CRÔNICAS

COSME E DAMIÃO: POR AMOR AO CINEMA

Em: 09 de Agosto de 2015
Tags:
Visualizações: 2868
                        What a glorious feeling / I'm happy again./
The sun's in my heart / And I'm ready for love.
(Singing in the rain)
 
(De São Paulo) Quem foi o Cosme? No Amazonas, os jovens não sabem, mas agora podem saber. O cineasta Aurélio Michiles – o Damião - dá a resposta no documentário "Tudo por amor ao cinema", que vi em São Paulo para onde o trabalho me levou. Confesso que fui à sala do shopping da Frei Caneca só para ver o Cosme. Vi. Mas acabei vendo muito mais. Vi o cinema e sua história. Vi a resistência à ditadura e a luta da memória contra o esquecimento. Vi Manaus, o Amazonas, o Brasil. Vi poesia, humor, lirismo. Vi dois amazonenses amantes do cinema: o Cosme e o Damião que narra, bordando de amor cada cena do filme.  
Ele, Cosme Alves Netto (1937-1996) está lá na pintura feita por seu "gêmeo". De corpo e alma. De frente e de perfil. Inteiro. Charmoso. Sua passagem pelo planeta é contada desde que nasceu em Manaus até a morte no Rio antes de completar 60 anos, passando por sua atuação em cineclubes, no Grupo de Estudos Cinematográficos da União Metropolitana de Estudantes, nos cursos de Comunicação da PUC e de Filosofia da FNFi, na programação alternativa do Cine Paissandu, na direção da Cinemateca do Museu de Arte Moderna. Suas andanças pelo mundo como "embaixador do cinema brasileiro", a militância na JUC e na Ação Popular, as prisões que sofreu, as mulheres de sua vida, nada escapou ao olhar atento e amoroso do Damião.
Aurélio Michiles, que já nos havia dado “O Cineasta da Selva” (1997) premiado em festivais internacionais, correu atrás do seu personagem. Consultou arquivos pessoais e familiares. Entrevistou dezenas de cineastas, atores, jornalistas, críticos de cinema, escritores, gente que teve o privilégio de conviver com Cosme. Filmou os lugares por onde ele passou: Manaus, Rio, São Paulo, Salvador, Brasília, Mossoró, Lisboa e Havana. Construiu uma narrativa, intercalando os depoimentos com cenas de 70 filmes, entre os quais “Cantando na Chuva”, o seu preferido. O filme guia dessa forma o olhar do espectador respeitando a inteligência e a sensibilidade de cada um.
No depoimento, o escritor Márcio Souza, seu amigo, lembra que todo fim de ano recebia Cosme em sua casa, quando assistiam juntos “Singing in the rain”.
– Até hoje, na passagem de ano, eu passo o musical em homenagem a ele. Coloco sua cadeira ao meu lado e assistimos juntos. Coincidentemente Cosme morreu no mesmo dia e na mesma hora que Gene Kelly – lembra Márcio.
A vida de Cosme foi toda ela dedicada a lutar contra o esquecimento. Ele salvou da morte obras cinematográficas que guardou clandestinamente em sua casa e na Cinemateca, registradas com nome camuflado para evitar que fossem destruídas pela polícia e pela censura. Foi o que aconteceu com “Cabra marcado para morrer” de Eduardo Coutinho – um dos entrevistados - que gravou as primeiras sequências em 1960, salvas por Cosme na Cinemateca do MAM onde ficou registrado com o poético e sugestivo título de “Rosa do Campo”. Desta forma, passou a perna na ditadura militar.
O filme conta as duas vezes em que Cosme Alves Netto foi preso pelos órgãos de repressão da ditadura militar. A primeira foi logo depois do Golpe de 64, por Cosme ter exibido na rebelião dos sargentos e marinheiros no Rio de Janeiro o Encouraçado Potemkin (1925) de Serguei Eisenstein, baseado num fato histórico ocorrido em 1905, na Rússia e na Ucrânia.
- Ele foi preso com a lata do Encouraçado, só que teve o cuidado de substituir o conteúdo por outro. Quando os militares o prenderam, atearam fogo numa película qualquer na frente do Cosme, achando que estavam destruindo o filme russo – conta Michiles.
- Cosme sempre lutou em favor da liberdade de expressão, dentro da Cinemateca ele não admitia a censura – diz o cineasta Luiz Rosemberg Filho, para quem “a função que ele exerceu na história do cinema brasileiro foi criar na Cinemateca um espaço de resistência em plena ditadura militar, quando se enfrentava proibição generalizada. Ele exibia filmes proibidos em sessões clandestinas em cineclubes e nas universidades”.
Sua segunda prisão pelo CENIMAR, na Marinha, é contada desde quando desistiu de fugir do Brasil, retornando de São Paulo para o Rio. Foi preso em seu apartamento. Levado para uma unidade militar, um oficial lhe ordenou que aguardasse sentado num sofá. Lá ficou esperando o momento de ser fichado e fotografado e de inventariar o que trazia: relógio, algum dinheiro, etc. Foi aí que se deu conta de que trazia no bolso sua agenda de endereços, cuja captura pelos gorilas levaria à prisão alguns companheiros e amigos. Passou a mão por baixo do sofá e constatou que lá havia um pequeno corte no forro. Jogou com a sorte. Enfiou a agenda lá naquele buraco.  
Cosme foi interrogado, espancado, torturado, mas não entregou ninguém. Seis meses depois, foi liberado. Saiu da prisão para a mesma sala por onde havia entrado. Ordenaram para que esperasse sentado no mesmo sofá a devolução de seus objetos pessoais. Ele se lembrou da agenda, enfiou a mão, estava lá. Retirou-a e colocou-a no bolso. Esse é o Cosme que Michiles nos mostra, trazendo-nos depoimentos de Isa Guerra com quem ia se casar antes de ser preso, Glória Barbosa - sua companheira na hora da morte e a filha dos dois.
A história de Cosme é narrada com depoimentos, entre outros, de Ana Arruda Callado, Eduardo Coutinho, Nelson Pereira dos Santos, Jurandy Noronha, Vladimir Carvalho, Walter Carvalho, Oswaldo Caldeira, Silvio Tendler, Orlando Senna, Andrea Tonacci, Geraldo Moraes, José Carlos Avellar, Luiz Rosemberg, Zelito Viana, Márcio Souza, Joaquim Marinho.
 "Tudo por amor ao cinema" já está passando em Manaus no Cinépolis do shopping Ponta Negra, com sessão diária às 21h50. Traz um dos pedaços nobres da história do Brasil, com a contribuição dada pelo Amazonas. Torço para que algum jovem amazonense, amante do cinema, possa curti-lo, com a esperança de que dentro de trinta ou quarenta anos faça um filme sobre Damião, que recebeu a tocha de Cosme e agora a está passando adiante.  A luta continua. Continuons le combat. Ce n´est qu´un début. 
P.S. - Outras crônicas onde Cosme aparece:
1. Revivendo Cosme (2006)
http://www.taquiprati.com.br/cronica.php?ident=163
2. Berinho e a transfusão de sangue:
http://www.taquiprati.com.br/cronica.php?ident=164
3.Cosme, cheiro de cinema (2014)

http://www.taquiprati.com.br/cronica.php?ident=1078

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

10 Comentário(s)

Avatar
Judite Rodrigues Pucu comentou:
21/09/2015
Independente da minha vontade, não consegui assistir o documentário do Damião sobre Cosme. Embora eu seja contemporânea, somente tomei conhecimento da existência desse interessante homem através de sua crônica esclarecedora.É uma pena não ter esbarrado com ele, em alguma Cinemateca que andei frequentando à época.
Comentar em resposta a Judite Rodrigues Pucu
Avatar
Raimundo Nonato Souza comentou:
10/08/2015
Estupendo! Obras como estas (o filme e tua crônica) fortalecem o meu orgulho de ser amazonense,
Comentar em resposta a Raimundo Nonato Souza
Avatar
Marilza Foucher (via FB) comentou:
09/08/2015
Até que fim uma memoria restaurada!
Comentar em resposta a Marilza Foucher (via FB)
Avatar
José Ribamar Mitoso comentou:
09/08/2015
Professor José Bessa, somos de gerações diferentes, duas décadas de distância, mas eu concordo com o senhor: A melhor narrativa é a dos amigos! Ela desliza do realismo crítico para o épico! Ultrapassa a complexidade humana das personagens da literatura socialista e recupera criticamente o épico do romantismo clássico da era burguesa. Uma declaração de amor! Estou com o Aurélio: Amigo meu não tem defeito. Comovente! Ainda experimentei algumas detenções, como militante estudantil, lutando contra a ditadura. Em uma delas, fui salvo pelo Professor Paulo Monte, que bateu na mão de um policial deslocando o revólver que apontava para minha cabeça e tentava me obrigar a assinar um depoimento falso. Mas outras detenções ocorreram. Tomei banho de urina em uma delas. Mas eu não guardo nem dinheiro, como posso posso guardar rancor? As ditaduras perseguem mesmo. Pior é a perseguição em plena democracia. Os tempos mudam. Sei o que é isto. Minha geração de escritores tem sua própria história. Sem épica. Mas com a fantasia contra os fantasmas!
Comentar em resposta a José Ribamar Mitoso
Avatar
Renata comentou:
09/08/2015
eu não conheço o cosme, infelizmente, mas se ele teve a nobreza de alma de salvar essas películas todas, inclusive o eisenstein da truculência militar(como assim, atear fogo?) e, sobretudo, a caderneta de telefones e a vida de todas essas pessoas é claro que eu preciso conhecer, qd passar no rio vc avisa? pelo visto está só em sp, não é? Contato de Renata
Comentar em resposta a Renata
Avatar
Lilian Costa Nabuco dos Santos comentou:
08/08/2015
Caro Bessa, que grata surpresa a tua narrativa do belo documentário de Aurélio Michiles sobre o Cosme. Mas não é para estranhar pois as coisas importantes você não deixa escapar! Desde o início dos anos 60 admirava o Cosme. Já era empolgada com cinema, frequentava as sessões do MAM e do Paissandú e sabia do trabalho dele no GEC, na União Metropolitana dos Estudantes. Hoje mais ainda, depois de saber do seu legado: 20 mil cópias de filmes no acervo na Cinemateca do MAM, contendo importantes obras primas da história do cinema, que durante toda a sua vida Cosme buscou mundo afora sem poupar esforços e as exibiu, enfrentando inclusive a Ditadura. Fez disto a missão da sua vida com uma determinação e comprometimento inabaláveis. Uma história exemplar de vida que me fez lembrar dele e daqueles tempos, me emocionar e chorar algumas vezes durante o filme. Bela imagem sua de Cosme passando a tocha para Damião - o diretor, que realizou este importante e belo documento, preservando e divulgando a vida e obra do Cosme - uma destas raras figuras que nos deixa um sentimento de orfandade em face do panorama atual do nosso país e do mundo. Um abração - Lilian
Comentar em resposta a Lilian Costa Nabuco dos Santos
Avatar
Renato Veras comentou:
08/08/2015
Grande Bessa!, fiz a faculdade de Medicina na Praia Vermelha e eu era o responsável pelo CECIME, o cine clube da Faculdade de Medicina. Inúmeras idas ao MAM e fantásticos empréstimos concedidos pelo Cosme. Período de chumbo, mas incríveis e de muito vigor. Hoje sinto falta da esperança presente daquele período.
Comentar em resposta a Renato Veras
Avatar
Sandra de Almeida Figueira comentou:
08/08/2015
Muito ladino esse Cosme! As tardes de exibição no MAM marcaram a geração de 70. Onde podemos assistir o documentário, Bessa ?
Comentar em resposta a Sandra de Almeida Figueira
Avatar
Mauro Villas Boas (via FB) comentou:
08/08/2015
O filme é lindissimo, está no Espaço Itau
Comentar em resposta a Mauro Villas Boas (via FB)
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
08/08/2015
Linda, emotiva, poética!! Esse é o nosso grande Bessa! Grata por conhecer essa linda história de vida, do nosso país!
Comentar em resposta a Ana Stanislaw