CRÔNICAS

VAI, POROROCA, PARA O NORDESTE

Em: 04 de Janeiro de 2015
Tags:
Visualizações: 7357
"Rio caminho que anda  /  e vai resmungando talvez uma dor. 
Ah quanta pedra levaste  / outra pedra deixaste sem vida e amor".
Miltinho - Eu e o Rio
 
Excelentíssimo Sr. Governador do Estado do Amazonas
José Melo de Oliveira
Saudações! Escrevo essa carta, mas não repare os senões, para dizer o que penso sobre o seu projeto de transportar água do rio Amazonas para o semiárido nordestino, anunciado antes de sua posse num almoço com jornalistas na Secretaria Estadual de Fazenda. Ali, na sobremesa, V. Exª disse ter se inspirado no oleoduto da Sibéria para propor a construção, "com dinheiro do Tesouro", de um duto, cuja trajetória, nos cálculos dos especialistas, vai da foz do Amazonas até Maceió, cruzando o sertão de sete estados: MA, PI, CE, RN, PB, PE e AL (Ver mapa).
Na ocasião, em presença de todo o secretariado, V. Exª declarou que vai apresentar o projeto no primeiro encontro com a presidente Dilma a quem pretende convencer com argumento irrespondível publicado nos jornais de Manaus (30/12):
- "A água do Rio Amazonas vai para o mar e não há nenhuma comprovação científica de que a retirada da água doce faça alguma interferência na natureza. Se eu fosse a Dilma, investiria na ideia. Vou levar essas ideias para ela, vou colocar no ouvido dela essas minhas loucuras".
Que loucura que nada, governador! Deixe de autocrítica exagerada. É isso mesmo! Surpreendente revelação: a água do rio vai para o mar. A cada segundo, o rio Amazonas joga fora no ralo do oceano Atlântico cerca de 300 mil metros cúbicos de água, o que representa um quinto de toda a água fluvial do planeta. Quanto desperdício! Para que tanta água, meu Deus? Ela vai se misturar com água salgada, o que é um estrago inútil, o melhor mesmo é compartilhá-la com quem precisa. Imagina se a natureza vai ficar preocupada com a retirada da água doce! Isso é frescura de ambientalista.
Aqueduto Melo Merenda
Sem querer puxar vosso excelentíssimo saco, senhor governador, acho que a Dilma vai a-do-rar. Esse projeto genial, que pensa o futuro amazônico vinculado ao Brasil, reflete o raciocínio simples de pessoa humilde como V.Exª., que começou sua carreira como datilógrafo da Universidade Federal do Amazonas, foi nomeado depois pelo governo militar diretor da Assessoria Especial de Segurança e Informação (AESI), encarregado de identificar os subversivos daquela instituição e depois, em 2005-2006, presidiu a Sociedade de Navegação Portos e Hidrovias do Amazonas (SNPH). Isto lhe dá legitimidade em questões de flumenlogia.
Este projeto, uma jogada de mestre, lhe traz duas vitórias políticas. De um lado, V. Exª que é do PROS (vixe, vixe) entra na seara do Ministério de Minas e Energia, cujo novo titular é o senador cadeirudo Eduardo Braga (PMDB, vixe, vixe), seu adversário derrotado nas últimas eleições para governador do Amazonas. De outro lado, costura relações com os governadores do nordeste. Se o projeto se concretiza, V. Exª decola para outros voos que podem aterrizar quiçá no Palácio do Planalto. Nunca um amazonense foi presidente da República. A hora se avizinha.
Do ponto de vista econômico, as vantagens são muitas. Uma obra de tal vulto vai gerar empregos e salvar empreiteiras desmoralizadas na Operação Lava Jato que investiga lavagem de dinheiro na Petrobrás. O desvio do curso do rio pode render tanto, mas tanto, que o desvio de ovos da merenda escolar vai parecer coisa de criancinha. Além disso, irrigará terras amigas da senadora Kátia Abreu, afilhada de casamento da presidente Dilma, incentivará a produção de soja, fortalecerá o agronegócio, aumentará as exportações, trazendo divisas para o país.
Do ponto de vista geopolítico, os benefícios são incontáveis. O Amazonas, que hoje com seus 6.992,06 km é o segundo rio mais extenso do mundo, se tiver seu curso ampliado atingirá mais de 10.000km, o que o levará ao primeiro lugar no ranking, deixando o Nilo e o Mississipi-Missouri lá atrás. Aí sim será um "rio de integração", podendo captar verbas do Ministério de Integração Nacional, comandado por Gilberto Occhi (PP, vixe, vixe), cujo orçamento autorizado em 2014 foi de R$ 10,9 bilhões.
Por tudo isso sugiro que o novo curso do rio Amazonas pelo nordeste se chame Aqueduto José Melo Merenda, codinome popular com que seu autor é conhecido no Amazonas. Homenagem merecida.
Flumicídio
Longe de mim querer fazer intriga, mas V. Exª deve desconfiar do novo ministro da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo. Ele é bem capaz de se apropriar do projeto, modificando-o e dando-lhe conteúdo nacionalista, já que o rio Amazonas é visto pelos xenófobos como um "rio impatriótico", pois suas águas cavam e engolem terras no Brasil que são carregadas pela corrente oceânica do Gulf Stream até a Flórida, nos Estados Unidos. (Será por isso que a emergente burguesia de igarapé compra imóveis em Miami, querendo ficar perto da terrinha surrupiada?).
O certo é que, com o aqueduto, a Amazônia deixará de ir de bubuia para Miami para seguir em direção ao Brasil profundo. No entanto, enquanto V. Exª quer ir para o Nordeste, advirto que Aldo Rebelo vai escolher São Paulo como destino final. É provável que quando tome conhecimento do projeto genial, com cujas premissas concorda, Aldo Rebelo convoque a equipe que já fez um novo traçado, ampliando a extensão do aqueduto (ver mapa).
No novo curso alternativo proposto, o rio corta o sul do Pará e o Tocantins, dá uma desviada pela Bahia onde corre lentamente, que ninguém é de ferro, desce desconfiado por Minas Gerais onde atravessa a fazenda dos Neves, em Cláudio, para humilhar o aécioporto, e de lá vai resmungando uma dor pelo Rio de Janeiro, bordeando a fronteira até São Paulo.
A escolha que interessa Aldo Rebelo obedece a razões econômicas e políticas. É que ele quer concorrer ao governo de São Paulo, em 2018, ou como candidato a vice-presidente de Lula. Dessa forma, pretende isolar o governador Alckmin (PSDB, vixe, vixe), que decretou o racionamento e está multando quem não economizar água.
Senhor governador, seja qual for o trajeto do aqueduto, o Amazonas está de parabéns por ter um gênio no seu comando. Não ligue para a oposição que vai denunciá-lo como flumicida, assassino de rios. Eles não sabem o que falam. Ao contrário de Vossa Excelência.
A morte dos rios
Dou-lhe, senhor governador, um conselho de graça para levar esse projeto até o final. Existem três livros que V.Exª NÃO pode ler sob hipótese alguma, porque contradizem a tese melo-merendista de que - segundo a ciência - a retirada de água doce não fere a natureza. A leitura deles deixa claro que secas como a de São Paulo ou do Nordeste foram produzidas pelo homem que mexeu com o sistema hídrico e alterou o balanço de entrada e saída de água. Sem programa inteligente de gerenciamento de bacias hidrográficas, a água vai pro brejo e com ela todos nós.
O primeiro livro a evitar é a Morte Social dos Rios - Conflito, Natureza e Cultura na Amazônia escrito por Mauro Leonel, professor do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em integração da América Latina da USP. O autor mostra como os diferentes segmentos sociais se apropriam dos rios, considerados como importantes para a natureza da qual o homem faz parte. Estuda a relação do poder com a malha fluvial desde o Brasil colônia até a República, condenando sua exploração predatória.
O segundo livro que não deve ser lido é de autoria do historiador Victor Leonardi - Os historiadores e os rios - com um estudo sobre o rio Jaú. Ex-professor das Universidades de Brasília, Unicamp e Berkeley, ele relaciona meio ambiente, história social e ambiental e analisa as mudanças ao longo do tempo. O autor escreveu outro livro a ser também evitado - Entre árvores e esquecimentos: história social dos sertões do Brasil - no qual analisa o papel dos rios no interior do país.
O terceiro livro - Os senhores dos rios: Amazônia, margens e história - conta com vários autores e foi organizado por Mary del Priore, ex-professora da USP e da PUC/RJ e Flávio dos Santos, historiador, professor da UFRJ. Lá, os autores discutem conceitos e abordam a dinâmica de fronteira, a diversidade na Amazônia, a organização do trabalho, analisando as representações do europeu sobre a região.
Fuja desses livros, senhor governador, como o capiroto foge da cruz sob o risco de sua leitura fazer V. Exª mudar de opinião. Eles estão apoiados em dados empíricos, em documentos, em fatos. Se os tempos fossem outros, os bons tempos em que funcionavam nas universidades as AESIs, tais livros seriam certamente queimados por atentarem contra a ordem vigente.
Excelentíssimo senhor governador, o nosso projeto - permita que use aqui o possessivo - seja qual for o traçado, traz vantagem adicional: vai levar para fora da Amazônia a pororoca, que derruba árvores de grande porte e deixa insegura a população ribeirinha. Que a pororoca vá estrondar em Maceió, em Santos ou no raio que o parta.

Atenciosamente. Amos. Atos. Obros. Taquiprati

P.S. 1 A foto foi pirateada, o mapa foi elaborado pela especialista doutora pela USP A.P.Souza Artaxo.

P.S. 2 - P.S. 3 = VEJA OS O OVOS DO MELO: OMELETE

http://www.taquiprati.com.br/cronica.php?ident=372.

 

 

 

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

36 Comentário(s)

Avatar
NELITON MARQUES comentou:
08/01/2015
Se Leandro Tocantins estivesse vivo reeditaria sua obra com o título O RIO QUE COMANDA A MORTE; após ter conhecimento de mais esse delírio do nosso governador. Parabéns Bessa! Contato de NELITON MARQUES
Comentar em resposta a NELITON MARQUES
Avatar
Magela Ranciaro comentou:
06/01/2015
Nessas horas, vale muito nomear um Conselheiro, não mais com status de Assessor Político, mas um Conselheiro Espiritual! Afff!!!
Comentar em resposta a Magela Ranciaro
Avatar
Olivia Maria Maia comentou:
06/01/2015
Fantástico! Tens o dom de me revirar no avesso com suas crônicas (sabes que gosto do 'babado' rs). Quando te leio fico matutando algo que alguém já disse por aí (não lembro quem):" Assim como as palavras criam a realidade, elas criam, também, a ficção. A beleza da ficção é ver realidade nas palavras" . Por não conhecer o passado nem o presente do Sr. Melado fico cá com os meus botões acreditando que tudo é ficção... De melança e melados nós já estamos cheios, né?.
Comentar em resposta a Olivia Maria Maia
Avatar
Marilia Canabrava (viomondo) comentou:
05/01/2015
Muito bacana a ideia. Que a Presidenta se empolgue com a mesma e se digne a jogar esta cartada ainda no seu governo. Mas, mesmo com todo o Rio Amazonas saciando a sede do Brasil, é preciso pensar que o agronegócio está levando o País a se tornar um deserto. A continuar assim, já já teremos de arrendar nossos aquíferos p/ produzirmos divisas!
Comentar em resposta a Marilia Canabrava (viomondo)
Avatar
Gilson Raslan (Viomondo) comentou:
05/01/2015
Está aí a melhor solução para resolver o problema hídrico de Sum Paulo. O maior obstáculo para a execução do projeto é dinheiro, mas isto não é problema, pois quando os PETRALHAS da Operação Lava Jato estiverem engaiolados, Dilma for defenestrada do poder e Aécio Neves assumir o governo no dia primeiro de abril, vai sobrar muito dinheiro para os tucanos se associarem na execução da obra.
Comentar em resposta a Gilson Raslan (Viomondo)
Avatar
Marco Antonio Reis (Viomondo) comentou:
05/01/2015
ainda tem um incoveniente trazer o rio amazonas com o tal trajeto eu me pergunto e como vai ser o cruzamento entre o AMAZONAS E O SAO FRANCISCO, rio nao tem viaduto nao tem ponte porque ambos estao sob o proprio rio e nao ele sobre a ponte ou viaduto.
Comentar em resposta a Marco Antonio Reis (Viomondo)
Avatar
Tarcisio Lage comentou:
05/01/2015
É da pororoca que ele vai tirar a água? Eu que sou ignorante no assunto, pergunto: de quem?
Comentar em resposta a Tarcisio Lage
Avatar
Regina Duarte (via FB) comentou:
05/01/2015
A água doce que vai salgar. Em tempos de falta do tesouro mais importante da humanidade, a nossa água vai pro mar. José Bessa escreve pro governador do Amazonas. Será que ele terá resposta em tempos de Aldo Rebelo no ministério da tecnologia?
Comentar em resposta a Regina Duarte (via FB)
Avatar
Wiramar Cavalcante Magalhaes comentou:
04/01/2015
Tem nada não... Depois a natureza da o troco!!!
Comentar em resposta a Wiramar Cavalcante Magalhaes
Avatar
Alex Mamed comentou:
04/01/2015
Quando ele sugeriu isso a Dilma, havia fumado o que ha de melhor em Manaus. A bicha e da boa mesmo.
Comentar em resposta a Alex Mamed
Avatar
Agostinho Sato (Blog AM) comentou:
04/01/2015
Como o Brasil gosta de jogar dinheiro fora. É mais uma obra mirabolante.
Comentar em resposta a Agostinho Sato (Blog AM)
Avatar
Sergio de Lima Moreira (Blog AM) comentou:
04/01/2015
Uma boa ideia o problema são os jornalistas neoliberais golpistas que desejam entrega a riqueza da Amazônia para os imperialistas americanos, os alienados eco chatos e a justiça preguiçosa do Brasil bando de desocupados.
Comentar em resposta a Sergio de Lima Moreira (Blog AM)
Avatar
Maria Genesio Dois (Blog Amazonia) comentou:
04/01/2015
MONTE DE IGNORANTES BRASILEIROS , A ÁGUA QUE SAI DA FOZ DO RIO ( OU ATÉ DE CENTENAS DE QUILÓMETROS ANTES ) TEM QUE SER BOMBEADA PORQUE QUALQUER LUGAR ( NORDESTE, SÃO PAULO OU CONCHINCHINA ) É MAIS ALTO QUE A FOZ DO RIO QUE , NATURALMENTE , ESTÁ AO NÍVEL DO MAR !!!! OU SEJA , QUE TODOS SAIBAM QUE A ÁGUA NÃO 'CORRE' PRA CIMA SIMPLESMENTE POR DECRETO !!!! OS 'BRILHANTES' TRAÇADOS DESENHADOS NO MAPA NÃO LEVAM EM CONTA O RELEVO !!!! E O CUSTO DE BOMBEAMENTO , DEVIDO NÃO SÓ À ALTURA COMO TAMBÉM À PERDA DE CARGA PELA ENORME DISTÂNCIA , ENFIM, O GASTO EM ENERGIA , FAZ QUE SEJA MAIS BARATO DESSALINIZAR A ÁGUA DO ATLÂNTICO RETIRADA DO LITORAL DO NORDESTE MESMO, QUE ESTÁ MUITO MAIS PRÓXIMA !!!! É REALMENTE UM ABSURDO O RÍDÍCULO A QUE SE EXPÕEM OS BRASILEIROS E SEUS POLÍTICOS ELEITOS . NÃO HÁ ESCOLAS NO BRASIL?
Comentar em resposta a Maria Genesio Dois (Blog Amazonia)
Avatar
Luciano Soares (Blog Amazonia) comentou:
04/01/2015
Antes deste idiota falar em levar agua a outros estados ele devia fazer ter agua em todas as torneiras da cidade de Manaus, pois ele nao bebe agua na Cidade de deus, nem no piorini, ou jorge teixeira este idiota e mais um que quer se mostrar , e tipo o alfredo nacimento como Ministro dos Transportes o Cidadao nao consegue andar de Onibus em manaus mas colocam ele como ministro por favor agora vem este ridiculo falar em levar agua por favor
Comentar em resposta a Luciano Soares (Blog Amazonia)
Avatar
Benedito Carvalho Filho comentou:
04/01/2015
Ao invés que querer desviar o rio Amazonas, o governador não deveria era enviar lista de professores para o SNI na época da ditadura (desculpem o trocadilho). Muitos certamente - como eu - não entenderam o por que "Melo Merenda".
Comentar em resposta a Benedito Carvalho Filho
Avatar
Ribamar Bessa comentou:
04/01/2015
Oi Benede, Veja OS OVOS DO MELO - OMELETE http://www.taquiprati.com.br/cronica.php?ident=372
Comentar em resposta a Ribamar Bessa
Avatar
Janaina Almeida Queiroz (via FB) comentou:
04/01/2015
Avatar
Beth Souza (via FB) comentou:
04/01/2015
Kkkkkkkkkkkkkkk esse Zé merenda endoidou de vez.
Comentar em resposta a Beth Souza (via FB)
Avatar
VÂNIA NOVOA TADROS comentou:
04/01/2015
ERÁS-TE!!! JÁ QUEREM ACABAR ATÉ COM A NOSSA ÁGUA A ÚNICA COISA QUE TEMOS EM ABUNDÂNCIA E , PARA MUITOS, AINDA SE FOREM BUSCAR NA BEIRA DO RIO OU NOS CAMBURÕES QUE A VENDEM NOS BAIRROS. NANANINANÃO DEIXEM O NOSSO PRECIOSO LÍQUIDO AQUI MESMO, SENÃO VÃO EXIGIR QUE TOMEMOS BANHO EM 2 MINUTOS E NESSE CALOR VAMOS TER EPIDEMIAS DE DESIDRATAÇÃO, INSOLAÇÃO E ETC.
Comentar em resposta a VÂNIA NOVOA TADROS
Avatar
Francisco Napoli comentou:
04/01/2015
SOU DA OPINIÃO QUE COM A NATUREZA NÃO SE MEXE, ONDE FOI PARAR A TRANSPOSIÇÃO DO VELHO CHICO, QUE ATÉ HOJE NÃO SAIU DO PAPEL E O QUE ACONTECERÁ SE SAIR DE SEU CURSO, TEMOS VISTO QUE ELE JÁ ESTÁ EM PROCESSO DE DEGRADAÇÃO EM ALGUMAS PARTES, E O MAR ADENTRA RIO ACIMA: TEMOS QUE APRENDER QUE O HOMEM NÃO PODE TOCAR NA NATUREZA E SIM APROVEITAR O QUE ELA NOS DÁ DE PRESENTE, TUDO QUE ESTÁ ACONTECENDO, COMO A FALTA D'ÁGUA E MODIFICAÇÕES NO SISTEMA CLIMÁTICO TEM A VER COM AS MÃOS DOS HOMENS; QUE DEVASTARAM AS MATAS E MATARAM COVARDEMENTE OS ÍNDIOS E OS HABITANTES DA FLORESTA. BASTA DE DEVASTAÇÃO.
Comentar em resposta a Francisco Napoli
Avatar
Karo Munduruku (FB) comentou:
04/01/2015
Ai ai... A Amazônia esta chorando, ai ai, que dor. Ai ai que horror - Trecho musical
Comentar em resposta a Karo Munduruku (FB)
Avatar
João Guilherme Cunha (FB) comentou:
04/01/2015
Na velocidade do São francisco, acabariam em 2099.... Com o "stalinista caviar" Aldo Rebelo,..... imagina quantos "aditivos" !!!
Comentar em resposta a João Guilherme Cunha (FB)
Avatar
Angelisson Japi'i Tenharin comentou:
04/01/2015
Isso que ele quer causar é uma catástrofe
Comentar em resposta a Angelisson Japi'i Tenharin
Avatar
Ciléia Pontes (via FB) comentou:
04/01/2015
Interessante os jornalistas ouvirem isso calados e ng perguntar: "o sr ta falando serio"?
Comentar em resposta a Ciléia Pontes (via FB)
Avatar
Marco comentou:
04/01/2015
O FEBEAPÁ continua pujante nos tempos de diuma. Tristes tempos.
Comentar em resposta a Marco
Avatar
Fernando Soares Campos comentou:
04/01/2015
Caro professor Bessa, genial! Melhor: geniais! Sua Excelência e V.Sa. com as suas imprescindíveis dicas. Entretanto, desde que você me trata por “parceirinho”, sinto-me autorizado e meter o bedelho onde não fui chamado. A questão é: E os royalties? Como seriam cobrados os royalties da água? Afinal, água vale mais que petróleo bruto, mais até mesmo que gasolina. Ainda ontem paguei R$4,50 por 1,5 l de mineral da Nestlé. Sem gás! Bem, o que interessa aqui é sugerir que, ao longo do aqueduto, na saída para fornecimento em cada estado, seja instalado um hidrômetro gigante. Aí, basta que, no final de cada mês, um funcionário do AMM passe fazendo a medição do consumo. Agora, é só expedir os boletos de pagamento, ou aceitar débito automático sobre as verbas do governo federal destinadas a cada estado. Hein?! E aí, gostou?
Comentar em resposta a Fernando Soares Campos
Avatar
Elaize Farias (via FB) comentou:
04/01/2015
[mas essa ..hum.. brilhante sugestão não é inovadora. O Mangabeira Unger já tinha dado essa ideia, lembro bem, num evento em que ele participou em Manaus. Por onde anda Mangabeira?].
Comentar em resposta a Elaize Farias (via FB)
Avatar
Cleide Miquelina Alves Gomes (via FB) comentou:
04/01/2015
Doido. Uma quer afogar o Norte com tanta hidroelétrica o outro o quer secar. E detalhe olha lá de onde vai ser o ponto de distribuição parte daqui do Pará, é muita sem vergonhice. Mas seja de onde for é estar em plena insanidade mental.
Comentar em resposta a Cleide Miquelina Alves Gomes (via FB)
Avatar
Elaíze Farias (via FB) comentou:
04/01/2015
Esse é o nosso representante. Já começa bajulando a chefe-maior oferecendo uma obra vultosa. Muito generoso. Ele só tem que conversar com o Peru, com o Pará e com a pororoca.
Comentar em resposta a Elaíze Farias (via FB)
Avatar
Nikolaus Tarouquella (via FB) comentou:
04/01/2015
Elaíze, fiquei sem palavras ao saber que a real política brasileira supera as minhas fantasias mais surreais e sórdidas! Agora só falta propor a bifurcação para São Paulo..
Comentar em resposta a Nikolaus Tarouquella (via FB)
Avatar
GRAÇA BARRETO comentou:
04/01/2015
Avatar
Evelyn Orrico comentou:
04/01/2015
Bessa, meu querido Veríssimo, o L F, a quem reputo extrema sensibilidade e inteligência, disse certa vez que ironia deveria receber um diacrítico. ah!ah!ah! Mais uma vez, brilhantes as suas observações. Parabéns!
Comentar em resposta a Evelyn Orrico
Avatar
Ana Stanislaw comentou:
03/01/2015
É, parece que está virando moda mesmo as transposições de rios no Brasil! Por que não vira moda o caráter, o 'buen gobierno'? Esses canalhas estão se lixando para os problemas ambientais, as secas dos rios, falta d'água, extinção de animais, população. Gostei Bessa!
Comentar em resposta a Ana Stanislaw
Avatar
João Amiraldo comentou:
03/01/2015
A materia acima termina com a frase: Para a prefeita de Santarém, Maria do Carmo Lima (PT), "antes é necessário que se cuide bem da água da Amazônia para o povo amazônico". "Vivemos às margens dos maiores rios do mundo e não temos água encanada dentro de casa."
Comentar em resposta a João Amiraldo
Avatar
Antonio P. Oliveira comentou:
03/01/2015
Caro Professor Bessa! A "brilhante ideia" do Excelentíssimo Senhor Governador, na verdade é um plágio do Ex- Secretário de Planejamento do Governo Lula, Roberto Mangabeira Unger. Ele foi quem primeiro teve essa "brilhante ideia". E, embora tenha dado aula em Harvard, certamente não leu a bibliografia indicada no seu artigo. confira aqui: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1701200812.htm
Comentar em resposta a Antonio P. Oliveira
Avatar
Jandir Ipiranga Jr comentou:
03/01/2015
Mais uma transposição ? Em meu entender intransponível ! Técnica e ecologicamente uma incógnita que não será transposta, da mesma forma que o Amarelo após Três Gargantas. O grande chinês está morrendo lentamente.
Comentar em resposta a Jandir Ipiranga Jr