CRÔNICAS

REQUERIMENTO AO REITOR MACIEIRA

Em: 30 de Dezembro de 2007
Tags:
Visualizações: 4235

.

Magnífico Reitor da Universidade Pessoa de Moraes – UNIPEM
Francisco José Wilker Macieira
 
José Taquiprati Bessa Freire, professor universitário, casado, noveleiro, amazonense do bairro de Aparecida (Manaus) atualmente exilado em Niterói (RJ), dono de um cachorro de boa índole, chamado Patife, em quem manda, e propriedade de um gato de olhos verdes, conhecido como Nonato, por quem é tiranizado, depois de tomar conhecimento de que Vossa Magnificência acredita na rapaziada, que segue em frente e segura o rojão, vem mui respeitosamente, no penúltimo dia do ano, expor e requerer o que segue:
 
1. O requerente acompanha de perto a vida da UNIPEM, cujos reitores só podem ocupar o cargo se enfrentarem um ritual de imolação, que consiste em passar toda a gestão furunfando com Branca Barreto de Moraes, a perua da Academia. A dita cuja acha que basta colocar uma esvoaçante peruca da Barbie pra voltar a ser adolescente. Por isso, cada vez que sai de cena, a trilha sonora ataca: “tempo, tempo, tempo, vou te fazer um pedido, tempo, tempo, tempo, entro num acordo contigo”. Não adianta, porém, o Caetano se esgoelar: o tempo não negocia rugas, panças, banhas e celulites.  
 
2. Esse sacrifício furunfático tem uma compensação: Vossa Magnificência vai herdar o relacionamento extraconjugal de seu antecessor João Pedro Herson Capri, vulgo Joca, mantendo um caso com Célia Renata Mara Sorrah. Ela também negocia com o tempo, fazendo caras e bocas – é verdade - mas os seus cabelos são, pelo menos, mais fáceis de acariciar, como sugere a música que toca quando ela aparece: “Agora você vem dizeeendo: adeus, o que foi que eu fiz pra que você me trate assim? Toda ternura que eu lhe dei, ninguém no mundo vai lhe ofertar. E seus cabelos, só eu sei como afagar”.
 
3. O requerente, exilado em Paris nessa mesma época, confessa nunca ter visto qualquer Francisco ou Fernando Macieira nas reuniões da Maison du Brésil, na Cité Universitarie, nem na livraria Maspero, nem na Gallimard, sequer vagabundeando pelo Quartier Latin. Não esqueceria jamais alguém que usasse esses óculos vermelhos, esses tênis de anta e essas gravatas coloridas, que lhe dão um ar de frango-de-macumba da encruzilhada do boulevard Saint-Michel com o Saint-Germain. Não é à toa que a Maria Rita canta: “Perfumei o corredor, defumei o elevador, pra tirar de vez o mau-olhado”.
 
4. Essa pinta de pantera-cor-de rosa, esse baquezinho de arco-íris, esse passado de esquerda de Vossa Magnificência pretende apresentá-lo como descolado e moderninho capaz de transformar, com idéias ‘novas’, uma espelunca, um cartório que comercializa diplomas, num centro de excelência. No entanto, Magnífico Reitor Macieira, isso é só um verniz para vender um modelo de universidade empresarial, cujo objetivo é apenas o lucro e não a formação de alunos, como sugere o prédio do campus inspirado no Shopping via Parque, da Barra da Tijuca. São coisas que eu sei, como canta Danni Carlos, são coisas que antes eu somente não sabia.
 
5. O minúsculo corpo docente com apenas quatro professores, entre os quais o esdrúxulo chefe do Departamento de Física, Heriberto Paulo Goulart, não dá conta do recado. Nenhum deles tem a menor idéia do que é uma universidade e do seu cotidiano, nem mesmo Rudolf Almeida, presidente do DCE, aquela caricatura de aluno que estragou a festa de posse de Vossa Magnificência. Aliás, ninguém viu até hoje qualquer professor ou qualquer aluno numa sala de aula, numa biblioteca ou num laboratório. O requerente sugere, portanto, a ampliação do corpo docente da UNIPEM e a formação de nova equipe administrativa, recrutando gente que está ao seu redor.
 
6. O requerente entende que Bárbara Betty Faria pode ser excelente chefe de gabinete. Guigui Gabriela, bicuda e plastificada, como pró-reitora de Extensão é garantia de que os favelados da Portelinha terão bolsas de estudo.  A Direção da Biblioteca Central pode ser ocupada por Narciso Marcos Tellerman Winter, aquele deputado fajuta, que não assiste a uma só sessão da Câmara. Com seu cabelo louro-periquito, que lhe dá uma aparência de mico-leão dourado, ninguém melhor que ele para esse cargo como, aliás, já demonstrou ao arrumar os livros de Vossa Magnificência. O quê? A UNIPEM não tem biblioteca? E daí? O deputado não faz mesmo porra nenhuma.   
 
7. O requerente indica ainda: Pro-Reitora de Graduação - Condessa Chocolate; Setor Financeiro - Marconi Ferraço; Jurídico - Barretão Stenio Garcia; Assessoria de Comunicação - Lenir Guida Viana; Prefeito do Campus - Juvenal Antena; Garagem – Geraldo Peixeiro; Manutenção – Antônio Otávio Augusto; bedel supervisora de toilete – Silvia Aline Moraes e Bandejão – Bernardinho Thiago Mendonça. Recomenda nomes para algumas diretorias de faculdades: Direito – Claudius Cornus Ciocler; Comunicação – Júlia Falabella; Ciências Sociais – Denise, dançarina da uisqueria, formada em sociologia; Educação Física – Alzira Flávia Alessandra e Química – Eri Zé da Feira.
 
8. O requerente tem ainda duas indicações extras. A primeira é a nomeação da bela Dália Leona Cavalli para trabalhar diretamente sob as ordens do Taquiprati, a tempo integral, com obrigação de digitar suas crônicas, pesquisar no google os personagens das novelas – o que dá uma enorme trabalheira - e fazer-lhe, nas horas de folga, um cafuné, enquanto Caetano esgoela: “tempo, tempo, tempo, entro num acordo contigo”. A outra indicação é Robério Braga, o Berinho, para a Pró-Reitoria de Cultura. Embora o dito cujo não seja personagem da novela, é um reconhecido canastrão, que não poderia ficar de fora dessa última crônica do ano.
 
9. O requerente informa que está enviando correspondência similar à magnífica reitora da Universidade do Estado do Amazonas, Marilene Corrêa, de quem é amigo, solicitando que na próxima reunião do CRUB – Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras – ela proponha o descredenciamento da UNIPEM, caso Vossa Magnificência não queira trocar esse visual de frango-de-macumba parisiense.
 
Diante dos fatos aqui expostos, requer:
 
1. Que Vossa Magnificência proponha, na próxima reunião do CRUB, que as Universidades Públicas adotem as regras de escolha do reitor da UNIPEM, com o objetivo de diminuir o número de candidatos do sexo masculino, sempre ávidos pelo cargo.
 
2. Que a UNIPEM adote o sistema de cotas, permitindo que Evilázaro Foguinho Ramos e os moradores pobres da Portelinha entrem nessa fábrica de diplomas. Esse será um grande golpe que Vossa Magnificência dará ao Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), criado pelo Governo Lula para aumentar as vagas para estudantes em instituições públicas.
 
Nestes Termos
P. Deferimento
 
P.S. – Boas Festas a todos os leitores. O resto é besteira. E nós estamos pelai...
 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

Nenhum Comentário