Diocesano de Manaus, em 1942: um enorme rosário artesanal, cujas contas eram formadas por caroços de pupunha. Ela aproveitou que o policial caiu do cavalo e, empunhando o rosário como se fosse um chicote, deu-lhe uma surra dolorosa, gozosa e gloriosa, contemplando todos os mistérios do terço.

- Calma! Acidentes acontecem – contemporizava o seu Belarmino, marido de dona Diquinha, tentando neutralizá-la. Ela não ouviu o seu côn-ju-ge:

- Isso não pode acontecer – revidou, enquanto desferia chibatadas com o terço-chicote. Rezou pelo menos 150 ave-marias no lombo do meganha, que se escafedeu, descapirotizado. Desse dia em diante, a cavalaria não voltou mais a patrulhar o bairro de Aparecida, que pôde brincar e dormir em paz. Seus moradores agradeceram a Nossa Senhora do Rosário, de quem dona Diquinha era devota. Nunca um terço foi tão bem rezado. A “terçada” ocupou a primeira página do Diário da Tarde e foi o assunto dominante na banca de tacacá da dona Alvina. Foi ali, naquele bequinho estreito de um bairro pobre da Amazônia, que dona Diquinha deu uma lição de solidariedade e de revolta contra todo tipo de injustiça. Falta útero roxo a muita gente para se posicionar contra crime tão abominável que brada aos céus e clama a Deus por justiça..

Eis o que eu queria dizer. Nem o presidente, nem os seus ministros esboçaram qualquer gesto de solidariedade aos familiares do músico pela perda, o que torna trivial o crime hediondo. “É algo que pode acontecer” – disse o ministro da Justiça, referendado pela ministra dos Direitos Humanos, banalizando a violência, quando ambos são pagos por nós para evitar que isso aconteça.  Os titulares das duas pastas que deviam cuidar da justiça, dos direitos humanos, da vida não formularam nenhum juízo ético de valor.

Uma surra de terço, ainda que inusitada, também “é algo que pode acontecer”. Bem-aventurada dona Diquinha com sua fome e sede de justiça. É o caso de exigir: ministro, leia a vida da dona Diquinha, é fácil para quem é devorador de livros de biografias. Aprenda. Seja menos Moro e mais Diquinha. 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

32 Comentário(s)

Avatar
Décio Adams comentou:
11/05/2019
Parabéns José Ribamar Bessa Freire. Tem um formidável arsenal de historietas, repletas de exemplos que tresandam amor, ética, justiça e fraternidade. Uma delas sempre se adapta com perfeição ou serve de contraponto ao fato atual. De fato há coisas que não podem acontecer. Não é admissível que soldados do exército, desempenhando função de polícia, realizem um verdadeiro "tiro ao alvo]" tendo como alvo o automóvel de uma pacata família carioca, em um passeio vespertino para participar de um chá de bebê. A explicação de que teriam sido alvos de tiros originados do veículo, onde creio que não existia sequer um canivete ou coisa que o valha e pudesse eventualmente ser usado como arma. E dá-lhe surra de terço Dona Diquinha. Chame as vizinhas, as coirmãs e circundantes para se unir na flagelação com uso do terço.
Comentar em resposta a Décio Adams
Avatar
Eloina Santos comentou:
17/04/2019
Adoro os textos do Bessa, critica criativa.
Comentar em resposta a Eloina Santos
Avatar
Claudia Vianna comentou:
17/04/2019
Avatar
Rodrigo Martins Chagas comentou:
16/04/2019
Olá, professor Bessa! O senhor disse tudo, falta útero roxo para muita gente. É algo que NÃO pode acontecer, senhor ministro. E Viva Dona Diquinha! Um abraço querido professor. PS: professor, adorei a parte da Bozena, realmente tudo acontecia em Pato Branco (PR) hahaha
Comentar em resposta a Rodrigo Martins Chagas
Avatar
Ro Morello comentou:
15/04/2019
indignar-se é preciso... mais do que navegar... "Quando me encontro no calor da luta Ostento a aguda empunhadora à proa Mas meu peito se desabotoa E se a sentença se anuncia bruta Mais que depressa a mão cega executa Pois que senão o coração perdoa" Fado Tropical
Comentar em resposta a Ro Morello
Avatar
Lenise Ipiranga comentou:
15/04/2019
UaaaU ... Mil vezes UaaaaU ... Professor Bessa
Comentar em resposta a Lenise Ipiranga
Avatar
Wallace De Deus comentou:
15/04/2019
“Descapirotizado” é ótimo, Mestre !
Comentar em resposta a Wallace De Deus
Avatar
Ivone Andrade comentou:
15/04/2019
Esse governo é uma fraude. Só muita reza da Diquinha para mandar todos para o inferno. Até quando teremos que engolir toda essa bozorização ou teremos que subir na goiabeira com o terço da Diquinha e invocar as forças divinas para banir da face daTerra esse desgoverno seus sinistros e que levem seus "conge" juntos.
Comentar em resposta a Ivone Andrade
Avatar
Magela Ranciaro comentou:
14/04/2019
Uma arte, dizer por metáforas o que lhe é de direito: o respeito, se não aos mortos, aos vivos que "ainda" resistem.
Comentar em resposta a Magela Ranciaro
Avatar
Celso Sánchez comentou:
14/04/2019
Avatar
Clarice Novaes Da Mota comentou:
14/04/2019
Precisamos de mais Donas Diquinhas nesse mundo de meu Deus!
Comentar em resposta a Clarice Novaes Da Mota
Avatar
Mauricio Negro (via FB) comentou:
14/04/2019
Consegui sentir de tudo com sua crônica, mestre Bessa.
Comentar em resposta a Mauricio Negro (via FB)
Avatar
Nefer Hass (via FB) comentou:
14/04/2019
Menos Moro ou nenhum Moro, por favor, e 100 milhoes de Diquinhas!! Repetir isso 80 vezes tambem!
Comentar em resposta a Nefer Hass (via FB)
Avatar
Antônio de Pádua comentou:
14/04/2019
Se tudo isso ainda ocorre por lá creio que devemos instituir estágio curricular obrigatório no bairro de Aparecida
Comentar em resposta a Antônio de Pádua
Avatar
Maria Gorete Neto (via FB) comentou:
14/04/2019
Mais um lindo e preciso texto, José Bessa. O que dizer do "côn-ju-ge"
Comentar em resposta a Maria Gorete Neto (via FB)
Avatar
Susana Grillo comentou:
14/04/2019
Dona Doquinha, nossa heroína da justiça e dignidade. Que seja nossa inspiradora nesses tempos milicianos, de moros e damares, de feminicidios, de polícia com licença para matar!
Comentar em resposta a Susana Grillo
Avatar
Eunice Dias de Paula comentou:
14/04/2019
A morosidade das falas das ditas autoridades não serviu para que fossem falas pensadas! Mais uma vez, transparece o cinismo! Para eles, uma vida humana interrompida desse modo absurdo, não vale nada! E ainda, para quê 80 tiros? Estavam fazendo exercício de tiro ao alvo, por acaso???
Comentar em resposta a Eunice Dias de Paula
Avatar
Loretta Emiri comentou:
14/04/2019
Cada vez que leio seus textos, José Bessa, acontece que choro e rio ao mesmo tempo.
Comentar em resposta a Loretta Emiri
Avatar
Adeice Torreias comentou:
14/04/2019
Avatar
Marina Marcela Herrero comentou:
14/04/2019
Que beleza de crônica José Bessa. Cada vez que leio sobre esse fusilamento eu choro de raiva.
Comentar em resposta a Marina Marcela Herrero
Avatar
Venize Ramos Rodrigues comentou:
13/04/2019
Avatar
Suzana Escobar comentou:
13/04/2019
Fechada com Dona Diquinha
Comentar em resposta a Suzana Escobar
Avatar
Conceição Campos comentou:
13/04/2019
"Bem-aventurada dona Diquinha com sua fome e sede de justiça." (Obrigada por falar por nós, professor)
Comentar em resposta a Conceição Campos
Avatar
Roberto Zwetsch comentou:
13/04/2019
Excelente a crônica. Bessa. Estou com Dona Diquinha e não abro. Além de moro-sidade, o que temos é desfaçatez, corrupção de valores, insensibilidade social e perversão do uso do poder. Logo logo vamos bradar nas ruas e nos becos: abaixo a Ditadura! Roberto Z.
Comentar em resposta a Roberto Zwetsch
Avatar
Eneida comentou:
13/04/2019
Que falta faz nesse nosso sofrido Brasil atitudes como da D. Diquinha, mesmo q não tenhamos terço de caroço de pupunha.
Comentar em resposta a Eneida
Avatar
Maria do Carmo Cardoso (via FB) comentou:
13/04/2019
Avatar
Valter Xeu comentou:
13/04/2019
Publicado em Patria Latina http://www.patrialatina.com.br/sergio-moro-e-dona-diquinha-uma-surra-de-terco/
Comentar em resposta a Valter Xeu
Avatar
Tadeu Veiga comentou:
13/04/2019
Muito bem, manorréi José Bessa! Surra de terço neles!
Comentar em resposta a Tadeu Veiga
Avatar
João Felipe Catunda comentou:
13/04/2019
Eu era pequeno, mas me lembro da cavalaria, perto do cemitério, no Beco do Macedo. Era isso mesmo. Eles botavam pra quebrar, espancando quem encontravam pelo caminho, por isso a gente corria. Parece que foi o PTB no governo do Plinio Coelho que acabou com a cavalaria da PM.
Comentar em resposta a João Felipe Catunda
Avatar
Ludimila comentou:
13/04/2019
“... que venham a nós milhares, milhões de donas Diquinhas!” Como estamos precisando de Diquinhas nesse Brasil!
Comentar em resposta a Ludimila
Avatar
Ana Silva comentou:
13/04/2019
Preciosa, contundente e fina análise. Que maravilha de texto, Bessa. Parabéns a você e ao delegado Leonardo Salgado, a única AUTORIDADE que tratou essa execução de civis com sensatez, sensibilidade e respeito. Quanto ao "conge" e esse desgoverno, esses canalhas estão se lixando para o país e a população. Adorei, simplesmente sensacional esse texto.
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Celeste Correa comentou:
13/04/2019
É, mano...falta mesmo útero para esses canalhas...pelo jeito eles não têm nem culhões para se posicionarem com responsabilidade e nem o mínimo respeito pela vida humana quando se trata de blindá-los. Mas afinal de contas, "o que são oitenta tiros? será que houve mesmo erro". D. Diquinha, hoje só um terço é pouco, andamos precisados de um Rosário.
Comentar em resposta a Celeste Correa