CRÔNICAS

CASIMIRO, O ÍNDIO DO MAR BÁLTICO (EL OREJIVERDE, em espanhol)

Em: 26 de Julho de 2015 Visualizações: 6467
CASIMIRO, O ÍNDIO DO MAR BÁLTICO (EL OREJIVERDE, em espanhol)
- Pai Nosso que estais no céu, santificado seja o Vosso Nome, venha a nós o Vosso que diabo é isso...
Era assim que índios Tukano de uma comunidade do Rio Negro rezavam em sua língua materna, quando o padre Casimiro Béksta lá chegou na década de 50. Intrigado, ele investigou e descobriu que a oração havia sido traduzida no início do séc. XX por um missionário italiano que não falava tukano, ajudado por um índio que não falava bem português. Num processo bastante simplório, o italiano ia perguntando em português e anotando palavra por palavra em tukano:
- Como vocês dizem "pai", "céu", "nome", "terra", "dia"?
Até que indagou:
- E "reino"?
Sem saber se "reino" se comia com farinha, a resposta do informante tukano, que agradaria a Pierre Clastres, foi equivalente a algo assim como:
- Que diabo é isso?
O italiano não duvidou, inseriu esta locução na versão tukano do Pai Nosso achando que significava "reino" e voltou para a Itália. Mas os índios, que ficaram décadas sem missionário, não esqueceram aquela oração sem nexo até a chegada do padre Casimiro, que identificou o equívoco quando se tornou fluente em tukano.
Essas e outras histórias deliciosas sobre diferença de língua e cultura e sobre a alteridade nunca mais serão contadas por Casimiro Beksta (1923-2015), que faleceu nesta terça-feira, num hospital de Manaus, aos 92 anos. Algumas, porém, ficaram registradas em artigos e cartas, duas das quais enviadas a mim, guardadas como preciosidades, onde discute a história do nheengatu e a tradução, que não se limita ao aspecto formal e sistêmico da língua, mas abarca também outros elementos culturais.
Língua suja
No relato sobre as "Experiências de um pesquisador entre os Tukano" (Revista de Antropologia, USP, 1968) Casimiro defende que na coleta das narrativas míticas não se deve usar intérpretes, porque "a tradução nunca será completa e o intérprete poderá até mesmo adaptar a narração ao gosto do branco". Recomenda: "a condição indispensável é que o pesquisador conheça a língua".
Ele aprendeu a língua com seus alunos. Um deles foi Gabriel Gentil. O outro Álvaro Tukano, "o mais brilhante de todos", lhe ensinou que "as palavras sagradas usadas nas cerimônias tem sentido diferente da linguagem cotidiana, portanto é necessário saber o significado próprio de cada expressão", o que implica conhecer os meandros da língua e saber interpretar sentidos no seu contexto de uso. Não foi difícil entender os índios, para quem vivenciara experiência similar em sua terra natal.
Nascido na Lituânia, Casimiro falava lietuvių kalba ou lituano, uma língua báltica minoritária que estava em contato com outras de maior prestígio como o polonês, o russo e o ucraniano. Sofreu muito com a discriminação de sua língua materna considerada suja, moribunda, sem futuro, pobre e atrasada. O preconceito se estendia às narrativas, canções e contos populares da mitologia lituana que circulavam na tradição oral e que ele ouvia, encantado, na sua infância. Nesse sentido, Casimiro Béksta era um índio do Mar Báltico.
Por isso, foi amor à primeira vista quando chegou ao Rio Negro (AM) em 1951. Sua história estava lá, na identificação com os índios da região que falam 23 línguas e nelas narram seus mitos. Fugiu da Lituânia, anexada pela União Soviética em 1940, passou pela Alemanha e desembarcou no Amazonas, enviado pela Congregação Salesiana. Mas a diversidade linguística e cultural que o deslumbrava, incomodava sua Congregação que criou internatos, onde as crianças indígenas eram castigadas fisicamente e obrigadas a lavar a boca se falassem a língua materna.
A "paudagogia"
Esse índio do mar Báltico sofria na própria pele o tratamento dado pela escola salesiana, ainda mais porque fazia parte da Congregação que impunha o português a ferro e fogo, reprimia os idiomas maternos e buscava apagá-los do mapa linguístico. Talvez por isso ele buscou refúgio no CIMI - Conselho Indigenista Missionário, órgão da CNBB, que fazia críticas contundentes à "paudagogia" praticada nos internatos. Foi lá que eu o conheci, quando editávamos em Manaus, em 1978, o Porantim, "um jornal em defesa da causa indígena", com o teólogo Paulo Süss, secretário do CIMI, o pesquisador Renato Athias e o seminarista Ademir Ramos.
Casimiro me ajudou a escrever para este jornal do CIMI uma matéria sobre a epidemia de suicídios entre os índios do Rio Negro, que tinham em comum o fato de serem todos alunos ou ex-alunos dos internatos ou de algumas das 117 escolas mantidas pela Prelazia em área indígena. Eram mais de 7.000 crianças e jovens humilhados e emudecidos em suas respectivas línguas. Uma delas, Ana dos Santos, 15 anos, aluna da 7ª série da escola de Santa Isabel disparou um tiro de espingarda na barriga.
- O suicídio é prática desconhecida entre as culturas do Rio Negro. Tanto é que não existe tradução para a palavra "suicídio" nas línguas indígenas - nos informou Casimiro.
Relacionei esta informação com o artigo “Langage et Pathologie Sociale” do antropólogo belga Marcel D´Ans, que eu acabara de ler, no qual usa a categoria ‘souffrance’ para explicar que o desespero provocado pelas tensões e conflitos linguísticos criados, neste caso, pela escola “pode chegar, nos casos mais graves, ao suicídio”. Escrevi, então, o artigo panfletário "Como matar índio com giz e apagador", questionando o internato salesiano. Publiquei no Porantim com o nome do meu finado pai, J. Barbosa, preservando a mim e ao Casimiro.
Os mitos
Suspeito que os superiores da Congregação desconfiavam da relação de  Casimiro com o tal J. Barbosa, autor de outros artigos provocadores, que faziam referência aos mitos tukano pelos quais Casimiro se apaixonara, dando dicas valiosas para sua coleta.
Num curso de Antropologia Amazônica ministrado em 1978 por Carmen Junqueira, Beto Ricardo e Rubem César na Universidade do Amazonas, Casimiro contou que presenciara uma criança ser mordida por cobra numa comunidade do alto Uaupés. Era preciso transportá-la para um hospital em São Gabriel da Cachoeira, distante três dias por via fluvial, percorrendo trechos encachoeirados de difícil navegabilidade, onde ocorriam sempre naufrágios e mortes. Um barco de pequeno porte estava disponível, mas não havia quem o pilotasse, os índios especialistas estavam ausentes.
- Eu levo o barco - se ofereceu um jovem tukano.
- Você já fez essa viagem? - perguntou Casimiro.
- Eu nunca, mas meus primeiros ancestrais fizeram este trajeto na cobra-canoa e eu conheço os wametisé - os lugares por onde a cobra-grande passou, meu avô me contou a história das casas de transformação.
A narrativa mítica registra, efetivamente, as referências geográficas, as marcas e os sinais nas pedras, nas praias, nas serras, nas ilhas e acabou sendo usada pelo jovem como um mapa de navegação. Orientado pelo mito, o jovem tukano passou por todas as cachoeiras e guiou o barco com a criança enferma até São Gabriel. Recentemente, a Foirn, o ISA e uma equipe de filmagem do Video nas Aldeias mapearam esses lugares sagrados para fortalecer os conhecimentos tradicionais sobre o território e contribuir para sua proteção e seu manejo adequado.
Casimiro nos deixou as narrativas que registrou, as línguas que estudou, os documentos que produziu e uma admiração incondicional pelos índios. Daqui do Diário do Amazonas o nosso adeus saudoso ao índio do mar Báltico, esperando que a carta de navegação da cobra-canoa lhe seja útil nessa última viagem até Heripõrã duhiriwii, "a casa onde moram coração, alma".
P.S. - Da correspondência irregular que mantive com Casimiro, conservo duas cartas que me enviou em 2004, onde fala de seu trabalho, de seus projetos, de suas dúvidas, de suas leituras e discute, entre outras questões, a de autoria indígena.
 
CASIMIRO, EL INDIO DEL MAR BÁLTICO
El Orejiverde, diario de los pueblos indígenas Edición digital nº +170 - 29 Dic 2015 - 9:49 - See more at: http://www.elorejiverde.com/index.php/el-don-de-la-palabra/119-casimiro-el-indio-del-mar-baltico#sthash.y2gwEtY0.dpuf
Edición digital nº +21 - 02 Ago 2015 - 12:14 - Argentina
José R. Bessa Freire
 
 CASIMIRO BEKSTA, REDENTOR DE NARRATIVAS Y LENGUAS INDÍGENAS, FALLECIÓ EN MANAOS, EL 21 DE JULIO, A LOS 92 AÑOS.
 
- Padre Nuestro que estás en los cielos, santificado sea Tu Nombre, venga a nosotros tu qué diablos es eso...
Era así que los indios Tukano de una comunidad del Rio Negro, en la Amazonía brasileña, rezaban en su lengua materna, cuando el padre Casimiro Béksta llegó en la década de 50. Intrigado, investigó y descubrió que la oración había sido traducida a inicios del siglo XX por un misionero italiano que no hablaba tukano, ayudado por un indio que no hablaba bien portugués. Con un proceso bastante simplista, el italiano iba preguntando en portugués y anotando palabra por palabra en tukano:

- ¿Cómo se dice "padre", "cielo", "nombre", "tierra", "día"?

Hasta que indagó:
 
- ¿Y "reino"?
 
Sin saber si "reino" se comía con pan, la respuesta del informante tukano, que agradaría a Pierre Clastres, fue equivalente a algo así como: ¿Qué diablos es eso?
 
El italiano no titubeó, incluyó esta locución en la versión tukano del Padre Nuestro pensando que significaba "reino" y regresó a Italia. Pero los indios, que quedaron décadas sin misionero, no olvidaron aquella oración sin sentido hasta la llegada del padre Casimiro, que identificó el equívoco cuando se tornó fluente en tukano.
 
Esas y otras historias deliciosas sobre diferencia de lengua y cultura nunca más las contará Casimiro Beksta (1923-2015), que falleció el 21 de julio en Manaos, a los 92 años. Sin embargo, algunas quedarán registradas en artículos que discuten la historia de las lenguas indígenas y el proceso de traducción, que no se limita al aspecto formal y sistémico de la lengua, si no que abarca también otros elementos culturales.
 
Lengua sucia
Casimiro postula que al colectar las narrativas míticas no se debe usar intérpretes y recomienda: "la condición indispensable es que el investigador conozca la lengua". Él aprendió Tukano con sus alumnos. No fue difícil entender a los indios, para quien como él, tuviera una experiencia similar en su tierra natal. Nacido en Lituania, Casimiro hablaba lietuvių kalba o lituano, una lengua báltica minoritaria en contacto con otras de mayor prestigio como el polaco, el ruso y el ucraniano. Sufrió mucho con la discriminación de su lengua materna considerada sucia, moribunda, sin futuro, pobre y atrasada. El prejuicio se extendía a las narrativas, canciones y cuentos populares de la mitología lituana que circulaban en la tradición oral y que escuchaba encantado, en su infancia. En este sentido, Casimiro Béksta era um indio del Mar Báltico.
 
Por eso, fue amor a primera vista cuando llegó al Rio Negro, en 1951, enviado por la Congregación Salesiana. Su historia estaba allí, en la identificación con los indios de la región que hablan 23 lenguas y en ellas narran sus mitos. Mas la diversidad lingüística y cultural que lo deslumbraba, incomodaba a su Congregación que creó internados, donde los niños indígenas eran castigados y obligados a lavar la boca si hablasen la lengua materna.
 
Dolor y suicidio
Este indio del mar Báltico que había sufrido en la propia carne ese mismo tratamiento escolar, sufría más porque hacía parte de una Congregación que imponía el portugués a sangre y fuego, reprimiendo los idiomas maternos con el objetivo de borrarlos del mapa lingüístico. Tal vez por eso buscó refugio en el Consejo Indigenista Misionero (CIMI), órgano de la Conferencia Nacional de los Obispos de Brasil (CNBB), que hacía críticas a la prohibición de las lenguas en los internados. Fue allí que lo conocí, cuando editábamos en Manaos, en 1978, el Porantim, "un periódico en defensa de la causa indígena".
 
Casimiro me ayudó a escribir una materia sobre la epidemia de suicidios entre los indios del Rio Negro, que tenían en común el hecho de ser alumnos o ex-alumnos de los internados o de algunas de las 117 escuelas sustentadas por la Prelacía en área indígena. Eran más de 7.000 niños y jóvenes enmudecidos en sus respectivas lenguas. Una de ellas, Ana dos Santos, 15 años, alumna de la 7ª serie de la escuela de Santa Isabel disparó un tiro de escopeta en el vientre.
 
- El suicidio es práctica desconocida entre las culturas del Rio Negro. Tanto es así que no existe traducción para la palabra "suicidio" en las lenguas indígenas - nos informó Casimiro.
 
Relacioné esta información al artículo “Langage et Pathologie Sociale” del antropólogo belga Marcel D´Ans, que acabara de leer, en el que usa la categoría ‘souffrance’ para explicar que el desespero provocado por las tensiones y conflictos lingüísticos creados, en este caso, por la escuela “puede llegar, en los casos más graves, al suicidio”. Escribí entonces, el artículo "Como matar indio con tiza y borrador", cuestionando el internado salesiano.
 
Los mitos
Casimiro llamó la atención sobre la importancia de los mitos indígenas. Contó que estaba presente cuando una serpiente venenosa mordió a un niño en una comunidad indígena. Era necesario transportarla a un hospital que quedaba a tres días por vía fluvial, cuyo recorrido tenía trechos con cascadas de difícil navegabilidad, donde ocurrían siempre naufragios y muertes. Un barco de pequeño porte estaba disponible, pero no había quien lo pilotase, los indios especialistas no se encontraban.
 
- Yo llevo el barco - se ofreció un joven tukano.
 
- ¿Tú ya hiciste este viaje? - preguntó Casimiro.
 
- No, nunca, pero conozco el mito que narra el trayecto de la cobra-canoa y los lugares por donde pasó evitando las cascadas.
La narrativa mítica registra, efectivamente, las referencias geográficas, las marcas y las señales en las piedras, en las playas, en las sierras, en las islas que acabó siendo usada por el joven como un mapa de navegación. Orientado por el mito, el joven tukano pasó por todas las cascadas y guió el barco con el niño enfermo hasta su destino. Recientemente, un equipo cinematográfico recorrió esos lugares sagrados del mapa para fortalecer los conocimientos tradicionales sobre el territorio y ayudar a protegerlo con su manejo adecuado.
 
Casimiro nos dejó las narrativas que registró, las lenguas que estudió, los documentos que produjo y una admiración incondicional por los indios. Nuestro adiós saudoso al indio del mar Báltico, esperando que la carta de navegación de la cobra-canoa le sea útil en este último viaje hasta Heripõrã duhiriwii, "la casa donde residen corazón, alma".
 
Fuente:José R. Bessa Freire (www.taquiprati.com.br) Fecha: 2/08/2015
 
http://www.elorejiverde.com/index.php/el-don-de-la-palabra/119-casimiro-el-indio-del-mar-baltico
 
Manaus, dia 24 de março de 2004
Muito estimado Senhor,
Acabo de receber o volume de "Línguas Gerais" da ed. UERJ, 2003. Muito agradecido por esta contribuição e por Sua dedicatória.
I.
Neste tempo estou colocando no computador os antigos catecismos em Língua Geral do rio Negro e reorganizando os Vocabulários de Stradelli. Constatei uma série de problemas nestes textos: como apresentar, aos falantes de Língua Geral, nomes de personagens e idéias abstratas de uma cultura importada tão diferente. Estou traduzindo os textos da Língua Geral para o português, pensando, o que os receptores daquelas mensagens podiam ter entendido.
No volume recebido, Alfaro relata dados do 3º Concílio Limense, onde sofriam o mesmo problema: ou colocar o nome de Deus indígena, e assim confirmar a mitologia antiga, ou impôr o nome de Deus em espanhol, e este, como corpo estranho, não comunicava nada ao indígena....Logo, desde séc. 16 até hoje não foi encontrada a solução.
Também na Missão Salesiana em Tapuruquara os meninos yanomámi, junto com os caboclos, cantavam nos domingos as Vésperas em latim.... do mesmo modo como os tucanos cantam animados, no dabacuri, o Kapiwayá, numa antiga língua Aruak, sem saber o que significa o texto cantado.
II.
Acho a Sua tese histórica sobre a Língua Geral Amazônica muito rica de informações. Repetidas vezes leio e releio, parece até como enciclopédia especializada! Por isso, venho a molestá-lo com um pedido:
Eu gostaria descobrir, de que modo o Antônio de Amorim Brandão conseguiu de se atribuir a Autoria das lendas por ele publicadas:
 
1. Stradelli, no apêndice aos vocabulários (pág.740-760) traz lendas baré (Kukuhy, Poronominare) e Erém, lenda cubéua (pg.762 e 768) anotando: Das lendas indígenas RECOLHIDAS POR MAX J. ROBERTO, transcriptas por Antônio Amorim. Será que Brandão usou o manuscrito do M. J. Roberto, sem indicar a autoria do texto original? As duas lendas baré estão no volume do Amorim Brandão (Kukuhy, pág.311-319); Poronominare, pág. 177-172). A lenda Erem, trazida por Stradelli, não está no volume das lendas do Am Brandão.
 
2. No volume das Lendas em nheengatu e em português, 1987 [1926], Amorim parece ser coletor único desses textos, usa o verbo em 1ª pessoa singular, nas notas: - dahi o sermos recebidos (pág.43, nota 3), - Não tenho encontrado (pág 43, nota 3), - querendo eu trazer algumas fui vel-as...(pág. 47, nota 17) EM CARURU - pude apenas alcançar que da bocca de seus antepassados sabiam... (pág. 51), - Encontrei apenas quatro pessoas (pág.211, Nota), - a quem devo também as notas sobre o dabucury entre os Macuxys (pág. 211, nota).
 
3. Na introdução, "o illustrado general dr. Aurélio de Amorim" (pág. 07) conta como seu irmão, o Antonio Brandâo do Amorim, "o COLLECTOR das histórias e lendas (pág.07)".... "Nos dias de férias mettia-se numa canôa e, em companhia de Maximiano, já remando, já pegando o jacumã, lá se iam a visitar as malocas, a estudar e aprender os costumes indígenas, sua língua....(pág. 09)" e assim "esteve nos rios Negro e Branco (pág.09)" sem indicar até onde os dois teriam chegado: será que ambos estiveram no alto Uaupés, entre os Cubéua e Uanana? E lá, na penumbra da maloca, Max. J. Roberto teria taquigrafados as longas falas do velho informante, para depois o Brandão coletar e "transcrever" os manuscritos de Max. J. Roberto?
 
4. Na biografia "Em memória" do conde E. Stradelli, Cascudo exalta o Max. J. Roberto como RECOLHEDOR apaixonado de centenas de lendas (pág. 9), lendas das guerras do Buopé, das quais Stradelli fêz a tradução italiana, no Boletim Geográfico. "Uma coleção preciosa sobre as andanças guerreiras e os mitos de Jurupari. É a série recolhida pacientemente por Max J. Roberto e traduzida admiravelmente por Antônio Brandão de Amorim", diz Cascudo (pág.61), "Em Memória de Stradelli". Estas lendas das guerras dos Buopés estão na coleção do Brandão Amorim, em nheengatu e português, sem mencionar o Max. J. Roberto.
 
5. J. Barbosa Rodrigues, no vol.2º de Muyrakytã, conta como Max J. Roberto entregou a lenda do Jurupari ao Stradelli, que a traduziu ao italiano e publicou sem mencionar o nome de Max. . Roberto. - A. Brandão, na longa nota (6) na pág. 224 refere-se à Lenda de Jurupari, dizendo: "a grande lenda colhida por Max .Roberto".
 
6. O Desembargador Geraldo Pinheiro me tinha emprestado um livrinho de Stradelli, impresso em Manaus, "Dois poemetos" (Ajuricaba e Pitiapo). No Pitiapo há uma maravilhosa descrição poética do amanhecer (texto autêntico de Stradelli), que poderia ser incluída nas antologias das Belas Letras amazônicas. Depois, em estilo métrico do poema, descreve a guerra dos Uananas, que parece bastante próximo ao texto publicado em Nheengatu-português, por Brandão Amorim.
 
Será que naquele tempo cada um cuidado de publicar textos indígenas com seu próprio nome, sem dizer como obteve os dados do escritor indígena:
 
Sei que o Sr, conhece isto melhor que eu, e peço queira dar Suas dicas, a respeito desta questão. Talvez poderia fazer um artigo, melhor do que o do Cascudo, para devolver ao Max J. Roberto os direitos autorais e a importância do "autor indígena", de cujos manuscritos se aproveitavam os brancos. O Max J. Roberto foi nono-neto de Buopé, filho de uma irmã do tuxáwa de Jaureté-Cachoeira, descendente direto de Cári, primogênito do grande chefe Tariana (pág.63, Cascudo, Em Memória de Stradelli(.
 
Sem mais, saúdo-O respeitosamente, desejando-Lhe feliz Páscoa"
Pe. Casimiro Beksta, SDB (assinatura)
 
 
Manaus, dia 20 de julho de 2004
Muito estimado Senhor,
 
Acabo de receber "o rio Babel", ainda quente, recém-impresso. Fiquei muito feliz, vendo que o texto da Sua dissertação tornou-se uma fonte acessível a muitos, onde poderão compreender o vai-vem da história do Nheengatú Amazônico e saber onde ficam os textos antigos: a rica bibliografia orientará as novas pesquisas.
 
A dedicatória ao José Parel é belissimo resumo do que é esta língua: o José Parel, sateré-mawé, comunica-se com o menino branco José, na língua intermediária, que é Nheengatú, "língua de comunicação interétnica"
 
Agradeço-Lhe também por Sua amizade, manifesta no Seu autógrafo.
 
Com maiores augúrios para o sucesso dos Seus trabalhos,
saúda-O respeitosamente
Pe. Casimiro Béksta. Caixa Posta 427, 69.011-3903 - Manaus-AM.
 

 

 

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

27 Comentário(s)

Avatar
Hans Weiser comentou:
11/09/2015
Impressionante, gostei muito o relatado acima, e gostaria de ler mais!!!
Comentar em resposta a Hans Weiser
Avatar
Falcão Vasconcellos comentou:
19/08/2015
José Bessa, parceiro de memoráveis jornadas. Um eterno "sub-versivo. Gloria e treva nas alturas e baixadas.
Comentar em resposta a Falcão Vasconcellos
Avatar
Daniel Canosa comentou:
02/08/2015
Muchas gracias por la traducción José, de parte de todo el equipo del Orejiverde, excelente texto! Un abrazo. Contato de Daniel Canosa
Comentar em resposta a Daniel Canosa
Avatar
Martiniano Neto comentou:
28/07/2015
Caro Bessa, Estou fazendo doutorado em antropologia social no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de Brasília. Pesquiso educação e saúde entre os Tapayúna da aldeia Kawerêtxikô, Terra Indígena Kapoto Jarinã, Mato Grosso. Estou especialmente curioso em ler seu "artigo panfletário" Como matar índio com giz e apagador. Como poderia ter acesso a ele? Pesquisei na Internet e não consegui encontrá-lo. Agradeço desde já, Martiniano Neto. Contato de Martiniano Neto
Comentar em resposta a Martiniano Neto
Avatar
Mercio Gomes comentou:
28/07/2015
Muito comovente e informativa essa crônica-necrológico de Bessa sobre o Padre Casimiro. Parabéns ao autor.
Comentar em resposta a Mercio Gomes
Avatar
Daniel Canosa comentou:
28/07/2015
José Hermoso relato, con estos ejemplos es posible llegar a entender la complejidad oculta de la cultura tukano, la riqueza de las narrativas míticas orales conservada bajo otras formas de conocimiento, muy significativo este aporte que te agradezco mucho hayas compartido. Un abrazo Daniel
Comentar em resposta a Daniel Canosa
Avatar
Geraldo Andrello comentou:
27/07/2015
Obrigado pela crônica, muito bonita e oportuna!! Ótima iniciativa de divulgar o incômodo do Casimiro com a apropriação dos escritos de Maximiliano Roberto por Stradelli e Brandão de Amorim. A mim incomodava a mesma coisa.... A biografia de Maximiliano é realmente muito interessante, também por iluminar a história dos Tariano de Iauaretê
Comentar em resposta a Geraldo Andrello
Avatar
Sandra de Almeida Figueira comentou:
26/07/2015
Bessa, penso que você pode ser herdeiro não consanguíneo de Casimiro, com a maestria e gentileza que nos introduz questões tão sérias. Estive por muitos anos estudando os mitos indígenas da região amazônica, antes de decidir-me por apresentar no mestrado e doutorado questões que eram mais próximas de meu trabalho cotidiano. Encanta-me usufruir de sua análise sobre esses pontos. Entendi que a língua geral utilizada pelos primeiros europeus que chegaram a nosso país era o tupi do litoral e que o nheengatu era uma linguagem do índios do interior, da região das gerais de minas, de goiás e do amazonas. Lendas de Jurupari, dos Barés, dos Maêus, dos Parintintis, coletadas por Stradelli. O sincretismo da cultura espanhola com a indígena que transformou a MuyraKytã das Amazonas da região do oeste da Amazonia como o símbolo de ápice da reprodução dos guerreiros de outras tribos, como Macunaíma descendente do indios da região do Rio Banco, do rio Uaupes. ao leste, que tinha uma árvore sagrada com todos os frutos da terra. Parabéns, e grata mais uma vez por compartilhar de sua análise. Que Deus que nos iluminou com Casimiro, seu amigo, continue derramando seres como ele em nosso convívio.
Comentar em resposta a Sandra de Almeida Figueira
Avatar
Ronaldo Derzy (no blog do Sarafa) comentou:
26/07/2015
Fui aluno (não tanto aplicado) de antropologia do Padre e antropólogo Casimiro Béksta no antigo CENESCH que tão bem o José Bessa retrata nesse texto. Lembro da sua sala que mais parecia uma oficina de reparo de eletroeletrônicos de tanta tralha que ele guardava em meio aos livros. Ele costumava ir a pé ida e volta do Colégio Domingos Savio até o CENESC todos os dias. Uma figura ímpar como educador e missionário.
Comentar em resposta a Ronaldo Derzy (no blog do Sarafa)
Avatar
Marco Antonio C. Velloso comentou:
26/07/2015
Fui aluno também quando fiz filosofia no CENESCH, curso que não conclui. Grande antropologo de Deus.
Comentar em resposta a Marco Antonio C. Velloso
Avatar
Rita Segato comentou:
26/07/2015
Maravilhoso, Josê Bessa. Emocionante. Não tenho como dizer quanto me comocionou seu extraordinário relato e o perfil que traça de Casimiro. Abraços e muito obrigada!
Comentar em resposta a Rita Segato
Avatar
Dina Araujo comentou:
26/07/2015
Professor José Bessa, acabei de ler a sua crônica "Casimiro, o índio do mar báltico" e fiquei muito interessada em conhecer o seu artigo panfletário "Como matar índio com giz e apagador". Este material está disponível? Se está, onde encontrá-lo? É possível enviá-lo por e-mail? Justa e bela homenagem ao Pe. Casimiro. Interessante observar que no seio da Igreja Católica surjam pessoas tão cruéis e ao mesmo tempo outras tão sensíveis à diversidade, à diferença. Isso para mim é uma incógnita. Observei nas andanças que fiz entre os Estados de Sergipe, Alagoas e Bahia é que os nomes dos povoados, municípios, cidades possuem nomes de origem indígena. Abraços, Dina,
Comentar em resposta a Dina Araujo
Avatar
Hans Alfred Trein comentou:
30/07/2015
Caro Bessa, obrigado por essa crônica e por dignificar o trabalho e a vida do Pe. Casimiro. Associo-me ao interesse de Dina Araújo de conhecer o seu artigo sobre como matar índio com giz e apagador. Abraço, Hans
Comentar em resposta a Hans Alfred Trein
Avatar
Renato Athias comentou:
26/07/2015
Mereceria um citação de um filme (2009) sobre a vida do Casimiro: Remições do Rio Negro de Erlan Souza e Fernanda http://www.tvnavegar.com.br/video/?idv=79
Comentar em resposta a Renato Athias
Avatar
Hery de Pauxis (via FB) comentou:
25/07/2015
Minha avó era Schwab (tribo germanica) do Mar Báltico. Esse índio pode ser meu parente. Os Romanos chamavam o Mar Báltico de Mare Suevorum porque os Suevos (Schwabs) o consideravam um lago de propriedade deles.
Comentar em resposta a Hery de Pauxis (via FB)
Avatar
Sheila Dourado (Facebook) comentou:
25/07/2015
O Padre Casimiro Beksta morreu na última terça feira, aos 92 anos em Manaus. Admirável pela trajetória junto aos povos indígenas na Amazônia, em especial os do Alto Rio Negro, ele começou a estudar as línguas indígenas para melhor compreender e se comunicar com seus alunos no internato salesiano. Em 2008, em Manaus, num evento sobre etnología indígena na Faculdade Salesiana, tive acesso a uma publicação editada em sua homenagem, onde encontrei uma entrevista sua (entrevistas eram raras!), cujo trecho transcrevi na minha tese de doutorado sobre conhecimentos tradicionais e que vale muito a pena compartilhar aqui. Com a palavra, Padre Casimiro: "Naquela época, os meninos não podiam falar línguas indígenas na sala de aula, somente português. Então havia dois meninos, irmãos, que tinham fama de ter ficado um ano inteiro em silêncio. Como eles não sabiam falar português, eles não falavam nada na escola. Eles comiam junto com os outros, mas não falavam nada. Quando soube desta proibição, tentei entender o porquê dela. Disseram-me que as línguas indígenas eram línguas sujas. Então comecei a estudar o Nheengatú no dia-a-dia dos alunos. Como não havia dicionários, nem gramáticas sobre isso, comecei a prestar atenção nas conversas dos meninos, pedia para que eles me contassem histórias, quaisquer histórias. Então comecei a escrever e fiz o que você chamou de gramática. E uma das coisas mais interessantes que descobri era que as línguas indígenas não possuíam palavras feias, nem xingamentos. Então os meninos falavam em Nheengatú, mas quando queriam se xingar, se xingavam em português. Quando percebi essas coisas, deixei a proibição de lado e fiz com que eles trouxessem suas línguas maternas para a escola".
Comentar em resposta a Sheila Dourado (Facebook)
Avatar
25/07/2015
Bessa, que bom voce resgatar a importancia daqueles que pouco aparecem, como Casimiro e Max.Roberto. Obrigada! Contato de Manuela Carneiro da Cunha
Comentar em resposta a Manuela Carneiro da Cunha
Avatar
Renato Athias comentou:
25/07/2015
Babá, legal você resgatar pedaço da história de Casimiro. Eu estava na Terra Indígena Kapinawa, em Pernambuco, quando fiquei sabendo da passagem de Casi (como chamávamos) para a outra vida. Conheci o P. Casimiro em novembro de 1972, em Manaus, pouco dias antes de viajar para Missão Yauareté, onde eu deveria passar um período de tempo e implantar na Missão o método SDB de Alfabetização de Adultos (Português) a pedido do Diretor da Missão. Já nesses dias antes de viajar, Casí me forneceu vários subsídios para eu entender a Lingua Tukano e as demais línguas do Alto Rio Negro. Ele me deu um livreto da Língua Hupdah organizado pelo P. Antonio Giacconi, que tenho até hoje. Sua conversa comigo foi extremamente importante para eu poder chegar, e logo poder compreender o contexto político, social e linguistico dessa região. Ele fez realmente uma grande introdução a toda essa região. E, eu posso dizer que até hoje suas palavras ainda estão guardadas comigo. Ele soube através da lingua Tukano compreender não só o contexto indígena, mas penetrar na visão de mundo desse povo. E, sabia, como todo mestre, transmitir muito bem a beleza do mundo indígena dessa região o que guardo até hoje. Sei que Casi está vivendo agora em uma outra dimensão e não podemos ouví-lo. Mas, ele onde estiver, poderá escutar: Casí, muito obrigado.
Comentar em resposta a Renato Athias
Avatar
Ana comentou:
25/07/2015
Grande homem, soube cumprir muito bem o seu papel na Terra. Quanto a esse choque na tradução, estendendo, à comunicação também, e em geral, vejo, a ambos caóticos, mas necessários, em todos os campos e até hoje. Como o aprendizado é lento... e, quando uns amadurecem, outros novos surgem. Esses ciclos se renovam em círculos; experientes ajudando a novatos e vice-versa...Mas como é difícil para os índios sobreviverem a tantos ignorantes que se acham soberanos. Fico feliz por saber que algumas etnias já estão amadurecendo e não se deixam influenciar tanto por esses curiosos que não entendem nada de relatividade. Algumas até se armando mesmo, com armas de fogo. Esses "donos da verdade" merecem fogo na cara em vez de índios se matando por serem violentados no profundo do seu ser. - Não poder falar a sua própria língua... !!! É muita violência!!! Acho que deve ser o único tipo de suicido bem visto por Deus.
Comentar em resposta a Ana
Avatar
Raimundo Nonato Souza comentou:
25/07/2015
Babá, muito obrigado por me enviar regularmente suas crônicas. Conheci o Padre Casimiro em 1971, quando ele foi meu professor no Cenesch. Gostei muito deste seu texto. Parabéns pela sua dedicação à causa indígena. Bravo!
Comentar em resposta a Raimundo Nonato Souza
Avatar
Elaize Farias (FB) comentou:
25/07/2015
Pe. Casimiro Beksta partiu nesta semana. Houve um pouco caso na imprensa diária local para o fato. Talvez as novas gerações desconhecem a relevância do trabalho de Casimiro na etnografia amazônica e dos povos indígenas, além de sua luta política incompreendida no passado. Casimiro veio da Lituânia direto para a Amazônia. Morou décadas no Alto Rio Negro, onde desconstruiu métodos de catequização e se aprofundou nos problemas da região. O José Bessa resgatou algumas particularidades da vida de Casimiro Beksta. Muito bom.
Comentar em resposta a Elaize Farias (FB)
Avatar
R,,Bessa comentou:
25/07/2015
http://pib.socioambiental.org/pt/noticias?id=13101 PADRE CASIMIRO, UMA VIDA DEDICADA Á CULTURA INDIGENA. Elaize Farias. Diário do Amazonas, 29/08/2004, republicada pelo ISA
Comentar em resposta a R,,Bessa
Avatar
Ribamar Bessa comentou:
25/07/2015
Em 2004. o Instituto Socioambiental publicou o artigo inspirador da jornalista Elaize Farias que arrancou uma entrevista com o padre Casimiro, que dificilmente aceitava falar com jornalistas.
Comentar em resposta a Ribamar Bessa
Avatar
25/07/2015
Bonita crônica, que celebra a vida longa e as contribuições de uma pessoa, sob muitos aspectos, admirável. Conheci Casimiro Béksta há muitos anos, no primeiro curso de Linguística de que participei, como docente, para indigenistas do CIMI. Contato de Marília Facó Soares
Comentar em resposta a Marília Facó Soares
Avatar
Dalvo comentou:
25/07/2015
Excelente professor Kasimiro. Aprendi muito com ele sentados no jardim do CENESC atrás da casa do bispo na Joaquim Nabuco. Até fazer fotos em áreas indígenas ele me ensinou. Mostrou os slides que ele fez à época que chegou ao Alto rio Negro. Emprestou-me uma edição do dicionário de Stradelli para eu estudar. A última vez que estive com ele foi no seminário dos salesianos na Visconde de Porto Alegre, em Manaus. Poderia-se pensar em homenagens a ele, tal como um centro cultural: o Ademir Ramos é bom nisso, pois tem contatos em Manaus. Obrigado pelo, mais um, excelente texto. Pena que o conteúdo seja a partida do professor Kasimiro.
Comentar em resposta a Dalvo
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
25/07/2015
Bessa, que linda história do "índio do mar Báltico". Essas pessoas deixam, sempre, muitas saudades. Muito interessante a carta dele para ti. A história do índio Max Roberto também é fascinante e este índio merece ter o seu reconhecimento! Obrigada por mais esse texto lindo sobre línguas, narrativas, indígenas, estórias que ganham vida e o mundo em tuas mãos.
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
ana lucia abrahim comentou:
25/07/2015
Caro amigo Bessa, grande perda a dessa figura rara e insubstituível que foi Pe. Casimiro! Pergunto a você: sabe se ele formou discípulos? Abs, Ana
Comentar em resposta a ana lucia abrahim